AMPLIAÇÃO FINAL! Contando como foi o show do Gang Of Four no Sesc Pompeia, em Sampa! – Nos quinze anos do blog zapper continuamos publicando posts comemorativos como este, em que destacamos as três décadas do lançamento (celebrados esta semana) de um dos discos mais importantes e clássicos do rock mundial nos anos 80: o álbum “Green”, do gigante, saudoso e inesquecível REM; quem também chega aos trinta anos de existência e lançando um bacanudo novo álbum é o Smashing Pumpkins; mais: os vinte anos do Grind, a domingueira rock mais lendária e bombada do Brasil (e que recebe nesse domingo dj set do blog zapper, “bebemorando” mais um niver do jornalista ainda loker e eternamente rocker!) e o fechamento (infelizmente) do bar e teatro Cemitério de Automóveis e também (novamente) do clássico Matrix Rock Bar; análises sombrias do que aguarda todo o país a partir de 1 de janeiro de 2019, com a chegada ao poder de um presidente e de um governo fascista, autoritário, conservador e de extrema direita; e enquanto o reacionário, troglodita e boçal moralismo ultra conservador e hipócrita (que já saiu do armário) não avança sobre nós com tudo e com sangue nos olhos e faca entre os dentes, presenteamos nosso sempre dileto leitorado macho (cado) com uma musa rocker absolutamente e divinamente abusada, tesuda, transgressiva e subversiva ao máximo: a gataça, filósofa, escritora e nada pudica, recatada e de lar nenhum, Sue Nhamandu Vieira. Aproveitem e deleitem-se com as imagens total nudes deste mulherão enquanto isso ainda é possível! (postão MEGA finalmente concluído em 1/12/2018)

IMAGEMLUTODEMOCRATICOII

IMAGEMSP2018

2018 celebra os trinta anos de existência de um dos maiores nomes do rock mundial (ou do que resta dele): o americano Smashing Pumpkins (acima, reunido no estúdio este ano com sua formação quase original) retorna com um bom disco inédito, após quatro anos longe dos estúdios; já o inesquecível e também americano REM (abaixo, com sua formação original, em imagem de 1988) tem seu clássico álbum “Green” relembrado neste post por ocasião do seu trigésimo aniversário, em textos do próprio blog e do convidado especial Léo Rocha

IMAGEMREM1988II

**********

E MAAAAAIS MICROFONIA SUPER EXTRA! – SALVEM A DATA! FINASKI NESTA QUINTA-FEIRA MEIA NOITE NO “NASI NOITE ADENTRO” (CANAL BRASIL), FALANDO DE SEU LIVRO EM “O ESTRANHO MUNDO DE HUMBERTO FINATTI”

 

Yes. Custou mas finalmente vai ao ar. Gravado em janeiro deste ano numa agradabilíssima noite de segunda-feira no antigo endereço da sempre bacanuda Sensorial Discos SP, a entrevista que concedemos para o amigo de décadas, vocalista do Ira! e queridão Nasi será finalmente exibida no “Nasi noite adentro” desta quinta-feira, 6 de dezembro, à meia noite, no Canal Brasil (canal 150 na tv Net). O bate-papo, claro, girou em torno do nosso então recém lançado livro, “Escadaria para o inferno”.

Nem o blog mesmo sabe como ficou o resultado final, rsrs. Afinal não vimos o programa editado. Mas o papo foi ótimo e tanto Finaski quanto ele ficaram “trêbados” de tanto vinho (ótimo, diga-se) que tomamos, ahahahaha.

 

Contamos com a audiência dos nossos leitores. E depois digam o que acharam, claro!

 

(sendo que as fotos deste tópico, inéditas, foram tiradas diretamente das gravações do programa)

 

O quê: entrevista de Finaski para o programa Nasi noite adentro.

 

Título do programa: “O ESTRANHO MUNDO de Humberto Finatti” (ahahahaha, a risada é por nossa conta)

 

Quando: nesta quinta-feira, 6 de dezembro, meia noite.

 

Onde: no Canal Brasil (150 na tv Net)

 

Apresentação: Nasi. Direção: André Barcinski. Co-direção: Rogério Lacanna (a quem agradecemos pelas imagens deste post)

finatti 4

O jornalista zapper rocker e seu amigo Nasi, vocalista do grupo Ira!: bate-papo entre ambos hoje à noite no programa “Nasi noite adentro”, no Canal Brasil

 

**********

MAIS MICROFONIA: GANG OF FOUR NO SESC POMPEIA – SP, 23/11/2018

 

Então foi isso: o blog esperou mais de uma década para conseguir ver a “Camarilha dos quatro” ao vivo (em 2006, no festival Campari rock, que rolou em Atibaia, próximo à capital paulista, mesmo estando credenciado o jornalista sempre atrasildo chegou atrasado o suficiente para perder todo o set dos ingleses lendários do pós-punk dos anos 80’). E finalmente lá foi Zapnroll na última sexta-feira (23 de dezembro) para a choperia do Sesc Pompeia, conferir a última gig deles em Sampa – a primeira havia sido na quinta-feira e, assim como ontem, esgotou os ingressos e lotou o local.

E no final das contas, a performance do grupo foi apenas… razoável. A parada já não começou muito bem na noite de sexta: Andy Gill (guitarrista, fundador e único membro original da banda ainda nela) subiu ao palco com ALGUM problema na sua guitarra. O músico demonstrou visível irritação quando simplesmente jogou com quase fúria seu instrumento no chão, e ficou encarando o público de braços abertos. A plateia achou que se tratava de algum “chilique” de rockstar para iniciar com ímpeto a apresentação e aplaudiu (alguns gritaram) em aprovação. Mas não era nada disso e quem observou atentamente (como o sujeito aqui) sacou que havia algo errado, sendo que um dos roadies se apressava em aprontar outra guitarra para o loiro e que FUNCIONASSE a contento.

Até que o show começou finalmente. Foi beeeeem mais ou menos até a metade pelo menos. Na verdade quem deveria ser a estrela e ter brilhado no palco seria Andy Gill, autor da maioria do repertório do GOF, inclusos aí os clássicos punk dançantes do conjunto. Mas quem DE FATO roubou a cena quase o tempo todo foi o negão Thomas McNeice, um baixista do inferno que literalmente destruiu com suas linhas pesadas e matadoras, todas tiradas na base da palhetada. Gill foi “apenas” (vamos dizer assim) o ótimo guitarrista que sempre foi, mas sem arroubos de genialidade. O baterista Tobias Humble foi apenas correto. E o vocalista John Sterry (que o velho chapa e ex-vj da MTV Thunderbird, presente ao show, achou que ele se parece com Peter Murphy, quando o ex-vocalista dos Bauhaus era uma bicha loka novinha e bonitinha) bem que tentou se esforçar: instigava o público, rebolava, pulava, dançava etc. Mas é irremediavelmente FRACO, ainda mais se lembrarmos que esses caras tiveram um Jon King nos vocais.

IMAGEMGOFLIVESESC18III

Os ingleses do Gang Of Four no palco da choperia do Sesc Pompeia, na capital paulista, na última sexta-feira (23 de dezembro): a gig foi apenas razoável, e quem brilhou mesmo e roubou o show foi o baixista

 

Set list? Tocaram de tudo um pouco e fizeram um bom apanhado da trajetória deles. Claro, o povo que lotou a choperia (muitos velhões e velhonas na faixa dos 40/50 anos, como este jornalista ainda rocker mas já “tiozão” sem pudor e problema algum; mas também havia uma pirralhada mais jovem, incluso aí muitas xoxotinhas tesudas com cabelos descoloridos, tattoos e tetas QUASE à mostra, afinal estava bem quente na choperia, e todos com t-shirts de bandas ícones do pré e pós punk, como Television e Joy Division, sendo que o zapper vestia a sua do Clash, uma das eternas cinco bandas da nossa vida) só enlouqueceu mesmo quando o GOF disparou seus dois grandes hits (dentro do que se pode considerar “hit” no caso deles e no rock alternativo), “Damaged Goods” e “I Love A Man In A Uniform” (sendo que essa Andy Gill bem poderia tê-la dedicado ao futuro presidente nazi fascista brasileiro e a quase todos os 55 milhões de OTÁRIOS, BOÇAIS e IMBECIS e completos selvagens que votaram nele). Mas aí já era um pouco tarde para virar o jogo totalmente, ainda que o bis tenha sido empolgante a ponto de conseguir fazer todo mundo dançar.

Para quem esperou tanto tempo e esperava mais em termos de performance, o Gang Of Four ficou devendo. Como não deverão mais voltar aqui (nesse país fodido, falido e agora mergulhado em trevas medievais culturais profundas a partir de 2019), vamos ter que ficar com esse registro mesmo em nossa memória de jornalista musical.

 

***O set list da gig do GOF, no Sesc:

 

Anthrax

Where The Nightingale Sings

Not Great Men

Isle of Dogs

Toreador

Paralysed

I Parade Myself

What We All Want

Natural’s Not In It

Lucky

Damaged Goods

Do As I Say

I Love a Man in a Uniform

Why Theory?

At Home He’s a Tourist

To Hell With Poverty

 

Bis:

Return the Gift

Ether

I Found That Essence Rare

 

**********

 

MICROFONIA (reverberando a cultura pop em todas as suas múltiplas facetas)

 

***Okays, o novo post demorou mesmo desta vez para sair. Mas cá estamos, com zilhões de assuntos pendentes e para serem colocados em dia. Fora que este é o penúltimo postão do blog em 2018 e talvez em sua história, fechando um ciclo que já dura quinze anos – muito bem sucedidos, diga-se. A partir de 2019 este espaço deverá continuar presente na blogosfera brasileira de cultura pop mas apenas para divulgar EVENTOS ESPECIAIS com a marca Zapnroll, como festas e noites com o nome do blog e que serão prioritariamente realizadas em unidades do Sesc da capital paulista, reeditando o sucesso que foi a comemoração do nosso décimo quinto aniversário mês passado, na unidade Belenzinho, na zona leste de Sampa. Mas sobre isso daremos mais e melhores detalhes em nosso último post deste ano, beleusma?

 

***E falando em festas, essa bacanuda e celebrando o niver do nosso querido brother carioca Kleber Tuma, rola mês que vem (dia 22, pertinho do natal) no Rio De Janeiro. Noitona pós-punk anos 80 pra nenhum gótico do Rio MEDO De Janeiro reclamar, hihi. Com especiais do Echo & The Bunnymen e Joy Division, além de Finaski como dj convidado, wow! Se você mora no balneário ou se estiver de bobeira por lá no dia, já sabe pra onde ir pra dançar até cair! Tudo sobre a baladadona aqui: https://www.facebook.com/events/293078024871304/.

CARTAZFESTACEREMONYRIO18

 

***“BOHEMIAN RHAPSODY”, O FILME, É SENSACIONAL E FEZ FINASKI CHORAR! – a cinebiografia do Freddie Mercury, que se eternizou na história do rock e da música mundial como o vocalista do inesquecível Queen, é um filmaço! Com alguns defeitos, isso é inegável. Um dramalhão quase mexicano, só que muito bem produzido e roteirizado? Sem dúvida. Passa muito superficialmente por diversos momentos da trajetória do grupo? Também, e nem tinha como ser diferente, afinal estão condensados em duas horas de filmagem uma história de mais de 20 anos. Comete equívocos cronológicos grosseiros? Sim, e talvez esta tenha sido a principal “escorregada no tomate” do longa, que mostra o show do Queen em janeiro de 1985, na primeira edição do Rock In Rio, absolutamente fora do tempo correto. Naquela época Freddie já ostentava seu visual que o acompanhou até sua morte em 1991, com cabelo curtíssimo e bigodão. No filme, na gig no Rio, ele ainda aparece de cabelos compridos e sem bigode. Fora que DEPOIS da apresentação no festival carioca a banda é mostrada criando o clássico “We Will Rock You” – que na verdade abre o álbum “News Of The World”, lançado 8 anos antes (!), em 1977. Mas nada disso tira o prazer gigantesco de assistir o filme. Os atores que vivem os quatro integrantes do conjunto não poderiam ter sido melhor escolhidos. E a cada avanço e ascensão na jornada do quarteto, a plateia fica extasiada de verdade. Como quando é mostrado como eles criaram o HINO que dá título ao longa, uma das obras-primas de toda a história do rock mundial e que a gravadora não queria lançar como single de trabalho de forma alguma por causa da longa duração da canção (uns 6 minutos). O Queen bateu o pé para que “Bhoemian…” fosse o primeiro single do clássico e sensacional LP “A Night At The Opera” (lançado em 1975) e deu no que deu: a faixa estourou nas rádios inglesas e foi parar no topo das paradas. O final então é mega emocionante e de arrepiar, quando a banda se reúne para tocar no Live Aid, concerto monstro organizado em 1985 e que reuniu os maiores nomes do rock mundial de então, para um show beneficente que visava arrecadar fundos para as vítimas da fome na África. O evento entrou para a história da música, e no palco do estádio de Wembley o Queen mostrou mais uma vez porque era a RAINHA máxima do rock. O filme acaba ali e não foca nos anos finais da vida de Freddie, que seria derrotado pela Aids seis anos depois, quando tinha 45 de idade. Mas mostra (ainda que de forma sutil e discreta) como ele se descobriu gay ao longo da sua vida, após namorar seis anos com Mary Austin e terminar sua vida ao lado do companheiro Jim Hutton. Tanto Mary como Jim herdaram a maior parte da fortuna deixada por Mercury. E vendo o filme, um OUTRO FILME passou diante dos nossos olhos. O blog se lembrou de como amava o Queen na nossa pós-adolescência, dos LPs que tínhamos deles (tivemos durante anos meia dúzia de discos do grupo, em suas edições originais com capas duplas, e não parávamos de escutá-los) e dos DOIS SHOWS que vimos da banda, em março de 1981 no estádio do Morumbi em Sampa, e depois em 1985 no primeiro Rock In Rio. Zapnroll foi sozinho em ambos, graças ao “apoio” financeiro da saudosa mama Janet, que superprotegia o jovem Finas e pagou os ingressos nas duas vezes sob protestos irados, pois ela morria de medo de que seu filho fosse sozinho naquela idade (18 anos no primeiro show; 22 no segundo) num “tumulto” musical e rocker onde estariam milhares de pessoas. Mas que loko: ela mesma AMAVA o Queen e por isso deixou o jovem Finaski ir às duas gigs. No final das contas, “Bohemian Rhapsody” nos mostra o que todos nós já sabemos há bastante tempo: nunca mais haverá na história da música bandas como o Queen ou vocalistas fodásticos como Freddie Mercury. O rock morreu, já está no museu e a música pop de hoje (assim como a própria cultura pop em si) se tornou completamente anêmica, irrelevante, ignorante. Burra como são estes tempos da internet. Estúpida como são os próprios ouvintes de música de hoje em dia. De modos que, se temos alguma felicidade por estar com quase 5.6 nas costas, é por saber que conseguimos viver, ouvir e ver tudo aquilo de perto, ao vivo. As últimas fases de uma história emocionante, empolgante e fantástica, chamada rocknroll. Uma história que não mais irá se repetir. Nunca mais. E sim, o zapper CHOROU nos minutos finais do filme, viu mozão André Pomba (rsrs). E ao final do filme a sala inteira do Belas Artes (que não lotou mas estava bem cheia) APLAUDIU e deu URROS de satisfação. E não teve (felizmente) bolsominion retardado, boçal e imbecil para vaiar o personagem de Freddie Mercury quando ele começou a beijar homens na boca e descobriu que, sim, o ser humano tem que ser FELIZ NO AMOR COM QUEM ELE BEM ENTENDER e com quem o faz se sentir amado, acolhido, carinhado e respeitado, e não com quem a sociedade careta e moralista hipócrita quer determinar. Valeu Queen e Freddie Mercury, por ter tornado grande parte da nossa vida menos ordinária e menos cinza também.

 

 

*** HORA DE JOGAR A TOALHA, ACEITAR A DERROTA TRÁGICA PARA A DEMOCRACIA E A PARTIR DE AGORA FAZER OPOSIÇÃO SÉRIA, HONESTA, CORAJOSA E GIGANTE FRENTE AO NAZI FASCISMO AUTORITÁRIO QUE VEM AÍ – Sim, não há o que fazer. Lutamos todos como GAROTOS e GAROTAS, mas a onda nazi fascista ultra conservadora de extrema direita que VARREU a sociedade selvagem e o eleitorado bestial brasileiro foi mais forte do que nós. E nesse momento sentimos mais VERGONHA DO QUE NUNCA de ser brasileiro. Mas não iremos desistir de nossa luta por democracia e liberdade. E achamos que NINGUÉM que está do nosso lado irá desistir. Sim, a partir de agora seremos todos outsiders novamente. OPOSIÇÃO seríssima e forte contra o senso comum BOÇAL que elegeu um presidente autoritário, truculento, irracional e amante da tortura e da ditadura militar. Exatamente como há quase 40 anos quando foi fundado, o PT volta a ser oposição contra o conservadorismo medieval político e social. E assim sendo terá chance de reavaliar sua postura e fazer a auto-crítica necessária aos seus erros. Mas sobretudo estaremos na oposição e na luta incansável por um Brasil menos horrível do que se prenuncia pelos próximos 4 anos. Jamais iremos nos arrepender do voto que demos para Fernando Haddad. Valeu, professor! Você também LUTOU COMO UM GAROTO. E seguiremos todos ao seu lado! E todos os que votaram nesse TRASTE Jairzinho bolsa de cocô vão se arrepender AMARGAMENTE e muito em breve. Vamos todos pagar muito caro por esse desastre (muitos até com a vida, talvez), mas esse MONSTRO será TOTALMENTE DESCONSTRUÍDO em tempo recorde. E aí vamos ver quem irá ter CORAGEM de assumir que ajudou a AFUNDAR de vez o Brasil.

 

***E só pra não esquecer, sendo que nunca foi tão necessário ter uma gig dessas nesse momento no Brasil: logo menos à noite, na choperia do Sesc Pompeia, rola o segundo show dos ingleses do Gang Of Four, um dos grupos mais politizados e esquerdistas da história do pós punk inglês dos anos 80. Os ingressos estão esgotados (ontem também se esgotaram) mas o blog estará presente e depois conta aqui nesse mesmo post como foi a apresentação, pode ficar sussa.

 

***Bien, mais notas e novidades poderão pintar aqui na Microfonia a qualquer momento e ao longo da próxima semana, já que o postão está entrando no ar na sexta-feira e seguirá como sempre em enorme construção. Mas vamos em frente aí embaixo, falando da volta dos Smashing Pumpkins e também dos trinta anos do mega clássico álbum “Green”, lançado pelo gigante inesquecível que foi o REM. Bora!

 

 

AOS TRINTA ANOS DE EXISTÊNCIA O SMASHING PUMPKINS RETORNA COM SUA FORMAÇÃO QUASE ORIGINAL – E, QUEM DIRIA, COM UM BOM DISCO DE INÉDITAS

Yeah, a lendária e clássica banda fundada há também exatos 30 anos pelo guitarrista, vocalista, compositor e gênio Billy Corgan, lançou semana passada seu novo disco de estúdio, após quatro anos sem gravar. Título enooooorme: “Shiny and Oh So Bright, Vol. 1 / LP: No Past. No Future. No Sun.”. É o décimo primeiro trabalho inédito do grupo e o primeiro a reunir em décadas a formação quase original da banda, já que ao lado de Corgan estão novamente o guitarrista (e nas gravações deste álbum também tocando baixo) japa James Iha, e o batera monstro Jimmy Chamberlin, sendo que só não se juntou a eles novamente a loira e loka e tesuda baixista D’Arcy.

O SM e Billy Corgan deram obras musicais GIGANTESCAS e IMORTAIS ao rocknroll, especificamente em seus três primeiros discos de estúdio (“Gish”, “Siamese Dream” e o duplo “Mellon Collie and the Infinite Sadness”, lançado em 1995 e que apenas naquela época vendeu absurdas 14 milhões de cópias) e isso é incontestável. É vero que daí pra frente a banda nunca mais acertou a mão e se tornou apenas grupo de apoio para o ditador Corgan. Depois que lançou o magistral álbum duplo “Mellon Collie…”, o SM nunca mais foi o mesmo. Fora que o conjunto se desfigurou por completo, com zilhões de músicos entrando e saindo do seu line up e onde apenas o careca Billy permanecia.

A banda também tocou no Brasil algumas vezes, sendo que o blog esteve nas duas primeiras: em janeiro de 1996 na derradeira edição do festival Hollywood Rock, quando eles vieram justamente na turnê do “Mellon Collie…” e fizeram um show ARRASADOR no estádio do Pacaembú (numa noite que ainda seria magistralmente fechada pelo The Cure, ótimos tempos que nunca mais irão voltar), e dois anos depois na tour do fraquinho “Adore”, sendo que a gig nem de longe foi igual a de dois anos antes.

CAPASP18

O novo e bom álbum do Smashing Pumpkins (capa acima), banda que completa 30 anos de existência em 2018 e cuja formação inicial e clássica incluía a baixista D’Arcy (abaixo)

IMAGEMSPCLASSIC

 

Mas enfim, trata-se de um bom retorno para um conjunto que soube como ninguém engendrar um mix sonoro onde cabiam eflúvios de heavy rock, psicodelia, dream pop e até shoegazer inglês. O disco tem enxutos 31 minutos de duração, uma ótima e bem vinda raridade em tempos em que se gravam discos com mais de uma hora de música insuportável e que não diz NADA ao ouvinte. E essa meia hora onde estão condensadas oito faixas periga ser o MELHOR DISCO da banda desde “Mellon Collie…”, lançado há seculares 23 anos. Ótimas melodias, músicas enxutas e bem resolvidas, sem enchimento de linguiça. Parece que a reunião dos três (Corgan, Iha e Chamberlin) reascendeu a mágica que havia na sonoridade do grupo nos anos 90’. Estas linhas bloggers rockers gostaram especialmente de “Silvery Sometimes (Ghosts)” (que lembra demais “1979”, pela melodia dela) e da lindíssima “With Simpathy”. Deu até pra se sentir de volta a 1995, dançando na pista do Espaço Retrô da rua Fortunato, no centro de Sampa.

Em tempos em que o rocknroll está definitivamente morto e atropelado pela completa irrelevância da música pop atual, e quando não se esperava nada mais de um conjunto como o Smashing Pumpkins, o fato de ele conseguir lançar um cd como este “Shiny…” é mais do que bem vindo. Vai agradar bastante aos velhos fãs e poderá ser uma ótima surpresa para uma pirralhada que não sabe mais o que é rock ou uma banda de rock, mas que tem curiosidade em descobrir como era e é esse gênero musical “do tempo das cavernas”.

 

 

A TRACK LIST DO NOVO ÁLBUM DO SMASHING PUMPKINS

1.”Knights of Malta”

2.”Silvery Sometimes (Ghosts)”

3.”Travels”

4.”Solara”

5.”Alienation”

6.”Marchin’ On”

7.”With Sympathy”

8.”Seek and You Shall Destroy”

 

 

E O DISCO PARA VOCÊ OUVIR, AÍ EMBAIXO

 

 

GRIND ANO 20 E FINAS 5.6 – ALGUMAS HISTÓRIAS BEM LOKAS NA MELHOR DOMINGUEIRA ROCK DO BRASIL

Yep, o rocknroll pode ter morrido no mundo (o que é muito triste) mas no Grind, a domingueira rock mais famosa e bombada do Brasil, ele segue firme e forte. Já se tornou um clássico da noite paulistana e isso num dia da semana dado como morto – o domingo. E nesse próximo domingo, 25 de novembro, ele completa 20 anos de existência, um recorde! Sendo que lá também estaremos discotecando para bebemorar nosso próprio aniversário, já que chegamos aos 5.6 de vida (não é mole, não!) na segunda-feira, 26.

Zapnroll se lembra bem (ou mais ou menos bem, rsrs) de quando tudo começou, em maio de 1998. A internet ainda engatinhava no Brasil, não existiam redes sociais e, tal como hoje, o rock era o gênero da música pop dado como morto. Pois o venerável André Pomba (nosso melhor amigo há 25 anos, ou seja, nos conhecemos 5 anos antes da festa dominical começar), sempre visionário, procurou a direção do clubinho gls A Loca (que estava começando a bombar na noite paulistana), propôs fazer uma noite rock para um público mix (gays, lésbicas e simpatizantes), o povo da Loca topou a parada e aí tudo começou. Nos primeiros anos era mesmo uma matiné dominical, que começava às 8 da noite e encerrava pontualmente meia-noite de segunda-feira. Não haviam flyers virtuais mas sim uma filipeta impressa em formato retangular, que divulgava a programação e a lista de djs e especiais do mês todo.

Com o passar dos anos o público foi aumentando e o horário teve que ser progressivamente esticado. A balada passou a funcionar até duas da manhã de segunda-feira. E no seu auge, quando cerca de mil pessoas passaram a frequentar a domingueira, o horário passou a ser estendido até (acreditem!) 6 da matina. Era uma piração bizarra: enquanto o povo “normal” amanhecia na avenida Paulista saindo de metrôs lotados para ir estudar ou trabalhar (todos devidamente engravatados ou trajando uniformes empresariais), uma galera loka, de óculos escuros e devidamente chapados de álcool e outros “aditivos”, saía do “inferninho” da rua “Gay” Caneca (no centro de Sampa) para chegar em casa e desabar na cama.

Estas linhas zappers fizeram muitas djs set no Grind ao longo dessas duas décadas (o sujeito aqui é jornalista e sempre foi, mas gosta de “brincar” de dj). E as histórias absolutamente MALUCAS que vivemos na festona sempre animada do mozão Pomba, dariam um livro. Não resistimos e contamos duas abaixo, tentando resumir ao máximo a ópera rock.

CARTAZGRIND20ANOS

A domingueira rock mais famosa do Brasil chega aos vinte anos de existência nesse domingo (25 de novembro) com festão, que irá contar com dj set especial do blog (acima); abaixo, o jornalista loker rocker manda bala na cabine de som do Grind

FINATTIDJGRIND18II

 

 

***2004 e o strip do jornalista loker-rocker – era julho daquele ano e o Grind fazia sua festa especial celebrando o famigerado Dia Mundial do rock. Pomba montou um line de djs especial onde, entre outros, tocariam o saudoso Kid Vinil e Finas, claro. Pois quando chegou a hora da nossa dj set lá foi o jornalista loker (já turbinado por boas doses de vodka com energético e gin tônica) fazer o “serviço”, rsrs. Até que resolveu tocar “I Can’t Get Enough”, super hit dançante (naquela época) do grupo britpop Suede, que sempre amadoramos (a banda e a música em si). E sempre que tocava essa música em alguma discotecagem Finaski despirocava e se transformava numa bicha mais loca que o vocalista Brett Anderson. Pois o dj loki e ainda relativamente jovem e PAUZUDO (rsrs) começou a se ESFREGAR na parede e também a… TIRAR A ROUPA em plena cabine de discotecagem! Terminou a faixa apenas de CUECA (sunga, ainda por cima), o que levou sua então love girl (a tesudíssima Tânia, com quem ele havia começado a ter um caso um mês antes e sendo que ela em outra noitada no Grind, bem loka de álcool, chupou o pinto zapper em plena pista de dança, num cantinho ao lado da cabine de som) a exclamar para um amigo em comum que nos acompanhava: “Mas o que é isso que ele fez!!!”. “Ficou pelado, oras!”, respondeu nosso amigo, uia!

