Bora lá! Um álbum GIGANTE da história recente do rock’n’roll planetário completa vinte anos de existência (adivinha qual e de que banda ele é?), e provoca muitas recordações no blogão zapper (com direito a diário sentimental repleto de putaria e dorgas, uia!); os festivais Porão Do Rock (em Brasília) e Vaca Amarela (em Goiânia) agitam a cena alternativa nacional entre agosto e setembro; uma entrevista EXCLUSIVA com o candidato a deputado federal pelo PV de São Paulo, André Pomba; e mais uma gracinha e graciosa musa rocker, novamente direto lá do extremo norte brazuca, wow! (post completão, com indicações culturais, roteiro de baladas no circuinto indie paulistano e tickets NA FAIXA pro show do Peter Murphy em Sampa! Nova atualização em 31/8/2014, contando o que tá rolando no Porão Do Rock, em Brasília)

As bandas gigantes do grande rock’n’roll (lá fora e aqui também), nas últimas duas décadas: o inesquecível britpop do Oasis (acima) comemora o vigésimo aniversário da obra-prima “Definitely Maybe”; já a Nação Zumbi (abaixo) vai balançar o público com seu set sempre fodaço neste final de semana em Brasília, durante mais uma edição do festival Porão Do Rock

**********

EXTRINHA DO FINDE, CONTANDO OS PRIMEIROS LANCES DO PORÃO DO ROCK 2014, QUE ESTÁ ROLANDO EM BRASÍLIA!

A primeira noite do sempre incrível festival Porão Do Rock (em sua edição 2014), em Brasília, foi beeeeem agitada. Shows indies fodões (como do duo The Baggios, que toca na próxima terça-feira DE GRÁTIS, na choperia do Sesc Pompéia, em São Paulo) e gigs FODÍSSIMAS da Nação Zumbi (yep, o novo disco deles funciona muito bem cima do palco e o maracatu da banda continua pesando várias toneladas de chapação sônica da melhor qualidade) e da baiana rocker (e amiga pessoal zapper) Pitty, que está magérrima e com a banda também afiadíssima on stage.

 

Nas imagens abaixo (registradas por Tainara Rezende), um pouco de como está o clima aqui em Brasília: momentos ao vivo e Finaski se encontrando com os amigos e o povo do rock (como Martin, guitarrista da Pitty, e os sempre queridos Érika Martins e Fred eternamente Raimundos).

 

Segue o finde. E começando a  noite do domingão do Porão, quando vai ter por lá Nevilton, Titãs, Marcelo D2, CJ Ramone, Raimundos e os caralho.

 

Noite boa por aqui, rockers. Depois voltamos nesse mesmo post e contamos maaaaais.

A grande festa do rock’n’roll rolando neste finde na capital do Brasil: a baiana Pitty (acima) encerrou a primeira noite do gigante festival Porão Do Rock (em sua edição 2014); abaixo, o jornalista maloker e eternamente rocker se encontra com seus amigos Fred (ex-batera dos Raimundos) e a cantora Érika Martins (que também está marcando presença com seu show no Porão)

**********

Vinte anos depois…

Onde você estava em agosto de 1994? Quantos anos você tinha? Aliás, você JÁ TINHA NASCIDO? São as perguntas que invadem a mente sempre curiosa de Zap’n’roll (afinal, a mente de qualquer jornalista é curiosa, senão não seríamos apaixonados por essa profissão fascinante) na madrugada aprazivelmente fria de quinta-feira em Sampa, quando estamos escrevendo o editorial que abre o postão desta semana destas linhas online. Yep, nosso presumivelmente jovem (e dileto) leitorado talvez fosse ainda um bebê (ou nem ainda tivesse nascido) há duas décadas, quando a Inglaterra começou a ser sacudida pelo furacão britpop. E quando o gigante Oasis lançou seu fenomenal álbum de estreia, “Definitely Maybe”, exatamente no dia 30 de agosto de 1994. Trata-se de um disco superlativo e emblemático em vários aspectos, não apenas da música em si mas da cultura pop planetária como um todo. E por ter essa importância monstruosa que decidiu-se por dar ao seu aniversário de vinte anos o tópico principal deste post, acrescido de um bacaníssimo diário sentimental (como há tempos não rola por aqui) onde o blogger sempre loker e saudosista relembra fatos que marcaram sua existência naquela época, e que obviamente foram vividos ao som da banda criada pelos irmãos Noel e Liam Gallagher. Além disso o mundo e o Brasil mudaram muito em duas décadas. Em 1994 não havia internet, telefones celulares, notebooks, tablets, redes sociais. A MTV engatinhava no Brasil, a cobertura de assuntos relacionados à cultura pop começava a ficar mais ou menos ostensiva em revistas semanais e em jornais diários. O país, ainda novato respirando ares plenamente democráticos, se preparava para sua segunda eleição presidencial pelo voto direto. E 1994 foi o ano em que o Brasil ganhou sua nova moeda, o Real. Passados vinte anos de tudo isso, há de se perguntar: quais foram os ganhos e perdas de todos nós nesse período? Onde o mundo e a nação brasileira avançou ou retrocedeu? O comportamento e a sociedade melhoraram ou pioraram? Hoje tem-se acesso à tecnologia de última geração. Internet ao alcance de todos. Redes sociais. Celulares de ponta com whatsapp e os caralho. E no entanto o mundo como um todo parece estar cada vez mais conservador e moralista. A política brasileira parece estar cada vez mais negra e sem reais opções de novas, confiáveis e dignas lideranças que de fato mostrem que é possível ser político HONESTO e trabalhar de verdade em prol do avanço e da modernização do Estado brasileiro em todos os aspectos. E a cultura pop e a música, aqui e lá fora também, parecem cada vez mais empobrecidas de ideias, quando não totalmente emburrecidas. Tanto é que os últimos suspiros de genialidade absoluta na música pop e no rock talvez tenham vindo mesmo das bandas que surgiram no início dos anos 90’, como Nirvana nos Estados Unidos, e Oasis e Blur na Grã Bretanha. Yep, vinte anos depois o mundo e o Brasil mudaram muito e em velocidade espantosa. E se hoje há avanços geniais por um lado e retrocesso lamentável por outro, nada melhor do que recordamos de um tempo recente onde ainda se fazia gigante rock’n’roll no mundo. Um tempo de bandas como o Oasis e de discos como “Definitely Maybe”. E é por isso, pra ter essas recordações, que falamos hoje com tanto destaque e tanto carinho de um dos últimos grandes nomes desse sempre apaixonante tal de rock’n’roll.

 

 

* Dessa vez demorou um pouco pro postão novo chegar mas cá estamos, néan. Em plena terça-feira da semana em que o primeiro e hoje clássico disco do Oasis chega às suas duas décadas de existência. E o blogón continua fodón na audiência, hihihi: mais de 210 likes no post anterior, além de 95 comentários. Melhor, como sempre falamos, impossível.

 

 

* E a madrugada de terça-feira foi de discos vazando na internet, pois não? Primeiro veio o álbum cheio da Banda do Mar, formada por Marcelo Camelo, Mallu Magalhães e o músico português Fred Ferreira. O blog está ouvindo nesse momento e está achando ok, por enquanto: menos MPB que Los Hermanos e com guitarras mais rockers, além de boas melodias. Yep, estas linhas online sempre curtiram o trabalho composicional do Camelo, e sempre tiveram BIRRA da malinha Mallu (desde que ela falou mal de graça do jornalista zapper, anos atrás). Mas como sabemos separar o lado pessoal do artista em si, por enquanto podemos dizer que o disco homônimo de estreia do trio é bacana. Mas tire você mesmo sua conclusão ouvindo o dito cujo aí embaixo.

 

 

* E além da Banda do Mar, também apareceu na web “El Pintor”, o quinto álbum de estúdio do pós punk nova-iorquino Interpol, que já está na ativa há quase duas décadas. O disco será lançado oficialmente no próximo dia 8 de setembro e o Interpol segue como um trio, com Paul Banks assumino o baixo (além de cantar), e mantendo ainda Daniel Kessler nas guitarras e Sam Fogarino na bateria. O primeiro single do novo trabalho, “All The Rage Back Home”, é ok e a torcida é pra que o cd completo (que o blog ainda não ouviu) seja bacanudo também.

 

 

* Showzaço lindo fez o sorocabano Wry no último sábado à  noite, na Casa do Mancha em Sampa. Um dos nomes mais lendários do indie guitar rock nacional, o quarteto do vocalista Mario Bros revisitou toda a sua longa trajetória (de mais de quinze anos) para um público não muito numeroso mas total entusiasmado e feliz por ver novamente a banda em ação no palco. Aí embaixo você confere um momento do show e também o encontro do vocalista do Wry com o jornalista Finaski, em imagem registrada pelo super fotógrafo rock’n’roll Fabrício Vianna.

 O super Mario Bros (acima) manda pau na guitarra e solta a voz no showzaço do Wry em Sampa, no último finde; e abaixo posa ao lado do blog (em foto do gênio das lentes Fabrício Vianna); em novembro a banda volta para gigs em Sampa, no baixo Augusta

 

* E só pra lembrar: no próximo dia 6 de setembro a rua Augusta (em sua parte da região dos Jardins, na zona sul de Sampa) vai literalmente TREMER com esse festão aê embaixo. Vai perder???

 

* O PRÊMIO DYNAMITE DE MÚSICA INDEPENDENTE 2014 JÁ ESTÁ COM SUA VOTAÇÃO ABERTA! – já há uma década se mantendo como uma das premiações musicais mais importantes da cena musical independente brasileira, o Prêmio Dynamite de Música Independente lançou sua edição 2014. São vinte e duas categorias disputando os troféus e a votação, que pode ser feita até o próximo dia 20 de setembro, já está aberta em http://www.premiodynamite.com.br/. A graaaaande surpresa nas indicações este ano – vejam só vocês, diletos leitores zappers – é a presença do autor deste blog, que está concorrendo na categoria PERSONALIDADE, wow! Então, quer quiser votar no sujeito aqui, bora lá! Finaski agradece, hehe.

Zap’n’roll (de cabelón vermelhón, uia!) ao lado de Pitty, durante a cerimônia de entrega do Prêmio Dynamite em 2003 (há onze anos…): o jornalista concorre na premiação deste ano, na categoria “Personalidade”

 

* Prince anunciou que vai lançar DOIS álbuns de uma vez no próximo dia 29 de setembro. A pergunta que não quer calar: alguém ainda se importa com ele?

 

 

* Com o Oasis o blog e muita gente ainda se importa, com certeza. Basta ler aí embaixo pra saber por que.

 

 

OASIS – DEFINITIVAMENTE (E NÃO TALVEZ) A ÚLTIMA GRANDE BANDA DO ROCK’N’ROLL

Noel e Liam. Liam e Noel. Quando os manos Gallagher fundaram o Oasis em Manchester (cidade ao norte da Inglaterra, a cerca de 400 quilômetros de Londres), em 1991 (na verdade o vocalista Liam fundou a banda; o guitarrista Noel, cinco anos mais velho do que o caçula, entrou meses depois), eles não sabiam que iriam mudar muito em breve os rumos do rock mundial de então. Mas previam isso: em sua eterna arrogância e prepotência, a dupla sabia que era boa o suficiente para gravar alguns dos discos mais espetaculares que seriam lançados ao longo da década de 90’. E assim foi: “Definitely Maybe”, a estreia do Oasis em disco e que foi lançado em 30 de agosto de 1994 (portanto, ele estará completando vinte anos de existência daqui a uma semana), é hoje um clássico imbatível da história recente da música e da cultura pop. Não apenas lançou as bases do chamado britpop; também embalou toda uma geração ao som de obras-primas do rock inglês como “Rock’n’roll Star”, “Live Forever”, “Supersonic”, “Cigarettes & Alcohol”, “Slide Away” etc, etc, etc. E continua embalando até hoje.

 

O Oasis era a banda perfeita, na hora certa e no lugar certo. Músicas fodonas, melodias ao mesmo tempo pop/radiofônicas mas também total rockers, com a guitarra incomparável de Noel tecendo riffs e levadas que pareciam saídas diretamente dos anos 60’, de algum disco clássico dos Beatles. Junte-se a isso o ótimo vocal de Liam e um grupo com músicos competentes na medida pra se gravar um grande disco e segurar total a onda ao vivo e pronto: o mundo podia esquecer o grunge deprê de Seattle e reverenciar seus novos ídolos da Velha Ilha.

A estreia fodástica e sensacional do grupo dos manos Gallagher, há 20 anos: não se fazem mais discos assim hoje em dia no rock’n’roll

 

“Definitely Maybe” foi aclamado pela crítica e pelos fãs. Disparou nas paradas – até hoje deve ter vendido algo em torno de sete milhões de cópias. Só foi superado pelo segundo trabalho do conjunto, o também monstro “(What’s The Story) Morning Glory?”, que tem a obra-prima e lindíssima balada “Wonderwall” (que se tornou hino das torcidas de futebol nos estádios ingleses), e que vendeu mais de quinze milhões de cópias. Depois desses dois álbuns espetaculares e de ter se tornado a banda número um do Reino Unido o Oasis deitou na cama e relaxou: lançou três discos não mais que medianos. Mas terminou sua trajetória (após zilhões de paus homéricos e lendários entre os irmãos Noel e Liam) novamente de forma irrepreensível, com os fodásticos “Don’t Believe The Truth” (lançado em 2005) e “Dig Out Your Soul” (editado em 2008). Um fim ultra digno para uma banda que até hoje deixa mega saudades nos fãs. E que bem poderia se reunir novamente para mostrar ao mondo pop insípido de hoje o que fazer rock de verdade, com garra, coração e sangue fervendo nas veias.

 

Mas enquanto essa possível (yep, nada é impossível nessa vida, néan?) reunião não acontece, os manos seguem cada um na sua. Noel com sua carreira solo (e que rendeu até o momento um discaço de estreia), Liam com o seu Beady Eye. Mas quem sabe em breve eles não resolvem fazer as pazes e saem juntos pelo mundo afora, para mostrar novamente pra molecada de hoje a magia inesquecível que existia e ainda existe por trás de um disco como “Definitely Maybe”, e que existe também por trás de uma lenda gigante do rock. Sonhar nunca é demais, não é mesmo?

 

 

DIÁRIO SENTIMENTAL – PUTARIA, COCAINE, JACK DANIEL’S, FODA INESQUECÍVEL (E TRAÍRA) E SHOWZAÇOS DO OASIS NA VIDA DO JORNALISTA LOKER

Era 1993 e o então jornalista ainda jovem, junkie e recém-separado da mãe de seu filho, estava dividindo um apê com o bom e velho amigo Felipe, na avenida 9 de julho, centrão eternamente total loker de Sampalândia. Ali, acomodado em um pequeno quarto com armário, mesa de trabalha, uma máquina de escrever portátil (ah, os tempos românticos onde ainda não existiam computadores de mesa, notebooks, internet e redes sociais… o ser humano era talvez menos infeliz do que é hoje…) e cercado por centenas de discos de vinil, o zapper continuava atuando no jornalismo musical: havia começado a escrever para a revista Dynamite e algum tempo depois se tornaria repórter de música da poderosa Interview, uma das publicações mensais mais influentes da imprensa brazuca de comportamento e celebridades daquela época.

 

E o blog lembra muito bem como conheceu o tal Oasis, que estava começando a ser mega falado pela rock press britânica. Morando colado ao Bixiga (bairro italiano paulistano, famoso pela sua agitada vida cultural noturna e pelas excelentes pizzarias e casas de massas), o zapper fazia frequentes visitas ao apartamento do célebre amigo, produtor, músico, vj e cantor Kid Vinil, que morava por perto. E foi numa dessas visitas que Kid, animadão, mostrou um Ep que havia acabado de trazer de sua última viagem a Londres, dizendo: “Finatti, esses caras vão salvar o rock’n’roll! A banda se chama Oasis. A música é sensacional, se chama ‘Supersonic’”. E era mesmo: uma levada “beatle” na melodia e com guitarras fodonas. Vocais idem. Na Inglaterra não se falava em outras banda. Ao pedido do amigo jornalista rocker, Kid gravou uma fitinha cassete com o Ep e Finaski voltou pra casa feliz com a nova aquisição/novidade.

 

Começava ali um caso de amor com Oasis que dura até hoje. Nos anos seguintes o grupo formado pelos manos Gallagher em Manchester, em 1991, também se tornou conhecido no Brasil. Lançou alguns álbuns espetaculares (especificamente as duas primeiras obras-primas e os dois discos finais, antes de tudo acabar também no final de agosto de 2009, quando Noel e Liam quebraram o pau definitivo num camarim, minutos antes de o conjunto subir ao palco para encerrar a programação de um festival gigante na Espanha; a gig, óbvio, foi pro saco e os quase trinta mil presentes ficaram chupando o dedo…), vendeu alguns milhões de cópias e se tornou talvez a banda inglesa mais importante dos anos 90’ e um dos últimos grandes nomes da história recente do rock’n’roll planetário. E o jornalista eternamente loker/rocker foi acompanhando tudo isso com devoção pessoal e também profissional: em meados de 1996 o Oasis já era bem conhecido também em terras brazucas, quando a lindíssima “Wonderwall” começou a tocar sem parar nas rádios. Foi então que o autor destas linhas saudosistas e sentimentais sugeriu ao seu eterno amigo, irmão e “editador” da revista Dynamite, o hoje super dj e candidato a deputado federal André Pomba, que colocássemos o quinteto britânico em matéria de capa na próxima edição da publicação. Sugestão aceita, o Oasis estampou a edição da Dynamite lançada em novembro de 1996. Foi a primeira revista de rock brasileira a fazer isso.

O inesquecível e gigante Oasis sempre presente na história de vida de Zap’n’roll, na última década e meia: acima a credencial zapper utilizada no show da banda em março de 1998, em São Paulo; abaixo, o jornalista rocker e sua queridaça amiga Jaqueline Pereira (de Cuiabá), no meio da muvuca da pista durante a gig do conjunto em maio de 2009, também em Sampa

 

Nessa época o zapper maluquete morava na célebre kitchnete da avenida 9 de julho, centrão junkie total de Sampalândia. E naquela kit absolutamente tudo acontecia: todos os findes alguma turma de amigos do jornalista maloker se reunia ali, para fazer o “esquenta” para alguma balada pelas redondezas (já que o prédio onde estava localizada a house do blogger doidón era próxima do casarão do Madame Satã e também do Espaço Retrô, além de outros muquifos rockers menos conhecidos na região central da capital paulista). Eram sessões intermináveis de aspiração de cocaine, degustação de maconha e beberanças de destilados (com destaque especial para o Jack Daniel’s) e trepação (claro!), tudo acompanhado de trilha rock’n’roll, claro. E quem sempre frequentava esses “esquentas” era a linda e gostosa Fabiana N. Fabi era assim: peituda, rosto de prinesa safada, muito inteligente, bem loka, do rock. Formada em designer gráfico, ficou amiga de Zap’n’roll porque ela e o autor deste blog possuíam vários bons amigos em comum. E então ambos se aproximaram. E tal qual o jornalista eternamente em busca de um grande amor, Fabiana não dava sorte nessa procura: naquela época, apesar de razoavelmente bem sucedida profissionalmente, ela namorava com o Fermando. Que apesar de ser também “amigo” do jornalista (mais “colega” de balada do que amigo de verdade, vamos assumir), era a tranqueira em pessoa: de baixa instrução (tinha estudado apenas até a quinta série do ensino fundamental), não fazia nada na vida. Pra Fernando, o mundo se resumia a cheirar cocaína, beber e passar as madrugadas dançando rock alternativo em algum porão alternativo de Sampa.

 

Fabiana estava com o sujeito por pura carênfia afetiva, provavelmente. E começou a “dar mole” pro autor deste blog. Ela sempre ia na kit da 9 de julho e pedia pro sujeito aqui colocar “Wonderwall”, do Oasis (ahá!), pra dupla ouvir. “Essa música é a sua cara”, ela dizia. E Fabi, a sempre gostosa Fabi começou a escancarar que queria “algo” com o jornalista trintão e fã de Oasis. Uma noite ela combinou de se encontrar com ele no bairro de Pinheiros, pra ambos irem tomar algumas brejas por ali após o blogger cafajeste encerrar seu dia de trabalho na redação da Dynamite. A garota passou lá de carro, pegou Zap’n’roll e os dois foram tomar algumas em algum boteco ali próximo. Papo vai, papo vem, o álcool começou a “subir” na cabeça de ambos, até que o zapper intimou: “vamos lá pra casa!”. Fabi topou sem oferecer nenhuma objeção. E quando o casal entrou no carro, já começaram os beijos de língua. Na kit então, a noite e madrugada foram de trepada e puatria monstro (em plena segunda-feira), com a peituda e XOXOTUDA Fabiana dando com gosto, tal qual uma putaça no auge do cio. A cena inesquecível: ela de costas pro jornalista canalha, sentada sobre ele e com a boceta ENTERRADA em sua pica grossa, subindo e descendo vagarosamente e rebolando da forma mais ordinária possível. Até que em determinado momento ela deu uma volta completa com o seu corpo e se virou de FRENTE pro macho que a estava fodendo. E fez esse movimento SEM TIRAR o pau da sua boceta cadeluda. Logo a porra jorrou na sua boca. Ambos adormeceram em seguida e Fabiana foi embora na manhã seguinte, preocupada. “O Fernando não pode saber disso”, ela disse. “Por mim é que ele não ficará sabendo”, retrucou o blogger sem vergonha, que tinha acabado de colaborar para que seu “colega” cornudo levasse um chifre gigante da namorada.