 

***Dando entrevista BICUDAÇO de farinha, e a LOCA do “acabou, acabou!” – maio de 2009 e o Grind faz sua mega festa de 11 anos de existência. Casa lotada, Finas bem loko de álcool e cocaine, rsrs. E num momento que estava na cabine enquanto Pomba manda bala no som, chega uma equipe do programa de tv do Chato Mesquita, ops, Otávio Mesquita, para fazer uma matéria sobre a festa. Uma repórter tesudinha entrevista Pombinha na cabine mesmo. Logo em seguida ele RECOMENDA que a repórter também entreviste o mancebo aqui, por ele ser jornalista conhecido e bla bla blá. Ela vem falar com o gonzo chapado, põe o microfone na cara dele, acende a luz da câmera de filmagem e manda bala. O zapper total alucicrazy, com os olhos estalados e as órbitas saltando pra fora deles, dispara a falar a 200 kms por segundo. Ao final da curta entrevista, dom Pomba com sua sempre impoluta sabedoria, vaticina: “se eles aproveitarem 20 segundos do que você falou será muito, hihi”. Mas o grand finale dessa madrugada (sendo que o blog já tinha indo embora quando rolou a parada, mas depois ficamos sabendo pelo relato de dom Pombinha) foi mesmo quando, às 5 e meia da matina (!!!), uma LOCA literalmente INVADIU a cabine do dj e tentou jogar as CDJs (os tocadores de cds) no chão, enquanto gritava total alucinada: “ACABOU! ACABOU!!!”. Pomba só teve tempo de literalmente AGARRAR as CDJs pra evitar que elas fossem pro chão, enquanto um segurança arrancava a maluca da cabine. Depois, ficou-se sabendo, a moçoila tinha levado uma botinada do (ex) namorido durante a balada, o que a motivou a fazer a loucura de invadir a cabine. Só não se sabe até hoje se os gritos dela de “acabou!” se referiam ao fim do namoro ou se ela queria mesmo ACABAR com a balada, ahahaha.

 

Então é isso. Domingo agora promete ser lindo: 20 anos de Grind (no Espaço Desmanche, onde a festa está muito bem instalada há quase dois anos, e que deverá lotar), uma festa que já formou gerações na capital paulista, e 5.6 de Finaski, com dj set dele avassaladora a partir das duas da matina. E deverá ser mesmo nossa ÚLTIMA dj set pois já estamos véios demais pra essas loucuras, hihi.

Espero todo mundo por lá, sendo que todas as infos da balada imperdível você pode conferir aqui: https://www.facebook.com/events/254150721931307/.

Feliz aniversário, Grind! Que venham outros 20 anos pela frente!

 

**********

 

 

“GREEN”, UM DOS DISCOS GIGANTESCOS DA HISTÓRIA DO ROCK MUNDIAL E LANÇADO EM 1988 PELO INESQUECÍVEL REM (UMA DAS CINCO BANDAS DA VIDA DE ZAPNROLL), CHEGA AOS 30 ANOS DE EXISTÊNCIA – MOSTRANDO QUE REALMENTE NÃO EXISTEM MAIS BANDAS E NEM DISCOS COM TAMANHA QUALIDADE ARTÍSTICA E MUSICAL

Sexto álbum de estúdio da trajetória da banda norte americana REM (que durou exatamente trinta e um anos, lançando durante este período um total de quinze discos inéditos, além de Eps e coletâneas), “Green” é um dos trabalhos gigantes do grupo e superlativo em vários aspectos. Lançado oficialmente em 7 de novembro de 1988, marca a estreia do então quarteto criado em Athens (no Estado da Georgia) e integrado pelo vocalista e letrista Michael Stipe, pelo guitarrista Peter Buck, pelo baixista e tecladista Mike Mills e pelo baterista Bill Berry, na gigante major do disco Warner Bros, após editar seus primeiros LPs pelo pequeno selo IRS.

Quando foi cooptado para a Warner Music (o braço musical do monstruoso conglomerado de mídia e comunicação sediado nos Estados Unidos), o REM (o nome do grupo foi escolhido de maneira aleatória por seus integrantes, mas tem a ver com um termo da psiquiatria que determina a fase do sono humano em que a pessoa mergulha em sonhos e quando os olhos desta pessoa passam a piscar freneticamente, daí o termo “Rapid Eye Movement” ou “movimento rápido do olhar”) já existia há oito anos (foi fundado em 1980) e havia lançado cinco álbuns pelo selo IRS (na verdade, uma subdivisão de outra major gigante, a Columbia Records, fundada por Miles Coppeland, empresário do meio musical e irmão de Stewart Coppeland, baterista do lendário trio inglês The Police). Todos venderam muito bem, ganharam grande respeito da crítica e amealharam alguns milhões de fãs nos EUA (especialmente no circuito do rock mais alternativo), seduzidos pelas ótimas melodias que combinavam aceleração punk com eflúvios de folk e country music, e também pelas letras poéticas (escritas e cantadas por Stipe) e pela postura altamente engajada do grupo, tanto na questão política quanto social. Além disso um dos maiores trunfos do quarteto era mesmo o guitarrista extraordinário Peter Buck, que possuía um conhecimento ENCICLOPÉDICO de rocknroll por ter trabalhado durante anos na sua juventude em uma loja de discos.

Assim, quando “Green” chegou às lojas de discos, ele veio cercado das maiores expectativas possíveis. E não decepcionou nem os fãs muito menos a imprensa rock. Alternando canções rocks vigorosas (como “Pop Song 89”, “Get Up”, “Stand”, “Orange Crush” e “Turn You Inside-Out”) com momentos de puro lirismo e melancolia melódica (e aí dois ótimos exemplos são as belíssimas “World Leader Pretend” e “The Wrong Child”), “Green” foi efusivamente saudado como um grande disco pelos principais veículos de mídia do mundo à época. Vendeu muito bem também e abriu caminho para que, três anos depois, a banda se tornasse um fenômeno planetário de vendas e de público, quando editou o álbum “Out Of Time”, que produziu um dos maiores hits que se tem notícia em toda a história do rock mundial, a igualmente lindíssima “Losing My Religion”. Mas “Green” permanece como um marco ESSENCIAL na trajetória do conjunto até hoje, três décadas após seu lançamento. Reverenciado por astros como o saudoso vocalista do Nirvana, Kurt Cobain (que incluiu o LP na sua lista de cinquenta melhores discos de todos os tempos), ou por jornais lendários como o inglês The Times (onde o disco permanece também na lista dos cem melhores de todos os tempos), “Green” não envelheceu. Pelo contrário: continua com uma musicalidade atualíssima e com temas idem, mesmo em tempos onde a cultura pop não vale praticamente mais nada e quando o rocknroll virou infelizmente peça de museu.

CAPAREM1988II

Um dos nomes mais importantes de toda a história do rock mundial, o quarteto americano REM lançou há exatos 30 anos um de seus melhores álbuns, “Green” (acima); abaixo, o vocalista Michel Stipe canta e canta quase 200 mil pessoas (o blog zapper entre elas!) na terceira edição do Rock In Rio, em janeiro de 2001

IMAGEMREMRIR2001

 

Após “Green”, o grupo ainda ficaria ainda na ativa por mais de duas décadas, onde continuou lançando ótimos trabalhos e alguns mais medianos no final de sua carreira, que se encerrou de maneira pacífica (e sem brigas entre seus integrantes) em 2011, quando terminou o contrato do grupo com a Warner. Antes, por duas vezes, a banda se apresentou no Brasil, em janeiro de 2001 (na terceira edição do festival Rock In Rio, em uma gig inesquecível e que provocou comoção generalizada no público de quase duzentas mil pessoas que estava na “cidade do rock”, o autor deste blog incluso), e depois em novembro de 2008, quando tocou em São Paulo, Rio De Janeiro e Porto Alegre. Foram dignos, gigantes em sua musicalidade, amados pelos fãs e ultra respeitados pela imprensa mundial até o fim. Foram, com justiça, um dos maiores nomes de toda a história do rock. E deixam saudades até hoje.

Abaixo, em texto especialmente escrito para o blog pelo carioca Leo Rocha (querido amigo, fã e especialista em REM), nosso dileto leitorado terá uma extensa e ótima análise da trajetória do quarteto, além de também uma preciosa análise de “Green”. Boa leitura!

 

 

 

REM – A TRAJETÓRIA DA BANDA E A VISÃO DE UM FÃ E ESPECIALISTA NELA, SOBRE O ÁLBUM “GREEN”

 

(por Leo Rocha, especial para Zapnroll)

 

“Michael Stipe gritou pela última vez:

– And I feel…

Cem mil vozes urraram em respostas:

– Fine!

Bernardino pensou:

– Pu-ta que pa-riu!

Duas e quarenta e quatro da madrugada de 14 de janeiro de 2001.”

 

Pois é, amigos… Esse é o começo do livro de Arthur Dapieve (jornalista carioca) (e nota do editor do blog, com todo respeito à admiração do querido Léo pelo referido jornalista carioca: Dapieve, superestimado como jornalista, sempre cometeu equívocos e imprecisões em seus textos: haviam quase 200 mil pessoas no show do REM em 13 de janeiro de 2001, na terceira edição do Rock In Rio, e não apenas 100 mil. E Finaski era UMA dessas quase 200 mil pessoas) chamado “De Cada Amor Tu Herdarás Só o Cinismo” (Ed. Objetiva). Uma analogia com a canção “O Mundo é um Moinho” de Cartola. Uma senhora lição de vida!!!! Compareci ao lançamento e de lá descolei uma assinatura circulando o nome do vocalista (informei ao jornalista que era um admirador da banda) junto ao meu. Tenho guardado o exemplar intacto na minha estante. O livro narra uma história romântica e ímpar de um homem de quarenta e poucos anos seduzido por uma jovem ingênua e arisca. E, justamente, tudo inicia-se ao fim do show do REM no Rio de Janeiro (Rock in Rio 2001). Sincrônico, não?

A primeira vez que me deparei com essas linhas fiquei auspicioso e hirto. Pensei: “Que porra é essa?” Não esperava que o começo da minha leitura iria de encontro ao show mui especial da banda do meu coração, tampouco numa noite que foi ÚNICA pra mim. Em diversos aspectos. Antes que você ache que me refiro ao show em si… interrompo para dizer: meu casamento havia terminado naquele ano e na semana do show. Você consegue imaginar o meu espanto agora? Ou melhor: no instante em que li o livro de Dapieve? Pois é, meu caro. A vida é cheia de surpresas e ironias. Enfim… E devo dizer que durante muitas páginas do livro fiquei mais espantado, pois os detalhes dentro da história lembram muito o que eu fiz naquele show e como foi a volta do mesmo pra casa. Assustador!!! Muita sincronia!!! De qualquer modo, a banda nunca havia pisado em solo nativo para tocar. Jamais. E minha ex-mulher sabia bem o que aquele dia representava pra mim. De novo: a vida é irônica e sacana. Lembro-me de muito do show e do dia inteiro. Foi surreal esse momento de celebração com os amigos (em comum) e ao mesmo tempo a nossa frustração interna com a separação. Foi punk! Mas, antes de prolongar-me nessa retórica deixe-me voltar anos atrás para resumir como a banda surgiu na minha vida…

Eu já havia escutado “The One I Love”, “Stand” e “It’s the End” na extinta Rádio Fluminense. Final da década de 80. Faz-se necessário recordar que não havia internet nem celular. Então as coisas, os sons, as novidades “gringas” chegavam ao Brasil tempos depois. Era sempre assim. Se por acaso uma banda lançasse algo fora o país só receberia anos depois. Salvo se você fosse ingressar como jornalista musical. O que a gente podia fazer era ter amigos ou parentes que viajassem e comprassem um vinil ou K-7. No máximo. Não tinha muito como escapar. Tinham poucas revistas que informavam, mas era árdua a missão. Quem gostasse de som alternativo e afins tinha que ler revistas especializadas, corresponder-se (cartas) com os fã-clubes pelos correios (duas semanas ou mais chegavam as respostas) e sair pela noite nas festas “estranhas com gente esquisita”. E eu fui um adolescente assim. Juro! Por mais uma ironia do destino viajei para Nova York a lazer para casa da minha prima mais velha em 1991. Hmmmm… acho que o leitor já sentiu aonde vou chegar né? Sim…  saía “Out Of Time” com tudo no país (EUA). O disco estava muito estourado (“hype” pros mais jovens). Tocava em toda esquina de NY. Concomitante o Nirvana também havia lançado “Nevermind” e eu peguei tudo lá, direto da fonte. Mas, essa é outra história. Comprei o “Out Of Time” e com isso comprei todos os outros CDs (só tinha no exterior a mídia) da banda. Do EP “Chronic Town” ao “Green”. Levei tudo. Eram sessenta cds (sim, sessenta). O dono da loja ficou rindo à toa. Gastei na época uns seiscentos dólares. Cada cd custava dez dólares. Sacou? O dólar na época estava 1,5 para moeda brasileira. Nada de muito assustador. Mais: tive que comprar o aparelho!!!! Sim… Não havia cd nem aparelho pra rolar no Brasil. Só rico tinha. Eu não era rico. Voltei de lá lotado de sons e louco para desvendar a banda de Athens. Aí… bom… vamos deixar de lado o que aconteceu, pois é como se eu narrasse um encontro meu com uma mulher. Foi lindo! Tinham oito trabalhos distintos do REM para escutar. Devorar mesmo. Havia a coletânea “Epponymous” lançada lá nos EUA em 1988. Desse momento em diante passei a “alugar” cds em lojas recém-abertas no Rio de Janeiro. Permitia você alugar um cd por um dia ou mais para escutar ou gravar (olha a pirataria aí…Tsc…Tsc…). Quem tem mais de quarenta anos irá lembrar. Dali eu escutei muito REM antes de comprar. Mas, eu não tinha o aparelho. O jeito era escutar nas casas dos amigos. Mas, tudo bem. Quando eu volto pro Brasil estava com tudo. Munido de som, aparelho, roupas, revistas etc. Diversos amigos meus enfurnaram-se na minha casa para ouvir, beber, apreciar a qualidade do CD… Vínhamos do som do Vinil. Eu adorava, mas o cd estava chegando, entende? Bom, desde então consumi a literatura de música pop, rock e indie feito um esfomeado. Absorvi tudo, tudo. Mas sempre com o REM em particular… cada vez mais. Quando frequentei as festinhas de rock eram as camisas quem ditavam regras. Quem curtia Smiths, Joy Division, The Cure e tal. Porém eu comprei uma lá do REM e foi justamente com ela que conheci diversas pessoas na noite e ficamos amigos. Alguns famosos, rsrsrrs. Nesse passo fui encontrando-me nesse pessoal (da noite) que curtia outros sons. Eu, cada vez mais, aprofundava-me nos rapazes da Georgia. Em resumo: a banda fez-me conhecer muitas pessoas distintas, era apreciada em conjunto, embalou namoricos meus e acalantou-me em outros pés na bunda que tomei também. Esteve sempre comigo na adolescência, juventude e plena maturidade. Veio o milênio novo e com ele a esperança de um show no Brasil (esse mesmo!!!) em 2001. Foi um alvoroço na minha turma. Gente de São Paulo, Minas, de vários lugares comentando e combinando. Foi quando o meu casamento (eu já era pai também) acabou. Eles chegaram no ano certinho. Pior: no mesmo mês. Eu me separei em janeiro. Foi inimaginável assisti-los, degustá-los e ao mesmo tempo ficar firme. Algo próximo da catarse! Mais uma ironia? Fato. A tecnologia foi chegando, celulares, internet, redes sociais… O que unia a rapaziada nos anos 80 e 90 a rede receberia anos depois. Salvo se você fosse ingressar como jornalista musical. O que a gente podia fazer era ter amigos ou parentes que viajassem e comprassem um vinil ou K-7. No máximo. Não tinha muito como escapar. Tinham poucas revistas que informavam, mas era árdua a missão. Quem gostasse de som alternativo e afins tinha que ler revistas especializadas, corresponder-se (cartas) com os fã-clubes pelos correios (duas semanas ou mais chegavam as respostas) e sair pela noite nas festas “estranhas com gente esquisita”. E eu fui um adolescente assim. Juro! Por mais uma ironia do destino viajei para Nova York a lazer para casa da minha prima mais velha em 1991. Hmmmm… Acho que o leitor já sentiu aonde vou chegar né? Sim… Saía “Out Of Time” com tudo no país (EUA). O disco estava muito estourado (“hype” pros mais jovens). Tocava em toda esquina de NY. Concomitante, o Nirvana também havia lançado “Nevermind” e eu peguei tudo lá, direto da fonte. Mas, essa é outra história. Comprei o “Out Of Time” e com isso comprei todos os outros CDs (só tinha no exterior a mídia) da banda. Do EP “Chronic Town” ao “Green”. Levei tudo. Eram sessenta cds (sim, sessenta). O dono da loja ficou rindo à toa. Gastei na época uns seiscentos dólares. Cada cd custava dez dólares. Sacou? O dólar na época estava 1,5 para moeda brasileira. Nada de muito assustador. Mais: tive que comprar o aparelho! Sim, não havia cd nem aparelho pra rolar no Brasil. Só rico tinha. Eu não era rico. Voltei de lá lotado de sons e louco para desvendar a banda de Athens. Aí… Bom, vamos deixar de lado o que aconteceu, pois é como se eu narrasse um encontro meu com uma mulher. Foi lindo! Tinham oito trabalhos distintos do REM para escutar. Devorar mesmo. Havia a coletânea “Epponymous” lançada lá nos EUA em 1988. Desse momento em diante passei a “alugar” cds em lojas recém-abertas no Rio de Janeiro. Permitia vc alugar um cd por um dia ou mais para escutar ou gravar (olha a pirataria aí…Tsc…Tsc…). Quem tem mais de quarenta anos irá lembrar. Dali eu escutei muito REM antes de comprar. Mas, eu não tinha o aparelho. O jeito era escutar nas casas dos amigos. Mas, tudo bem. Quando eu volto pro Brasil estava com tudo. Munido de som, aparelho, roupas, revistas etc. Diversos amigos meus enfurnaram-se na minha casa para ouvir, beber, apreciar a qualidade do CD. Vínhamos do som do Vinil. Eu adorava, mas o cd estava chegando… Entende? Bom, desde então consumi a literatura de música pop, rock e indie feito um esfomeado. Absorvi tudo, tudo. Mas sempre com o REM em particular. Cada vez mais. Quando frequentei as festinhas de rock eram as camisas quem ditavam regras. Quem curtia Smiths, Joy Division, The Cure e tal. Porém eu comprei uma lá do REM e foi justamente com ela que eu conheci diversas pessoas na noite, e ficamos amigos. Alguns famosos, rsrsrrs… Nesse passo fui encontrando-me nesse pessoal (da noite) que curtia outros sons. Eu, cada vez mais, aprofundava-me nos rapazes da Georgia. Em resumo: a banda fez-me conhecer muitas pessoas distintas, era apreciada em conjunto, embalou namoricos meus e acalantou-me em outros pés na bunda que tomei também, rsrsrs. Esteve sempre comigo na adolescência, juventude e plena maturidade. Veio o milênio novo e com ele a esperança de um show no Brasil (esse mesmo!) em 2001. Foi um alvoroço na minha turma. Gente de São Paulo, Minas, de vários lugares comentando e combinando. Foi quando o meu casamento (eu já era pai também) acabou. Eles chegaram no ano certinho. Pior: no mesmo mês. Eu me separei em janeiro. Foi inimaginável assisti-los, degustá-los e ao mesmo tempo ficar firme. Algo próximo da catarse! Mais uma ironia? Fato. A tecnologia foi chegando, celulares, internet, redes sociais… O que unia a rapaziada nos anos 80 e 90 a rede social podia fazer “online”. E, assim foi. Comunidades e fãs de diversos lugares do mundo eu fiz amizade. Estreitando mais ainda os laços internacionais com algo em comum: REM. Por fora eu traí muito a banda, rsrsrs. Nunca fui fiel nesse sentido. Eu adoro som. Flertei com tudo: jazz, rock, indie, pós-punk, punk, blues, jungle pop, power pop, techno, rap, etc. Nunca prendi-me a um som ou a uma coisa somente. Isso eu sempre tratei bem. Porém, nunca deixava de ser um fã da banda. Um pesquisador de várias bandas que tinha um afeto especial por eles. Era bem simples. A banda entrou na minha vida como entra um amigo ou parente e fica. Participa, convive e estabelece-se. Entende? É assim que funciona comigo. Tenho as minhas predileções, contudo mantenho-me ouvindo e curtindo tudo mais. Mas, é fato que as pessoas lembram de mim, também, por ser um fã de REM. Afinal de contas, o que faço aqui no blog do Finas? Falando do quê? Ora bolas, rsrsrs.

Para arrematar esse papo todo menciono a segunda vez deles aqui. Antes, em 2005, conheci uma moça que faz meu coração balançar mais uma vez. Nada estava dando certo nesse período. Conhecê-la foi uma virada pra mim. Namoramos durante quase três anos e nos programamos para morar juntos e tal. Seria o “segundo” casamento. Ugh! Como dizia a famosa canção: “pro inferno ele foi pela segunda vez”… Rsrsrs. Mais uma relação pro vinagre. O ano? Era 2008. Adivinhe quem viria naquele ano pro Brasil? Pois é… De novo, os caras para alentar esse jovem recém separado. Ou seja: a banda esteve e está em todos os momentos cruciais meus. Não havia como ignorar tanta ironia e capricho da vida. Foram quatro shows (dois em SP e um no RJ e em Porto Alegre). Daí vieram mais amigos, celebrações, etc. E um disco de encerramento (“Collapse Into Now” em 2011) por parte da banda. Um momento forte, mas essencial. Opinião minha.

O show do REM na terceira edição do festival Rock In Rio, na noite de 13 de janeiro de 2001: quase 200 mil pessoas cantaram junto com a banda; e CHORARAM quanto ela tocou “Losing My Religion”

 

 

PARTE REM EM CARREIRA

O contexto histórico e musical em que se encontra a banda REM é complexo, mas muito interessante. Como toda banda de mais de trinta anos (exatos trinta e um anos redondos) o REM passou por fases internas, mudança de gravadora, contratos novos, modismo no mercado fonográfico e tudo mais. Porém, comecemos ali no ano de mil e novecentos e setenta e nove. Os jovens Michael Stipe e Peter Buck se conhecem em Athens (berço da banda, na Georgia) numa loja de discos em que o guitarrista trabalhava. Michael descobrira que eles tinham gostos similares com a música. Sobretudo punk rock e pós-punk. Mike Mills e Bill Berry (baixista e baterista) estudavam na mesma universidade e tocavam juntos em bandinhas locais. Conheceram-se nessa cena pequena de Athens e resolveram montar a banda. O nome REM foi escolhido de forma aleatória num simples dicionário. Uma amiga de Stipe estava de aniversário marcado e a banda resolve tocar em celebração numa igreja abandonada (data de 5 de abril de 1980 – esse é o ponto zero da banda) que eles costumavam ensaiar. Dali gravaram o single “Radio Free Europe” pela Hib-Tone para ver o que rolaria. Fez um barulho além da expectativa chamando atenção da IRS Records (gravadora genitora deles que seria a responsável por tudo que eles fizeram nessa fase independente). Lançam o EP “Chronic Town” com cinco canções aceleradas e pungentes. Começam a arrebatar fãs pela cidade. Essa fase é de ouro. A banda começa a reputação de “cult” e de largos elogios pelas “colleges radios” (cenário independente dos EUA). Gravam em 83 o clássico “Murmur” (obra prima dessa fase considerada pela crítica) e batem “WAR” do U2 e, pasmem, “Thriller” de Michael Jackson! Simplesmente tornam-se imensos para a cena local e começam a fazer shows pelo país… A fama começa a crescer de forma incontrolável e à medida que eles faziam shows e gravavam mais discos a demanda do mercado e a crítica especializada começou a apelidá-los de “maior banda de rock dos EUA” ou “Number one with Attitude” (título estampado na Rolling Stone anos mais tarde). Seguem “Reckoning” (84), “Fables Of Reconstruction” (85), “Lifes Reach Pageant” (86) em sequência. As letras mudam, o tom político e contestador sobressaltam e há uma esperança nova nesses caras. O que pouca gente sabe é que no meio de 1985, na gravação de “Fables”, em Londres, a banda quase termina. Brigas no estúdio, discussões acerca do som e instabilidade emocional no estúdio quase puseram tudo a perder. Michael admitiu numa entrevista que foi difícil, mas necessário para a banda decidir o que queria e como seguiria. Dizem que o clima de Londres também deixou o clima soturno na época. De qualquer forma o tempo foi o maior aliado deles. Transformaram-nos no maior expoente americano em 87. Ano do último disco pela IRS: “Document”. Um discaaaaço. Dos singles, “The One I Love” e Its The End…”, sucesso imediato nas rádios também comerciais. Nesse mesmo ano a IRS percebendo que ia perder seu principal artista do catálogo relança o EP “Chronic Town” juntamente com uma coletânea chamada “Dead Letter Office” em CD – trabalho que constam os takes jogados fora e os lados B (sim, isso existia, rsrs) das canções lançadas além de algumas covers. Acho esse trabalho grandioso, inclusive. Estava óbvio que a banda precisava de uma grande gravadora. Muitas tentaram, mas eles fecharam com a Warner. Dizem que o contrato girou em torno de dez milhões por cinco discos. A banda já tinha excursionado desde 1983 pra fora dos EUA. Fez Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Espanha, Holanda, etc. Flertavam com a Ásia e Oceania. Em 1988 gravaram “Green” (na impressão da capa há um erro com a letra “R” e o numeral “4) e entraram em todas as paradas europeias e americanas com “Stand”, “Pop Song 89” (uma sátira com “Hello I love You” dos Doors) e “World Leader Pretend”. O álbum torna-se um sucesso comercial e uma turnê fez-se necessária. Excursionaram por desgastantes meses. Stipe adotou um corte moicano terrível em seu cabelo (Sim, ele ainda tinha bastante cabelo!) e abraçou causas ambientais e políticas pelo mundo. Esse registro vale muito a pena. “Tourfilm”, o registro em questão, existe em VHS e DVD. Pra quem é fã é quase uma obrigação ter. Resolvem descansar após essa turnê (iniciada em 88 e finalizada quase em 90), a primeira pela nova gravadora. Nessa época, a América Latina já escutava esses dois discos (“Document” e “Green”). Sem a banda e o mercado saber, há um terreno sendo preparado ao Brasil, inclusive. Quando voltam ao estúdio gravam o seu álbum de maior sucesso mundial – “Out Of Time” – um sucesso à moda Beatles. Estouro, fãs, MTV, fama e inúmeros prêmios. Chefiado por “Losing My Religion”, “Radio Song” e “Shinne Happy People”. No Brasil o clipe de “Losing My Religion” tocou mais do que qualquer outra canção. E, assim começa a nova fase da banda. Fãs dessa geração noventista e MTV se apaixonam pelos caras e a banda alcança o patamar de GIGANTE. É importante salientar duas coisas aqui: 1) o sucesso veio de forma natural sem se vender nem abrir concessões. 2) o som do REM nunca mudou em busca disso ou daquilo. Desde o “Green” a sonoridade deles já havia desacelerado. Culminando em “Out Of Time” e no álbum seguinte: “Automatic For The People” de 1992. Um tapa na cara da crítica que esperava outra coisa do REM… Era a fase “grunge” no mundo. Eles vieram com um disco quase acústico e recheado de metais e cordas com participação da Orquestra Sinfônica da Georgia. A Warner quase teve um treco. Mas as boas vendas e a resposta dos fãs acalmaram tudo. Desse álbum “Drive”, “Man on The Moon” e “Everybody Hurts” desbancam várias canções nas paradas. “Man on The Moon” é lançada também para promover o filme sobre o comediante Andy Kaufman (uma celebridade televisiva americana que morreu precocemente com apenas 35 anos de idade, sendo que a música é dedicada a ele), que chegava aos cinemas. A banda tinha uma queda pelo controverso humorista. “Everybody Hurts” emociona mulheres e homens. Muitos machões choraram com a letra e chegou-se a se falar pela América que aquela era a música “masculina” (não faço ideia do que isso queria dizer, juro!) mais triste do planeta. Por mais louco que possa ser a banda resolve não excursionar para divulgação do disco. Também não o fizeram em “Out Of Time” (apenas deixaram as TVs e lojas venderem e recolheram todos os louros disso). Uma decisão que só pode ser tomada por uma banda que tenha maturidade, culhão e banca pra botar. E eles tinham isso. O tão citado título de “number one with Attitude” não era em vão. Essa atitude era sempre de conversar e deixar claro que o trabalho e postura não iriam mudar. Sem apelos ou vulgaridade com seu som em nome de um mercado. Posso assegurar (quebrando a janela, gente) que isso foi feito em toda carreira. Talvez, exceção feita em “Monster” (1994) onde eles toparam distorcer e afiar as guitarras numa época que as bandas de rock mais novas faziam. Mesmo assim fizeram à moda deles, rsrsrs. Gostaria de abrir um enorme aposto aqui: os produtores da banda sempre foram importantes e considerados “amigos” do coração. Começou com Mich Easter (frontman do Let’s Active) na fase independente, chegou em Scott Litt (grande Scott!) na fase Warner e, tida por muitos como a melhor de um produtor, passando pela produção de LUXO de John Paul Jones (baixista do Led Zeppelin) em “Automatic…” e Pat McCarthy. Verdadeiros mágicos, parceiros e responsáveis pela sonoridade que eles sempre buscaram nos álbuns. Tenham certeza disso. Produção musical é a parte essencial para dar vida ao que o artista criou. Fundamental.

Bom, voltando ao álbum seguinte: “Monster” vendeu bem e aproximou a banda de outros públicos. Dentro desse disco tem “Let Me In” (canção dedicada a Kurt Cobain) em homenagem ao líder do Nirvana, que havia se matado em abril de 1994. O trabalho também rende homenagem ao ator River Phoenix, morto naquele ano também, vítima de uma overdose. Nessa época começa a “Road Movie” outra turnê clássica e importante da banda. Ali eles puderam incluir nos shows as canções mais pesadas deles feitas nesse disco. O resultado foi incrível. Mesclaram de maneira acertada o set list da turnê. Esse registro existe em DVD, outra peça importante pra fãs. Em 1996 eles lançam “New Adventures In Hi-fi”, o último do contrato com a Warner. As vendas não são boas e há a primeira “pressão” em cima da banda. Apesar da sonoridade desse disco ser bem “on the road” há uma gama de teclados e pianos ganhando luz no som deles e isso irritou uma turma radical (críticos e fãs) fazendo com que o álbum fosse duramente criticado. O mais engraçado disso é que eu considero esse um belo registro. Acho-o superior ao “Monster”, inclusive. Mas, a crítica não enxergou assim. Fica aqui a minha imane discordância. É um disco de viagem mesmo. Experimente ouvi-lo na estrada. Putz… e ali tem canções ótimas como “Undertow”, “Binky The Doormat”, “E-Bow Letter” (com participação de Patti Smith nos vocais), “Be Mine” e “New Test Lepper”. Enfim… foi subestimado pelo mercado. Nesse disco acontece aquilo que nenhum fã deseja: sai um membro fundador. Bill Berry, exausto e de saco cheio decide deixar a banda e dedicar-se a sua fazenda (sendo que na turnê do álbum anterior, “Monster”, o baterista teve um pequeno AVC ao final de um show, o que fez com que ele desmaiasse em pleno palco, episódio que também contribuiu para sua saída do grupo). A banda sente o golpe. Muito. Eu senti também. Nunca pensei que isso poderia acontecer. Juro. Achava que os quatro iriam juntos até o final. Mas o fato é que Bill Berry pede as contas e se manda. Segue amigo e irmão deles, mas longe de qualquer estrelato. Importante comentar: a banda NUNCA substituiu o músico. Sempre trabalhou com bateristas contratados. Nunca receberam alcunha de “membro REM”. Outra coisa fundamental nos caras. Sempre assinaram os quatro. Eu disse “os quatro”, autorias de todas as canções. Assim era dividido igualmente sempre. Outra faceta de credibilidade e caráter da banda. Raro hoje, né? Nesse climão eles assinam um novo contrato com Warner por mais cinco discos sob a bagatela de R$ 80 milhões!!!! Uow! Um sucesso de renovação. Repito: somente porque era o REM. A banda sempre se posicionou e bancou seu som. Em 1998 eles lançam “Up”. Uma retomada boa nas vendas e com algum sucesso nos EUA e na Europa. Excursionam incansavelmente por países mais distantes e fora de rota das grandes bandas. Outro fator deles. Nesse disco canções como “Daysleeper”, “At My Most Beautyful” (Mike Mills compõe um lindo arranjo nos teclados) e “Lotus” alcançam o público. Nessa altura do campeonato o REM já tinha renovado seus fãs… São pessoas que gostam da fase da Warner primeira e essa segunda. São distantes um pouco da fase independente. Isso é comum em bandas com mais de vinte, trinta anos. E é cool. É importante, sobretudo. Em 2001 eles lançam “Reveal”, um disco redondo, ensolarado e bonito. Acertam a mão e a crítica e as vendas ficam condizentes. Os rapazes voltam ao trilho. E aí vai acontecer algo inédito pra gente aqui do Brasil: a banda vem no mês de janeiro de 2001 ao Rock in Rio. Simplesmente fazem um dos melhores shows do Festival e ganham o dobro de fãs no país. Os músicos nunca mais esqueceram aquela noite. Foram quase 200 mil pessoas uníssonas cantando e entoando gritos. Michael ficou bêbado com caipirinha e foi pro público. Uma leve confissão aqui (quebrando a parede pela segunda vez): eu estava nas primeiras filas e cocei a careca de Stipe. Visivelmente emocionado. Foi uma catarse! Quem foi nunca esquece. Ali eu resgatei um “furo”: The Lifting” e “She Just Wants to be” foram executadas ao vivo pela primeira vez no MUNDO. Sim, isso que você leu: o Rio de Janeiro (e o Brasil) foi o primeiro lugar na Terra que eles tocaram essa duas canções, já que o disco só saiu cinco meses depois. O que deixou os fãs mais excitados com o que viria no álbum. Estabelecido de volta ao bom caminho a banda lança mais um disco: “Around The Sun” de 2004. Um trabalho honesto repleto de teclados, pops duvidosos e ousadia em outras sonoridades. O resultado é bom para as vendas, mas a crítica torce o nariz. Eu também acho esse trabalho um dos menores. Tem coisas ali como “The Outsiders”, “Aftermath”, “Leaving New York” e “Electron Blue” que são hinos. Lindos! Mas, tem outras derrapadas ali bem feias. Não vou citar para não depor contra. Mas eles erraram feio na minha opinião. Os novos fãs curtem e nem ligam. No fim de tudo é isso que importa, não? Em 2007 eles entram pro Hall Of Rock And Roll Fame, importante e definitiva homenagem a uma banda de rock. Comparecem e entregam tal honraria Patti Smith e Eddie Vedder no palco. Bill Berry (ex baterista) é convidado e comparece. Depois de muito tempo toca com seus antigos amigos. Um ano de celebração. No ano seguinte eles lançam “Accelerate”, o décimo quarto da carreira. Um retorno bom às guitarras e distorções além do bom e velho rock antigo que eles faziam no começo. Dali canções como “Living Well is the Best Revenge”, “Accelerate” (faixa título), “Man-Sized Wreath” e “Mr. Richards” se destacam. Um bom trabalho dos rapazes. Disco enxuto e direto. Exatamente como eles (bem) faziam no começo. Em 2010 entram em estúdio para gravar o último disco: “Collapse Into Now”. Lançam em 2011 e vendem de maneira satisfatória. A partir daquele momento a banda encerrava quaisquer obrigações contratuais com a Warner. Obviamente existem inúmeras coletâneas, registros oficiais ao vivo, compilações, boxes especiais, etc… Minha intenção foi fazer um apanhado básico e específico dos discos de estúdios. Na internet tem material de sobra para você saber, conhecer, escutar e se aprofundar sobre o REM. Está tudo aí. Basta começar. Pra fechar: nesse ano do último disco, em 2011, a banda em seu site oficial escreve uma nota e encerra as atividades. Deixou um buraco no peito dos fãs, mas eu entendi. Foram trinta e um anos de trabalho, arte, viagens, hotéis, discos, shows, aeroportos e tudo mais. Um carreira bonita e ímpar. Ficou demais… E, como eles mesmo disseram e profetizaram: Its the end (and i feel fine)! Não é mesmo? REM, senhoras e senhores! Clap! Clap! Clap!

 

PARTE GREEN CONTEXTO

Contextualizar o álbum Green dentro do som da banda e do rock é complexo e torto ao mesmo tempo. Prefiro ambientar em termos da banda. O mundo nessa época vivia uma enxurrada de possibilidades musicais: havia de tudo um pouco. Inclusive a dance music (gênero que se solidificaria anos mais tarde). Mas a banda havia feito cinco álbuns de estúdio (além de um EP e duas coletâneas) pela IRS e estava insatisfeita com a distribuição externa dos trabalhos feitos. Nessa época surgiram convites de diversos selos, mas a Warner levou Stipe e cia. com a promessa de imensa distribuição e “liberdade criativa” para a banda. Martelo batido. Era hora de gravar o que seria o “Green”. Apesar do nome a capa (feita pelo artista Jon McCFerrty ) saiu na cor laranja. Alguns dizem que se apertar os olhos algumas vezes a visão embaça e aparece o “verde”, rsrsrs. Eu já fiz isso e deu certo, rsrsrs. Mas decerto que existem algumas edições lançadas com um tom mais amarelado também. A capa recebeu um tratamento especial e foi um grande trunfo para as vendas. Mas retornando ao processo criativo deles, os integrantes disseram que na época resolveram criar sem nenhuma necessidade de soar como o “velho REM”. Queriam um álbum mais experimental. E foi o que fizeram mesmo. Tanto que trocaram os instrumentos e batizaram os lados A e B (A seria o lado ar e B seria o lado metal). A ideia era eletrificar bem o primeiro lado e deixar acústico o segundo. Entraram acordeão, bandolim, violoncelo e percussão para ajudar a fazer o som experimental quisto pelo produtor Scott Litt e pela banda. As letras das canções tornaram-se mais satíricas e cínicas. Michael Stipe gravou os arranjos de sua voz depois dos outros. O resultado ficou na medida para a gravadora. No ano de 1988 havia uma disputa eleitoral entre republicanos (Bush) e democratas acirrada. E os membros do REM entraram de sola em Bush. Isso ajudou mais ainda o lançamento do álbum. O público gostou e comprou o discurso deles. Tanto que canções como “World Leader Pretend”, “Orange Crush” e “Haitshirt” caíram no gosto americano. Pungentes, cínicas e diretas. A banda tinha uma qualidade e jeito em passar sua mensagem de maneira criativa e harmoniosa. O líder do “The Divine Comedy”, Neil Hannon, afirmou numa entrevista que esse álbum era um dos seus prediletos. E que o protesto e a ideia deles era algo que só eles sabiam fazer de forma tão competente e distinta. Soava diferente. Kurt Cobain listou “Green” como um dos seus 50 melhores discos. Algo controverso, inclusive. “The Wrong Child”, “I Remember California” e “You Are Everything” acertaram os fãs mais antigos. Muitos consideram essas verdadeiras profecias do que seria o “Out Of Time” três anos depois. De algum modo elas soam mesmo como um embrião. “Pop Song 89” (uma sátira com os Doors), “Stand” e “Get Up” deram o tom mais pop e irônico do disco. Foram usados dois estúdios para gravação: Ardent Studios (Memphis) e Bearsville Studio (Nova York). Processo que tornou-se natural depois, pois certas canções necessitavam de mixagens diferentes e outras foram finalizadas conforme o potencial de cada estúdio. Duas ficaram sem nome no fim. “Untitled” foi uma delas e assim ficou no disco. “Turn You Inside-Out” e “Orange Crush” precisaram de mixagens distintas também. Scott Litt trabalhou incansavelmente nos estúdios dando acabamento bacana. A produção de “Green” foi a primeira dele com a banda. Uma parceria de ouro na história do REM. Quem é fã sabe disso. Feito e lançado o álbum a banda partiu para uma das turnês mais importantes e históricas, a famosa “Tourfilm” (1988). Foram onze meses de estrada e show. O registro encontra-se em VHS e DVD (tenho ambos). Vale a pena. A performance do REM é única. O moicano de Stipe é um diferencial também. E a banda estava em forma. Recomendo muito esse registro. O disco foi remasterizado em 2013 para o 25º aniversário e adicionado o ao vivo “Live in Greensboro” de 1989. Esse ano o disco completou 30 anos. Um salve enorme para esse que foi o primeiro disco da banda pela Warner (sexto na carreira) e que soou mais experimental do que o público poderia supor. Gostaria de acrescentar uma coisa: como fã, nesse disco, há duas canções que fazem parte do meu rol de favoritas: “World Leader Pretend” e a lindíssima “I Remember California”. Dois petardos dignos de banda GIGANTE! Salve Green, salve REM!

 

(Leo Rocha, dileto amigo carioca há mais de uma década do autor deste blog, tem 41 anos de idade e se formou em publicidade. Blogueiro, apresentador de programa em web rádio e autor de três livros de ficção, mora no Rio De Janeiro, onde nasceu. O REM é a banda da sua vida)

 

 

A POSTAGEM TRISTE DESTA EDIÇÃO, ANUNCIANDO O FECHAMENTO DO CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS (O BAR DO QUERIDÃO DRAMATURGO E ESCRITOR MARIO BORTOLOTTO, EM SP) E TAMBÉM (E NOVAMENTE) DO MATRIX ROCK BAR

É isso. Em tempos absolutamente sombrios e tenebrosos, com a cultura pop entregando os pontos, o rock indo pro museu e o Brasil BOÇAL aguardando a posse do futuro PIOR presidente que o país já teve, as notícias cruéis continuam se sucedendo: o Cemitério de Automóveis, misto de bar e teatro administrado pelo dramaturgo, poeta, ator e cantor Mário Bortolotto, encerra atividades no próximo dia 5 de dezembro. Funcionava há alguns anos na rua Frei Caneca, centro de Sampa, e era (e ainda é, ao menos até a semana que vem) um dos espaços culturais alternativos mais incríveis da capital paulista.

O blog vai muito ao “Foda-se” (a denominação mega carinhosa e genial que a sereia linda e loka do nosso coração, a gatona e também escritora Flavia Dias, dá pro bar). Estivemos lá na sexta-feira passada inclusive. Estava bem cheio, o que não vinha ocorrendo nos últimos tempos porque o país está quebrado e as pessoas estão sem grana pra curtir uma noitada num espaço legal bebendo boas brejas e ótimos drinks. Mas enfim, Marião mantinha o espaço há alguns anos já. E sempre está lá nas madrugadas, na sua cadeira cativa na indefectível mesa ao lado do balcão onde a clientela é atendida pela Silvia e (eventualmente) pelo Linguinha. O Cemitério acabou aglutinando uma turma hoje em dia rara na noite paulistana: homens e mulheres mais adultos (na faixa dos 30-50 anos de idade) e apaixonados por ótima música (volta e meia rolam sets acústicos por lá), ótima literatura (uma micro livraria funciona dentro do bar) e também ótimo teatro: há igualmente lá dentro um espaço para encenação de peças e onde geralmente Marião encenava, atuava e dirigia os próprios textos, que eram interpretados por atores de sua trupe teatral (estas linhas bloggers nunca se esquecem da montagem sensacional que assistimos lá, anos atrás, de “Mulheres”, baseado no livro homônimo do gênio Charles Bukowski, um dos nossos ídolos literários ad eternum. E do Mario idem).

E o povo que frequenta (va) lá é bem loki também. Mulheres insinuantes, libidinosas, ébrias, poéticas, cultas, inteligentes, nada recatadas, nada do lar. Todas gostosas, ousadas mas jamais vulgares e totalmente mega interessantes (na questão intelectual), daquelas que são pura transgressão, subversão e resistência cultural e que você, ao se deparar com elas tomando uma dose de gin ou uma taça de vinho, imagina que a mesma fará estragos irreversíveis em seu corpo sedento e carente durante um embate carnal feroz em alguma cama bêbada de hotel idem. Os caras que frequentam (ou frequentavam) ali também eram o que podemos chamar de “escória” e “marginais” perante a sociedade ultra careta e moralista sacal hipócrita destes tempos terríveis atuais: músicos, escritores, autores teatrais etc.

O autor deste espaço online conhecia Marião de nome há anos e já admirava seu trabalho de escritor, diretor teatral, poeta e ator de cinema mesmo antes de se tornar seu amigo pessoal, algo que acabou acontecendo há uns… 4 anos ou um pouco mais. Com o tempo descobrimos que por trás daquela rabugice e “ranzinzisse” toda existe um sujeito gente finíssima, de coração muito generoso e que sobreviveu sem ser auto piedoso de um assalto onde quase morreu após levar 3 tiros. Na medida do possível ajuda os amigos: pedimos a ele que escrevesse o texto para a contra-capa do nosso livro, “Escadaria para o inferno” (que foi lançado há exatamente um ano), e ele topou no ato. Somos gratos a ele por isso até hoje.

E nosso coração dói bastante nesse momento, ao escrever esse post falando do fim do “Foda-se”. As doses generosas e bem-vindas de Bell’s que o blog toma neste momento começam a aquecer a alma e coração, ampliam as sensações neuro transmissoras cerebrais e nos reconfortam ante o fato de saber que estamos perdendo mais um espaço cultural que vai fazer muita falta. Como já dito mais acima, estivemos lá na sextona passada. O bar estava cheio, o clima estava ótimo e acabamos até batendo um papo com a lindona, tesudíssima e ótima atriz (em filmes e no teatro, não a curtimos muito em seus trabalhos na tv “Grobo”) Maria Ribeiro (sim, Marião tem muita moral com o povo da tv, do cinema e do teatro pois convive com eles e é um autor mega respeitado). O zapper disse a ela que é fã de dois filmaços nos quais atuou: “Tolerância” (dirigido pelo “replicante” Carlos Gerbase, lá em 2000) e “Como nossos pais”, rodado ano passado pela Laís Bodansky.

FINATTIMARIONAPORANO17

Trio rocker e literário de respeito MÁXIMO se encontra no bar e teatro Cemitério de Automóveis, no final de 2017: Zapnroll “cercado” pelo jornalista e escritor Fernando Naporano e pelo dramaturgo Mário Bortolotto (acima); uma semana atrás o autor deste blog encontrou por lá a sensacional atriz, feminista e gata bi incrível e dos sonhos de qualquer homem que se preza, a XOXOTAÇA Maria Ribeiro, aqui (e abaixo) em imagens nudes total delicious, extraídas do ensaio que ela fez para o amigo fotógrafo Jorge Bispo, onde a divina musa esquerdopata e nada pudica e do lar, mostra toda a exuberância de sua BOCETA PELUDAÇA, como toda xota decente e do inferno deveria ser, inclusive (sorry, idiotinhas de direita: vocês são “limpinhas” demais, “cheirosas” demais, DEPILADAS demais e SEM CÉREBRO algum; jamais chegarão aos pés das garotas de esquerda, especialmente na questão intelectual e cultural e na hora da FODA). Infelizmente o bar do Marião fecha na próxima semana, no dia 5 de dezembro. Vai deixar saudades!

IMAGEMMARIARIBEIRONUA

IMAGEMXOTAMARIARIBEIRO

Todo mundo “comunista”, “de esquerda” e “do mal” no final das contas, né. Pois o bloog se ORGULHA de fazer parte dessa turma. E fará até o fim e até o derradeiro respirar. Afinal não há mais ilusões aqui, elas se perderam todas definitivamente quando cerca de 55 milhões de eleitores (a maioria deles BOÇAIS, trogloditas, selvagens, racistas, homofóbicos, misóginos, machistas, medievais de pensamento, machistas ogros, moralistas hipócritas e conservadores de extrema direita do inferno) elegeram para presidente do Brasil um nazi fascista que, além de total intolerante e ignorante, ainda é um evangélico FUNDAMENTALISTA. E esse pessoal ODEIA cultura e quem trabalha com arte e cultura. Para eles, incapazes de compreender e aceitar o que lhes foge do raciocínio binário e ultra limitado, cultura é “coisa de vagabundo e petralha”, ou se resume a ler a Bíblia, orar, PRAGUEJAR quem pensa diferente e assistir a novelas toscas ou séries religiosas da tv Record (a emissora do escroque Edir Macedo, que juntamente com outro pilantra evanjegue mor, Silas Malafaia, ajudou a eleger presidente o monstro da extrema direita). Nunca é demais lembrar: quando tomou o poder na Alemanha NAZISTA, Hitler quis ANIQUILAR toda a produção cultural passada do país. Mandou COLOCAR FOGO em milhões de exemplares de livros. E todos sabem como a história do nazismo e a da própria Alemanha acabou, ao final da segunda guerra mundial.

De modos que não se iludam: BolsoNAZI e seus seguidores BESTIAIS farão tudo o que for possível para EXTERMINAR a Cultura nesse miserável e triste Brasil. O desmonte já começou, mesmo antes da posse do nazi. Mário Bortolotto e seu sensacional Cemitério de Automóveis saem de cena um pouco antes. Quem sabe até para não sentir na pele o que está por vir em janeiro próximo.

Rip, querido Foda-se. Este jornalista loker se divertiu muito ali (ficamos bem lokos lá muitas vezes, a ponto de tirar Marião do sério e de dar trabalho pra ele, ahahahaha). Vamos sentir saudades. E antes que as portas e cortinas se fechem de uma vez por todas, ainda iremos baixar lá pra tomar a saideira. E MERDA para todos nós!

 

***E a outra baixa no circuito cultural e rock alternativo de Sampa é o fechamento (agora, definitivamente ao que parece) do lendário Matrix Rock Bar. Durante mais de duas décadas e sob o comando do brother Giggio, o Matrix animou as noitadas da Vila Madalena (zona oeste de Sampa), na rua Aspicuelta, sendo que este blog mesmo fez algumas festas e djs set muito bacanas por lá. Há cerca de três anos o espaço fechou, devido à alta um tanto quanto abusiva do valor do aluguel do imóvel onde estava localizado. Giggio porém batalhou novo espaço (com preço mais em conta na locação) e reabriu o Matrix na rua Inácio Pereira Da Rocha (também na Vila Madalena), onde funcionava até agora. Há algumas semanas, veio a notícia novamente tristonha e surpreendente: o Matrix fecha definitivamente suas portas no próximo dia 7 de dezembro. Ainda dá tempo de ir curtir por lá neste sabadão (1 de dezembro, quando este post está sendo enfim finalizado), e é o que o blog pretende fazer, para tomar uma breja e curtir os ótimos sets dos queridos amigos e djs Shiva On e Fabiano Bulgarelli. Depois, só na sexta da semana que vem e pela última vez. Rip Matrix! Foi muito bom enquanto durou e tornou nossas vidas rockers muito mais alegres, animadas e menos ordinárias do que elas são nos tempos atuais. Tempos que, pelo visto, só irão piorar e onde o rocknroll está mesmo deixando de fazer parte da vida noturna e cultural de uma cidade como São Paulo, infelizmente.

 

 

MUSA ROCKER DESTA EDIÇÃO – A ABSOLUTAMENTE TESUDA E AVASSALADORA SUE NHAMANDU!

Nome:  Sue Nhamandu

 

Nasceu em: 11/03/1984 em Campinas de parto natural nas mãos do meu tio avô obstetra Deodato.

 

Mora onde e com quem: com meu filho de 10 anos, o cabeça da gang, Pablo Miguel Nhamandu.

 

O que estudou ou estuda: sou formada em filosofia desde os 24 anos, mas leciono filosofia desde os 19, psicanalista e esquizonalaista em formação, sou mestranda em filosofia de gênero e pornografia pela Universidade Federal do ABC, e  pesquisadora convidada 2019 pela Universidade Toulouse 2 Jean Jaures, e vencedora do segundo prêmio select de artista educadora, ou seja, estudo o próprio estudar. Estudei teatro na Universidade Antropófaga com José Celso Martinez Correa, e teatro com Gerald Thomas.

 

O que faz profissionalmente: Sou a Pornoklasta, terapeuta orgástica, filósofa e desartista multimeios.

 

Três artistas musicais ou bandas: tenho um trabalho musical experimental que divulgo submidialógicamente através de avatares-persona como no projeto Domitila Mataha(cker)ari Pompadour Monroe, uma projeto de música tática e cyber feminismo que envolve música e artes visuais num contexto de hackeamento de identidade, mas entrei no meu teste no Oficina em 2011 cantando Casisa Listada, imitando Isaurinha Garcia e já vivi de cantar em pequenos bares periféricos, com alguns brothers no violão.

 

Três discos: Ando só numa multidão de amores (Maysa), Drama ato três luz da noite, (Maria Bethania) e Deus é mulher (Elza Soares). Elza e Wilson das neves: is so hard to tell whos going to love yoi best, Karen Dalton, Chets Billie.

 

Três filmes: Bin jip kim ki duk, Mutantes despentes, mi sexualidad es una creacion artística, Lucia egana (sombra) rojas.

 

Três livros: Crise da filosofia messiânica (Oswald De Andrade), Manifesto contrassexual (P B Preciado), O teatro e seu Duplo (Antonin Artaud), O que é filosofia  (Giles Deleuze), Água viva (Clarice Lispector) e (ufa!) Meta linguagem e outras metas (Haroldo De Campos).

 

Um diretor de cinema: Annie Sprinkle.

 

Um diretor de teatro: Artaud.

 

Um autor literário: Haroldo de Campos.

 

Um show inesquecível: Mutantes no Parque Do Ipiranga.

 

O que pensa sobre

 

Sexo: é uma criação artística.

 

Drogas: Isdeus.

 

Rocknroll:  Toca Raul!

 

Política: esquerda radical (ótimo!).

 

Relacionamentos: os éticos com cuidado de si e do outro.

 

Eleições presidenciais deste ano: Levamos uma solapada de mídia tática, a direita comeu as teorias todas e usou com capital neo liberal nossas ideias melhor que nós. Todos sabemos que o humanismo acabou. Não sou ingênua de acreditar que o problema é cultura e civilização. É hora de lutar, de reler o anti-édipo, de entender os desejos construídos, de combater o fascismo, de andar em bandos. Essas eleições foram o momento  histórico mais importante que vivi, nasci em 84, não esperava viver isso, só posso dizer que sobreviver e viver bem tem sido minha vingança contra um sistema que me queria natimorta, afinal sou mulhler cafuza não binária poliafetiva, pansexual, ativista feminista pró-sexo demi-sexual, latino-americana.

 

E como o blog conheceu Sue: como nosso dileto leitorado pode ver pelas respostas aí em cima, essa deusa GIGANTE é uma mulher AVASSALADORA em todos os sentidos (tão avassaladora que chega a dar medo, ahahahaha). Enfim ela nos foi apresentada por uma amiga querida em comum (a escritora e poetisa Rita Medusa), nos encantamos pelo perfil e pelo pensamento da garota, a convidamos para fazer ensaio para estas linhas eternamente e totalmente subversivas e abusadas ao máximo, e cá está o resultado. Apreciem sem NENHUMA moderação!

16144872_237824783331265_1165255913_n

Avassaladora, apenas isso

 

16176810_237824786664598_814107540_n

O peito que te seduz é o mesmo que pode matá-lo em pequena, rápida e gloriosa morte…

 

16144192_237824769997933_1754741026_n (1)

O espelho é o reflexo preciso e que jamais MENTE!

 

16128741_237824789997931_274976665_n

A água escorre pelos poros. E Rimbaud, se vivo estivesse, sentaria toda essa beleza em seus joelhos, para admirá-la ad eternum

 

16128454_237824779997932_503127839_n

Corpo relaxado mas também perenemente em chamas

 

 

FIM DE UM POST REALMENTE GIGANTESCO!