 

Meses depois Fabi acabou largando de vez do tranqueira. E também perdeu o contato com o autor deste diário canalha. O jornalista seguiu curtindo Oasis: viu o show deles quando a banda tocou pela primeira vez no Brasil, em 1998 (na mesma noite em que o Retrô fechou suas portas para sempre). E onze anos depois, em maio de 2009, assistiu mais uma vez a banda ao vivo, na arena Anhembi. Foi quando o blog, embora estivesse namorando em Sampa, já estava com a cabeça beeeeem longe, perdido de amor que estava por uma garota em Macapá, no extremo norte brasileiro. Exatamente como está agora novamente perdido de amor e na mesma Macapá, e isso parece um karma na vida do hoje coroa rocker e sentimental. Sendo que a loira em questão também adora… Oasis. Ou seja: o grupo dos irmãos Gallagher fez parte total da existência de Zap’n’roll. E pelo jeito ainda vai continuar fazendo por alguns (ou muitos, vai saber…) anos.

 

 

OASIS AÍ EMBAIXO

Em três vídeos clássicos da estreia do grupo (para as músicas “Rock’n’roll Star”, “Live Forever” e “Supersonic”) e também no link pra você ouvir “Definitely Maybe” na íntegra.

 

 

 

 

 

É TEMPO DE FESTIVAIS – PORÃO DO ROCK 2014

O rock toma conta da capital do Poder (e também da corrupção e da bandidagem sem fim) no próximo final de semana, quando o estacionamento do estádio Mané Garrincha, em Brasília, recebe mais uma edição do festival Porão do Rock.

 

Um dos principais eventos do gênero no Brasil e já com duas décadas de existência, o PDR 2014 terá alguns headliners bacaníssimos, como a hoje clássica Nação Zumbi e ainda Titãs (cujo show do novo disco recebeu elogios na Folha online do confiável jornalista Marco Canônico), Cavalera Conspiracy, Ratos De Porão, Raimundos, Pitty etc. Além destes, claro, haverá uma renca de bandas indies legais se apresentando também, como o duo The Baggios lá de Aracaju.

 

Zap’n’roll estará em Brasília acompanhando de perto o festival. E para quem vai ou não, aí embaixo a programação completa do Porão Do Rock deste ano:

 Os Titãs são uma das principais bandas que irão se apresentar no festival Porão Do Rock 2014, neste final de semana em Brasília

 

DIA 30/8 (Sábado)

 

PALCO UNICEUB

17h – Arandu Arakuaa (DF)

18h20 – Scalene (DF)

19h40 – Dillo (DF)

21h15 – Jota Quest (MG)

0h05 – The Baggios (SE)

1h25 – Pitty (BA)

 

PALCO CHILLI BEANS

17h40 – Casacasta (DF)

19h – Far From Alaska (RN)

20h20 – Brothers of Brazil (SP)

22h40 – Nação Zumbi (PE)

0h45 – Madrenegra (DF)

 

PALCO BUDWEISER

18h – Seconds of Noise (DF)

18h50 – Suicídio Coletivo (DF)

19h40 – Facada (CE)

20h30 – Terror Revolucionário (DF)

21h20 – Ratos de Porão (SP)

22h50 – The Evil Rock (DF)

0h10 – André Matos (SP)

 

 

DIA 31/8 (Domingo)

 

PALCO UNICEUB

17h – Adriah (DF)

18h20 – Zignal (DF)

19h40 – Érika Martins (RJ)

21h40 – Titãs (SP)

23h40 – Marcelo D2 (RJ)

 

PALCO CHILLI BEANS

17h40 – Dona Cislene (DF)

19h – Nevilton (PR)

20h30 – CJ Ramone (EUA)

23h – Trampa (DF)

1h – Raimundos (DF)

 

PALCO BUDWEISER

 

18h – Amnon (DF)

18h50 – Penúria Zero (DF)

19h40 – Ação Direta (SP)

20h40 – Detrito Federal (DF)

21h40 – Project 46 (SP)

22h40 – Bruto (DF)

23h30 – Cavalera Conspiracy (EUA)

 

* Mais sobre o PRD, vai aqui: http://www.poraodorock.com.br/. E também aqui: https://www.facebook.com/poraodorockpdrfestival/timeline.

 

 

É TEMPO DE FESTIVAIS, II – VACA AMARELA 2014

Outro festival que também anunciou sua programação para este ano é o Vaca Amarela, que já acontece há mais de uma década em Goiania. E a parada deste ano rola entre 13 e 14 de setembro no Music Hall, na capital de Goiás. Serão cinquenta e uma atrações no total.

 

O que chama a atenção nessa bolada de shows são os headliners: a cantora paulistana Céu, o rapper Criolo (também de Sampa) e a rapper (também de São Paulo) Flora Matos. Ou seja: apesar de contar com dezenas de bons grupos de indie rock em seu line up, o VA deste ano preferiu priorizar em seu espaço mais nobre (os artistas que fecham cada noite de programação) nomes da nova mpb e do hip hop nacional. Se isso significa ou não alguma coisa (ruim?) para a turma rocker do festival, só a produção pode responder. De qualquer forma ter a trinca Céu/Flora Matos/Criolo como atrações principais sinaliza também que o Vaca deve estar com uma verba polpuda. Afinal, com todo o respeito ao queridão João Lucas (dileto amigo destas linhas online e produtor-chefe do VA), mas todo mundo sabe que ele, Joãozinho, deveria se LIVRAR de gente NEFASTA que o ajuda a organizar o festival. Gente conhecida em Goiânia como Diabon Bacon (pela sua gordura mal cheirosa) e que já foi defenestrada de uma gravadora independente de respeito justamente pelo seu alto teor de pilantragem quando sai em busca de “amealhar” recursos para algum evento, acharcando o bolso público e fazendo sabe-se lá o quê com a verba arrecadada. Pois é…

 

Mas enfim, segue abaixo a programação do Vaca Amarela 2014:

A ótima e linda cantora Céu (acima) e o rapper Criolo (abaixo): headliners bacanas do festival Vaca Amarela 2014; mas pelo jeito o evento se esqueceu de priorizar o rock…

 

12/09 (Sexta)

01:00 Céu(SP)

00:00 Boogarins

23:30 Banda Uó

23:00 Shotgun Wives

22:30 Catavento(RS)

22:00 Carne Doce

21:30 Maglore(BA)

21:00 Tonto

20:30 Rios Voadores (DF)

20:00 Bruna Mendez

19:30 Fernando Manso

19:00 Lust For Sexxx

18:30 The Crooked Lines

18:00 Gutto Sansaloni

 

13/09 – (Sábado)

01:00 Flora Matos

00:00 Overfuzz

23:30 Di Melo(PE)

23:00 Passarinhos do Cerrado

22:30 Calango Nego

22:00 Far From Alaska (RN)

21:30 Beavers

21:00 The Ander´s

20:30 Hell Oh! (RJ)

20:00 Boca Seca

19:30 Bang bang Babies

19:00 Mad Matters

18:30 Oblongs (Trindade)

18:00 Caffeine Lullabies

17:30 The Galo Power

17:00 Tati Ribeiro

16:30 La Morsa (Anápolis)

16:00 Components

 

14/09 – Domingo

23:00 Criolo(SP)

22:30 Kamura

22:00 MUGO

21:30 Aurora Rules

21:00 Haikaiss(SP)

20:30 Dogman

20:00 Faroeste

19:30 Patrick Horla

19:00 Girlie Hell

18:30 Monster Coyote(RN)

18:00 Cherry Devil

17:30 Sã Consciencia

17:00 Entre os dentes

16:30 Impeto

16:00 OFF 1984

15:30 Distorce

15:00 Volúpia de Baco

 

 

BLOGÃO ZAPPER NA POLÍTICA: UM BATE-PAPO COM O CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL ANDRÉ POMBA

Não é de hoje que o super dj, jornalista, músico, produtor e agitador cultural André Pomba está envolvido com política. Durante mais de vinte anos ele pertenceu aos quadros do PSDB em São Paulo. Descontente com a atuação do Partido em várias questões Pomba saiu dele em 2013 e se filiou ao Partido Verde, por onde está concorrendo a uma vaga de deputado federal por São Paulo nas eleições de outubro próximo.

 

André Pomba nasceu há meio século na capital paulista. Já foi baixista de banda de thrash metal nos anos 80’, idealizou e fundou uma revista de rock (a Dynamite, que não existe mais em sua versão impressa mas se transformou em um dos portais de cultura pop mais acessados do Brasil, e que pode ser lido em www.dynamite.com.br), foi dono de casa noturna, criou uma Ong (A Associação Cultural Dynamite, da qual é presidente) e há quinze anos é um dos djs mais conhecidos e bem pagos da noite paulistana. Gay assumido, sempre batalhou pela cena cultural alternativa e também pelos direitos da nação GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros). E também pela legalização das drogas, do aborto, pelo fim do serviço militar obrigatório e muitos outros temas que a maiora da conservadoríssima e corrupta raça política brasileira passa longe de debater e apoiar, minando as esperanças de quem quer ver o Brasil avançar com urgência em questões sociais tão importantes.

 

Zap’n’roll e Pomba se conhecem há mais de vinte anos e o dj é talvez o melhor e mais próximo amigo do autor destas linhas online. Assim e com uma plataforma política tão bacana, nada mais natural que o blog fosse ouvir o que o candidato tem a dizer sobre sua ideias e sobre o que ele pensa do atual momento político nacional. Aí embaixo então você pode conferir os principais trechos de um longo bate-papo, realizado anteontem pelo Facebook.

O candidato a deputado federal pelo PV de São Paulo, André Pomba: dj, jornalista, músico, produtor e agitador cultural batalhando há mais de vinte anos pela cena independente

 

 

Zap’n’roll –  Você tem um longo histórico não apenas na militância política mas também na atuação na cena cultural, musical e jornalística independente em São Paulo. Já foi músico (baixista), integrante de grupo de rock na juventude, dono de casa noturna, fundou uma revista de rock (a Dynamite), um site (com o mesmo nome) e também uma Ong. E também é um dos mais conhecidos djs da noite paulistana. Mesmo assim, desenvolvendo tantas atividades, uma grande parcela do eleitorado paulista obviamente não o conhece. Para esses, como você vai se apresentar? Como vai mostrar seu histórico pessoal e profissional, além de sua plataforma política?