Com quase 80 mil caracteres de texto (uma autêntica bíblia!) este é o provavelmente o MAIOR post já publicado por Zapnroll em seus quinze anos de existência, o que demonstra que o fôlego destas linhas online continua inalterado.

Mas tudo precisa ter um fim, não é. De modos que paramos por aqui, e sendo que havia tanto material ainda a ser publicado que deixamos parte dele para a nossa derradeira edição deste triste 2018 que está chegando ao fim e prenunciando um 2019 absolutamente SINISTRO no Brasil. De qualquer forma no próximo post traremos sim as histórias dos shows que o blog viu na inesquecível Via Funchal. E também iremos falar do superb músico e guitarrista Dhema Netho, que residiu por 16 anos em Londres e agora está de volta ao Brasil, onde pretende retomar sua carreira. E claaaaaro, já temos a musa rocker pra fechar com chave de ouro este sombrio 2018: a delicious total Juliana Gelinskas (cujo aperitivo do ensaio futuro você vê aí embaixo).

Beleusma? Então até a próxima!

IMAGEMMUSAJULIANAGGII

 

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 01/12/2018 às 22:20hs.)

AMPLIAÇÃO FINAL! Com o início das comemorações dos 15 anos do blog zapper (sim, estamos chegando à década e meia de existência, é mole?), as DJs set que vão DETONAR o baixo Augusta/SP neste finde e uma musa rocker rockabilly de fazer qualquer um perder o juízo: a sensacional Cris Ribeiro! – No “Dia Mundial Do Rock”, data que estas linhas online sempre abominaram e quando não há realmente NADA digno de nota a se comemorar, o blog zapper prefere continuar seguindo sua nova linha editorial e prestando total reverência e vassalagem ao que importou e continua importando na história do gênero musical mais impactante da música mundial em todos os tempos; assim falamos aqui dos trinta anos do mega clássico álbum “Psicoacústica”, lançado pelo ainda gigante Ira! (um dos maiores nomes de todo o rock brasileiro) em 1988 e que agora está na estrada com uma turnê comemorativa do disco, com entrevistas exclusivas com o guitarrista Edgard Scandurra e com o ex-batera do grupo, André Jung; e muito mais em um postão que finalmente está total concluído, em 26/7/2018

CARTAZLANÇAMENTOLIVROFINAS18SESC

IMAGEMIRACLASSICO80

O gigante Ira! em foto clássica da capa de primeiro disco, “Mudança de comportamento”, lançado em 1985 (acima); o grupo está na estrada, fazendo a turnê comemorativa dos 30 anos do seminal álbum “Psicoacústica” (abaixo), e cujos shows em Sampa acontecem em setembro, no SESC Belenzinho

CAPAIRA1988

**********

MAIS MICROFONIA, COM OS 15 ANOS DO BLOG MAIS LEGAL DA WEB BR E O NOVO LANÇAMENTO DO LIVRO “ESCADARIA PARA O INFERNO”!

 

***Yeeeeesssss! Postão sendo finalmente concluído! E na semana onde começamos enfim a comemorar os quinze anos de existência zapper. Para tanto as celebrações já começam hoje, quinta-feira, 26 de julho (quando este post está sendo ampliado e finalizado), quando haverá nova noite de lançamento e autógrafos de “Escadaria para o inferno”, o livro lançado por Finaski no final de 2017 e que até agora repercute e continua dando o que falar. Quer participar do evento de hoje, que terá inclusive bate papo com o sujeito aqui? Vai no SESC da avenida 9 de julho em Sampa, que estaremos por lá a partir das sete da noite, beleza? Sendo que as infos todas do evento você pode conferir aqui: https://www.facebook.com/events/995286970645414/.

CARTAZLIVROFINASSESC18

 

***Tem mais? Claro, tem muuuuuito mais, sempre! No finde o blog toca o terror e o puteiro rocker em duas das noitadas/festas/baladas mais badaladas do que ainda resta do circuito rocknroll alternativo noturno em Sampa. Na sexta-feira em si (leia-se amanhã, 27 de julho), vamos incendiar a pista rock no open bar infernal do Clube Outs, que também está comemorando quinze aninhos de existência lá na rua Augusta, 486. Todas as infos aqui: https://www.facebook.com/events/238770006940901/.

CARTAZDJSSETZAPNROLL18

 

***E no domingo a parada vai ser na domingueira rock mais bombada do Brasil já há vinte anos, a Grind, sempre comandada pelo super DJ e “mozão” (ahahaha) André Pomba. Zapnroll vai assumir a discotecagem às duas da matina de domingo pra segunda-feira e fará um set especial apenas com clássicos gigantes do rock BR dos anos 80. Vai perder? Não? Então pegue todas as infos da balada aqui: https://www.facebook.com/events/203279387021267/.

 

***E não pára por aqui. Em outubro vai rolar a festa OFICIAL da década e meia do blog, com showzaços num super espaço da zona leste da capital paulista e onde irão se apresentar as bandas The Dead Rocks e Saco De Ratos. Vai ser no dia 19 daquele mês, uma sexta-feira e logo menos iremos informar aqui o local da festona, okays?

 

***Agora por enquanto é isso neste post, que já está bem grandinho como sempre. Vamos parando por aqui e prometendo voltar com muito mais na semana que vem, beleusma? Até lá então!

 

**********

MICROFONIA

(reverberando a cultura pop, o rock, bandas, discos, filmes, livros etc.)

 

***Celebrar dia do rock no Brasil, onde “roqueiro” se tornou reaça, vai votar em BolsoNAZI e apoia intervenção militar? Não, gracias!

 

***Preferimos nessa deliciosamente fria noite de sextona abrir o novo postão zapper falando do que vale realmente a pena em termos de rocknroll de verdade: os trinta anos do ultra clássico álbum “Psicoacústica”, editado pelo ainda gigante Ira! em maio de 1988.

 

***Mas antes, só pra lembrar nosso dileto leitorado (e deixar os fakes psicopatas do painel do leitor zapper se MATANDO de ódio e inveja, hihi), tem novo lançamento do livro “Escadaria para o inferno” no final deste mês, conforme você ver nas infos abaixo:

CARTAZLANÇAMENTOLIVROFINAS18SESC2

 

***E julho também vai ser o mês das DJs set de Zapnroll, celebrando os quinze anos do blog, wow! Tem discotecagem arrasadora dia 27, sexta-feira, no Clube Outs (o último e sempre bombado reduto rocker do baixo Augusta, em Sampa). E domingo, 29, será a vez de invadirmos a pista do Grind, a super domingueira rock comandada pelo amado e fofo André Pomba. Logo menos iremos dar mais infos aqui sobre as duas festonas, pode aguardar!

 

***Mas chega de papo furado. Vamos já falar dos trinta anos de “Psicoacústica”, do Ira! E ao longo da próxima semana iremos “engordar” as notinhas do Microfonia, beleza? Bora!

 

 

EM NOVA TURNÊ O AINDA GIGANTE IRA! RESGATA SEU ÁLBUM “PSICOACÚSTICA”, LANÇADO HÁ 30 ANOS E UM DOS MELHORES DISCOS DO ROCK BR DOS ANOS 80

Quando lançou seu terceiro trabalho de estúdio em 1988, o então quarteto paulistano Ira! já estava consolidado como um dos nomes gigantes e mais respeitados do rock BR dos anos 80. A banda vinha de dois ótimos discos (a estreia em 1985, com “Mudança de comportamento”, e na sequencia “Vivendo e não aprendendo”, editado em 1986) que além de terem forjado a ótima estética sonora do conjunto (com ambiências calcadas no punk inglês do final dos anos 70 e também no movimento mod que tomou de assalto o rock britânico nos sixties), ainda obtiveram ótima resposta comercial e de público – “Vivendo…, graças a inclusão da música “Flores em você” como tema de abertura da novela do horário nobre da TV Globo da época, vendeu rapidamente mais de duzentas e cinquenta mil cópias, um número excepcional para aquele tempo. Assim sendo o Ira! estava com a moral nas alturas junto à sua gravadora, a WEA (atual Warner Music), e também junto aos fãs e a imprensa rock brazuca. E foi essa moral toda que permitiu ao grupo mudar bastante sua concepção sônica em “Psicoacústica”. Lançado oficialmente em 11 de maio de 1988, o disco chegou agora às suas três décadas de existência mantendo o posto de MELHOR álbum de estúdio que a banda lançou até hoje. Um trabalho que vendeu muito menos do que seus dois antecessores mas que estava, em termos sonoros, muito à frente do seu tempo. E que agora é rememorado pela atual formação do conjunto com uma turnê comemorativa que chega à capital paulista em setembro próximo, no SESC Belenzinho. Motivos mais do que suficientes, portanto, para que tanto o LP quanto o grupo mereçam ser o tópico principal deste post zapper.

O Ira! entrou em estúdio para gravar seu terceiro disco inédito em novembro de 1987. Saiu de lá em fevereiro do ano seguinte (pouco depois de dar uma pausa nos trabalhos de gravação, para se apresentar na primeira edição do saudoso festival Hollywood Rock) com um “Psicoacústica” que deixou fãs e imprensa em geral de boca aberta quando foi oficialmente lançado, três meses depois. Com apenas oito faixas e pouco mais de trinta e três minutos de duração o disco recebeu aprovação da maioria das críticas musicais que recebeu na época. Mas também houve quem torceu o nariz. E o motivo para essas reações diversas estava muito claro: a banda de Edgard Scandurra (guitarras, vocais), Nasi (vocais, samplers, percussão), Gaspa (baixo) e André Jung (bateria) tinha praticamente rompido com os cânones sonoros que nortearam seus dois primeiros LPs. Sim, havia ainda rocknroll bastante abrasivo e de guitarras no álbum. Mas quando o grupo resolveu absorver e enveredar por nuances de hip hop, rap e embolada nordestina nos sulcos de algumas faixas, o choque foi inevitável entre alguns jornalistas e admiradores do conjunto. Era como se DOIS Iras! distintos estivessem convivendo (e se debatendo) dentro de um único grupo: de um lado o guitarrista monstro Scandurra e o baixista Gaspa mantendo a estética rock e empunhando com garra e afinco a bandeira do estilo; do outro a dupla Nasi/Jung, que havia começado a se envolver com a nascente cena rap/hip hop paulistana (sendo ambos inclusive responsáveis pela produção da coletânea “Cultura De Rua”, lançada pelo extinto selo Eldorado também em 1988, o primeiro registro que cobria com bastante amplitude essa cena rapper da capital paulista), trazendo eflúvios (como sons sampleados e scratches) dessa cena para agregar novas sonoridades em algumas canções do disco.

No final das contas, este “choque” sônico que poderia acabar em um conflito ideológico/estético/musical problemático de ser solucionado, resultou em um LP surpreendente e que se mostrou muito à frente do que então estava rolando no rock nacional. O quarteto soube equilibrar os espaços e mixar bem as ideias e influências que levou para o estúdio Nas Nuvens, no Rio De Janeiro, onde gravou sob a direção do português Paulo Junqueiro. Fora que os registros musicais foram sendo feitos com a turma totalmente entorpecida por nuvens densas formadas pelo consumo de quilos de ótima marijuana, como o próprio Nasi relembra em sua biografia, “A Ira de Nasi” (editora Belas Letras, 2012): “A gente colocava conhaque e maconha no narguilé e fumava”. Um estado de torpor criativo genial, também recordado por Paulo Junqueiro, na mesma bio do vocalista: “Psicoacústica era uma palavra que eu falava muito. Foi tudo superlativo nas gravações. A guitarra que era gravada com 17 microfones e 4 amplificadores. Tinha coisa que ficava uma merda, mas muita coisa genial. A [gravadora] Warner deu três meses pra gente trabalhar, na maior liberdade. A gente fumava pra caralho. Era o que mais rolava. De resto, a gente dava um teco ou outro [de cocaína] mas o grosso era a maconha da lata no narguilé do Edgard. Foi uma sintonia fina, afinal na época pouca gente conseguia trabalhar com o Ira!, e eles também confiavam em poucas pessoas. Principalmente numa ousadia como essa”.

FINATTIIRAFOLK17

A atual linha de frente do Ira!, formada pelos fundadores da banda, Edgard Scandurra (guitarras, vocais) e Nasi (vocais), “cercando” o jornalista loker/rocker, no camarim após apresentação do projeto Ira! Folk; abaixo Finaski entrevista a banda em sua formação clássica, no final do ano 2000

FINATTIIRA2000

Essa “ousadia” se materializou em músicas hoje clássicas, como os rocks “Rubro Zorro”, “Manhãs de domingo” (as duas primeiras do álbum, que o abrem com poder, fogo e fúria) e “Farto do rocknroll” (composta e cantada por Scandurra, como uma espécie de “alfinetada” na dupla Nasi/André Jung, que estava encantada pelas novas possibilidades sonoras que o hip hop lhes mostrava), e no rap/embolada que era “Advogado do Diabo”, faixa que anos depois se tornou influência confessa na obra de bandas gigantes do rock BR dos 90, como Chico Science & Nação Zumbi. Por fim ainda sobrou espaço para a psicodelia sessentista em estado bruto, como na belíssima “Mesmo distante”, que fecha o disco. E claro, o conjunto pagou um preço até certo ponto bastante elevado por ter ousado e experimentado tanto em seu terceiro álbum: “Psicoacústica” frustrou as expectativas da gravadora, vendendo muito menos (em torno de 60 mil cópias) do que os dois trabalhos anteriores. De certa forma foi o começo da derrocada mercadológica do Ira!, que iria se acentuar cada vez mais nos discos seguintes (o último LP do contrato deles com a Warner, “Música calma para pessoas nervosas”, editado em 1993, vendeu pífias três mil cópias), com a banda se reerguendo novamente apenas uma década e meia depois, quando lançou o mega sucesso “Acústico MTV” em 2004, que vendeu mais de 350 mil discos.

Mas “Psicoacústica” acabou se tornando um marco na trajetória da banda. E hoje, trinta anos após seu lançamento, é reconhecido e reverenciado como um dos principais álbuns de todo o rock brasileiro, figurando na lista dos cem melhores discos da música brasileira em todos os tempos, publicada há alguns anos pela finada revista Rolling Stone Brasil. Motivos mais do que suficientes para que o redivivo Ira! esteja agora na estrada, fazendo a turnê comemorativa de três décadas do LP. Turnê que chega à capital paulista em setembro, com dois shows no SESC Belenzinho nos dias 14 e 15 daquele mês. Vai ser a grande oportunidade (e talvez a única) de conferir “Psicoacústica” em sua totalidade, faixa a faixa, ao vivo. E Zapnroll, velho amigo da turma (o autor deste blog conhece pessoalmente Scandurra e Nasi há quase 40 anos), estará lá com certeza. Afinal e mesmo com a triste derrocada pelo qual o rock está passando na era estúpida da web e das redes sociais, ainda não estamos fartos dele. E enquanto houver bandas como o Ira! e álbuns como “Psicoacústica” (disco igual a ele, nos tempos funestos atuais? Nem em sonho, mané) para escutarmos, o rocknroll não irá morrer JAMAIS!

 

 

EDGARD SCANDURRA E ANDRÉ JUNG FALAM AO BLOG SOBRE “PSICOACÚSTICA”

O jornalista rocker/loker/zapper conhece o Ira! desde os primórdios do grupo, quando ele sequer ainda havia lançado algum disco. Assistiu seu primeiro show do grupo em 1981, durante um festival punk promovido pelo Teatro Tuca, que era administrado pela PUC/SP – yep, Finaski fez parte do movimento punk paulistano de 1980 a 1984. Em 1983 a banda lançou seu primeiro compacto simples pela gravadora WEA (atual Warner Music), com as músicas “Gritos na multidão” e “Pobre paulista”. O primeiro LP do grupo, “Mudança de comportamento” foi lançado dois anos depois, em 1985. E no ano seguinte, em maio de 1986, Zapnroll iniciou sua trajetória no jornalismo musical e cultural brasileiro. Desde então, além de fã do grupo o autor deste blog se tornou AMIGO PESSOAL da turma, amizade que permanece até hoje. Desta forma não foi difícil acionar os queridos Edgard Scandurra e André Jung (que tocou bateria no conjunto por quase trinta anos, e gravou com ele todos os discos de estúdio) para que os dois batessem um papo conosco e relembrassem como foram aqueles tempos incríveis em que conceberam essa obra gigante que é “Psicoacústica”. Eles também desvelam suas impressões sobre o trabalho, três décadas após seu lançamento.

Abaixo, os principais trechos das entrevistas que a dupla concedeu a estas linhas rockers/bloggers.

FINATTIJUNGGUTO18

Zapnroll com seus diletos amigos de décadas, e também integrantes do Ira!, um dos nomes fundamentais do rock brasileiro dos anos 80: acima com o ex-batera do grupo, André Jung, e abaixo com o guitarrrista gênio Edgard Scandurra

FINATTISCANDURRA

Zapnroll – “Psicoacústica”, disco lançado pelo Ira! em maio de 1988, completou 30 anos e continua sendo reverenciado como um dos melhores álbuns do rock brasileiro dos anos 80, sendo que até hoje sua sonoridade é (ou foi) considerada muito à frente da época em que o LP foi lançado. E hoje como enxergam e avaliam musicalmente um disco tão importante e esencial na discografia do conjunto?

 

André Jung – Os dois primeiros álbuns do Ira!, Mudança de Comportamento e Vivendo e Não Aprendendo, representavam o momento MOD extremo da banda, discos feitos quando todos caminhavam na mesma direção. O segundo álbum, que nos trouxe o sucesso nacional, teve uma realização muito complicada, na qual rompemos com o produtor e voltamos do Rio para finalizá-lo em SP. Entre esse disco e o Psico, Edgard foi ao Rio gravar seu primeiro álbum solo, Amigos Invisíveis, uma obra puríssima MOD; por outro lado eu e o vocalista, que morávamos juntos então, estávamos arrebatados pela cena hip-hop, que entendíamos como o new Punk. A atitude do Edgard de gravar um álbum solo logo quando o grupo vivia sua maior popularidade o deixou um tanto à margem do processo que desencadeou o Psico, na época eu tinha um estúdio caseiro e nele começamos a desenvolver temas como Advogado do Diabo e Farto do Rock’n Roll, Edgard queria tempo para trabalhar seu disco solo e nós queríamos entrar em estúdio e desenvolver um novo caminho para o Ira! Esse conflito marca a gênese do Psico. Esse disco foi uma ruptura com a estética, o processo criativo e o formato dos arranjos que estavam presentes nos 2 primeiros discos. Edgard e Gaspa, faziam a dupla MOD, ligada às harmonias bem construídas e à um certo lirismo, e do outro lado eu e o vocalista defendíamos o Rhythmn and Poetry, como um novo caminho a trilhar. Democraticamente como nunca, conseguimos fazer uma equilibrada junção dessas aparentemente antagônicas diretrizes. Psico acústica foi criado a 8 mãos, de forma que boa parte das músicas é assinada como Ira!, assim como a produção. Nesse aspecto, eu tinha em mente fazer um disco com sonoridade que em nada lembrasse o Vivendo e Não Aprendendo, que considero obra de repertório excelente com sonoridade ruim. Paulo Junqueiro, engenheiro de som e co-produtor, entendeu bem como extrair peso e “verdade” das sessões de gravação, que eram plenas de experimentações. Avalio que o Psicoacústica, lançado em 1988, antecipou várias características da Geração 90 do Rock BR, quais sejam: interação com o Rap/Hip Hop, diálogo com elementos da música brasileira e utilização de samplers, percussão e interferências.

 

Edgard Scandurra – o Ira, até o disco “ isso é amor” ou seja , por todo os anos 80 e quase todo os anos 90, trabalhou com o intuito de fazer álbuns conceituais e esse foi mais um dos nossos álbuns/conceito. Talvez o mais bem sucedido nesses termos.  O trabalho a 10 mãos ( as 8 dos 4 iras e as 2 do nosso produtor, Paulo Junqueiro) foi a característica desse disco.

 

Zap – Curiosamente e apesar de ter uma sonoridade tão elaborada e complexa, foi um dos LPs que menos vendeu da banda. A que vocês atribuem isso?

 

Jung – Era uma obra de vanguarda, muitos não entenderam, a gravadora queria um Vivendo 2, e fizemos o contrário.

 

Scandurra – Faltavam refrões pop, não que isso seja algum problema, mas a nossa estética era realmente experimental demais para transformar esse disco em sucesso de vendas.

 

Zap – Há, nas oito faixas do álbum, canções com a estrutura rock clássica do Ira! (com influências do punk e do movimento mod inglês) mas, também, eflúvios claros de rap, hip hop (com scratches em algumas faixas) e até de ritmos brasileiros tradicionais, como a embolada nordestina. De onde surgiu, na época, a ideia de trabalhar essas sonoridades na construção do disco?

 

Jung – Comecei percussionista, amante de Hermeto, Gismonti, Grupo Um, Airto Moreira, Naná Vasconcelos e outros gênios da nossa música instrumental, sou Pernambucano, cresci ouvindo a maravilhosa música do meu estado natal e região, para mim era como resgatar um pedaço profundo de minha alma, na época tb me envolvi de cabeça com a embrionária cena Hip Hop paulistana, Comecei a produzir, em meu home studio, bases para vários rappers de SP, entre eles Thaíde, que pouco depois se juntou ao DJ Hum, dupla com a qual produzi, em 1989, o álbum Pergunte a Quem Conhece, primeiro álbum solo de um artista do Hip Hop Br.

 

Scandurra – esse foi o 1º disco onde as composições foram mais divididas entre nós 4. André jung e Nasi tinham essa forte influência do Rap, pesquisas de ritmos e sons brasileiros e essa mistura com o meu rock e com os riffs do Gaspa, geraram esse disco com essa sonoridade única.

 

Zap – Há também doses generosas de ambiências psicodélicas no LP, que parece ter sido gravado sob total influencia de farto consumo de maconha, como o vocalista Nasi descreve em sua auto-biografia. Procede? Rsrs.

 

Jung – Levamos uma lata do “Da Lata” para o Rio, foi um álbum movido a cannabis.

 

Scandurra – o fumo da lata esteve presente em todo o processo desse trabalho. Mas além disso estávamos muito ligados em conceitos e na tecnologia que existia na época, pra podermos trabalhar nosso psicodelismo, sem necessariamente precisar ficar chapado.

 

Zap – Vocês acreditam que nos medíocres tempos atuais, onde o rock praticamente morreu aqui e lá fora, alguma banda teria estofo musical e cultural/intelectual para gravar um trabalho semelhante a “Psicoacústica”?

 

Jung – Acho que não é tão medíocre não, já ouvi muita coisa linda e surpreendente de bandas e artistas atuais, Ventre e Jaloo por exemplo, o que ocorre é que o mainstream tornou-se um reduto de “projetos” bancados por investidores voltados a música de entretenimento, sem reflexão, questionamento ou arte.

 

Scandurra – eu acho que uma obra de arte sempre terá espaço, não importa o tamanho. Importa sim quando a pessoa compra o disco, o escuta e o admira ( ou não) sejam mil , 500 ou 1 milhão de pessoas.

 

 

“PSICOACÚSTICA” AÍ EMBAIXO

Para ser ouvido na íntegra, na plataforma à sua escolha.

 

 

DUAS LETRAS DO DISCO

RUBRO ZORRO

Trata-se de um faroeste sobre o terceiro mundo…

 

O caminho do crime o atrai

Como a tentação de um doce

Era tido como um bom rapaz

Foi quem foi

 

Ao calar da noite

Anda nessas bandas

Do paraíso é o zorro

Rubro zorro

 

Espertos rondam o homem

Um tipo comum

Tesouro dos jornais

Sem limite algum

 

Luz Vermelha foi perdido no cais

Do terror

Um inocente na cela de gás

Sem depor

 

Luz Vermelha foi perdido no cais

Dos sem nome

Era tido como um bom rapaz

Tal qual o “Golem”[*]

 

Sou o inimigo público número um

Queira isso ou não

Por ser tão personal

Personal, personal…

 

O caminho do crime o atrai

Como a tentação de um doce

Foi calado na cela de gás

O bom homem mau

 

No asfalto quente

O crime é o que arde

Bandidos estão vindo

De toda parte

 

O caminho do crime o atrai…

 

É na cabeça…

Seu poder racional…

É na cabeça…

Personal, personal…

 

FARTO DO ROCKNROLL

Eu fico tentando me satisfazer

Com outros sons, outras batidas, outras pulsações

O planeta é grande e eu vou descobrir

Muitas respostas as minhas perguntas agora

Sempre tem alguma coisa pra me atrapalhar

E com a testa franzida de tanto me preocupar

Então eu faço como os outros e vou assistir ao show

Faço como os outros e vou assistir ao show

 

Fim de semana sim

Fim de semana não

Às vezes tudo bem

Às vezes sem razão

Já estou farto do Rock’n Roll

Já estou farto do Rock’n Roll

 

Eu fico buscando nos quatro cantos do mundo…

Música!

Música!…

 

Algo que esteja na minh’ alma

Que me faça enxergar além

Outros sons, outras batidas, outras pulsações

 

 

TURNÊ “PSICOACÚSTICA 30 ANOS”, COM SHOWS DO IRA! EM SAMPA

As gigs acontecem dias 14 e 15 de setembro, às 9 e meia da noite, na comedoria do SESC Belenzinho (próximo ao metrô Belém, zona leste da capital paulista). Os ingressos estarão à venda no início de setembro, pelo site do SESC.

 

**********

MUSA ROCKER DESTE POST – A SEXY, SENSUAL E INCRÍVEL CRIS RIBEIRO!

Nome: Cristina Ribeiro

Nasceu em: 17 de agosto de 1989

Mora em: São Paulo.

Com quem mora: meu esposo (do segundo casamento) e filho.

Idade: 28 anos.

O que faz (estudo e trabalho):  Atualmente estou me dedicando apenas ao meu programa de radio sobre rockabilly e cultura dos anos 50, a minha banda também de rockabilly e fazendo freela como Dj em festas de rockabilly, além de modelo pin up Old Hollywood.

Três bandas ou artistas: vou citar aqui três bandas que foram cruciais para que eu ficasse de vez na “cena”

Rockabilly: Charlie Feathers ( DEUS) , Johnny Burnette Rock’n’Roll Trio (e 2009 pra cá escuto todos os dias) e Billy  Lee Riley, este marcou muito o inicio de tudo o que vinha a se tornar  meu “mundo” atualmente.

Três discos: The Glen Glenn Story ( AMO e ouço muito), The Legendary- Johnny Burnette Rock’n’Roll Trio, e Chug-A-Lug Vol. 8 que é uma coletânea que contém Blues e Rythm, Popcorn, Exotica e Tittyshakers (EXCELENTE, to viciada e escuto todo dia, juntamente com as minhas coletâneas de Jungle Exotica) Desculpa sei que eram só três mas não resisti hahaha.

Três Filmes: CASABLANCA ( Sou louca por Humprey Bogart E TUDO QUE ELE JÁ FEZ), SCARFACE (Tanto o de 1932 quanto o de 1983 porque sou fã numero um de Al Pacino) e Gilda de 1946, com a minha musa e diva inspiradora Rita Hayworth (podia citar todos do Tarantino que eu amo, principalmente Death Proof, ou alguns do Russ Meyer como O Faster Pussycat  Kill Kill Kill DE 1965 HAHAHA mas só são três!).

Três livros: Rockin’ The Rockabilly Scene (contém imagens e histórias de quem vivencia a cultura), A Profecia de David Seltzer, o de 1972 (li várias vezes morrendo de medo, mas li)  e Christine do Stephen King, clássico de 83.

Um diretor de cinema: Clint Eastwood, porque o admiro como ator, diretor, cineasta, produtor acho ele brilhante em tudo que já fez.

Um escritor: Charles Bukowski.

Um show inesquecível: JERRY LEE LEWIS no VIVA LAS VEGAS.