 

André Pomba – Óbvio que é difícil se fazer uma campanha sem ter muitos recursos. Sou relativamente conhecido no meio alternativo paulistano, seja do rock, seja do meio LGBT. Mas transpor fronteiras é o meu desafio, por isso estou buscando fazer uma campanha fortemente ideológica, para ver se amplio meu público, através da publicização dos projetos que irei defender em meu mandato.

 

Zap – Certo. E você está divulgando onde e como sua trajetória pessoal e profissional e sua plataforma de atuação política?

 

Pomba – No meu site político, http://www.andrepombapv.com.br/ tem a minha biografia http://www.andrepombapv.com.br/index.php/biografia e as diretrizes do que pretendo defender se for eleito http://www.andrepombapv.com.br/index.php/propostas

 

Zap – O que nos leva frontalmente a questão da sua atuação partidária. Você esteve filiado ao PSDB por duas décadas. No ano passado saiu do tucanato e entrou para o PV, onde se lançou candidato nas eleições de outubro vindouro. Qual o motivo da mudança, afinal?

 

Pomba – Me filiei ao PSDB em 1990 aonde fiz parte de juventude do partido e por entender que na época a posição social democrata, de centro-esquerda era um novo formato de política, ainda dividida entre direita e esquerda. Saí em 1994, quando disse que não admitiria uma coligação entre PSDB e PFL paa eleger FHC. Depois disso continuei filiado, mas não mais participava do partido. Virei independente, tanto que apoiei Ciro Gomes em 98, Marta em 2000, Lula em 2002… Retornei ao PSDB em 2008, a convite dos núcleos de cultura e de diversidade sexual para uma atuação mais segmentada, mas a divisão do PSDB já naquele ano, com a parte Serrista fazendo campanha pro Kassab, me fez perceber que o partido não era mais o mesmo. Veio as campanhas de 2010 e 2012 e me desgastei profundamente com o conservadorismo assolando o partido. Aí meu saco estourou e decidi ir para um partido que realmente pudesse implementar tudo o que penso e o Partido Verde, se reencontrando após o período tenebroso com a Marina, foi o que mais me fez sentir firmeza politicamente.

 

Zap – Qual a sua visão do atual quadro político estadual e nacional? É muito claro que há uma má gestão do país na esfera federal, com problemas surgindo em vários setores (na Economia, Educação, Saúde etc.). No entanto, em São Paulo a péssima gestão do atual governo do PSDB também está provocando estragos enormes. Haja visto a ameaça de colapso no abastecimento de água, a violência praticada por uma polícia truculenta e mal preparada etc. Então eu queria que você desse sua opinião sobre tudo isso.

 

Pomba – Eu concluí uma faculdade de gestão pública recentemente. Pude analisar políticas públicas, econômicas, gerenciais e falando como expert e não como ex-partidário, a administração federal é infinitamente pior que a estadual em termos de gestão. A crise hídrica é grave e foi mal prevista pelo governo de São Paulo, mas não tem como comparar com o péssimo gerenciamento da admnistração federal. Podemos aqui passar a noite toda dando exemplos de erros do governo Dilma Rousseff. A própria destruição da Petrobras, do aumento absurdo da dívida interna, deterioração das contas públicas, são exemplos do descalabro deste governo em termos macroeconômicos. Se formos entrar então no quesito obras incompletas e superfaturadas, não paramos mais…

 

Zap – Ok. Só que é muito óbvio que o PV não tem condições, no plano da candidatura presidencial do partido, de chegar ao segundo turno. Se hipoteticamente o candidato Eduardo Jorge fosse para o segundo turno e conseguisse se eleger presidente, você acha que ele faria algo melhor pelo país do que estamos vendo nesse momento?

 

Pomba – Não tenho dúvidas que Eduardo Jorge é o candidato mais preparado e com propostas mais ousadas para uma mudança real de paradigma político no Brasil. Não falo só por sua defesa pela legalização da maconha, aborto, direitos LGBT, mas também por suas propostas de reforma políticas que incluem o fim do Senado, redução do número de deputados, redução dos cargos em comissão, dos ministérios… Poucos sabem que ele foi duas vezes secretário municipal de Saúde e duas vezes do meio ambiente, com gestões revolucionárias e eleogiadíssimas.

 

Zap – Fim do senado, legalização do cultivo e comércio de maconha, do aborto, fim do serviço militar obrigatório… não é uma plataforma um tanto revolucionária, utópica e moderna demais para um país que está se tornando socialmente cada vez mais conservador, além de enfrentar o avanço crescente da religião evangélica, uma das mais conservadoras que existem?

 

Pomba – Basta olhar o exemplo do que tem sido feito no Uruguai recentemente. Claro você pode alegar que o Uruguai é um país pequeno, culturalmente mais avançado que o nosso. Mas eu canso de ouvir que o Brasil não está preparado pra avançar. Tem sido assim desde o fim da escravidão, voto das mulheres, divórcio… Os fundamentalistas diziam que o beijo gay na novela iria acabar com a família brasileira… Acabou? Veio um novo dilúvio? Não! Então sem algum tipo de confronto não tem condições de ter mudanças. A culpa do retrocesso político e conservador que vivemos hoje é única e exclusivamente do PT e de Dilma Rousseff. Para se perpetrar no poder, fazem de tudo. Isso que temos que acabar.

 

Zap – Caso seja eleito deputado federal, como você pretende atuar em favor da cultura alternativa (rock em particular) já que você tem um histórico de anos como agitador e produtor cultural na cena independente?

 

Pomba – Precisamos nos unir novamente para propor um circuito nacional que as bandas possam circular por todo o Brasil. Que tenham mais espaço para tocar, principalmente nos centros culturais públicos. Que possam ter incentivo para ter melhores estúdios e instrumentos pagando menos, para criar um fomento que possibilite uma economia rock’n’roll vigorosa como era antes. Que tenham mais espaço para mostrar seu trabalho, TVs, rádios, sites etc. Enfim, não acho justo que as verbas culturais e por incentivo fiscal em nosso país sejam consumidas pelos grandes produtores e artistas globais. Vou lutar por mais verbas para a cultura e priorizar que a cultura alternativa tenha espaço nas políticas públicas.

 

Zap – Ótimo. Então, para encerrar, queremos saber qual será seu voto no segundo turno, nos seguintes cenários: Dilma X Aécio; Dilma X Marina Silva; Aécio X Marina. Aliás até que ponto a inesperada candidatura de Marina (em função da morte de Eduardo Campos) altera o quadro político sucessório?

 

Pomba – Só votaria na Dilma na hipótese do Pastor Everaldo do PSC chegar ao segundo turno com ela, ou seja votaria em Aecio e Marina contra ela. Se tivermos um segundo turno entre Aecio e Marina, teria muitas dúvidas para analisar. Principalmente saber com quem cada um irá se cercar no segundo turno em busca de apoios. Isso sim iria definir o meu voto. Considero que a re-entrada da Marina no páreo é benéfica para a política brasileira, pois ela foi alijada da disputa por conta da pressão do PT e seus tentáculos na Justiça, pois a Rede teve muito mais dificuldades do que partidos como Pros, Solidariedade e PSD que mesmo com muitas irregularidades, tiveram seu registro aprovado pelo TSE.

 

 

MUSA ROCKER DA SEMANA – LÁ DO AMAPÁ, A GRACIOSA CLARA HELENA

Nome: Clara Helena.

 

Idade: 18 anos.

 

De onde: Santana (Amapá)

 

Mora em: Macapá (capital do Amapá).

 

Três bandas/artistas: Florence & The Machine, Beirut e Chico Buarque.

 

Três discos: “A tempestade ou O Livro dos Dias” (Legião Urbana), “O papa é pop” (Engenheiros do Hawaii) e “Ultraviolence” (Lana Del Rey).

 

Três filmes: “Frozen”, “A Laranja Mecânica” e “O senhor dos anéis”.

 

Três livros: “Um dia” (David Nicholls) “O Diabo dos Números” (Hans Magnus Enzensberger), “Assasins Creed: Brothehood” (Oliver Bowden).

 

O que o blog tem a falar sobre a Clarinha: uma das amigas mais fofas que este espaço virtual rock’n’roll tem atualmente na capital do Amapá (onde na verdade estas linhas online tem dezenas de ótimos amigos, além de uma nova paixão gigante por lá), embora ainda a conheça apenas virtualmente, rsrs. Mas Clara é tudibom: ótima de papo, inteligentíssima (está cursando Física na Universidade Federal do Amapá) e do rock – tanto que além dos artistas citados por ela mesma, o blog zapper também sabe que a garota ama Arctic Monkeys e Vanguart.

 

Então curtam aí embaixo as fotos da nossa musa desta edição, em imagens feitas e produzidas pela Tainara Rezende.

Gata rocker do Norte cheia de amor pra dar!

Cabelo em fogo, sempre!

 

Yep, ela é do rock!

 

**********

O BLOGÃO ZAPPER INDICA

* Disco: nem há o que discutir, néan. Em semana de nenhum lançamento digno de nota no pop/rock planetário (ok, como já foi dito aqui mesmo no postão, mais acima, o novo do Interpol já caiu na internet, mas ainda vamos ouvi-lo pra comentar o que achamos), nada melhor do que re-ouvir “Definitely Maybe”, a obra-prima do Oasis e que completa vinte aninhos de existência no próximo sábado, dia 30.

 

* Banda: novo trio indie guitar rock surgindo em Sampalândia. É o Stereolicks, formado pelo vocalista e compositor CJ, pelo baixista Kenny e pelo baterista e tecladista Erik. O grupo, novíssimo, acabou de lançar um ep de quatro faixas, onde escancara seus eflúvios que vão do rock mais cru e direto (e mezzo glam) dos Manic Street Preachers e Placebo, ao experimentalismo do Radiohead. Embora não haja uma unidade estilística “amarrando” as músicas (elas soam bem diferentes entre si, como se fossem grupos diferentes, e isso no caso deles NÃO é um demérito) percebe-se claramente a qualidade delas, mesmo porque os três músicos em questão tocam vários instrumentos – e com o adendo do vocal em inglês perfeito, cortesia de CJ que é professor do idioma e até chegou a disputar a vaga de vocalista no gigante pop australiano Inxs, após a morte do cantor Michael Hutchence. Enfim, dá pra ouvir as quatro canções do ep do grupo (entre elas a belíssima e tristonha balada “Cigarrete”, aqui: https://soundcloud.com/stereolicks. E mais sobre a banda você acha aqui: https://www.facebook.com/stereolicks/timeline.