Como se deu seu envolvimento com a cena rockabilly: bom, tudo começou em 2008 quando comecei a frequentar eventos de carros cláassicos, que sempre foi minha paixão, aí comecei a ver uma galera vestida como se estivesse nos anos 50, topetes, jaquetas, algumas meninas vestidas de Pin Up, e como eu já gostava de Elvis, Johnny Cash, Chuck Berry, Jerry Lee, enfim Rock’n’roll no geral, eu vi que existia uma outra cena mais interessante além do rock’n’roll, a galera do ROCKABILLY, desde então passei a frequentar as festas do gênero em São Paulo e interior, consequentemente fui convidada pra tocar como DJ nas festas de rockabilly, fui parar EM SANTA CATARINA kkk como DJ num principal evento de Rockabilly lá. Logo fui convidada a ter um programa de radio online, especializado e Rockabilly lado B (as vezes C) e sobre a cultura dos anos 50 no geral, o programa era escutado por mais de 25 países, depois eu e meu esposo formamos uma banda que chama-se Christine e The Mistery Guys e assim continuo, buscando me aprimorar a cada dia no que eu amo, e viajando o mundo atrás de festivais de Rockabilly e de novas experiências, pra que a cultura que eu AMO não morra!

Como o blog zapper conheceu Cris: a gatona e musa rocker é dileta amiga deste espaço online há alguns anos já. E sempre tivemos grande carinho, apreço e simpatia pela garota, que além de muito bonita e sensual, também é do rock e a humildade, simpatia e gentileza em pessoa. De modos que nada mais natural do que pintasse o convite destas linhas bloggers para que ela brindasse nosso leitorado com este ensaio especialíssimo e exclusivo. De modos que vocês estão prontos? Então deleitem-se abaixo com Cris Ribeiro, sem moderação alguma!

IMAGEMMUSACRISRIBEIRO

Femme fatale rocker, ever!

 

IMAGEMCRISRIBEIRO14

Quem resiste a tamanho deslumbre?

 

IMAGEMCRISRIBEIRO11

A elegância e o charme que seduziram a cena rockabilly de SP

 

IMAGEMCRISRIBEIRO9

Gata rocker poderosa!

 

IMAGEMCRISRIBEIRO10

O olhar que desconcerta e que faria Johnny Cash perder o juízo

 

IMAGEMCRISRIBEIRO4

Nada me abala, apenas o poder da melodia incendiária de uma guitarra!

 

E FIM DE PAPO

A finalização do postão zapper demorou mas chegou, néan. E agora que concluímos os trampos, podemos ter uma pausa até a próxima semana, quando iremos voltar como sempre com tudo o que a turma precisa saber sobre rock alternativo e cultura pop, certo? Até a próxima então. Bye!

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 26/7/2018 às 12hs.)

FIM DE FESTA PARA 2017! Com… ANITTA (vaaaaai MALANDRA CADELONA!), ulalá e tudo o mais que já está nesse post! – Agora vai, ufa! Finalmente estamos de volta e já encerrando os trabalhos nesse pavoroso 2017! E após trinta anos de atuação no jornalismo cultural e musical brazuca e mantendo no ar há catorze anos o site/blog de cultura pop e rock alternativo mais legal da web BR, o jornalista zapper mais MALDITO da rock press brazuca enfim lançou “Escadaria para o inferno”, sua primeira incursão literária e que chegou aos leitores com festão de lançamento e noite de autógrafos na véspera de mais um aniversário do escriba eternamente loker/rocker, na Sensorial Discos/SP no final do mês passado; nesse post especial – provavelmente o derradeiro deste ano – você fica sabendo de detalhes sobre o livro e de como foi a “bebemoração” literária/rock’n’roll que marcou seu lançamento; mais: Morrissey e Noel Gallagher, dois GIGANTES do rock planetário que ainda importa, lançam seus novos discos; e mesmo em um momento de crise bravíssima no circuito rock alternativo paulistano o novo Clube VU (com inspirações sonoras e imagéticas na obra do lendário Velvet Underground) abriu suas portas na capital paulista; e mais isso e aquilo tudo no site/blog zapper onde felizmente a decadência informativa e textual ainda não chegou (já em outros espaços “pobreloaders” na web… hihihi…) (postão COMPLETÃO E TOTAL FINALIZADO/CONCLUÍDO, em 25/12/2017)

BANNERMUG17

FINATTIAMIGOSLIVRO17

Um autêntico “quem é quem” do ainda grande rock’n’roll BR que importa e do jornalismo cultural/musical brasileiro de duas décadas e meia pra cá se reuniu para prestigiar e prestar vassalagem ao primeiro livro lançado pelo jornalista mais maldito e alucinado da imprensa brasileira nos últimos 30 anos: acima Zap’n’roll ao lado de Luiz Cesar Pimentel (autor do texto da “orelha” do livro), André Jung – ex-batera do gigante Ira! – e Callegari; mais abaixo o zapper papeia com Clemente na rádio KissFM e ainda se vê “cercado” pelos “Andrés” lendas do jornalismo: Forastieri e Barcinski. Isso que é moral, néan? E para DESESPERO dos fakes otários, psicopatas e doentes de inveja, que vão se matar após ler este post, hihihi

FINATTICLEMETEII

FINATTIFORASTABARÇA

**********

MICROFONIA II: FIM DE PAPO PRA 2017 – E SEM LISTAS DE MELHORES DO ANO MAS FALANDO DE… ANITTA, ULALÁ!

IMAGEMANITTASEMINUDEIII (1)

O XOXOTAÇO carioca Anitta: com justiça a CADELONA funkeira é o grande destaque da música pop brazuca e mundial em 2017. Vaaaaai MALANDRONA CACHORRONA!

 

***Yep, último postão zapper de 2017 sendo finalmente concluído na tarde do dia 25 de dezembro, natal, quem diria… Foda-se o natal, claro. Estas linhas rockers online ABOMINAM o natal, desde sempre. Hipocrisia social e familiar monstro, total. Capitalismo predatório e selvagem em seu grau mais elevado. Chega a ser bizarro: a raça humana se ODIANDO e se matando uns aos outros 364 dias por ano. E de repente, num único dia, todos esquecem esse ódio intenso e se abraçam com amor intenso, fraternal e universal. Para recomeçar imediatamente a PORRADARIA logo aos primeiros segundos do dia 26 de dezembro. Ulalá!

 

***de modos que desejamos mesmo é um ótimo final de ano pro nosso dileto leitorado. E que 2018 seja ao menos um pouco menos dantesco e menos pior do que foram os três últimos anos no falido e fodido bananão tropical.

 

***e pela primeira vez desde que Zap’n’roll existe, NÃO iremos publicar nenhuma lista de “melhores do ano”. E por um motivo muito simples: a cultura pop simplesmente morreu, acabou e se fodeu na porca era boçal da web. Sim, filmes continuam sendo produzidos, livros continuam sendo escritos, discos continuam sendo gravados, bandas novas surgem aos montes todos os dias. Mas é tudo tão fútil, ruim, irrelevante e rapidamente esquecível que nem vale a pena tentar garimpar alguma pérola em meio a tanto lodo fétido. Basta dar uma espiada rápida em algumas listas de melhores álbuns de 2017, como estas linhas zappers se deram ao trabalho de fazer. Spin, BBC, Rolling Stone americana, Consequence Of Sound… nada se salva e o que se vê é um amontoado interminável de discos e artistas que ninguém irá se lembrar mais deles quando saírem as listas de melhores de 2018, daqui a doze meses.

 

***de modos que esse papel algo inútil e ridículo de compilar listas de “melhores”, deixamos para blogs pobreloaders e que também já estão em fim de linha, hihihi. Tão fim de linha que agora inventaram até de reproduzir capas de LPs clássicos da história do rock’n’roll colocando… gatinhos neles, ulalá! Que fofo, ahahahahahahaha.

 

***algum mega destaque de fato e de direito na música pop brazuca e mundial em 2017? Sim: a funkeira carioca Anitta, com todos os méritos e honras que ela merece. Você pode DETESTAR a figura e o som que ela faz. E este espaço blogger Popper se deu ao trabalho de conferir “Vai Malandra!”, seu novo mega hit e que está explodindo na web, no YouTube, no mundo todo, na puta que o pariu. O diagnóstico é inefável: a música é ruim de doer, a letra é imbecil e a construção melódica é paupérrima. Mas há o OUTRO LADO dessa parada: Anitta canta sim com empenho, sabe explorar o potencial VISUAL das imagens, é uma artista mega esforçada e, por fim, é aquele BO CE TA ÇO que todos nós sabemos que é – tendo sido inclusive capa da revista Vip há uns dois anos já. Por tudo isso a gringa está pirando no xotaço cantante carioca. Fora que “Vai Malandra!” é daquelas músicas que grudam instantaneamente no cérebro. Por tudo isso Anitta talvez seja de fato o único gigantesco e merecido destaque musical deste podre 2017 que felizmente está chegando ao fim. Para um mundo que já teve James Brown, Michael Jackson, Madonna, Tim Maia, Hyldon etc, Anitta seria a tranqueira e indigência sonora total. Mas para os tempos atuais, quando a cultura pop foi nivelada ABAIXO do abismo, ela é GÊNIA. Vai que vai, Malandra!

IMAGEMANITTASEMINUDEII

Um BOCETAÇO sem igual e que está conquistando o mondo pop planetário: Anitta (acima e abaixo) não possui grandes atributos, hã, musicais, mas é a RACHA do inferno com que todas as pirocas do mundo sonham em foder, hihihi

IMAGEMANITTASEMINUDEIV

 

***E chega, néan. O site/blog zapper agora se dá férias até o final de janeiro próximo. Volta em 2018 para comemorar seus quinze anos de existência – talvez com um show internacional –  e para talvez e finalmente se despedir da web. Falouzes? Boa virada de ano então pra todos vocês, nossos amados/as putos e putas do coração! Inté!

 

 

MICROFONIA

(reverberando a cultura pop em discos, livros, filmes, shows, baladas etc.)

 

***Antes de mais nada é preciso dar um alô ao nosso dileto leitorado sobre o por que do sumiço deste espaço rocker virtual nas últimas semanas. Primeiro o velho noteSHIT Toshiba do jornalista zapper/loker entrou em pane total, o que impediu que mantivéssemos as postagens por aqui em dia, fora que o último post ficou verdadeiramente prejudicado e todo atrapalhado, sem fotos, incompleto no texto etc. Daí o motivo, inclusive, de estarmos repostando parte do material que já estava nele.

 

***2017 quase chegando ao fim – já vai tarde, na verdade. E nem por isso o agito rocker termina: lá se foi o velho (mas jamais obsoleto) jornalista e escritor rocker e (ainda às vezes) loker, assistir ao último show deste ano do projeto “Ira! Folk” e que reúne no palco apenas a dupla central da banda, meus amigos de décadas Edgard Scandurra (nos violões) e Nasi (nos vocais). Ambos desfilando todos aqueles clássicos do Ira! e do gigante rock BR dos anos 80’ que todos nós conhecemos e amamos. Foi no Bourbon Music Street Hall, na última terça-feira. Que é do tamanho de um ovo, pico total de playba e coxas endinheirados, fica em Moema – zona sul chic da capital paulista – e é uma das casas de shows mais caras da capital paulista – o ingresso pra ver a gig custava 130 pilas por cabeça. Mas foda-se tudo isso. Quando Scandurra começou a tocar e Nasi a cantar, o local (que lotou até o teto) veio abaixo. Povaréu cantando contente e feliz e em coro absolutamente TODAS as músicas do set. E depois teve beija mão tradicional no camarim, óbvio. O zapper loker foi lá também, deu um oi rápido pros seus brothers de décadas, tomou uma taça de cabernet e caiu fora. Foi bem bacana no final das contas.

FINATTINASISCANDURRA17

O jornalista e agora também escritor zapper, ao lado de seus velhos amigos do grande rock BR dos 80′, Nasi e Edgard Scandurra, no camarim do Ira! após gig do grupo na última terça-feira em Sampa

 

***Sendo que neste sábado em si – ou amanhã – rola a talvez última gig bacanuda do ano em Sampa: os sempre amados Vanguart sobem ao palco no Teatro Mars, na região central de Sampa, pra fazer a saideira do ano. Todas as infos do evento aqui: https://www.facebook.com/events/180026795907515/.

 

***E teve também o lançamento de “Escadaria para o inferno”, o primeiro “filhote” do jornalista musical que agora também é escritor, hihi. Foram semanas pesadas de divulgação do livro, com mr. Finaski indo a entrevistas na rádio paulistana KissFM – onde papeou no programa “Filhos Da Pátria” com seu brother de séculos, Clemente, fundador e vocalista dos Inocentes – , gravando outra entrevista para o programa “Nasi Noite Adentro” – apresentado semanalmente no Canal Brasil pelo vocalista do Ira!.que não por acaso também é amigo pessoal zapper há décadas – , e mais isso e aquilo.

 

***Fora a “resenha” – uia! – publicada por dom André Barcinski em seu bombadíssimo blog no Uol, o maior portal de internet da América LaTRINA, rsrs. Barça fez o que se esperava no texto: ESCULACHOU com fervor e gosto o livro e seu autor, ahahahaha. E quem o conhece – como este jornalista o conhece, há mais de 20 anos – sabe que ele é exatamente assim: só não detona a própria mãe porque é filho dela, rsrs. De resto, com amigos como o autor deste espaço online – com “amigos” desse naipe, quem precisa de inimigos? Uia! – lhe pedindo uma “força” na divu do livro, claaaaaro que ele não iria perder a piada. Perde o amigo, mas a piada JAMAIS, rsrs. Sendo que você pode ler o que ele escreveu sobre “Escadaria para o inferno” aqui: https://blogdobarcinski.blogosfera.uol.com.br/2017/12/04/um-perdido-numa-noite-suja-o-estranho-mundo-de-humberto-finatti/.

 

***E teve muito mais sobre o lançamento da obra literária fináttica. Esse “mais” você vai acompanhando mais aí embaixo, ao longo desse post.

 

***O mês dos gigantes, I: Morrissey – Sim, estamos falando – com certa demora e pelos motivos já explicados acima – do novo álbum de estúdio daquele que é considerado por boa parte da humanidade como o inglês mais genial e legal ainda vivo na face da Terra. Sim, ele mesmo, “tia” Morrisséia, aliás Morrisey, ou Moz pros fãs. “Low In High School” é o décimo primeiro disco solo do ex-vocalista dos Smiths desde que a banda que o tornou célebre acabou e ele começou a lançar trabalhos sozinho, em 1988. E é o primeiro cd inédito dele em três anos – o último, “World Peace Is None Of Your Business”, saiu em 2014. “Low in…” saiu mês passado na Inglaterra. Estas linhas rockers online ainda não escutaram o dito cujo. Afinal estamos numa correria insana por conta do lançamento do nosso livro. Mas enfim, o que esperar do novo álbum do amado e ainda gigante Morrissey? Que ele seja no mínimo ok. Sim, claro, Moz não precisa provar mais nada pra ninguém. Aos 58 anos de idade já deixou seu nome eternizado na história do rock mundial, apenas por ter escrito as letras que escreveu e cantado as canções que cantou nos quatro FENOMENAIS discos de estúdio dos Smiths (eternamente uma das 5 bandas da nossa vida). Perto desses quatro LPs inatacáveis e imortais sua carreira solo é até dispensável – sejamos honestos e não fãs fanáticos: Zap’n’roll gosto muito da sua estréia solo com o “Viva Hate”, que saiu em 1988 (e que teria sido na verdade o quinto disco de estúdio dos “Silvas”, caso eles não tivessem acabado no ano anterior). Depois, se formos bastante rigorosos, vamos chegar a conclusão de que o bardo de Manchester ainda gravou mais um ótimo/impecável trabalho solo (“Your Arsenal”, de 1992) e só. Claro, ele nunca se permitiu lançar algo de qualidade realmente ruim. E mesmo um disco mediano de Morrissey ainda dá um pau gigante em tudo o que o vergonhoso, pífio e irrelevante rock da era da web (principalmente de 2000’ pra cá) anda lançando. Quanto a isso não há dúvida. Mas reiterando: o que a bicha velha tinha que legar de CLÁSSICO e INESQUECÍVEL para a humanidade ela já legou, junto aos Smiths. Uma banda que, em quatro discos de vinil e em quatro momentos iluminados, deixou para a História algumas das pérolas poéticas e musicais mais sublimes e avassaladoras que a Cultura universal poderia ter produzido. Enfim, assim que passar o tumulto com o lançamento do livro fináttico, vamos resenhar sim “Low In High School” por aqui com a devida atenção. O primeiro single do álbum (“Spent The Day In Bed”) ao menos é bem bacana. E sendo que tanto o disco quanto o single você pode conferir abaixo.

capamoz17

 

***O mês dos gigantes, II: Noel Gallagher – e teve também o lançamento do novo trabalho musical do gênio Noel Gallagher (o homem que comandou o saudoso e inesquecível Oasis por quase duas décadas). “Who Built The Moon” é o terceiro álbum solitário do gigante guitarrista, e já coleciona fartos elogios na rock press gringa e nos veículos musicais midiáticos que importam. Zap’n’roll também ainda não ouviu o dito cujo e o fará assim que a situação se acalmar por aqui além de resenhar o cd nestas linhas online o quanto antes, beleusma? Mas enquanto isso você pode escutar o disco inteiro aí embaixo.

 

***E mais notas na Microfonia irão entrando aqui, nesse provável último post zapper de 2017, ao longo da semana vindoura, okays? Agora vamos direto ao assunto porque a correria está monstro por aqui hoje. Vamos ver do que trata, afinal, o primeiro livro lançado pelo sujeito que escreve esse espaço virtual popper há quase década e meia.

 

 

AGITO LITERÁRIO NO MONDO ROCKER: “ESCADARIA PARA O INFERNO”, O PRIMEIRO LIVRO DO JORNALISTA ZAPPER E ETERNAMENTE LOKER, CHEGOU FINALMENTE AOS LEITORES NO FINAL DE NOVEMBRO ÚLTIMO

Aconteceu finalmente no sabado, 25 de novembro, o lançamento de “Escadaria para o inferno”, provavelmente o ÚNICO livro que este jornalista irá publicar pois imagina que não terá tempo suficiente em vida para escrever outro. E sem drama algum em relação a isso: saindo este já nos damos por satisfeitos e com ele iremos completar a tríade que, reza o clichê existencial, todo ser humano precisa fazer ao longo de sua vida: plantar uma árvore, ter um filho (tivemos/temos, embora pai e filho não se falem e não se vejam pessoalmente há séculos) e escrever um livro. Com o lançamento bombadíssimo e bacaníssimo que rolou na Sensorial Discos/SP completa-se então essa tríade, no nosso caso. Missão fináttica TERRENA cumprida? Talvez…

É pensando no lançamento desse tomo e agora avançando pela tarde insuportalvemente calorenta que o blog resolveu dividir com vocês infos sobre o livro e também algumas considerações e pensamentos soltos sobre ele e sobre seu autor, divididos por tópicos. A eles.

FINATTILIVRO17

Noite de lançamento de “Escadaria para o inferno”, o primeiro livro do jornalista Finaski, e que aconteceu no final de novembro em festa badaladíssima na Sensorial Discos/SP: um brinde rock’n’roll à literatura degenerada!

 

***O LIVRO – “Escadaria para o inferno” está pronto há uns 3 anos já. Nesse período mudou de nome (o título inicial era “Memórias de um jornalista junkie”, que acabou entrando agora na edição final e oficial como sub-título) e passou por pelo menos três editoras, todas pequenas. Uma se interessou mas não tinha dinheiro para bancar o dito cujo. A segunda queria rachar os custos da publicação com o autor, o que obviamente foi recusado. E a última queria que fosse mudada muita coisa no livro original (o título, inclusive) o que também não foi aceito. Fomos salvos quando encontramos a turma da Kazuá, onde chegamos através do queridão Edner Morelli (que acabou de lançar por lá também seu terceiro livro de poemas, “Cenário”), músico, professor (de Letras), escritor e amigo do jornalista zapper há décadas. Foi o melhor lar editorial que poderíamos ter encontrado pois trata-se de uma editora modesta mas que tem um cuidado quase artesanal com cada livro publicado por ela. Fora que a equipe de lá é total maluca, libertária, transgressora, transgressiva, culturalmente DEGENERADA pode-se dizer, rsrs. Pelo conteúdo que se encerra em “Escadaria…” o livro não poderia ter encontrado lugar melhor. E somos absolutamente sinceros nisso.

 

***O QUE É E DE ONDE SURGIU A IDEIA – Todos já sabem: o titular deste espaço de cultura pop online é jornalista musical e cultural há mais de 30 anos. Já passou (e tem orgulho disso) por alguns dos maiores veículos da imprensa brasileira, como repórter ou colaborador. Ao longo desse tempo todo ele foi colecionando milhares de histórias (todas reais) absolutamente MALUCAS, surreais e quase inacreditáveis de enfiações desvairadas de pé na lama em sexo, álcool, drogas e rock’n’roll, muitas dessas ao lado de gente bastante conhecida. E toda vez que contávamos alguma dessas histórias para algum (a) amigo (a), a reação de espanto de quem ouvia era imediata e o comentário inevitável: “porra Finas, isso dá um livro! Ou até um FILME! Rsrs”. Foi então que tivemos enfim a ideia de escrever o tal livro. Mas a primeira versão dele era algo preguiçosa, podemos afirmar. Apenas reunimos alguns dos melhores posts de Zap’n’roll, que existe há 14 anos, e tal qual eles foram escritos, foram organizados em um provável e futuro livro. Mostramos esse material ao chapa Marcelo Viegas (que conhecemos há quase 20 anos), então trampando como editor na Ideal Edições. Foi dom “Priegas” quem leu o material e disse: “as histórias são de fato ótimas. Mas deixa de ser preguiçoso, cria vergonha na cara, senta na frente do computador e escreve um livro de VERDADE, não reproduzindo apenas posts que já foram publicados no seu blog. Lembre APENAS das histórias malucas e as conte como aconteceram, dando tom textual de crônica ou romance em cima delas”. Foi o que acabamos fazendo, no final das contas. E por ter vivido a vida que viveu (intensa na maior parte do seu tempo, com o sujeito aqui sempre “plugado” em 220 wolts, sempre ansioso, agitado, e quase sempre total alucicrazy nas baladas noturnas e em muitos momentos da sua vida profissional, enquanto cobria shows, festivais, entrevistando bandas e músicos etc.), sempre no limite da sanidade, conseguiu colecionar esse turbilhão de histórias quase inacreditáveis. Separamos 20 delas para publicar no livro. Que sim, tem uma narrativa auto-biográfica mas que não se trata de uma biografia na pura acepção do termo literário. Uma narrativa que desvela loucuras ao lado de gente como John Lydon (o homem que um dia foi Johnny Rotten e cantou nos Sex Pistols), Evan Dando (dos Lemonheads), Nasi (nosso brother que canta no Ira! até hoje), João Gordo, Lobão, Helinho Flanders (o amado singer do Vanguart) etc, etc. Ficamos bastante satisfeitos com o resultado do livro. A Kazuá também, ao que parece. Veremos o que VOCÊS, futuros leitores (assim esperamos) do mesmo irão achar.

 

***NÃO HÁ MORALISMOS NO LIVRO, NEM NO SEU AUTOR – As mais de 140 páginas de “Escadaria para o inferno” estão repletas de narrativas envolvendo sexo desenfreado, consumo abusivo de drogas e álcool e tudo aquilo que provavelmente “choca” a moral e os bons costumes, ainda mais nesses tempos de total intolerância e de uma sociedade cada vez mais moralista hipócrita e babaca, reacionária e conservadora ao extremo. Bem sabemos que somos um jornalista ainda mezzo loker, eternamente rocker e já quase um VELHO (mas jamais obsoleto) desajustado na alma e no coração, e inadequado na existência. Um sujeito perenemente à margem do que é considerado “normal” pelo senso comum estúpido da raça humana idem. Isso incomoda? Um pouco, às vezes e não há como negar. Nos arrependemos de ser assim ou de termos sido assim na maior parte de nossa existência? Nem um pouco e o livro deixa isso bem claro: não há MORALISMO algum na narrativa dos capítulos dele (20 ao todo). Tudo é contado com distanciamento moral absoluto (apesar de estarmos no olho do furacão em todos os episódios que estão ali descritos) pois sempre dizemos que, se pudéssemos voltar no tempo mudaríamos muito pouco essa trajetória. Provavelmente teríamos feito tudo novamente, evitando cometer excessos aqui e ali e também evitando consumir aditivos que de fato não deveríamos ter consumido ao longo da vida. Mas no final o livro tenta transmitir ao leitor mais ou menos a mesma sensação que o já clássico filme “Trainspotting” passou a todos que o assistiram: a vida de um JUNKIE é isso. Ele escolheu viver dessa forma. Cada um que escolha viver a sua vida da forma que melhor lhe convier.

 

***NÃO FOI FÁCIL TER TIDO UMA EXISTÊNCIA QUASE TOTALMENTE JUNKIE – Não mesmo. Sem moralismos novamente mas NÃO recomendamos a vida que tivemos para ninguém, embora tenhamos nos divertido horrores. Como jornalista o sujeito aqui poderia estar muito bem hoje, profissional e financeiramente falando. Não estamos, claro. Muito longe de estar, inclusive. Zap’n’roll poderia ter se tornado um “jornalista” total careta e bunda-mole e provavelmente estaria enorme de gordo, casado com uma esposa chata, com filhos, tendo uma amante igualmente chata e trampando em alguma redação de algum mega veículo de mídia e ganhando seus 10 mil dinheiros (ou mais) por mês. Mas escolheu o caminho torto e da loucura, óbvio. E foi perdendo grandes empregos e grandes oportunidades na imprensa, claro, pois além de ser um maluco em tempo quase integral também sempre teve o gênio e o sangue italiano quente e explosivo, o que o fez brigar com muita gente (a imprensa é um dos meios profissionais mais escrotos, hostis e terríveis para se trabalhar, uma autêntica piscina de tubarões e uma fogueira das vaidades insuportável na maioria das vezes). Certa vez o jornalista Luiz Fernando Sá (que foi nosso chefe nas revistas IstoÉ e Interview, e atualmente ocupa alto cargo na editora Três) nos disse: “você já teve ótimas oportunidades e portas abertas na sua vida, que muita gente igualmente competente quis ter e não teve. E você foi desperdiçando todas essas oportunidades”. Talvez ele tenha razão, no final das contas. E num dia, almoçando com amado “sobrinho” Luiz Cesar Pimentel (que é o autor do texto que está na “orelha” do livro), perguntamos a ele onde tínhamos errado no meio do nosso caminho. Onde deveríamos ter entrado na curva à direita, e acabamos entrando na da esquerda. “Finas, cada um tem suas escolhas na vida. Você fez as suas. E paga um preço por elas, simples.”. Nisso ele tem total razão. Fizemos nossas escolhas e pagamos o preço por elas. Sabemos que nossa existência não foi nada fácil. E continua não sendo, inclusive: este jornalista rocker é adicto (dependente químico) há anos. Não deveria nem beber mais nada alcoólico. Mas quem disse que não conseguimos beber? O zapper AMA beber. Só que bebe maaaaais que todo mundo e NÃO fico ébrio. Fica, sim, com um desejo quase incontrolável de ASPIRAR cocaína, quando não de voltar a fumar crack, essa droga do inferno que realmente odiamos. Então hoje em dia procuramos controlar ao máximo o consumo alcoólico. Quando vemos que estamos chegando a ponto de sair do controle, damos um jeito de parar. Senão sabemos que a vaca irá inevitavelmente para o brejo, sendo que também sabemos que somos muito melhor e mais sociáveis quando não estamos “bicudaço” de cocaine e transtornados de álcool (e Marião Bortolotto, que assina o texto da contra-capa do livro, também sabe muito bem disso, ahahaha: “Fininho” estava um doce de sociabilidade no último sábado lá no Cemitério de Automóveis, não é Marião? Rsrs). Fora que algumas lembranças nos atormentam e ainda nos traumatizam ao máximo. Por exemplo: é algo total crazy você estar JANTANDO num churras rodízio (como estávamos na última sexta-feira, no Tendall Grill, onde sempre fazemos um repasto semanal há uns 30 anos já) e, do nada, começar a TREMER por dentro por se lembrar que, ali perto, tem uma “biqueira” de crack, onde freqüentamos e fumamos “pedrinhas” anos atrás. Sendo que nesse período (anos atrás), este jornalista estando com dinheiro no bolso ou na conta estaria ali naquela área (no centrão de Sampa) não jantando no tal churras rodízio mas sim, na tal biqueira e fumando “pedras”. Felizmente isso já passou. Mas ainda restam as (por vezes) tormentosas lembranças. E essas irão nos acompanhar até a morte, pelo jeito. Mas novamente, sem ressacas morais: fizemos o que queríamos fazer. Que a molecada aproveite MESMO enquanto é jovem (a pirralhada no mundo atual está CARETA demais pro nosso gosto, vocês concordam?) e tem a vida toda pela frente. Que TREPE HORRORES, beba até cair, cheire, fume o que quiser e boa. Um dia a idade adulta irá chegar, o corpo irá pedir arrego e aí será a hora de tirar o pé do acelerador e levar uma existência, hã, mais tranqüila digamos assim. E sem olhar para trás e ter arrependimentos, mas pensando: sim, vivi a vida com gosto. E tirei ótimas lições, mesmo dos piores momentos. É isso.

 

***FIM DA HISTÓRIA? – Talvez. Além do lançamento do livro, este Finaski também chegou aos 5.5 de vida. Ele se sente algo envelhecido no corpo já, embora muitas amigas digam que ainda é um coroa charmoso e sedutor (ahahaha, jezuiz… será mesmo?). Mas a cabeça, essa felizmente continua a mil. E mais jovem do que muito pirralho de 20 anos de idade. Apenas queríamos estar um pouco melhor de dindin, rsrs. Mas fato é que a maioria do país está quebrado e muitos dos que conhecemos também. De modos que não há muito o que fazer quanto a isso a não ser torcer por dias melhores (FORA TEMER, seu bandido merda do caralho!). Amores, romances e paixões aos 5.5 de vida? Tivemos centenas (vamos repetir: CENTENAS) de mulheres na vida (e na cama) ao longo da existência. E chegamos a conclusão inefável de que apenas umas quatro delas realmente fizeram este loker perder o juízo. Ele teria se casado com a Flavia (quando tinha meus 28 anos de idade), que se tornou uma advogada muito bem sucedida, está casada e com filho. Ou com a Tania (já aos 41) que desapareceu (deve ter encontrado o homem “sem vícios” que ela queria encontrar para contrair matrimônio; com este blogger maloker ela jamais iria “casar” pois como a própria ruiva puta e malvada disse certa vez: “Humberto, você é ÓTIMO pra sair, se divertir, cheirar cocaína, beber, trepar, mas NÃO pra casar. Quando eu me casar não vou querer nada disso pra mim”. Ok, rsrs), com a Rudja (de Macapá), de quem somos amigos até hoje e que AMAMOS toda a família dela. Ou com a Neidinha Rodrigues, aquela magrela branquela linda, deliciosa, peituda, mega inteligente e fã de literatura (como este velho jornalista) que é uma “demônia” na cama mas que, infelizmente, é CASADA (o que não nos impediu de ficar trepando com ela por um ano). Teríamos casado e ficado pra sempre com uma dessas quatro mulheres incríveis. Mesmo sabendo que talvez não estivesse mais com nenhuma delas até hoje. Mas as tivemos, ao menos. E deu certo o tempo que tinha que dar. E agora? (suspiro…) Agora imaginamos que nosso tempo já tenha se esgotado. E que não haverá mais tempo para que um novo amor surja na vida de Finas. De modos que ele segue sozinho. E provavelmente vai morrer sozinho. Por isso agora entende, mais do que nunca, porque Van Gogh morreu sozinho e sem uma das orelhas. Porque Jack Kerouac (o homem que nos deu o clássico beat “On The Road”) morreu aos 47 anos de idade (muito jovem ainda) quando vivia com a mãe, e foi levado por uma cirrose ocasionado pelo consumo excessivo de vinho licoroso (adoramos). Também compreende porque Rimbaud se foi, sozinho e sem uma das pernas (amputada por causa de um tumor) e porque J. D. Salinger (o gênio que nos deu “O apanhador no campo de centeio”) preferiu terminar sua vida, já velhíssimo, isolado do mundo no alto de uma montanha. Talvez este será mesmo nosso fim (e não nos importamos que seja, aliás até almejamos que seja, num certo sentido): sozinho mas contente e em paz, no alto da montanha mágica, lá em São Thomé Das Letras. Publicado “Escadaria para o inferno”, é pra lá que pretendemos ir pra morar, em 2018.

 

XXX

E a semana que está quase acabando já foi agitadíssima em se tratando da divulgação do livro zapper. Ele já foi parar nas mãos de alguns dos principais personagens que fazem há anos a cena rocker paulistana acontecer: o lendário produtor e cappo do selo indie Baratos Afins, queridão Luiz Calanca, além de nosso igualmente eterno e amadorado DJ e produtor cultural André Pomba. Na grande imprensa a repercussão também já começou, com este Finaski tendo dado entrevista na última quarta-feira no programa “Filhos Da Pátria” na KissFM, e que é apresentado pelo brother Clemente. Fora a visitinha de cortesia que fizemos à redação do diário Folha De S. Paulo (um dos maiores jornais do país) e onde fomos super bem recebidos pelo também queridão Ivan Finotti e pela fofura que é a repórter Amanda Nogueira. E nas próximas semanas o agito em torno do livro vai prosseguir, pode esperar!

FINATTICALANCA17

Com o produtor musical Luiz Calanca, na sede do selo e loja Baratos Afins/SP

 

FINATTICLEMENTE

Concedendo entrevista para o “irmão preto” Clemente, no programa “Filhos Da Pátria” na KissFM/SP

 

FINATTIIVANF

Visitando o queridão Ivan Finotti, na redação do diário Folha De S. Paulo

 

FINATTIPOMBALIVRO17

Com o amado super dj André Pomba, na domingueira rock mais badalada do Brasil, o Grind/SP

 

FINATTIMARIOB17

E tomando algumas com o dramaturgo Mário Bortolotto, autor do texto da contra-capa do livro, no bar/teatro dele, o Cemitério de Automóveis, em Sampa

XXX

 

“Escadaria para o inferno” já está à venda na loja virtual do site da editora Kazuá, que pode ser acessado aqui: WWW.editorakazua.com.br. O livro também está à venda na Sensorial Discos/SP, que pode ser contatada em WWW.sensorialdiscos.com.br ou pelo fone 11 3333-1914. E por fim também na Livraria Cultura em Sampa.

 

 

IMAGENS DE ALGUNS DOS MOMENTOS BACANUDOS DO LANÇAMENTO DO LIVRO, QUE ROLOU NO FINAL DE NOVEMBRO EM SAMPA

FINATTIFLAVIACRIS17

O jornalista gonzo e escritor loker e as amigas gatas

 

FINATTIGANHABEIJO17

Ganhando bijokas das novas leitoras

 

FINATTIJUNGJONNATA17

Com os brothers André Jung, ex-batera do Ira!, e Jonnata Doll, vocalista da banda Garotos Solventes

 

FINATTILIVROS17

Se preparando para dar mais um autógrafo

 

FINATTIMICHELLE

A loirinha mais linda e meiga, sorrindo ao lado do novo escritor

 

IMAGEMFELIPELIVROFINATTI

Leitor degustando e apreciando a nova obra literária

 

FINATTIAUTOGRAFOLIVRO

Dedicatória para uma amiga querida

 

 

O NOVO BAR ROCKER UNDER DE SAMPA: O CLUBE VU TAMBÉM ABRIU SUAS PORTAS PARA A GALERA AINDA ROCKER DA CAPITAL PAULISTA

Mesmo com a crise existencial, mercadológica, artística e de público que o rock vem enfrentando já há alguns anos lá fora e aqui também, ainda há alguns MALUCOS que mantêm a fé no gênero musical mais genial e importante da música mundial nos últimos 70 anos.

Ele está quase morto? Talvez. Anda total em baixa no circuito noturno alternativo paulistano (sempre é bom lembrar: em um ano e meio nada menos do que quatro dos mais tradicionais clubes de rock da capital paulista fecharam suas portas)? Pode ser, também. Mas nada disso abalou a confiança de três sócios que se uniram para fazer funcionar e ferver, na Barra Funda (bairro da zona oeste paulistana), o novíssimo Clube VU. Com toda sua inspiração (do espaço a decoração, da fachada aos nomes que irão batizar os drinks exclusivos da casa) vinda da obra gigante do lendário Velvet Underground (uma das mais fundamentais bandas de toda a história do rock’n’roll), o VU promete manter acesa a chama do rock na noite under de Sampa. Para isso vai apostar em drinks e coquetéis especialíssimos, em uma programação temática variada ao longo dos dias da semana e, principalmente, em um público mais adulto, que já passou dos 30 mas que ainda curte sair à noite para beber e dançar ao som do bom e velho rock.

Dos três sócios da nova empreitada do circuito de entretenimento de São Paulo, dois são velhos conhecidos da cena rocker da cidade: Claudio Medusa (que durante quase uma década foi proprietário do finado Astronete, na rua Augusta) e nosso “quase” xará, o jornalista Ivan Finotti, um dos nomes mais conhecidos e respeitados do jornalismo cultural e musical da equipe do caderno Ilustrada, do jornal diário Folha De S. Paulo. E foi com mr. Ivan que Zap’n’roll bateu um papo rápido para saber o que podemos esperar do Clube VU. Os principais trechos do papo seguem abaixo.

FINATTIIVANFII

Dupla dinâmica do jornalismo cultural em noitada de bebemoração rock’n’roll na capital paulista: Ivan Finotti e Zap’n’roll na inauguração do novo clube VU; abaixo a fachada da nova casa noturna de Sampa

fachada

 

Zap’n’roll – Você poderia explicar, resumidamente, o conceito do novo Club VU? Como surgiu a idéia, quando surgiu, o que vai tocar por lá, como será o atendimento, ambiente, carta de bebidas e comidas (se houver) etc?

 

Ivan Finotti – é Clube V.U., em português. Por ser jornalista, tento ao máximo manter as palavras na nossa língua. Lá no Clube V.U., por exemplo, bebe-se gim e uísque, não gin nem whisky. Manias à parte, o Claudio Medusa estava atrás de uma nova empreitada após o fechamento do Astronete em 2016. Nós já haviamos aberto juntos o Alberta #3 em 2010, com a Thea Severino e a Noemi Silva. Então eu não via como criar algo muito diferente daquilo. Então apareceu a artista plástica Suemi Uemura, amante de drinques e frequentadora de bares de coquetelaria. Com ela, bolamos o conceito de uma balada com drinques tão bem feitos quanto nesses bares, que estão em alta na cidade nos últimos tempos. Vai ser um desafio atender 300 pessoas dessa forma, mas temos um balcão de 11 metros e excelentes barmen e barwomen.

 

Zap – é sabido que o rock está em baixa (infelizmente) nesse momento, mesmo no chamado circuito noturno alternativo de Sampa. Tanto que clubs bacanas como Astronete (que era de propriedade do Medusa, seu sócio nessa nova empreitada), Inferno Club, Funhouse e Matrix (que voltou a reabrir há poucas semanas) fecharam suas portas nos últimos meses. Dessa forma não é temerário investir em um novo espaço apenas dedicado ao rock? Ou o VU vai mirar também outros públicos, com festas variadas em noites especificas?

 

Finotti – O rock é o gênero que liga toda a semana, mas as festas são variadas. Na segunda-feira, receberemos chefes de bar de diversas casas da cidade para fazerem seus drinques em nosso balcão. Na terça, exibiremos filmes icônicos no telão , enquanto você desfruta seu coquetél. Nesses dias, de entrada gratuita, abriremos a pista se houver público para isso. Na quarta-feira a casa está fechada, mas não é bem assim. Você pode abri-la para a sua festa de aniversário, por exemplo. A quinta é inspirada nas musas transexuais de Lou Reed, imortalizadas em canções do Velvet Underground, como Candy Darling e Lady Godiva. Essa noite terá uma pegada mais pop. A sexta traz o lado B do rock, com clássicos desconhecidos dos anos 60, 70 e 80, além de soul. E o sábado é para a turma que ama o indie e tudo isso que a gente falou antes também.

 

Zap – São três sócios na nova casa, sendo que um deles, Claudio Medusa, é um conhecido personagem da noite alternativa paulistana. Já você é um dos nomes mais conhecidos do atual jornalismo cultural brasileiro, trabalhando na Folha Ilustrada, do jornal Folha De S. Paulo (um dos maiores diários brasileiros). E é sabido que você também ama rock’n’roll, especialmente Bob Dylan, rsrs. O que o levou a investir nessa nova atividade, aparentemente muito distante do universo do jornalismo?

 

Finotti – Eu amo ser jornalista e investir nessa atividade nunca foi uma forma de escapar do emprego. Pretendo seguir mais 15 anos no jornalismo. Acontece que eu também amo música e fazer parte de uma casa noturna (inspirado pelo meu amigo André Barcinski, que abriu a Clash em 2007) foi a forma que encontrei de estar mais próximo dela. Você falou em Bob Dylan e realmente o Alberta #3 foi completamente inspirado nele. Dois anos depois, abrimos o restaurante Ramona, meio Dylan, meio Ramones, também na avenida São Luís. Fiquei quatro meses fazendo a trilha sonora e os frequentadores se surpreendem com a música de lá. Há três meses, reabrimos o bar Stônia, no subterrâneo do Ramona. Homenageia os Stones. Agora, o V.U. é a casa noturna do Velvet Underground, o grupo que mais influenciou e menos vendeu da história do rock. A banda de Lou Reed, Nico e Andy Warhol. Temos muito veludo vermelho por lá. E a cachaça da casa chama Heroin, como a canção deles.

 

Zap – falando em musica e em rock’n’roll, o que você mais curte? Apenas bandas clássicas e antigas ou também fica atento às bandas mais novas?

 

Finotti – Só as clássicas. E as novas que parecem velhas.

 

Zap – pra encerrar: na sua opinião, qual o futuro do rock nesse momento (aqui e lá fora) e de casas noturnas que ainda se dedicam ao gênero? Ele, o rock, dará a volta por cima e irá reinar novamente como reinou na música mundial por quase 70 anos? Ou isso não vai mais acontecer?

 

Finotti – Eu acho que não vai mais reinar. Já foi esse tempo. Mas não vai acabar, sempre haverá um bando de malucos como você para dar um pouco de fôlego ao rock.

**********

TCHAU 2017, JÁ VAI TARDE!

Mais um ano infernal que chega ao fim. Mas conseguimos sobreviver a ele, felizmente. Então que venha 2018! E que ele traga algum alivio imediato para todos nós – na economia, na cultura pop, na existência humana no final das contas.

O site/blog zapper se dá férias agora, até o final de janeiro quando voltamos por aqui. Até lá desejamos que todos tenham uma super virada na semana que vem e ótimas férias também!

Inté!

 

(atualizado, ampliado e finalizado por Finatti em 25/12/2017, às 17hs.)

 

 

AMPLIAÇÃO FINAL, falando dos trinta anos do primeiro álbum dos Guns N’ Roses, do novo disco da deusa Lana Del Rey e com o blog se mandando para Sorocaba, para acompanhar o festival Circadélica – O blog de cultura pop e rock alternativo mais legal da web BR chega aos catorze anos de existência (wow!), sempre com muito a dizer e comemorando com DJ set fodona neste domingo em Sampa! Mais: o festival Circadélica invade Sorocaba na próxima semana (e nós estaremos lá, acompanhando tudo bem de perto) prometendo reviver os ótimos tempos do Junta Tribo; sobre a festança indie rocker batemos um papo com Mario Bross, vocalista do sempre bacaníssimo Wry e um dos idealizadores do evento; e como não é todo dia que um espaço na blogosfera brazuca celebra quase uma década e meia de jornalismo total rock’n’roll, nosso presente ao dileto leitorado zapper vem à altura da data: a DE LI CIO SA musa rocker Paloma, tesão total de apenas dezoito aninhos de idade, ulalá! (postão COMPLETÃO e total concluído em 22/7/2017)

BANNERMUG17II

IMAGEMWRY

Ao longo de catorze anos de existência Zap’n’roll acompanhou muito de perto (e continua acompanhando) a cena rock independente brasileira, de bandas como o já clássico quarteto indie guitar sorocabano Wry (acima) ou novas como o potiguar Farm From Alaska (abaixo); ambas se apresentam semana que vem no festival Circadélica e o blog zapper estará lá vendo de perto toda a movimentação como de resto sempre viu e descobriu (e continua descobrindo) ótimos novos grupos, e também incríveis musas rockers como a deste post, a gatíssima Paloma (abaixo, ao lado de Finaski)

IMAGEMFARMFROMALASKA

FINATTIPALOMASEMINUDE17

**********

MAIS MICROFONIA: OS TRINTA ANOS DE UM CLÁSSICO DO ROCK, A MORTE DO VOCALISTA DO LINKIN PARK, NOVO DISCO DA DEUSA LANA DEL RAY AND MORE…

 

***Trinta anos de um clássico da história recente do rock – “Appetite For Destruction”, o disco de estréia da turma de Axl Rose completou 30 aninhos ontem, sextona em si (o postão zapper está sendo concluído já no sabadão, 22 de julho). Foi lançado exatamente em 21 de julho de 1987. E o mundo naquela época era muuuuuito diferente do que é hoje. Pra começar (e todos também já estão cansados de saber disso) não havia essas merdas digitais todas da era da web (redes sociais, apps, plataformas musicais, YouTube, Deezer, SoundCloud, Spotify) que, num certo sentido, AJUDARAM MUITO A MATAR a música, a qualidade artística dos músicos e do que eles produzem e o PRAZER de se escutar música (seja rock, mpb, pop, o que for). Numa época (1987) em que a MTV ainda engatinhava nos EUA e fora ela só podíamos ouvir/ver música nas rádios e nas TVs, a banda tinha que ser FODONA mesmo para acontecer. Os caras tinham que ser MÚSICOS DE VERDADE e tocar na raça, serem bons pra caralho. E o Guns, em seu primeiro disco e em sua formação clássica, ERA TUDO ISSO. Você pode amar ou ODIAR o grupo, mas essa constatação é inexorável e inescapável. Era o quinteto certo na hora certa e no lugar certo. Um bando de junkies cabeludos, sujos, arruaceiros e ótimos músicos, loucos para tocar, para tomar todas as drogas possíveis e comer todas as bocetas disponíveis. Fazendo um hard rock potente, de guitarras agressivas, muito bem tocadas mas com melodias repletas de apelo pop e radiofônico, o GNR engendrou em um único LP alguns dos hoje mais lendários clássicos da história recente do rock’n’roll. E o blog acompanhou bem de perto tudo aquilo naquela época – é uma das vantagens de se ter 5.4 nas costas: você está ficando velhão, sem dúvida. Mas isso lhe garantiu testemunhar fatos que nunca mais irão se repetir no rock’n’roll, ainda mais nos dias que correm, onde ele está quase morto e enterrado. “Appetite…” não estourou de imediato. Começou vendendo bem e quando porradas como “Welcome To The Jungle”, “Paradise City” e (principalmente esta) “Sweet Child O’ Mine” tomaram de assalto as rádios no mundo inteiro (Brasil incluso), o rolo compressor gunner se tornou monstro e a devastação foi inevitável na cena rock de então. Em questão de alguns meses a bolachona de vinil vendeu mais de 30 milhões de cópias e o grupo se tornou a maior banda do mundo então. Nessa época inclusive o jornalista zapper escrevia para a página de música do Caderno 2, do jornal O Estado De S. Paulo. O editor de música do caderno era nosso querido mestre eterno, Luis Antonio Giron. Lembramos como se fosse hoje: Finaski entrando uma tarde na redação do Estadão e mr. Giron em pânico: “precisamos dar uma CAPA para o Guns ‘N Roses! Eles estão DOMINANDO o mundo!”. E estavam mesmo. O restante da história todo mundo conhece de cor e assaltado. O grupo ainda lançou um trabalho quase primoroso (os dois álbuns duplos “Use Your Illusion”, I e II, em 1991) e depois nunca mais foi o mesmo. Corroído por drogas, brigas internas selvagens, demissões sumárias de membros e saídas voluntárias (e nada amigáveis) de outros (tudo por conta do ego descomunal e descontrolado de Axl), o Guns foi descendo a ladeira sem dó. Ao vivo? Nem eram tudo isso: o blog assistiu ao grupo por duas vezes, em janeiro de 1991 (no estádio do Maracanã, na segunda edição do Rock In Rio), e quase um ano depois (em novembro de 1992) aqui mesmo em Sampa, lá no estacionamento do sambódromo do Anhembi. Nas duas ocasiões achamos a gig bastante sacal na verdade, sendo que um dos poucos momentos em que nos empolgamos foi quando tocaram “Civil War”, talvez a música que estas linhas online mais gostam do conjunto até hoje. Enfim, a banda está aí na ativa até hoje. Vai inclusive tocar aqui no bananão pela milésima vez em setembro (no Rock In Rio e no festival SP Trip, que vai rolar em Sampa). Há muito se tornou uma caricatura, um cover pálido de si mesma e que nem em sonho lembra os tempos do grupo fodástico e furioso que incendiou o mundo com “Appetite For Destruction”, mesmo estando novamente contando com o gênio Slash nas guitarras. E o blog mesmo nunca morreu de amores por eles. Mas reconhecemos que “Appetite…” foi O DISCO de rock há 30 anos, em julho de 1987. Um álbum como não se faz mais hoje em dia. E nunca mais será feito, aceitem isso. Pois não há mais BANDAS DE ROCK fodonas e com CULHÃO para gravar um disco desse calibre.

IMAGEMGUNSCLASSIC

A formação clássica e original do Guns N’ Roses (acima) e que gravou o disco de estréia da banda, “Appetite For Destruction”, que comemorou trinta anos ontem, 21 de julho: não se fazem mais álbuns de rock assim hoje em dia, infelizmente

CAPAGUNS1987

 

***Rip Chester – a nota triste da semana foi o suicídio do vocalista da já velhusca e cafona banda de nu mental Linkin Park, Chester Bennington. Com problemas de depressão e um histórico de consumo de álcool e drogas, o cantor resolveu dar fim à própria vida se enforcando. O blog lamenta, óbvio, a perda humana. Mas não muda sua opinião: LP sempre foi uma banda sacal e quase totalmente irrelevante para a história do rock.

 

***A deusa de volta – ela mesma, o bocetaço cantante que é Lana Del Ray, deu ao mundo ontem seu novo álbum de estúdio. “Lust For Life” ainda está sendo degustado por estas linhas bloggers poppers, que irá falar melhor sobre ele em breve. Mas pros fãs e interessados, ele pode ser ouvido na íntegra aí embaixo.

CAPALANA17

 

 

***E pau no cu da nação coxa! – ela mesma, que bateu panela pedindo a saída de Dilma e agora agüenta levar no rabo sem dó e sem vaselina o caralho flácido do Conde Drácula do Planalto, o golpista mais filho da puta e ordinário que já desgovernou o Brasil. Felizes com o aumento da gasolina? Chupa nação coxa otária! E agüente caludinha. Vocês merecem se foder!

IMAGEMPATOLEVANDONOCU

 

***Indo pro interior – yep, Zap’n’roll está se mandando pra Sorocaba (a Manchester paulista), onde fica até domingo à noite para acompanhar toda a movimentação em torno do festival Circadélica, evento indie mais do que bacana organizado pela turma do grupo Wry. Então a gente volta no próximo post com a cobertura e todos os detalhes da festona rocker, falouzes?

**********

MICROFONIA

(reverberando cultura pop, política, comportamento, sociedade)

 

***Nenhuma novidade esta semana (que está chegando ao fim hoje, sabadão em si, quando o blog está entrando no ar) na vergonhosa política do bananão do quinto mundo dos infernos. Lulão condenado pelo tirano de Curitiba, vampiro golpista comprando todos os deputados da CCJ da Câmara, para barrar o avanço da denúncia contra ele (por corrupção) e por aí vai. Tudo muito desalentador aqui nesse sentido. E assim segue o pobre Brasil, terra dos coxas e reaças estúpidos de direita…

 

***Uma das bandas que estão se destacando na atual cena alternativa nacional, o Farm From Alaska, acaba de soltar nas plataformas digitais seu novo vídeo, para a música “Cobra”. A banda potiguar é um dos destaques do festival Circadélica semana que vem, em Sorocaba – e sobre o qual você lê em todos os detalhes ao longo desse post. O vídeo do FFA você confere abaixo.

 

***Yep, ainda estamos devendo aqui uma resenha no capricho de “Beijo Estranho”, o novo álbum dos queridos Vanguart e que já foi lançado há um tempinho. O blog promete agilizar essa resenha para o quanto antes aqui, ok? Enquanto isso, se você ainda NÃO escutou o dito cujo pode fazê-lo aí embaixo, na íntegra.

 

***E nem dá pra esquecer: amanhã, domingão em si, tem super DJ set de aniversário dos catorze anos destas linhas rockers bloggers lá no Grind, a domingueira rock’n’roll mais bombada do Brasil há quase vinte anos. Vai perder? Não? Então se informe sobre o festão aqui: https://www.facebook.com/events/1932745850329012/?acontext=%7B%22ref%22%3A%222%22%2C%22ref_dashboard_filter%22%3A%22upcoming%22%2C%22action_history%22%3A%22[%7B%5C%22surface%5C%22%3A%5C%22dashboard%5C%22%2C%5C%22mechanism%5C%22%3A%5C%22main_list%5C%22%2C%5C%22extra_data%5C%22%3A[]%7D]%22%7D.

CARTAZFINATTIDJSET17

 

***Ao longo da semana iremos ampliando e atualizando as notícias na sessão Microfonia. Mas por enquanto vamos falar dos catorze anos de um blog de cultura pop e rock alternativo que continua fazendo a diferença na web BR – esse aqui mesmo, alguma dúvida?

 

 

14 ANOS DO BLOG DE CULTURA POP E ROCK ALTERNATIVO QUE FAZ A DIFERENÇA NA WEB BR – BORA COMEMORAR!

Yep. Tudo começou em 2003, quando a Dynamite e seu site ainda engatinhavam na era digital. Convidado pelo eternamente amado “editador” e melhor amigo André Pomba, passamos a escrever a coluna semana Zap’n’roll que, de resto, já havia sido publicada durante dois anos (de 1993 a 1995) na edição impressa da extinta e saudosa revista Dynamite.

E 14 anos após sua estréia na versão online, a Zap’n’roll segue no ar, firme e forte. Tem cerca de 70 mil acessos mensais e é um dos sites/blogs mais acessados da web BR na área de cultura pop e rock alternativo. Nunca traímos nossas convicções (artísticas, estéticas, culturais, comportamentais, políticas e sociais) em nossos textos. O blog sempre foi e continua sendo o que é, aqui e nas redes sociais. Por conta disso fizemos muitas inimizades nesses anos todos. Mas também angariamos a simpatia de muita gente. E nos divertimos muito fazendo o que gostamos, mesmo não ganhando quase nada em termos de grana. Viajamos o Brasil todo, conhecemos pessoas, bandas, cenas. E isso não tem preço.