 Capa do Ep de estreia do trio paulistano Stereolicks: som com eflúvios do indie rock inglês, feito por três músicos fodões

 

* Bienal do livro em Sampa: continua rolando até o próximo final de semana, lá no pavilhão do Anhembi (na zona norte da capital paulista). Se você ainda não foi até, corre que dá tempo de sobra!

 

* Baladas: postão sendo encerrado no meião da semana (já que hoje é quarta-feira e no finde o jornalista rocker/gonzo/loker forever estará em Brasília, acompanhando o festival Porão Do Rock). Então já dá pra ter uma ideia de como estará o circuito indie noturno na capital paulista nos próximos dias. A quinta-feira (amanhã em si, dia 28) já começa bacanuda com pocket show do duo sergipano The Baggios lá na Sensorial Discos (que fica na rua Augusta, 2389, Jardins, zona sul de Sampa). Depois a pedida é ir ver os ingleses do Spiritualized no festival Popload Gig, do queridão Luscious Ribeiro, lá no Audio Club (na avenida Francisco Matarazzo, próximo ao estádio do Palmeiras, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo).///Já na sexta tem outro pocket show dahora na Sensorial, com o queridão Daniel Belleza tocando as músicas de seu primeiro disco solo. E no Inferno Club (no 501 da rua Augusta), rola festão em comemoração aos vinte e cinco anos sem o gênio Raul Seixas.///E no sabadão, pra fechar beeeeem o finde, tem pocket show maneiro do músico recifense Jean Nicholas na Sensorial Discos, além do sempre open bar infernal do Outs (no 486 da Augusta) e onde apenas os fortes aguentam até o final da madrugada, uia! Beleusma? Então se programa. E se joga sem culpa!

 O cantor Daniel Belleza (aqui, durante show no clube Outs alguns anos atrás, quando teve a cia no palco da nossa eterna musa safada rocker ao cubo, a sempre tesudaça Jully DeLarge), que se apresenta nesta sexta-feira na Sensorial Discos, em São Paulo

TICKETS FREE PARA O PETER MURPHY – ÚLTIMA CHAMADA!

Yes! Vai lá no hfinatti@gmail.com, que é a última chance pra você descolar:

 

* DOIS INGRESSOS pro show do Peter Murphy (ex-vocalista da lenda goth Bauhaus), que acontece dia 13 de setembro em São Paulo, lá no Carioca Club. Corre com sua mensagem e boa sorte!

 

 

E FIM DE PAPO

Que o postão ficou lindão, gigantão e já está mega bombator como sempre, hihi. O blog se vai e deixa o texto sobre o Oasis pra pessoas que amamos e que amam tanto a banda dos manos Gallagher quanto o zapper aqui: a honey bunny Tainara, as amadas Adriana e Vera Ribeiro, e os amados Adriana Cristina e Vandré Caldas. Beijão mega no coração de todos vocês. Finaski se vai pra Brasília logo menos, onde espera ter o final de semana mais incrível da sua vida nos últimos meses, ao lado do docinho loiro de Macapá. É isso aê. Semana que vem tem mais, inclusive com o festão do blog lá na Sensorial Discos. Inté!

 

(atualizado, ampliado e finalizado por Finatti em 31/8/2014, às 18:30hs.)

Oh yeah! Após bater recorde histórico de comentários no painel do leitor e “likes” em redes sociais o blogão campeão em cultura pop e rock alternativo (e que como sempre está sendo alvo de artilharia pesada de gente covarde, psicopata e invejosa ao extremo) volta falando de Charles Bukowski, o gênio literário americano que mesmo vinte anos após a sua morte continua despertando paixão em novas gerações de leitores rockers; os novos sons de bandas indies paulistanas bacanas; o novo vídeo do grunge Mineiro Mad Sneaks (em lançamento EXCLUSIVO e em primeira mão no blogão zapper), as musas bukowskianas que enlouquecem os machos, a GATAÇA musa zapper desta semana (um ANJINHO de DEZOITO aninhos de idade, wow!) e um novo festão deste espaço virtual que promete abalar a indie scene paulistana no início de setembro (postão com IMAGENS DESACONSELHÁVEIS para menores, uia! e completão, com NOVA atualização em 15/8/2014, contando como foi o showzaço de mega amor do Vanguart no último finde em Sampa, e também falando dos novos discos de Tom Petty e The Raveonettes, da vinda dos Rolling Stones ao Brasil em 2015, mostrando novo vídeo do grupo mineiro Leave Me Out e dando detalhes do novo festão do blog em Sampa, no início de setembro)

A grande genialidade da literatura beat e marginal e do grande rock’n’roll: o velho safado e lenda Charles Bukowski (acima), um dos maiores nomes da poesia americana em todos os tempos, continua seduzindo novas gerações de leitores mesmo vinte anos após a sua  morte; a mesma genialidade que continua a ser emblemática na carreira do grupo Foo Fighters (abaixo), cujo novo disco deve ser anunciado na próxima segunda-feira

**********

ENGORDANDO UM POST (ESTE) NOVAMENTE BOMBATOR, COM EXTRINHAS PRO FINDE

* Yep. O postão tá bacanão, já está bombator nos likes (e com muito menos comentários que o anterior o que é ÓTIMO por um lado, pois os fakes de merda não estão aqui pra emporcalhar e encher o saco da vida dos leitores que querem mesmo apenas ler bons textos sobre cultura pop e também opiniões bacanas sobre esses mesmos textos), então ele fica mais alguns dias aqui. E aí sim na semana que vem voltamos com tudo, com postão inédito e tal.

 

* E a tragédia da semana foi mesmo a morte do candidato a presidente pelo PSB, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que perdeu a vida (junto com outras seis pessoas) na última quarta-feira em Santos, quando o jato em que ele viajava caiu na cidade do litoral paulista. E à parte a gigantesca tragédia que foi a morte de Eduardo (e toda perda humana, ao meu ver, é sim uma tragédia de grandes proporções e a se lamentar profundamente), o blog já tinha definição de voto no primeiro turno. E esse voto passava e passa longe da plataforma do PSB. Agora com Marina então, que vai possivelmente ser a cabeça da chapa, pior ainda. Estas linhas online já admiraram muito a senadora acreana, principalmente pelos avanços e pela modernidade que ela propunha, anos atrás, na questão ecológico/ambientalista. E considera sim que ela foi uma boa (não excelente) ministra do meio-ambiente. Mas nos últimos anos Marina Silva finalmente expôs todo o seu CONSERVADORISMO e fundamentalismo evangélico (sim, ela é evangélica, se alguém aí ainda não sabe disso), e já não se importa mais em dizer publicamente que NÃO aprova o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e que é CONTRA legalização das drogas e do aborto. Justamente os temas em que a sociedade brasileira precisa mais e URGENTEMENTE avançar na discussão, sob pena de o Brasil voltar aos tempos da Idade Média, enquanto que nos Estados Unidos (em alguns Estados americanos, não em todos) e em boa parte da Europa, que são sociedades modernas e avançadas, casamento entre gays por exemplo é uma realidade garantida pela LEI (nesse aspecto, pelo menos, o Estado de São Paulo tb avançou, oficializando a união civil de homossexuais). E antes que alguém diga algo: NÃO SOMOS contra a RELIGÃO evangélica. Contra nenhuma religião, aliás. Respeitamos todas e NÃO praticamos nenhuma pois o sujeito aqui prefereo se manter agnóstico e acreditar que existe um Deus (ou uma força superior que gerou todo o Universo) e manter essa crença na existência dele mas SEM A INTERMEDIAÇÃO de qualquer RELIGIÃO. Respeitamos todas as religiões. Mas somos total contra o FUNDAMENTALISMO e o FANATISMO que contamina quase todas elas e seus seguidores. No Oriente Médio MATA-SE em nome da religião (haja visto o que está acontecendo nesse momento no Iraque onde os seguidores fanáticos do chamado Estado Islâmico querem IMPOR à força essa religião e Estado Político no território iraquiano). Aqui, evangélicos já dominam boa parte do atual espectro político no Congresso Nacional e a bancada deles é o que se sabe: INOPERANTE, INCAPAZ de propor algum projeto RELEVANTE e que traga avanços à sociedade brasileira e, além disso, bastante CORRUPTA. Como se não bastasse esse quadro desalentador, evangélicos brasileiros são dos mais conservadores do mundo. Só pensam no progresso material (leia-se: ganhar dinheiro), NÃO respeitam a opinião alheia, e acham que usuários de drogas são BANDIDOS (e não são) e que ser homossexual é uma doença do demônio. Não dá pra respeitar quem pensa dessa forma e muito menos iniciar um diálogo sobre algum desses temas com uma pessoa de mente tão obtusa e reacionária. Por TUDO ISSO o blog JAMAIS vai votar em Marina Silva. O Brasil já cedeu demais ao avanço evangélico fundamentalista (dados estatísticos revelam que eles são hj cerca de 40 milhões no país), dona Dil-má já ANDA PENDURADA demais no saco desse pessoal e então tudo o que NÃO precisamos nesse momento, aqui, é de uma presidente que também seja EVANGÉLICA conservadora e fundamentalista. Ou então corre-se o risco de isso aqui caminhar para se tornar um país tão retrógrado e conservador quanto os mais atrasados Estados africanos e islâmicos.

Ela já foi uma ambientalista de vanguarda e com plataforma ecológica moderna; agora deixou aflorar seu viés de evangélica conservadora, contra aborto, legalização das drogas e casamento entre pessoas do mesmo sexo

 

* Mas vamos ao rock’n’roll, néan. O blog já está total xonado pelo novo discaço do gênio e velha lenda do rock americano que ainda importa, Tom Petty. Junto com os inseparáveis The Heartbreakers, ele soltou “Hypnotic Eye” há um mês e só tem colecionado elogios desde então. Fora que o álbum foi parar no topo da parada da Billboard americana, algo que Tom nunca tinha conseguido antes em sua looooonga trajetória musical. Estas linhas online ainda vão falar bastante desse discaço por aqui, no próximo post. Por enquanto, você pode ouvir o novo trabalho de Tom Pertty aí embaixo.