Como vamos comemorar esses 14 anos? Na maior e melhor domingueira rock’n’roll do Brasil, claaaaaro! O já velhinho (uia!) mas JAMAIS obsoleto jornalista rocker/loker assume as pick-up’s do Grind neste domingo, 16 de julho, a partir das 3 da matina. E como sempre, prometemos uma super DJ set para a qual contamos com a presença de vários amigos queridos e também do nosso sempre dileto leitorado.

E que ainda venham senão muitos, ao menos alguns anos ainda com o blog zapper no ar – afinal, nada é para sempre e tudo acaba um dia. Mas enquanto aqui estivermos aqui iremos sempre pautar nossa linha editorial por aquilo que marcou essa quase década e meia de existência deste espaço rock online: a paixão absoluta pelo rock’n’roll e pela cultura pop que alimenta nossos dias e noites e que são e serão perenemente a razão de um mundo minimamente menos cinza e menos caótico.

Tamo junto, galera! Aqui e domingo no Grind lá no baixo Augusta. Bora dançar e comemorar! Nos vemos por lá!

 

 

O BLOG ZAPPER – 14 ANOS DE CULTURA POP E ROCK ALTERNATIVO NA WEB BR RESUMIDOS EM ALGUMAS IMAGENS

FINATTIBOB

Entrevistando Robert Smith, o eterno vocalista do Cure, em São Paulo, janeiro de 1996

 

FINATTIKIM

Ao lado da deusa loira Kim Gordon (ex-baixista do saudoso e gigante indie Sonic Youth), em Sampa, novembro de 2005

 

FINATTIFREJATSP2013

Com o chapa de décadas, Roberto Frejat (ex-Barão Vermelho),  2013

 

FINATTINASIEDGARD

Cercado pelos Ira’s Edgard Scandurra e Nasi, 2014

 

FINATTIHELINHOVANGS

Com Helinho Flanders (Vanguart), 2014

 

FESTIVAL CIRCADÉLICA CHEGA À SUA SEGUNDA EDIÇÃO PROMETENDO REVIVER OS TEMPOS INCRÍVEIS DO JUNTA TRIBO E DA CENA INDIE GUITAR BRAZUCA DOS ANOS 90’

Não há como negar ou disfarçar a situação atual do bananão tropical, em todos os sentidos. O Brasil, passando por aquela que talvez seja a maior crise econômica e política de toda a sua história (cortesia de um desgoverno golpista, corrupto, bandido e eivado de ratazanas graúdas que se apoderaram da máquina pública e do poder e que não querem largar dele), está literalmente quebrado. Isso se reflete em todos os setores e atividades, na Cultura inclusive. E mais ainda no nosso amado rock’n’roll, gênero que além de tudo sofre já há alguns anos uma acentuada derrocada em termos de popularidade e de falta de espaço e apelo junto à mídia e ao grande público (seduzido que está por aberrações musicais como sertanojo universotário, axé burrão e funk ostentação/proibidão, que amealham milhões de ouvintes e seguidores em redes sociais e plataformas digitais variadas). Com um panorama tão desalentador desses, vem a pergunta: ainda há espaço e interesse do público (ainda que seja um nicho de mercado) para um festival que reúna em um final de semana numa cidade do interior paulista, alguns dos melhores nomes da cena rock independente brazuca? Se depender do Circadélica, que terá sua terceira edição nos próximos dias 22 e 23 de julho (sábado e domingo da semana que vem) em Sorocaba, sim, ainda há muito espaço para um evento deste naipe. E também um grande público a fim de curtir toda a experiência sonora e extra-musical que o festival promete entregar.

Organizado e produzido pela brava e corajosa turma do grupo sorocabano Wry (um dos orgulhos da indie guitar scene nacional já há vinte anos), o Circadélica teve uma primeira (e modesta) edição em 2001. Depois o festival sofreu uma interrupção por quinze anos até retornar agora,  mais forte e robusto em sua edição 2017. Ela acontece semana que vem em Sorocaba, nos dias 22 e 23 de julho (sábado e domingo), quando trinta e quatro das provavelmente mais representativas bandas alternativas brasileiras (com destaque maior para algumas e menor para outras) irão se revezar a partir do meio-dia em dois palcos montados no bairro Jardim Vergueiro. E além do festival em si haverá também festas paralelas a partir da noite da próxima quinta-feira no Asteroid Bar, um dos endereços mais conhecidos da cena rock da cidade, e que também é tocado pela turma do Wry, quarteto que é dileto amigo destas linhas bloggers rockers desde sempre.

IMAGEMLUDOVIC

Um dos nomes já históricos da indie scene nacional que ainda importa: o quinteto paulistano Ludovic é uma das atrações do festival Circadélica, semana que vem em Sorocaba

 

O Circadélica 2017 vai promover até um mezzo encontro de gerações, pois vai ter gigs de nomes já históricos da cena independente (como os paulistanos Ludovic e Dead Fish, além do próprio Wry), e também abrir seus palcos para algumas revelações recentes desta mesma cena, como Plutão já foi Planeta, Maglore, Farm From Alaska, Boogarins, Vespas Mandarinas etc. Há também alguns nomes bombados e na ótica deste espaço online, superestimados (como Liniker & Os Caramelows). E grupos hoje totalmente irrelevantes e dispensáveis (alguém ainda se importa em assistir a um show do goiano MQN?). Mas são detalhes menores em um line up que, no todo, está bastante caprichado e mostrando um excelente panorama do que rola nesse momento no rock alternativo nacional. Que, sim, ainda resiste heroicamente nas trincheiras e em tempos tão adversos para ele como os de hoje.

Zap’n’roll, que durante quase duas décadas acompanhou muito de perto grande parte da movimentação da cena independente brasileira em todas as regiões do país, também estará acompanhando o Circadélica lá em Sorocaba. Mas antes de irmos para a “Manchester” paulista (na próxima sexta-feira), batemos um papo sobre o festival com o produtor do mesmo, Mario Bross (o “baixinho” gente finíssima que canta e toca guitarra à frente do Wry), nosso chapa há anos já. Ele explica melhor os detalhes do festival e revela suas expectativas sobre o mesmo. Então confira aí embaixo os principais trechos deste bate-papo.

FINATTIMARIOBROSS

Dupla rocker de respeito: Zap’n’roll e Mario Bross (vocalista e guitarrista do Wry), um dos organizadores do festival Circadélica, se encontram após show da banda em Sampa (foto: Fabrício Vianna)

 

Zap’n’roll – Pra começar antes de falarmos de música e do evento propriamente, uma questão de ordem conjuntural eu diria: o país está passando por uma de suas piores crises econômicas e institucionais em todos os tempos. Além disso é visível que o momento infelizmente é bem desfavorável para a cena rock nacional, inclusive a independente. Bandas temos, muitas e boas. Mas falta espaço na mídia, as pessoas emburreceram terrivelmente em seu gosto musical e gêneros como sertanejo, funk e axé dominam todos os espaços possíveis. Com tudo isso é possível fazer um festival como o Circadélica, contar com um bom público e bom resultado financeiro, midiático etc? Ou se trata na realidade de promover um evento que seria um verdadeiro ato de resistência do indie rock em um cenário tão hostil a ele?

 

Mario Bros – É complexo dizer com detalhes, mas afirmo que é muito dificil fazer, temos que contar com o bom senso de todos, para não cobrar super mega caro, pedir desconto em todo e qualquer material de técnica e produção e tentar patrocínio. Conseguimos um apoio bem legal da TNT e outros menores, mas foi isso. Dinheiro mesmo não conseguimos nenhum, vai ser na raça, através dos ingressos e de parte do bar. Mesmo com a crise as pessoas gostam de música, as mesmas pessoas que gostam de funk na balada, gostam de rock também. O publico jovem é mais aberto e muito ecletico. Resumindo, é dificil fazer, a gente gosta de fazer e acho que tem um publico ainda.

 

Zap – certo. É a terceira edição do festival. O que mudou nele do primeiro pra agora?

 

Mario – Basicamente está maior, tem uma tenda a mais, ou seja, dois palcos. Muito mais coisas pra fazer, comer e se entreter. E os side shows que rolam no Asteroid são também vários, domingo agora, quinta, sexta, sábado à noite e segunda, que decretamos feriado em Sorocaba hahaha. A linha artística continua passeando pelo rock, indie, rap, pesado, folk, eletronic, hard core e punk e pop.

 

Zap – observando o line up verifico que há uma grande variedade de estilos presentes, além de já um quase encontro de gerações, rsrs. Há grupos clássicos como o Ludovic e revelações recentes e muito bem vindas, como o Maglore. Como foi o processo de montar esse line up? E quais são os destaques na sua opinião?

 

Mario – Quis usar da mesma linha de pensamento que faço no Asteroid, sendo eclético dentro de um espectro que curto. Mais as idéias dos associados do baile, chegamos nesse line up. Queríamos um pouco de tudo tendo como base o indie ou rock alternativo. Não consigo te dizer quais são meus destaques, me simpatizo com todas as bandas, não tem nenhuma aqui que desgosto ou acho que não deveria estar ou que deveria ser outra no lugar. Estamos bem contentes, sério!

 

Zap – ok. Agora passemos a uma questão que também permeia a cena alternativa nacional há anos. Uma cena inclusive que este blog acompanha muito de perto há pelo menos uma década e meia. E por acompanhar sou plenamente sabedor das dificuldades que se é montar um festival independente. Entre elas a questão de se conseguir patrocínio e pagar cachê para as bandas. Nesse aspecto o Circadélica conseguiu chegar a um acordo satisfatório com os grupos sobre esse tema?

 

Mario – Lógico que gostaria que fosse melhor o acordo com algumas bandas e que pudéssemos pagar melhor pra outras. Mas acho que conseguimos um equilíbrio. E agradeço publicamente aqui todas as bandas que aceitaram tocar no festival prontamente!

 

Zap – a pergunta anterior tem um motivo e vou dizer qual é: porque durante um bom par de anos (no começo dos anos 2000’) a cena nacional foi explorada na cara larga pela malfadada quadrilha do coletivo Fora Do Eixo que, comandada pelo produtor tristemente conhecido como Pablo Capilantra (e contando com o apoio irrestrito do Sr. Fabrício Nobre, vocalista do grupo MQN, que irá se apresentar no Circadélica), conseguiu amealhar bons milhões da teta pública (através da participação em editais da Petrobras, por exemplo) e sendo que parte desses recursos obtidos poderiam ter ido parar nas mãos das bandas que tocaram nos festivais promovidos pelo FDE, a título de cachê. Isso nunca aconteceu e NENHUMA banda que tocou no FDE nunca viu um tostão em termos de cachê. Claro que essa situação não se aplica ao Circadélica, um festival sério, sem dinheiro público envolvido e organizado por um músico e produtor (você mesmo) que o blog conhece há anos e sabe da sua honestidade, integridade e amor pela cena musical. Enfim, o blog se sente quase na obrigação de fazer essa observação e aproveita para saber o que você acha de produtores de festivais que EXPLORAM as bandas que tocam nesses eventos (como os que eram realizados pelo FDE) sem nada fazer por elas além de lhes dar um palco para tocar. Você acha que isso continua acontecendo muito no Brasil ou a mentalidade de quem produz eventos na cena rock alternativa está mudando?

 

Mario – Sinceramente não tenho comentários sobre isso, não sei como funciona, não morava aqui nessa época, peguei um rabo de uma história que envolvia o FDE, mas nunca me aprofundei ou me interessei em saber. Acho difícil dizer qualquer coisa Finatti.

 

Zap – Além de produtor e organizador do Circadélica você toca guitarra e canta à frente do Wry há duas décadas, sendo que a banda já se tornou um clássico do indie guitar brasileiro. Como é conseguir manter um grupo ativo por tanto na cena independente nacional, ainda mais com ela lutando sempre com todo o tipo de dificuldades? O que a banda pretende mostrar no seu show no Circadélica?

 

Mario – Então amo produzir musicas, amo desafios relacionados a banda. O que muitos vêem como problema, eu não vejo. Lógico que já me incomodei com coisas que aconteceram em algum momento ou outro. Mas acho que usei isso pra melhorar. Também já fui cabeça dura, mas decidi abrir a cabeça. Hoje em dia estudo lírica, teórica e prática, piano e voz, sempre querendo melhorar. No Circadélica estaremos mostrando algumas coisas novas e alguns clássicos. Mas já aviso que a coisa mais antiga que tocamos em nossos shows hoje em dia é dois sons do “Flames in the Head”, de 2006.

 

Zap – Pra encerrar: você acha que o festival pode ou poderá reeditar os tempos de glória da cena alternativa nacional, quando foram realizadas as históricas e inesquecíveis edições do festival Junta Tribo, em Campinas?

 

Mario – Nostalgia não é muito do meu gosto, de vez em quando sinto, lapsos da saudade. Mas vivo mesmo o momento. Com todo o respeito a história, sem ela não seríamos nada. Acho que o valor do Juntatribo é imenso e pavimentou o caminho pra tudo isso de hoje. Mas nós estamos aqui hoje pra fazer uma nova história com todos os personagens de hoje, sendo eles de longa data ou nascidos hoje. Espero que seja lindo, como foi o Juntatribo ou o primeiro Circadélica!

 

***Tudo sobre o festival Circadélica aqui: http://circadelica.com.br/. E aqui também: https://www.facebook.com/circadelica/.

 

***Zap’n’roll estará a partir da próxima sexta-feira (21 de julho) em Sorocaba, acompanhando ao vivo toda a movimentação e todos os shows do festival, cuja cobertura estará aqui logo após o encerramento do evento.

CARTAZPROGCIRCADELICA

 

 

MUSA ZAPPER DO MÊS DO ROCK E COMEMORANDO NOSSOS CATORZE ANINHOS DE VIDA – A NOVINHA, LINDONA E TESUDAÇA PALOMA, UHÚ!

Nome: Paloma Silva.

Idade: 18 anos.

De: São Paulo/SP

Mora em: São Paulo/SP.

Formada em: nada, por enquanto. Pretendo cursar jornalismo.

Trabalha em: assistente de fotógrafo, modelo.

Três livros: “Só garotos” (Patti Smith), “Crônicas de um amor louco” (Charles Bukowski), “Leite derramado”  (Chico Buarque).

Três bandas/artistas: Chico Buarque, Beatles e Fábrica De Animais.

Três discos: “A divina comédia” (Mutantes), “Blue & lonesome” (Rolling Stones), “Envelhecido 12 anos” (Bêbados habilidosos).

Três filmes: “Poderoso chefão” (de Mario Puzo), “Pulp Fiction” (de Quentin Tarantino), “Hair” (de Galt MacDermot).

Três diretores de cinema: Francis Ford Coppola, Sergio Leone e Alfred Hitchcock.

Show inesquecível: Ainda não teve um.

Como o blog conheceu a nossa delicious musa deste post: Palominha além de ser essa gataça morena, namora com o músico e gaitista Flávio Vajman, que faz parte do grupo Fábrica De Animais. O jornalista zapper e Flávio são amigos de longa data. E quando o autor deste blog conheceu a girlgfriend do músico, além de se tornar amigo dela não teve dúvidas: a convidou imediatamente para fazer este ensaio. Ela topou e agora nosso dileto leitorado macho (cado) e também feminino (por que não?) pode conferir abaixo mais uma sensacional sequencia de imagens que só estas linhas poppers podem proporcionar. Apreciem sem nenhuma moderação!

 

(fotos: Jairo Lavia. Produção: Zap’n’roll. Locação: Sensorial Discos. O blog agradece a força dada ao ensaio pelo querido Antonio Lucio Fonseca, proprietário da Sensorial)

Paloma (2)

(in) Discretamente vestida, para iniciar os trabalhos

 

Paloma_01 (6)

Sim, eu amo rock’n’roll

 

Paloma_01 (9) (1)

Cerveja e poesia ao cair do dia

 

Paloma (12)

Eu piso no amor porque ele sempre será um cão dos diabos

 

Paloma (17)

Meus discos e meus livros me bastam, às vezes

 

Paloma (21)

Um cigarro pra descontrair e fazer cia à liberdade corporal

 

Paloma (18)

Ela AMA ter velhos (como Buk e seu namorido) no meio de suas lindas coxas

 

Paloma (20)

As melhores cias para a garota incendiária: Bowie, Buk e Velvet Underground

**********

 

FIM DE PAPO

Postão sendo concluído já no sabadão, 22 de julho. E o blogão indo logo ali em Sorocaba city, pra acompanhar o festival Circadélica. Semana que vem contamos como foi o rolê rocker, okays?

Então tchau pra quem fica em Sampa nesse finde!

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 22/7/2017, às 11hs.)

AMPLIAÇÃO FINAL, falando sobre a exposição em torno da trajetória do Nirvana no Rio De Janeiro, e os 27 anos da morte do gênio inesquecível que foi Cazuza – Com um disco bacanão recém lançado o quarteto inglês Ride, ícone da geração shoegazer britânica dos 90’, mostra que o rock de duas décadas e meia atrás era muito mais legal do que o que é feito pelas bundonas bandas atuais e onde até a indie scene rock planetária anda mega meia boca; mais: a volta do folker Fleet Foxes, o indie guitar noventista do Delays, a inútil ilusão oferecida por redes sociais como o Facebook, o fim de mais um bar alternativo bacana em Sampa (a Funhouse) e uma musa rocker japonesa QUARENTONA (wow!) e repleta de tattoos, que deixa muita pirralha de vinte aninhos no chinelo, ulalá! (postão AMPLIADO E FINALIZADO, em 8/7/2017)

BANNERMUG17II

IMAGEMRIDE17II

Com a falência atual da cultura pop e do rock’n’roll, cabe aos veteranos mostrar ótimo serviço: o shoegazer inglês Ride (acima) lança novo e muito bom álbum após mais de duas décadas sem gravar material inédito; já o também britânico Delays (abaixo) vai na mesma pegada sonora, prestando vassalagem ao indie guitar noventista; e até nossa musa desta edição, a lindona japa girl Gláucia (também abaixo), mostra que as quarentonas rockers são muitas vezes mais interessantes e apetitosas do que as “pirralhas” atuais

IMAGEMDELAYS17

IMAGEMMUSAGLAUCIA17

 

**********

MINI DIÁRIO SENTIMENTAL E MEMÓRIAS FINÁTTICAS – E NAQUELE SÁBADO, HÁ 27 ANOS, NO RIO DE JANEIRO… O BLOG ASSISTIA LEGIÃO URBANA AO VIVO ENQUANTO CAZUZA IA PRO CÉU COM DIAMANTES

Onde vocês estavam há 27 anos, exatamente em 7 de julho de 1990? Bom, vocês o blog não sabe. Zap’n’roll estava no Rio de Janeiro à noite, no Jockey Club do balneário carioca. Junto estavam ali outras 50 mil pessoas. Todas vibrando ao máximo e em êxtase sensorial absoluto com o show que a Legião Urbana estava então fazendo no local. Era mais uma apresentação da turnê do bombadíssimo álbum “As Quatro Estações” (que havia saído menos de um ano antes e já havia vendido, até aquela data, mais de um milhão de cópias). Finaski era repórter da editoria de cultura da revista IstoÉ. E havia passado os últimos dois meses daquele ano acompanhando a banda em algumas apresentações, para escrever um perfil dela para a revista. Esse show no Rio seria o último que ele iria assistir antes de escrever e entregar o texto para publicação. Depois que a revista foi para as bancas com a reportagem, ainda assistiu novamente o grupo aqui mesmo em Sampa, no estádio do Palmeiras, dois meses depois.

 

Muito aconteceu naquele final de semana da gig carioca da Legião. Acontecimentos que, inclusive, estão descritos num dos primeiros capítulos do livro, “Escadaria para o inferno” (que está na mão de numa nova e promissora editora e que talvez o coloque nas livrarias ainda este ano). Na véspera da ida pro Rio o jornalista loker/zapper se trancou em casa (no apto em que morava, na rua “Gay” Caneca) com a magrela Pati, com quem então estava de “namorico” (pois Finas havia sido “dispensado” semanas antes pela futura mãe do seu único filho). Pati era bonitinha mas ordinária: gostava de rock mas não possuía grandes atributos intelectuais. Mas FODIA bem. De modos que ela foi pra casa naquela sexta-feira e lá passamos a noite/madrugada, primeiro fodendo bastante. Depois o loki autor deste espaço blogger rocker foi cheirar cocaína ao longo da madrugada, enquanto papeava com ela e escutava discos da Legião. Quando o pó acabou foi tentar dormir (já era quase de manhã) e obviamente “fritou” bastante até conseguir. Mas enfim pegou no sono.

 

No meio da tarde (umas 4 da tarde, pra ser mais exato) foi acordado com o interfone tocando. Era o queridão Ivan Cláudio, que trabalhava com este repórter na IstoÉ. Ele estava em pânico e apavorado. Sabia como seu colega de redação era, hã, “irresponsável” com compromissos e horários. Entrou no apê tenso. “Finatti! Pelo amor de deus! Você precisa ir pra Congonhas, pegar um vôo e ir pro Rio!”. Sim, o bloggrt loker. Ainda estava sonolento (com Pati ainda deitada na cama também, PELADA e coberta apenas por uma colcha) e acordando aos poucos, em câmera lenta. E Ivan cada vez mais ansioso. Foi quando ele disse: “nem sei se o Renato vai subir no palco e cantar. O Cazuza MORREU hoje pela manhã”.

 

Sim. Caju, 32 anos de idade, um dos maiores poetas da história da música brasileira em todos os tempos, um dos nomes GIGANTES do rock BR dos anos 80’ e amigo pessoal de Renato Russo, havia finalmente sido vencido pela AIDS (e contra a qual ele lutava bravamente desde 1986 mais ou menos) na manhã daquele sábado, 7 de julho de 1990. Veio então a dúvida: haveria afinal ou não o show da Legião?

 

Finas não podia ficar conjecturando sobre isso. Arrumou sua bolsa de viagem, se despedi da Pati e de Ivan, pegou um táxi e se mandou pro aeroporto. Conseguiu pegar o vôo da ponte aérea das 7 da noite. Chegou no Rio às 8, foi pro hotel, tomou um banho rápido, se trocou e foi pro Jockey. A apresentação aconteceu, para o nosso alivio e das outras 50 mil pessoas que estavam lá. Renato Russo falou sobre Cazuza antes de a banda começar a tocar. E foi uma gig  i n e s q u e c í v e l. Só quem esteve lá, como nós estivemos, pode saber disso.

 

Vinte e sete anos se passaram. Estamos com 5.4 nas costas, sozinho (quer dizer, emocionalmente sozinho; trepadas sempre surgem pelo caminho, mas seguimos solteiro) e sempre reiterando o que sempre comentamos aqui. A cultura pop e a música brasileira (incluso aí o rock nacional e todos os outros gêneros possíveis) MORRERAM (pelo menos em termos qualitativos e de relevância artística) na era da web, do zap zap, das redes sociais babacas fúteis e inúteis/superficiais. Por isso mesmo que não conseguimos esquecer e deixar de curtir, ouvir e admirar bandas como Legião Urbana e artistas como Cazuza e Renato Russo, que também iria morrer de AIDS seis anos depois, em outubro de 1996.

IMAGEMCAZUZAERUSSOII

Em 7 de julho de 1990 (há 27 anos), Cazuza morria no Rio De Janeiro, aos 32 anos de idade, vitimado pela AIDS; ele e Renato Russo, vocalista da Legião Urbana, foram os dois principais cantores e letristas da inesquecível geração rock BR dos anos 80’, o que pode ser facilmente visto no vídeo abaixo, com a Legião tocando na mesma noite de 7 de julho daquele ano, para 50 mil pessoas no Jockey Club carioca; e Zap’n’roll estava nesse show

 

Os dois fazem muita falta. E nunca mais irão surgir letristas como ambos, com a verve poética sublime que eles possuíam. Isso é liquido e certo. Mas pelo menos a obra musical deles é eterna e está aí, para quem quiser ouvir para todo o sempre.

 

Naquela ida ao Rio também conhecemos a Flávia, em pleno vôo de SP pro balneário. O avião estava vazio e sentamos ao lado dela de propósito pois a havíamos achado gostosona (com peitaços sensacionais) e simpática (não muito bonita na verdade, com aqueles cabelos loiros cacheados, sendo que nunca tivemos muito apreço por loiras e ruivas). Pedimos um whisky pra comissária de bordo (sim, naquela época servia-se whisky nos vôos da ponte aérea Rio/SP) e puxamos papo com ela enquanto bebericava o dito cujo. Quando descobrimos que ela amava David Bowie, Raul Seixas e o escritor e dramaturgo gay francês Jean Genet, enlouquecemos. Ao descermos no Santos Dumont, no Rio, o blog a puxou pelo braço e a levou pro hotel. No quarto nos beijamos furiosamente na boca mas ela disse: “eu NÃO VOU DAR PRA VOCÊ HOJE. Preciso ir pra Niterói ver minha mãe [que era separada do pai dela e estava enfrentando um câncer em estado terminal], e você tem que ir fazer sua reportagem. Amanhã eu venho pra cá e durmo aqui com você”.

 

E assim foi. Fomos ver a Legião, e ela foi ver a mãe dela. No domingo à noite ela cumpriu a palavra. Foi pro hotel e lá dormiu com o jornalista, proporcionando a ele uma das melhores FODAS que tinha dado na vida até então. O zapper se apaixonou perdidamente por ela, claro. Mas total atrapalhado que sempre foi, fez tudo errado. A mãe do filho do jornalista reapareceu, engravidou e o zapper perdeu Flávia para sempre. Hoje ela é uma advogada muito bem sucedida, casada e mãe de um filho. É a vida…

 

(suspiro…)

 

A mãe do nosso filho se separou deste maluco dois anos depois. Ela não agüentou conviver com um loki de 28 anos de idade, que era um jornalista bastante conhecido e repórter de uma das principais revistas semanais de informação do Brasil, e que a CHIFRAVA a torto e a direito (sim, era um tarado compulsivo por bocetas; e sejamos honestos e sem moralismo, hipocrisia ou machismo aqui, mas mulheres AMAM dar pra sujeitos comprometidos e que possuem uma certa visibilidade pública, como o blog possuía por ser jornalista), além de viver se entupindo de cocaine (ela detestava drogas) e whisky. Ninguém agüentaria muito tempo na real, e acho que ela suportou até demais.

 

Se estas linhas saudosistas se arrependem de algo? Não. Não adianta remoer, se arrepender ou ter remorso dos erros cometidos, buscando algum tipo de alento, redenção ou perdão deles, desses erros. Melhor APRENDER com eles e tentar EVITAR errar novamente. Nesse sentido achamos que aprendemos (ainda que a duras penas) alguma coisa com nossos erros e nessas mais de cinco décadas de existência.

 

Se sentimos saudades de algo? Sim, claro, muita saudade. Dos anos 80’ e 90’, do mundo muito mais legal e menos reaça e careta do que é hoje, do rock brasileiro genial daquela época, de tudo que vivemos, ouvimos, curtimos e vimos, dos shows que acompanhamos, das reportagens que fizemos, dos lugares bacanas onde trabalhamos. Dos nossos anos jovens enfim. Nos divertimos pra caralho no final das contas e não podemos jamais nos queixar. Tudo passa e ficam as lembranças, ótimas e ruins. Então hoje nos lembramos de Cazuza, de Renato Russo, da Legião Urbana, daquele show que vimos naquela noite de 7 de julho de 1990 no Rio, da Flavia que conhecemos no avião. Nos lembramos de tudo isso e dizemos a nós mesmos que, sim, fomos felizes afinal em alguns momentos de uma vida quase perenemente cinza na alma e no coração. E quem sabe um dia, se houver alguma outra estação além dessa escrota aqui na Terra, a gente reencontra Cazuza, Russo e mama Janet, todos eles arianos e lá no céu com diamantes.