 

 

* Quem também está de volta é a dupla dinamarquesa de indie/punk/noise/garage/surf/shoegazer The Raveonettes, que acaba de colocar na praça o bom “Pe’ahi”, o sétimo disco de estúdio deles e que mantém aquela sonoridade algo dark e com noise total apitando nas guitarras, como se fosse um Jesus & Mary Chain repaginado para os anos 2000’. O disco já rendeu um single bacanão (a canção “Endless Sleeper”, que abre o cd e cujo vídeo você pode assistir aí embaixo) e o blog também fala melhor dele no próximo post, okays?

 

 

* Então ficamos assim: segundo dear Luscious Ribeiro informou esta semana em seu sempre antenado blog Popload, os Rolling Stones fazem TRÊS shows no Brasil em fevereiro de 2015: um no Rio (no Maracanã), outro em Belo Horizonte (no Mineirão) e mais um em Sampa, claaaaaro (no novo estádio do Palmeiras). A aguardar e conferir…

 

* Vídeo novão do grunge (de Uberlândia, Minas Gerais) Leave Me Out no pedaço. Para a canção “Dead Man”, que faz parte do disco de estreia deles. O Leave Me Out faz rockão à la Seattle PODEROSO. E o blog gosta bastante da banda. Confere aê e saiba mais sobre ele aqui: https://www.facebook.com/bandaleavemeout?fref=ts.

 

 

* Bien, friaca bravíssima em Sampalândia, sendo que o finde chegou, uhú (yep, o postão está sendo engordado na sextona em si, 15 de agosto). Então vejamos o que rola de bão no circuito alternativo da capital paulista, começando por hoje: tem noitada rocker sempre fodona no Astronete (na rua Augusta, 335, centro de Sampa) e também a reabertura do Inferno Club (no 501 da mesma Augusta), que passou por reforma bacanuda e agora volta com tudo.///Já amanhã, sabadão em si, tem novo show da banda A carne é fraca no Vagão Plaza (rua Nestor Pestana, 237, centrão putão de Sampalândia), e ainda open bar do inferno no Outs (no 486 da Augusta), sendo que a pedida é comçar a balada cedo tomando sempre ótimas brejas artesanais na Sensorial Discos (lá no 2389 da Augusta Jardins), e depois cair na night, uia! Então escolha o que lhe convém, se aqueça contra o frio e se joga, mano!

 

* E falando na Sensorial, tudo acertado, tudo confirmado. Dia 6 de setembro o blog vai tocar literalmente o terror e o puteiro rocker por lá. Quem for e sobreviver, verá!

 

* É isso. Semana que vem a gente volta, com novo postão incrível e inédito. Até lá!

 

**********

EXTRINHA PRA COMEÇAR BEM A NOVA SEMANA – VANGUART E O AMOR TOTAL EM SAMPA

* Yeah! O finde zapper foi mega bacanudo. Começou no sabadão em si com o festão de doze anos do Simplão Rock Bar, em Paranapiacaba e onde rolaram shows fodões do sempre esporrento Coyotes California (que está prestes a começar as gravações de seu segundo disco) e do desconhecido até então pelo blog Sr. B & Dona Vontade: um septeto (!) que incorpora elementos de rock, mpb e música negra em seu som, com boas letras em português e músicas bordadas com violões e flautas, além dos vocais divididos entre uma garota e um dos músicos do grupo. Fizeram um set bacanudo e você pode saber mais sobre eles, que já têm um disco lançado, nesses links: https://www.facebook.com/SenhorB/info ou http://www.senhorb.com/.

 O Sr. & Dona Vontade, no palco do Simplão Rock bar: set legal de rock e mpb

 

* Agora lindão mesmo foi o show do Vanguart na noite do domingão no teatro do Itaú Cultural, na avenida Paulista em Sampalândia. O blog foi lá conferir de perto (mesmo porque é amigo pessoal máster dos meninos desde que os conheceu em Cuiabá, em 2005) e ficou emocionado (como todos ficaram, aliás) com um set que está cada vez mais impecável ao vivo. E não só: o Vanguart, além de ser um dos melhores nomes do rock nacional dos anos 2000’, também continua dando lição de humildade em outras bandas. Ao final da apresentação os queridos Helinho Flanders, Douglinhas, Reginaldo, Lazza, Fernanda e David atenderam pacientemente mais de uma centena de fãs que aguardavam para tirar fotos com a banda e pedir autógrafos pra ela. Bacana demais isso da parte deles. E o jornalista zapper terá sempre amor gigante e perene pelos Vangs. Fica o alô, inclusive, pro pessoal do Norte: o grupo fecha a segunda noite do festival Se Rasgum em Belém, no próximo dia 23 de setembro. Preparem-se belenenses (e também fãs de Macapá): showzão a caminho de vocês!

Helinho Flanders, o pequeno grande gênio do Vanguart e o jornalista coroa mas eternamente rocker, no camarim do Itaú Cultural em São Paulo, após a gig espetacular da banda no último domingo: amizade eterna e amor infinito em SP!

 

* E showzão (mais um) a caminho de Sampa em novembro. O garoto folker inglês Jake Bugg volta ao Brasil para gigs em Porto Alegre, na capital paulista e no Rio. Beleusma!

 

Robin Williams, que brilhou em “Sociedade dos poetas mortos”, lançado em 1989 e um dos filmes mais bacanas vistos por este blog naquela época, foi encontrado morto hoje em sua casa, na Califórnia. Ele tinha sessenta e três anos de idade e sofria com alcoolismo e problemas de depressão. A polícia suspeita de suicídio. Rip, man!

 

* É isso. Postão continua lindaço e já bombando nos likes. E se rolar alguma novidade importante, a gente conta aqui. Até logo menos então!

 

**********

Recordes de audiência e fakes sujos e covardes.

Sempre, néan. Pois foram exatamente estes dois pontos (ou aspectos) que dominaram totalmente o último post da Zap’n’roll, hoje um dos três ou quatro principais blogs de cultura pop e rock alternativo da web brasileira. Em seus mais de onze anos de existência o blog (que está no auge de sua popularidade e também em termos de audiência, acessos e repercussão) nunca experimentou números dessa magnitude: no exato momento em que este editorial está sendo escrito (no começo da noite de quinta-feira), o postão anterior alcançou 241 comentários no painel do leitor e 288 likes (ou curtidas) em redes sociais. Pode não parecer muito diante dos milhões de acessos que um portal como o R7 ou a Folha online possuem mas são números gigantes para um blog que é independente, que não está hospedado em nenhum grande portal de internet e que continua sendo acessado numa era em que leitores de blogs têm preguiça de enviar comentários aos mesmos, preferindo apenas dar o “like” (ou curtir) no texto e boa. Então ao mesmo tempo em que isso enche de orgulho o jornalista rocker coroa e quase ex-maloker/gonzo que escreve estas linhas semanalmente (vamos assumir: quase porque ainda gostamos de dar uma pirada básica de vez em quando, hehe, senão a existência fica sem graça; e a existência humana por si só já é bastante cinza pra não conseguirmos enxergar graça alguma nela ao menos de vez em quando que seja), também nos causa desconforto e problemas (sempre) por nos darmos conta de que quanto mais o blog é acessado e repercute, mais ele desperta o ódio avassalador, o ressentimento, o recalque, o rancor e a autêntica e doentia psicopatia de gente que persegue e ataca pesadamente sem dó e de maneira implacável este espaço online. Não é brincadeira: dos 241 comentários postados no painel do leitor, boa parte foi enviado por fakes absolutamente SUJOS e COVARDES em grau máximo (afinal, um sujeito que escreve pra um blog ou em qualquer outro veículo de mídia ou mesmo em rede social e não tem coragem de assumir com sua verdadeira identidade o que está escrevendo, só pode mesmo ser um grande verme ou merda na vida). Gente estúpida, mentirosa, grosseira e que não tem pudor em insultar o sujeito aqui da forma mais baixa possível, tentando enxovalhá-lo moralmente ao máximo. E como prezamos demais a liberdade de expressão e a democracia de opiniões tanto no blog em si quanto no painel do leitor, vamos liberando os comentários na medida do possível e da tolerância aos ataques mais pesados, ainda que muitas vezes à custa de editar essas mensagens. Porém, com o passar dos anos (sim, essa turma cretina não desiste nunca) quem escreve estas linhas bloggers poppers aprendeu a lidar com esse povo escroto (e onde incluem-se, pasmem, notórios ditos “grandes profissionais” da nossa imprensa cultural e musical, como um certo editor da revista Rolling Stone Brasil, além do tristemente conhecido Jotalhão, que nesse momento presta seus desserviços como editor da quase falida edição nacional da revista Billboard). E hoje tira de letra esse pessoal, inclusive se divertindo muito com as mensagens que eles enviam, e ainda respondendo a eles com a mesma sagacidade e torpeza com que os otários enviam suas assacadilhas absurdas e na maioria das vezes total sem noção. No final das contas essa malta de imbecis não se dá conta de que eles só contribuem para aumentar a audiência e o acesso ao blog. E tudo isso se resume naquela velha equação das relações humanas e de quem se torna figura pública por ser jornalista (como o zapper aqui é, há quase três décadas) e dar a cara a tapa pra escrever e emtir suas opinões também em veículos públicos de mídia: se despertamos ódio e perseguição é porque incomodamos bastante e temos nossa relevância dentro dessa gigantesca fogueira das vaidades e de egos descontrolados que infelizmente domina o meio artístico e o jornalismo cultural em si. Ninguém chuta ou se preocupa com cachorro morto, não é mesmo? Então é isso: cá estamos novamente. Com a duríssima missão de manter estas linhas virtuais em seu auge de audiência e repercussão. Para isso continuaremos sempre contando com o apoio de nosso amado leitorado que, assim como nós, ama apaixonadamente a cultura pop e o grande e emocionante rock’n’roll.

 

 

* E a pauta zapper está mudando aos poucos e gradativamente. A entrevista com o dramaturgo Mário Bortolotto no post anterior repercutiu enormemente. Assim o tópico principal desta edição do blog também terá viés… literário, hehe. Vai lendo que você vai ver e gostar. Além disso o conteúdo, hã, putanheiro e cadeludo será mais mitigado daqui para a frente por entendermos que tudo tem sua fase na vida e que agora o blog precisa priorizar mais outros assuntos que tenham estofo realmente ligado à cultura pop. Mas fiquem sussa que JAMAIS haverá caretice editorial por aqui – tanto que o mega apreciado tópico “musa rocker da semana” está se tornando fixo. O mundo já se tornou conservador e moralista demais nas últimas décadas pra embarcarmos juntos nessa onda. Babaquice e reacionarismo aqui, JAMAIS!

 

 

* Assim como também não podemos nos permitir sermos reacionários, conservadores e babacas ao escolher nossos candidatos para as eleições deste ano, em outubro. E não é segredo para ninguém que acompanha estas linhas bloggers rockers há anos e que conhece muito bem o pensamento político, social e libertário do autor deste espaço virtual que o nosso candidato a deputado federal é mesmo o amado produtor cultural e super dj André Pomba, que já está à toda em sua campanha pelo Partido Verde. Além de ser o MELHOR AMIGO de Finaski há mais de vinte anos e uma das pessoas mais íntegras em todos os aspectos de vida que já conhecemos em nossa existência, Pomba tem uma plataforma de atuação política sensacional e que será amplamente analisada e comentada com ele próprio em nosso próximo post, quando deveremos fazer uma entrevista bacanuda com o candidato. Mas de antemão: nem dá pra pensar em NÃO votar em um sujeito que, entre zilhões de propostas incríveis, defende a diversidade sexual plena, o fim do serviço militar obrigatório, a legalização da maconha e o incentivo ao rock e à cultura alternativa como um todo. Bacana demais e iremos falar muito mais sobre isso no próximo post, podem aguardar!

 

 

* O que não dá pra acreditar, sinceramente, é nas pesquisas eleitorais que apontam o atual (des) governador de São Paulo, o GRANDE MERDA e BANDIDO Geraldinho Alckmin, como franco favorito à reeleição de seu cargo. Pelamor, o eleitorado médio, classe média alta, reacionário e conservador paulista é mesmo o mais BURRO do Brasil. A tucanalha do PSDB está encastelada aqui há mais de duas décadas no Poder e quer se manter nele a todo custo, mesmo que isso signifique a FALÊNCIA do Estado paulista em todos os sentidos. Vejam bem: a (in) segurança pública estadual está podre. Idem a Saúde e Educação. Nos últimos dez anos a máfia tucana desviou BILHÕES das obras do metrô no já célebre esquema conhecido como “Trensalão”. Por fim a ÁGUA tão necessária à existência humana vai ACABAR no Estado e na capital em outubro (logo após o primeiro turno das eleições), e aí o blog quer ver o que essa classe média estúpida e conservadora que vai reeleger esse merda gigante e sua gang de facínoras, vai fazer quando não houver mais uma gota de água pra tomar banho, escovar os dentes, lavar louça ou dar descarga no vaso sanitário pra levar seu cocô fedido embora. Como é que vai ser hein? Mas aí foda-se: Geraldinho já terá sido reeleito e irá muito feliz rir da cara dos trouxas que votaram nele. Esperem e verão!

Esse MERDA GIGANTE ARRASOU o Estado de São Paulo, deixando os paulistas burros sem água inclusive; e ainda vai se reeleger nas próximas eleições, incrível!

 

 

* Enquanto isso a administração do grande Fernando Haddad continua dando show de bola na prefeitura paulistana. Yep, estas linhas online sempre politizadas ao extremo e sempre total conscientes do quadro político do país, já cansaram de afirmar aqui que andamos bem putos com as cagadas monstruosas que o PT anda patrocinando no gerenciamento do país. Mas em Sampa Haddad está mesmo mostrando a que veio. E quando você vê o sujeito entregando carteiras de trabalho assinada pra ex-dependentes químicos de crack começarem a trabalhar e a ter uma vida decente, você só pode aplaudir o prefeito em pé. Ele pode estar sendo mega impopular agora (óbvio: a classe média endinheirada, escrota e conservadora, que é ultra egoísta e só pensa nela e em seu conforto pessoal, e que ADOOOOORA entupir de carros as ruas já total intransitáveis da capital paulista, só pode detestar um prefeito que quer priorizar a todo custo o transporte coletivo). Mas no futuro sua administração será reconhecida e mega admirada. Querem bater uma aposta com o blog quanto a isso?

Fernando Haddad: está se mostrando um ótimo prefeito em Sampa e dando vida DIGNA a ex-dependentes químicos de crack

 

* Se todos os quadros do PT fossem iguais a Fernando Haddad, o partido seria o melhor do Brasil nesse momento, sem dúvida alguma.

 

 

* E vamos ao rock’n’roll. O gigante Foo Fighters está colocando os  milhões de fãs do grupo em polvorosa: a banda promete para esta segunda-feira um “anúncio grandioso”, que mui provavelmente irá se referir ao lançamento do novo álbum de estúdio da turma do Dave Grohl, engatilhado óbvio a uma nova turnê mundial. O último disco do conjunto foi o bem legal “Wasting Light”, que saiu em 2011. O novo vem com sua produção assinada pelo gênio Butch Vig (o homem por trás do classicaço “Nevermind”, do Nirvana). Então o blog bota fé que vem um discão por aí.

 

 

* Já a NME, que adora criar listas polêmicas e na falta de uma banda ou lançamento decente pra estampar seu espaço mais nobre, veio com esta capa aí embaixo na sua edição desta semana. Veja você diletíssimo leitor deste espaço rocker virtual e dê sua opinião…

 

 

* E a cantora Marianne Faithfull, que um dia (lá pelos anos 60’) já foi um BOCETAÇO (hoje, é uma respeitável “senhoura” sexagenária, hihi), declarou em entrevista dada esta semana na rock press gringa que seu ex-namorado, que era traficante de drogas, foi o responsável pela morte de Jim Morrison (o imortal e inesquecível líder dos Doors) em Paris, em 1971. “Jim queria heroína e meu ex-namorado tinha. E a que ele tinha e estava vendendo era muito forte. Foi isso que causou a morte de Jim”, esclareceu Marianne, que FODEU sua xota quando esta era boa com absolutamente TODOS os integrantes dos Rolling Stones – isso, repetindo, lá pelos anos 60’, quando ela era uma putaça e junkie de primeira linha. Fodeu tanto com eles que um dia declarou, também em uma entrevista que ficou célebre: “os Stones DESTRUÍRAM a minha vagina! Nunca mais consegui gozar na vida!”. Uia!

 Marianne Faithfull, que era esse BOCETAÇO nos anos 60′ (e que diz que os Stones destruíram a sua xoxota a ponto de ela nunca mais conseguir gozar), afirma em entrevista: “meu ex-namorado matou Jim Morrison!”

 

 

* Falando em xoxotas, trepadas e gozos: a indústria do filme pornô explícito está enfrentando mega crise no estado americano da Califórnia. O motivo: uma lei aprovada pela Secretaria de Saúde de lá EXIGE que profissionais que trabalham atuando em filmes de sexo explícito USEM camisinha durante as fodas. As produtoras já constataram que longas em que são utilizadas camisinhas nas trepadas tiram o TESÃO do espectador. Com isso caem as vendas dos filmes. E os próprios atores (tanto os machos quanto as cadelas) alegam que é ruim trepar COM camisinha. Que novidade… o que só comprova a tese destas linhas canalhas virtuais (e sendo bem politicamente incorreto agora, hihihi): o povo gosta mesmo é de FODER SEM CAMISINHA, ulalá!

Não adianta: assim como o casal aí no gif está fazendo, o povo gosta mesmo é de FODER SEM CAMISINHA, uia!

 

* LANÇAMENTO EXCLUSIVO DO BLOG: O NOVO VÍDEO DO MAD SNEAKS! – yeeeeesssss! Um dos nomes mais fodões do rock independente Mineiro e uma da bandas prediletas do blog na atual cena indie nacional, o trio grunge Mad Sneaks acaba de finalizar um novo vídeo promocional. Desta vez para a música “A Cura”, uma das porradas do sensacional álbum de estreia do grupo, “Incógnita”, que foi lançado em 2013 mas que segue fazendo trajetória lindona pelo Brasil afora. Formado pelo guitarrista e vocalista Agno Santos, pelo baixista Adriano Lima e pelo batera Amaury Dias, o Mad Sneaks já foi destaque em festivais gigantes como o Goiânia Noise e é uma das melhores traduções brasileiras do glorioso grunge de Seattle à la Soundgarden e Alice In Chains. Acha que estas linhas zappers estão exagerando? Então confere você mesmo aí embaixo o clip de “A Cura”, em lançamento EXCLUSIVO e em primeira mão aqui no blog.

 

 

* Falando em festivais, vem aí a edição 2014 do também gigante Porão Do Rock, que acontece no estacionamento do estádio Mané Garrincha, em Brasília, nos próximos dias 30 e 31 de agosto – sendo que estas linhas online estarão por lá novamente, acompanhando tudo beeeeem de perto. O PDR deste ano tem entre seus headliners a fodaça Nação Zumbi, a baiana rocker Pitty (amiga querida deste espaço online e que lançou um novo disco beeeeem lecal há pouco tempo) e o Cavalera Conspiracy, dos irmãos Igor e Max (esse, também velho chapa do blogão zapper). Fora que também haverá zilhões de shows bacanas de bandas idem da cena independente nacional, como o trio Nevilton por exemplo. Ou seja: o Porão 2014 promete ser bom pra caralho e nós estaremos lá pra conferir.

 Zap’n’roll ao lado do seu velho chapa Max Cavalera, durante o festival Porão Do Rock ano passado, em Brasília: na edição 2014 (que acontece no final deste mês), o ex-vocalista do Sepultura volta ao evento, desta vez com o Cavalera Conspiracy

 

 

* Mas antes de ir pra qualquer festival fora de Sampalândia, vamos novamente falar de literatura no blogão campeão em cultura pop. E vamos falar de um escritor que era total rock’n’roll: Charles Bukowski, ídolo literário do sujeito que escreve este blog. E que, mesmo vinte anos após a sua morte, continua angariando novas e novas gerações de leitores fanáticos. Lendo aí embaixo você fica sabendo por que.

 

 

BUKOWSKI, O VELHO SAFADO E GENIAL DA LITERATURA AMERICANA CONTINUA SEDUZINDO GERAÇÕES DE NOVOS LEITORES

Com certeza. E a devoção/paixão destas linhas bloggers de cultura pop pelo escritor alemão (mas que morou praticamente sua vida inteira nos Estados Unidos) continua total e inabalável, mesmo após vinte anos de sua morte.

 

Não só: Buk continua encantando e seduzindo novas e novas gerações de leitores. Ele era do rock: beberrão, mundano, notívago, safado, ordinário, com uma poética crua, seca e direta. Mas com um texto brilhante, intenso e que envolve o leitor de imediato. Por isso mesmo que os garotos que o lêem querem se tornar escritores marginais, bêbados e calhordas. E as meninas que o lêem também sonham em encontrar velhos sujos e cultos que fodam suas bocetas sedentas com devassidão e loucura.

 

Zap’n’roll deve muito do seu estilo textual a Charles Bukowski. Afinal são exatos trinta anos convivendo com a escrita genial de um autor que frequentemente é associado à geração de escritores beat americana (e que dominou boa parte da literatura dos EUA nas décadas de 50’ e 60’, iluminando as cabeças de uma geração fã de poesia marginal, maconha, vinho e jazz, e que amava autores como Jack Kerouac, William Burroughs e Allen Ginsberg), mas sem na verdade ter feito diretamente parte do movimento. O primeiro livro que o blogger loker leu de Bukowski foi “Cartas na Rua” (por acaso, o primeiro romance escrito por Buk, e lançado em 1971), em sua primeira edição que foi lançada no Brasil em 1984, pela extinta Editora Brasiliense. Era (é) o livro onde o beberrão e solitário Buk dava vasão ao seu alterego, o carteiro Henry Chinaski – Bukowski trabalhou mesmo nos correios americanos, por quase trinta anos. Pediu demissão do serviço quando já estava se tornando mega conhecido como escritor e quando seus livros começaram a ser lançados pela editora Black Sparrow, por onde editou toda a sua obra.

Charles Bukowski (acima) e sua ótima biografia (abaixo), que foi lançada no Brasil há uma década e está fora de catálogo: gênio marginal da literatura americana do século XX

 

Bukowski nasceu na Alemanha em 1920 mas mudou-se ainda criança com a família pros Estados Unidos, fixando-se em Los Angeles. Nunca se deu bem com o seu pai. Era anti-social, feio, acanhado, com o rosto sempre espinhento. Encontrou refúgio para sua baixo auto-estima, sua solidão e seu comportamento anti-social na bebida e na literatura. Começou a escrever poemas aos vinte e quatro anos de idade. Fez sexo pela primeira vez (segundo conta a ótima biografia dele, “Vida e loucuras de um velho safado”, que saiu também no Brasil há uma década, e se encontra fora de catálogo) quando já estava com trinta e cinco anos de idade. E quando resolveu deixar os correios, com quarenta e nove, já era uma celebridade como escritor. Ficou rico, comeu absolutamente todas as bocetas que não tinha comido em sua juventude (se tornou um clássico a história da vez em que a mulher que estava casada com um Bukowski já muito famoso, ao chegar na casa onde moravam, deu de cara com duas loiraças peitudas e com cara de putas na varanda da residência. Ela entou perguntou: “quem são vocês?” E elas responderam, sem pudor algum: “somos da Suécia. E viemos até aqui pra TREPAR com Bukowski”. Uia!) mas nunca perdeu a aura de simplicidade e de anti-social que o acompanhava.

 

Embora o forte de sua obra seja a poesia, nosso (anti) herói também publicou romances fodásticos como “Mulheres”, “Crônica do amor louco”, “Misto Quente” ou “Hollywood”. Ele morreu em 1974, de leucemia. Tinha setenta e três anos de idade. E se tornou mito. E mesmo passadas duas décadas de sua  morte, continua seduzindo gerações de novos leitores. E sendo venerado por eles. Afinal, quem é gênio não morre jamais. A vida é breve, finita. A arte, eterna.

 

* Mais sobre Charles Bukowski, vai aí nesses links: http://en.wikipedia.org/wiki/Charles_Bukowski e https://www.facebook.com/ByBukowski?fref=ts.

 

 

E AS MUSAS BUKOWSKIANAS… WOW!

Yeah! Há uma página no Facebook, o das Musas Bukowskianas, que é tesão total. Ali diariamente garotas e mulheres fãs do nosso muso (rsrs) literário postam fotos suas abusadas para ilustrar trechos de poemas e romances publicados por Buk. E há também um Tumblr das Musas que publica material na mesma vibe, mas com fotos ainda mais ousadas (o que não é permitido na rede social nazista comandada pela bexa judia Marck Zuckerberg). Os links para visitar as duas páginas: https://www.facebook.com/MusasBukowskianas?fref=ts e http://musas-bukowskianas.tumblr.com/.

 

Aí embaixo um “aperitivo” do que você encontrar tanto no Tumblr quanto na página do faceboquete relativo às deliciosas musas bukowskianas.

 

Os peitos da loucura!

 

Corpo em chamas

 

As unhas vermelhas que vão arrancar sangue das tuas costas…

 

Me enlouqueça com bourbon que eu te enlouqueço com o meu corpo

 

 

MUSA ROCKER SEMPRE INCRÍVEL DA SEMANA – O ANJINHO MORENO YASMIN, WOW!

Nome: Yasmin Milani.

 

Idade: 18 anos (!!!).

 

De onde é: São Caetano Do Sul/SP.

 

Mora com: os pais, sendo que o papi trampa com vendas e também é dj nas horas vagas. Já a mãe é bailarina.

 

Pretende: trabalhar com produção visual e estética, com maquiagem etc.

 

Bandas: Nirvana, The Runaways e Pink Floyd.

 

Discos: “In Utero” (Nirvana) e “The Piper At The Gates Of Dawn” (a estreia e obra-prima do PF, lançada e€m 1967).

 

Filmes: “Donnie Darko” e “Dazed And Confused”.

 

Livros: “Heavier Than Heaven” (a biografia fodona de Kurt Cobain) e “O vampiro Lestat”, de Anne Rice.

 

O que o blog tem a dizer sobre ela: além de ser mega inteligente, doce e muito jovem, Yasmin tem uma beleza única e sedutora. Ela é total do rock e o autor deste blog NÃO a conhece pessoalmente, embora ambos se adorem já como amigos. Yep, ela tem grandes amigos em comum com o sujeito aqui, vive papeando com ele pelo Facebook e adora frequentar (como o blog também adora) o Simplão Rock Bar, em Paranapiacaba. Então por tudo isso resolvemos eleger Yasmin como nossa musa rocker desta semana, hehe.

 

E sem chance marmanjos: ela é ainda super jovem mas já tem namorado. Sorte dele!

 

A vocês resta curtir as imagens da morena magra e linda de rosto aí embaixo. Deleitem-se pois!

 Um anjo sedutor que deseja seduzir apenas seu único e grande amor

 

Amor ao rock’n’roll e ao gênio Kurt Cobain, sempre!

Nas minhas costas carrego os meus desejos mais secretos e sinceros

 

As grades não a impedem de voar alto

Deusa de beleza pura e suave, meditando no esplendor da relva

 

**********

O BLOGÃO ZAPPER INDICA

* Disco: “Alive From Graveyard” é a estreia do quarteto (onde tocam os chapas Joe Klenner e Flavinho Forgotten) indie paulistano Corazones Muertos, um dos bos nomes da atual cena alternativa da capital paulista. O som do CM remete ao rock’n’roll garageiro e protopunk de MC-5 e Stooges e ao glam rock de Slade, Bowie e Marc Bolan. Melhor impossível, sendo que estas linhas bloggers sempre total rockers ainda irão falar melhor da banda por aqui nos próximos posts, pode esperar! Mas se você já se interessou pelo som deles, vai aqui: https://www.facebook.com/corazonesmuertosband?fref=ts.

 O quarteto paulistano de garage protopunk rock Corazones Muertos: disco de estreia deles já está na área

 

* Festão de aniversário: rola hoje, sábado, a festa de doze anos de um dos picos rockers mais legais da Grande São Paulo. É o Simplão Rock Bar, claaaaaro, que fica localizado (literalmente) no meio do mato, dentro da área de uma chácara próxima à paradisíaca Paranapiacaba. Vai ter showzão dos Coyotes California e mais algumas bandas e é pra lá que o blogger ainda maloker (às vezes, rsrs) está indo logo menos, na cia sempre adorável dos queridões Falcão, Aimée, William, Adriana e Vandré. Se você estiver a fim de ir também se manda que dá tempo de sobra. A esbórnia começa às oito da noite e não tem hora pra acabar.

 

* Vanguart no Itaú Cultural: yeah! Amanhã (domingo em si já que o postão está sendo finalizado no final da tarde de sábado) os sempre incríveis Vangs fazem set especial, às sete da noite, no Itaú Cultural (na avenida Paulista, próximo ao metrô Brigadeiro, zona sul da capital paulista). E quem quiser ir é bom se agilizar: os ingressos serão distdistribuídos gratuitamente uma hora antes de o show começar. E vão se evaporar, claro.

 

* Baladíssimas: pro finde de frio em Sampa? Vai nessa: a noite começa bem com pocket shows do Milocovic e do Noctvillains na Sensorial Discos (rua Augusta, 2389, Jardins, zona sul de Sampa). Depois ainda dá tempo de emendar laaaaá no baixo Augusta e curtir o open bar do inferno no Outs (no 486 da Augusta) ou o melhor pub rock da região, que é o Astronete (no 335 da mesma Augusta). Ou ainda, se você estiver na pegada de um showzão de blues e rock’n’roll, a pedida é ir ver o Saco de Ratos no Club Noir (colado no Astronete). Certo mano? então boa putaria rocker nesse noitão de sabadão, hihi.

 

 

E FALANDO EM BALADAS, VEM AÍ…

NOITÃO ZAP’N’ROLL – A FESTA ROCKER NUNCA TERMINA!

Alguma dúvida? Pois então: vai rolar nova putaria rocker patrocinada por estas linhas online. Desta vez será no dia 6 de setembro, sábado, lá na Sensorial Discos. E vai ter shows bacanudos do Jean Nicholas (lá de Recife), do Zandré Nogueira (da banda Mineira Machados), do queridão Rangel (dos Bailen Putos) e do sempre fodástico Churrasco Elétrico.

 

Como se não bastasse, ainda vai rolar vj set com o expert Fabio Vietnica além de discotecagem zapper, claro. E a cereja no bolo: performance sacana, erótica e calhorda ao cubo dessa dupla de deusas aí embaixo: as musas do blog Madeleine Akyê e Jully DeLarge. Precisa mais?

 

Nas próximas semanas iremos divulgar mais detalhes sobre o festão que novamente vai derrubar tudo na rua Augusta, em Sampa. Aguardem!

 Essas duas delícias cremosas vão tocar o puteiro, o terror e o amor lesbos na próxima festona do blog; vai perder???

 

 

 

TICKETS PRO MISSION? VEM QUE TEM!

Claro que tem! Vai lá no hfinatti@gmail.com que está em disputa:

 

* UM PAR DE INGRESSOS pro show do gótico inglês The Mission, dia 20 de agosto em Sampa. Dedo no mouse e boa sorte rapá!

 

 

E TCHAU PRA QUEM FICA

Postão no capricho, sempre néan. Então ficamos por aqui porque agora o blogão vai se mandar pra friorenta Paranapiacaba, pra curtir o festão de aniversário do Simplão Rock Bar. Semana que vem estamos por aqui novamente. Até lá!

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 11/8/2014, às 22hs.)