 

MINI DIÁRIO SENTIMENTAL E MEMÓRIAS FINÁTTICAS, II – ELES SERÃO ETERNAMENTE UMA DAS CINCO BANDAS DA VIDA ZAPPER

Zap’n’roll escreveria um LIVRO aqui sobre o trio inesquecível formado pelo igualmente inesquecível e saudoso gênio Kurt Cobain, mais Kris Novoselic e Dave Grohl. Porém a história deles parece estar muito bem contada e resumida na expo que está em cartaz no Rio De Janeiro, e que chega a Sampa em setembro.

 

Estamos ficando velhos, bem sabemos. Mas não há remorsos, ressentimentos ou arrependimentos em nós pelo que passamos, vimos, ouvimos e vivemos nos nossos já longos 5.4 de existência. Há com certeza uma grande saudade e nostalgia de tudo aquilo. Mas vivemos o MELHOR que pudemos e no momento CERTO tudo o que tinha e tivemos que presenciar. Se fossemos um adolescente nesse momento, teríamos perdido milhões de paradas imperdíveis e que fizeram parte para sempre da nossa vida. Como o show do Nirvana em São Paulo, em janeiro de 1993, no estádio do Morumbi no festival Hollywood Rock (foi nele que conhecemos pessoalmente o amado André Pomba, inclusive). Estávamos lá. E TESTEMUNHAMOS a PÉSSIMA apresentação de Kurt e cia. O show foi ruim, caótico, quase medonho. Mas era o Nirvana no palco. Por isso mesmo, enquanto eles tocavam a cover de “Molly’s Lips” (da obscura banda Vaselines), o blog pulava como um louco na pista do gramado do estádio, até gritar para uma amiga (não lembramos mais quem estava conosco naquela gig) minha, ao nosso lado: “O show está uma MERDA, mas FODA-SE! É o NIRVANA e EU estou aqui!”.

 

(suspiro…)

 

Kurt ficou milionário com o grupo, se tornou um mega star mundial e meio que passou a DETESTAR tudo isso. Quando começou a banda, vivia dizendo que se contentaria com ela tocando apenas em palcos minúsculos e em butecos idem, para platéias ibidem. Quando o trio passou a encarar multidões de mais de 50 mil pessoas nas suas apresentações ao vivo, algo desandou em Cobain e seu cérebro deu tilt. O resultado todo mundo sabe. Um tiro de espingarda disparado por ele mesmo contra os próprios miolos. A essa altura muitas vezes ele já se achava não um rock star, mas apenas… um idiota (como cantou em “Dumb”).

IMAGEMKURTCOBAINII

Uma mega exposição em cartaz no Rio revive todo o legado do Nirvana (acima, Kurt Cobain em ação numa gig da banda); em setembro o evento chega a capital paulista

CARTAZEXPONIRVANABR17

 

 

O blog muitas vezes se senti e ainda se sente também um idiota. Faz parte. Mas como sabemos que talvez não nos reste mais muitos anos por aqui afinal, suportamos hoje com mais sapiência e resignação esse sentimento de idiotia, de inadequação emocional e existencial. Um dia tudo isso acaba no final das contas.

 

Saudades Kurt. Você estará sempre no coração de Finaski. E nos vemos aqui em Sampa em setembro, na sua expo sobre o Nirvana.

 

**********

EDITORIAL COMPORTAMENTAL/POLÍTICO – ENQUANTO O PAÍS AFUNDA, A NAÇÃO VIRTUAL IMBECIL FAZ “INVEJINHA” PROS AMIGOS NOS FACEMERDAS DA VIDA

Com a aproximação das datas de alguns grandes shows internacionais marcados para o segundo semestre no Brasil, nunca o FaceTRUQUE (ou FaceMERDA) cumpriu tão bem sua função quase PRIMORDIAL: a de fazer boa parte dos OTÁRIOS que estão nele se sentirem “popstars”, nem que seja por um dia apenas, uma postagem e uns 15 likes nela (atualizando o clássico vaticínio do gênio Andy Warhol: “no futuro todos serão FAMOSOS por 15 LIKES”, ahahaha). Fora que FAZER INVEJA nos “amigos” virtuais é a tônica de muitas postagens (incluso aí a de vários amigos do blog lá na rede social escrota). Então todo mundo reclama que está “falido” mas haja post pra exibir (uia!) com empáfia foto de ingresso comprado pro show do Paul McCartney, do festival SP Trip (que vai reunir um MONTE DE LIXO de bandas velhonas e cafonas de heavy metal, e onde se salva apenas o gigante The Who no line up) ou do U2 (o quarteto irlandês teve que marcar uma terceira apresentação aqui, já que os tickets para as duas primeiras se esgotaram em questão de poucas horas). Agora pra responder por inbox a uma oferta com preço ridículo de anúncio neste blog (“vou fazer de conta que não vi e não li”, embora a rede social denuncie que a mensagem foi VISUALIZADA, rsrs)… silêncio ENSURDECEDOR. Seria CÔMICO, se não fosse ridículo e algo detestável esse comportamento ESCROTO.

Um comportamento, de resto, nos leva a questão POLÍTICA desta postagem. Enquanto você fica aí fazendo invejinha nos “amigos” virtuais, postando fotos dos tickets que acaba de comprar pra aquele showzaço gringo imperdível (com preço astronômico e sempre extorsivo, é bom ressaltar, o que torna o comprador do ingresso um OTÁRIO ainda maior, mas é claro que ele PRECISA mostrar na rede social que está de bem com a vida e que vai ao tal show, onde irá tirar muitas selfies alegres e sensacionais e na verdade pouco vai se lixar para a apresentação que está rolando no palco e pela qual ele deu seu CU para conseguir pagar o valor abusivo do ingresso), o Brasil AFUNDA sem dó sob o NÃO comando do Bela Lugosi do Planalto. Ele mesmo, o golpista, vampiro e CHEFE DA QUADRILHA MAIS PERIGOSA do país.

Enfim, se você leu até aqui e se participa festivamente desse comportamento cretino de fazer “invejinha” com seus postecos em rede social enquanto todo mundo se fode (você incluso) nesse bananão miserável, achamos que está na hora de o Sr (ou srta) rever sua postura “virtual”. Ou não?

 

MICROFONIA

(reverberando cultura pop, política, comportamento e sociedade)

 

***“Gimme Danger”, o documentário realizado em 2016 sobre a trajetória dos gigantes e seminais Stooges, passou durante a programação do In Edit Brasil deste ano, que se encerrou semana passada. Nem tinha como ser um doc ruim. Dirigido pelo genial Jim Jarmusch (de quem somos fãs desde sempre) e conduzido em boa parte pela narração da lenda Iggy Pop, “Gimme Danger” desvela em detalhes a trajetória de uma banda que foi fundamental para toda a história do rock’n’roll. E continua sendo até hoje. Aliás enquanto o blog assistia ao filme (a sala do cine Olido, no centrão de Sampa, lotou de gente de todas as idades, de adolescentes a um velhinho que sentou bem ao nosso lado o que suscitou a dúvida: ele estava ali por mera curiosidade e sem saber do que tratava o longa ou era mesmo um fã de décadas dos “Patetas”?), pela enésima vez chegamos à conclusão de sempre: o mundo se tornou mesmo inculto e irremediavelmente BOÇAL em termos de arte na era da web. O ser humano chegou ao ápice do avanço tecnológico e digital. E no entanto nunca regrediu tanto em termos de ARTE e de sólida formação cultural e intelectual. Ou você acha que a música, o rock, o cinema, a literatura e as artes de hoje em dia ainda irão revelar algum gênio cuja obra será reverenciada daqui a 30 ou 40 anos, como a dos Stooges e de Iggy Pop é até hoje? Talvez a LITERATURA atual em si ainda produza alguma obra gigante e revele algum (a) escritor (a) fenomenal, posto que a arte da escrita talvez ainda esteja um pouco mais imune do que as outras ao vazio e ao horror de futilidade, ignorância e superficialidade que a cultura da web, da internet e das redes sociais impôs e impõe às pessoas. Mas esperar que ainda surjam ícones como James Osterberg e álbuns clássicos como os três gravados pelos Stooges (o primeiro, homônimo, e mais “Funhouse” e “Raw Power”) nos tempos atuais, pode esquecer: isso NÃO VAI MAIS ACONTECER. Então diante disso, até que estas linhas zappers se sentem confortáveis nos seus 5.4 de existência. Pois tivemos os três discos essenciais da banda em vinil. Mais do que isso: conseguimos assistir Iggy Pop e os Stooges ao vivo. Iggy em 1988 (há quase 30 anos!) no extinto ProjetoSP (que ficava no bairro da Barra Funda, em São Paulo, um galpão enorme onde cabiam 5 mil pessoas e que na noite da gig do Iguana não recebeu mais do que metade da lotação do lugar). Depois, ainda conseguimos testemunhar a reunião da banda no festival Claro Que É Rock (inesquecível, numa noite que ainda teve Sonic Youth e Nin Inch Nails), em novembro de 2005, na noite do aniversário de 43 anos de idade do jornalista eternamente rocker. Foi fantástico e guardamos os dois shows eternamente em nossas mais caras lembranças. “Gimme Danger” chega a ser emocionante em alguns momentos (fora que as tiradas certeiras de Iggy em seus depoimentos provocam ótimas gargalhadas na platéia). Jarmusch colocou seu talento de cineasta a serviço de um simples mas bem amarrado (no roteiro e na edição de imagens históricas da trajetória do grupo) documentário (de resto Jim sempre foi da turma do rock, basta lembrar que é dele também o magnífico “Sobre café & cigarros”, que foca na carreira de Tom Waits). No filme, lá pelas tantas, Iggy brinca que “ainda irá enterrar muitos amigos”. De fato: dos Stooges já se foram os irmãos Asheton (Ron e Scott), além do baixista Dave Alexander. E da própria santíssima trindade total genial e LOKA dos anos 70’ (Bowie, Lou Reed e Iggy Pop), está sobrando apenas mr. Osterberg, hoje na tranqüilidade dos seus 70 anos de idade e de quem olha para trás, para a selvageria que era sua existência junkie e à frente das apresentações igualmente selvagens de sua banda sem nostalgia, mas com o sentimento de estar em paz consigo mesmo e de ter muito orgulho por ter escrito alguns dos capítulos mais extraordinários desse tal de rock’n’roll que todos nós amamos e que ajudou a tornar a humanidade um pouco (ou muito) mais feliz e relevante culturalmente falando, no século XX.

CARTAZDOCGIMMEDANGER17

O “iguana” Iggy Pop tem sua trajetória e a de sua banda, o seminal The Stooges, esmiuçada com classe no documentário “Gimme Danger” (acima); abaixo, o cantor durante seu primeiro show no Brasil, em 1988 no ProjetoSP em São Paulo

IMAGEMIGGYPOPLIVEBR1988

 

***O som indie pop legal do desconhecido Delays – Uma banda indie inglesa já velhinha, desconhecida mas bacana – é o quarteto Delays, que surgiu em 2001, lançou seu primeiro álbum (o bem legal “Faded Seaside Glamour”) apenas em 2004 e de lá pra cá mais três álbuns, o último deles em 2010 (lá se vão sete anos…). Zap’n’roll resolveu falar deles porque enquanto a OGRADA vive se descabelando e berrando na frente da TV sempre por causa do futeMERDA, o blog ocupa seu tempo com paradas mais legais, como ouvir o primeiro disco dos Delays. Que é repleto de canções com melodias doces, bucólicas (mas não chatas) e encantadoras. Lembra muito o indie pop noventista de grupos como The La’s (alguém se lembra deles?) e o vocal em falsete do guitarrista e cantor Greg Gilbert nos remete diretamente para uma Londres gelada e encoberta por fog, lá por 1993. O cd todo é bacana (não sensacional, mas muito bom de se ouvir), trilha perfeita para uma noite fria de inverno. E nele há pelo menos uma pequena obra-prima, aquela pop song quase perfeita: “Nearer Than Heaven”, que inclusive sempre toca na rádio New Rock da TV NET. É uma banda velhinha já, que não lança novo material há 7 anos mas que quase ninguém deve conhecer por aqui. Então se você também ODEIA futebol como estas linhas bloggers odeiam, taí a dica sonora desta edição do Microfonia. Melhor escutar o Delays do que ficar perdendo tempo com futeMERDA na TV.

 

***postão zapper entrando no ar em pleno domingão de inverno em Sampa, néan. E hoje à noite é dia de rock neném, com a domingueira rock Grind. E sendo que ontem, sabadón, rolou mais uma exibição do bacaníssimo documentário “Time Will Burn”, que radiografa com precisão toda a indie guitar scene brasileira dos anos 90’. Dirigido pelo chapa Marko Panayotis e já exibido em algumas telonas paulistanas ao longo de 2016, “Time…” ganha ainda mais uma projeção na próxima terça-feira às nove meia da noite, no cine Sesc (que fica ali na rua Augusta em direção aos Jardins, próximo à estação Consolação do metrô). Detalhe: assim como ontem a exibição na terça também será gratuita e os ingressos podem ser retirados uma hora antes do início da sessão. E sim: Zap’n’roll faz uma “ponta” no doc (uia!), no final dele. Mais não dá pra contar e o melhor é ir lá conferir.

 

***já outro doc igualmente bacanudo sobre a cena indie nacional dos 90’, “Guitar Days”, deverá finalmente ser lançado comercialmente até setembro próximo. É o que informa o brother Caio Augusto, diretor do filme (e atualmente morando na Espanha), em bate-papo com o blog esta semana. Segundo ele o longa (que também tem a participação deste jornalista rocker/loker, dando depoimento sobre uma cena que ele acompanhou muito de perto naquela época) será primeiramente exibido em alguns eventos específicos em alguns países europeus. Depois chega ao Brasil. Vamos aguardar.

 

***E a notícia lindona e bacanuda deste domingão invernal (que bom e que delícia): Morrissey, a nossa BICHONA fofa e mais amada de todos os tempos no rock e na cultura pop mundial enfim ganhando sua cinebiografia, wow! Ela foca na juventude dele e termina quando Moz se encontra com Johnny Marr – daí em diante e o resto da história todo mundo conhece de cor. Perfeito! O longa estréia em agosto na Inglaterra e fica a torcida para que ele chegue o quanto antes aos cinemas aqui do triste bananão tropical.

IMAGEMSMITHSCLASSIC

Uma das maiores bandas de rock de todos os tempos, os inesquecíveis Smiths (acima): a cinebiografia do vocalista Morrisey chega mês que vem aos cinemas da Inglaterra

 

***mês do rock, I: é este julho mesmo, que começou ontem, sendo que dia 13 em si é o Dia Mundial do Rock (desde 1985, quando foi realizado o lendário concerto Live Aid). E para comemorar haverá alguns eventos bem legais espalhados pelo circuito alternativo de Sampa. Entre eles uma super DJ set do blog comemorando também nossos catorze anos de existência, na domingueira rocker mais famosa do Brasil, o Grind (comandada há quase vinte anos pelo super DJ André Pomba). Anote na agenda desde já: vai rolar dia 16 de julho, domingo no Espaço Desmanche, na rua Augusta 765, centrão de Sampa.

FINATTIDJSETMARINGA17III

O jornalista zapper/loker mandando ver nas cdj’s no começo deste ano, em Maringá (PR): a nova dj set do blog, comemorando nossos catorze anos de existência, rola no próximo dia 16 de julho no Grind/SP

 

***mês do rock, II: já o Centro Cultural São Paulo (localizado no bairro do Paraíso, zona sul da capital paulista e colado no metrô Vergueiro), um dos espaços culturais mais bacanas de Sampalândia, também vai reservar todo o mês de julho para abrigar o evento “Centro do Rock”. A programação é variada, com shows, debates, exibições de filmes etc. Há bobagens gigantes espalhadas ao longo do evento (quem precisa de show do inútil e esquecível grupo MQN a essa altura do campeonato? Mas é claaaaaro que o vocalista da banda, o escroque monstro que atende pela alcunha de “diabo bacon”, sempre dá um jeito de se imiscuir nessas paradas) e debates igualmente inúteis (como o que vai reunir o tristemente conhecido Alex “Porcão” Antunes e o nosso “vizinho” responsável pelo blog Pobreload, ops, Popload) que certamente terão audiência pífia de público. Mas felizmente também vão rolar gigs imperdíveis (como a do sempre ótimo Jonnata Doll & Os Garotos Solventes) e sessões de cinema idem (vai passar “Control”, a cinebiografia de Ian Curtis, e também o sensacional, hilário e imperdível “A festa nunca termina”, sobre a cena rock de Manchester nos anos 80’ e 90’). Enfim, dá pra pegar algo de bom ao longo da programação no CCSP, que está toda aqui: http://www.centrocultural.sp.gov.br/.

 

***Mês do rock, III: e no final da semana que vem o circuito noturno rocker alternativo de Sampa vai ferver com gosto. Na sexta-feira rola a quarta edição do Bailindie da saudade (todas as infos aqui: https://www.facebook.com/events/259032921168603/). E no sabadão em si, 8 de julho, tem gig do Verônica Decide Morrer na Funhouse (que está fechando as portas, mais sobre o evento aqui: https://www.facebook.com/events/532166090240885/?acontext=%7B%22source%22%3A5%2C%22page_id_source%22%3A138776301124%2C%22action_history%22%3A[%7B%22surface%22%3A%22page%22%2C%22mechanism%22%3A%22main_list%22%2C%22extra_data%22%3A%22%7B%5C%22page_id%5C%22%3A138776301124%2C%5C%22tour_id%5C%22%3Anull%7D%22%7D]%2C%22has_source%22%3Atrue%7D) e também mais uma edição da sempre animadíssima balada Call The Cops, comandada pelo DJ Ricardo Fernandes e acontecendo novamente no Olga 17 (detalhes aqui: https://www.facebook.com/events/1355983417842144/). Ou seja: motivos de sobra para NÃO ficar em casa, certo?

 

***sexo aos montes, drogas idem, putarias variadas… vem aí finalmente o filme que conta a história do palhaço Gozo, ops, Bozo, que reinou entre a criançada (opa!) nas manhãs da televisão brasileira nos anos 80’. Você se lembra? Se não lembra se prepare, ulalá! A estréia do longa está prometida para o mês que vem.

 

***pois é, a última sexta-feira (leia-se anteontem) foi realmente um dia NEGRO para o país LIXO chamado Brasil. Cheirécio Neves de volta ao senado federal, o LONGA MANUS e HOMEM DA MALA Rocha Loures solto etc. O país realmente ACABOU. Alguém ainda tem dúvida quanto a isso?

 

***e ao longo da próxima semana (que está começando hoje na verdade) as notas da seção Microfonia irão sendo ampliadas com novas infos, se algum fato relevante merecer nossa atenção. Estamos e estaremos sempre de olho nas movimentações da cultura pop e do rock alternativo, pode ficar sussa.

 

 

APÓS MAIS DE DUAS DÉCADAS LONGE DOS ESTÚDIOS O SHOEGAZER RIDE VOLTA COM DISCÃO INÉDITO, DANDO UM POUCO MAIS DE DIGNIDADE AOS TEMPOS TOTAL SOMBRIOS E IRRELEVANTES DO ROCK ATUAL

Foi um dos comebacks mais aguardados deste ano até o momento, no indie rock planetário. Em um tempo sombrio, onde a cultura pop e o rock alternativo desceram sem dó em direção ao abismo mais profundo da irrelevância artística e musical, o quarteto inglês Ride (um dos nomes mais emblemáticos da geração shoegazer que dominou o rock britânico nos anos 90’) finalmente saiu de sua hibernação de mais de vinte anos longe dos estúdios de gravação. E deu ao mundo há duas semanas “Weather Diaries”, seu quinto álbum inédito em uma trajetória de quase três décadas. O disco (que já foi comentado rapidamente aqui mesmo, em nosso post anterior) é muito bom, mostra uma banda de meia idade (com os integrantes beirando os cinqüenta anos de idade) em boa forma e que editou um trabalho que permanece fiel às suas origens e influências sonoras, sem se preocupar em dar um verniz atual (com intervenções sonoras pseudo modernosas e contemporâneas) e inútil ao que funciona bem em sua versão clássica e original. Mais do que isso, as novas composições do grupo desvelam pela enésima vez o que todos nós já sabemos: o rock’n’roll da cretina era da web foi mesmo pro buraco. Resta a conjuntos veteranos como o Ride trazer ainda um pouco de alento e dignidade ao gênero musical que já foi o mais importante de toda a história da música mundial.

Em um tempo (o de hoje) onde a música se tornou algo bastante descartável, imediatista e fugaz, com zilhões de “popstars” surgindo e desaparecendo diariamente sem deixar rastro, o Ride já pode ser considerado como uma banda quase jurássica. Surgido há quase trinta anos (foi formado em 1988) na cidade inglesa de Oxford, o grupo formado pelos guitarristas e vocalistas Mark Gardener e Andy Bell, pelo baixista Steve Queralt e pelo baterista Laurence Colbert já foi aclamado pela imprensa e pelo público quando lançou seu primeiro álbum, “Nowhere”, em 1990. Alinhando-se à facção shoegazing britânica (composta por conjuntos que engendravam melodias oníricas, tristonhas e contemplativas, e tratadas com guitarras encharcadas de noise e feedback aliadas a vocais dolentes e algo sombrios) de grupos como Lush, My Bloody Valentine, The Jesus & Mary Chain e Slowdive (que também retornou à ativa este ano, lançando um primoroso disco inédito) o quarteto logo se destacou pela grande potência sônica e qualidade artística de sua estréia. “Nowhere”, lançado pelo célebre selo Creation Records (e que foi o lar da banda durante toda a primeira fase de sua existência), era tão bom que ganhou o título de “álbum do ano” em 1990, em votação dos críticos do finado semanário musical Melody Maker. Isso fez com que o Ride angariasse uma enorme legião de fãs apaixonados e também fez o conjunto estourar nas rádios inglesas com o lindíssimo single “Vapour Trail”. Eram os anos 90’, a era do shoegazer (com os integrantes das bandas tocando ao vivo de cabeça baixa, olhando para os próprios sapatos), das ruas enevoadas de Londres e da barulhenta melancolia indie guitar vertida em canções sublimes.

Com o sucesso alcançado já no primeiro trabalho, o grupo não pensou em mudar a fórmula no segundo disco. E assim “Going Blank Again” saiu em 1992 trazendo o mesmo (e ótimo) Ride da estréia. Novamente barulhento, novamente com melodias doces e melancólicas, e mais um single (“Twisterella”) que varreu as rádios rock inglesas. O cd colocou o grupo no topo mais uma vez e permitiu a ele experimentar uma ligeira mudança de rota no álbum seguinte. Editado em junho de 1994, “Carnival Of Light” mostrava os garotos de Oxford mergulhando em… nuances sessentistas e folkster americanas, com muitos eflúvios de Byrds nas faixas de mais um cd que foi novamente super bem recebido por crítica e público. Mas a essa altura algo já não ia bem INTERNAMENTE no Ride. A dupla de frente do quarteto (Mark e Andy) começou a se desentender por conta das célebres e sempre danosas “diferenças musicais”. As brigas entre ambos começaram a se tornar freqüentes e isso enfim transpareceu com nitidez no quarto cd do grupo, “Tarantula”, lançado em março de 1996. Era um disco bem abaixo do que o conjunto havia mostrado nos seus três primeiros álbuns. E por conta disso, foi repelido pela rock press inglesa que viu nele apenas uma pálida sombra do que o Ride havia mostrado até então. Ainda assim a banda saiu em turnê para promover o trabalho. Mas o clima havia ficado mesmo insustentável e ao final da excursão o Ride encerrou de forma algo melancólica suas atividades. Dos quatro integrantes apenas Andy Bell se manteve em alguma evidência no cenário rocker inglês, indo tocar baixo no Oasis e permanecendo na função no grupo dos manos Gallagher até o fim dele, em 2009.

CAPARIDE17II

Capa do novo disco do Ride: após mais de vinte anos longe dos estúdios, a volta com um discão que evoca o melhor shoegazer dos anos 90′

 

Foi preciso então mais de vinte anos para que a turma shoegazer de Oxford resolvesse voltar às atividades. Com um relativo revival shoegazing tomando conta do rock alternativo britânico nos últimos meses (com Slowdive e The Jesus & Mary Chain lançado novos e ótimos discos, após séculos longe dos estúdios de gravação), o Ride também achou que era hora de voltar. E o fez através deste bacaníssimo “Weather Diaries”, que resgata de forma competente a sonoridade que transformou o conjunto num dos ícones máximos do indie guitar dos anos 90’ na Inglaterra. Com onze faixas e pouco mais de cinqüenta minutos de duração “Weather…” se equilibra muito bem entre faixas de puro noise e feedback com outras de tonalidades mais sombrias e com melodias mais contemplativas e melancólicas. Há pelo menos quatro longas canções (todas com seis minutos de duração ou mais) que demonstram como o grupo sabe engendrar com maestria melodias construídas a partir de guitarras a um só tempo ásperas e doces. É o caso de “Lannoy Point” (que abre o cd), da faixa-título, de “Cali” (um dos melhores momentos do álbum) e de “White Sands”, que encerra tudo com brumas melódicas e harmônicas tristonhas e lúgubres, bem de acordo com os tempos sombrios em que estamos vivendo. Ao mesmo tempo há espaço para o vigor rápido, acelerado e conciso de “Charm Assault” (o primeiro single de trabalho do cd), “All I Want” e da sensacional “Lateral Alice”, que evoca os tempos de “Twisterella” e poderá se tornar um hit nas pistas de rock alternativo.

O mundo está ruim em todos os sentidos. O aquecimento global devora o planeta, a raça humana nunca esteve tão reacionária e conservadora nos últimos trinta anos como agora e a cultura pop (incluso nela o rock’n’roll) desceu sem dó a ladeira da mediocridade e irrelevância artística. As bandas atuais não duram nada e são ruins e fúteis de dar pena. O Ride sabe disso tudo e voltou com um disco onde parece querer dizer (ou cantar) ao ouvinte: “sim, já somos velhos e estamos aqui ainda, vivos. E mostrando talvez mais qualidade e dignidade do que 90% da geração atual”. É bem por aí: “Weather Diaries” pode não ser uma obra-prima. Mas numa época em que nada mais parece fazer sentindo ou parece fazer grande diferença e impactar nossas tristes existências em termos musicais, ouvir essas novas onze músicas do velho shoegazer inglês traz grande alento à alma e aos sentidos. E mostra que o grande rock de guitarras ainda vive e nos encanta, mesmo quando feito por senhores na casa do meio século de vida.

 

***mais sobre o Ride, vai aqui: https://www.thebandride.com/, e aqui: https://www.facebook.com/RideOX4/.

 

***o grupo está em turnê de divulgação de “Weather Diaries”. Tocam na Europa e Reino Unido até o final desse ano. E há boatos e uma pequena possibilidade de que venham para o Brasil em 2018. Vamos torcer!

 

 

AS FAIXAS DO NOVO ÁLBUM DO RIDE

1.”Lannoy Point”

2.”Charm Assault”

3.”All I Want”

4.”Home Is a Feeling”

5.”Weather Diaries”

6.”Rocket Silver Symphony”

7.”Lateral Alice”

8.”Cali”

9.”Integration Tape”

10.”Impermanence”

11.”White Sands”

 

 

A BANDA AÍ EMBAIXO

Nos vídeos para os singles “Charm Assault” e “All I Want”.

 

E O NOVO DISCO AÍ EMBAIXO, PARA AUDIÇÃO NA ÍNTEGRA

 

MAIS RIDE: UM ÁLBUM CLÁSSICO DO GRUPO PARA RELEMBRAR

Yep, o belíssimo “Going Blank Again”, lançado em março de 1992, ou seja, há vinte e cinco anos e que continua musicalmente imbatível até hoje.

 

 

O FIM DE MAIS UM BAR ALTERNATIVO INCRÍVEL DE SAMPA, A FUNHOUSE

Após o fechamento do Astronete, Matrix e Inferno, endereços que marcaram época no circuito rock alternativo noturno da capital paulista, agora é chegada a vez do sobradinho da Funhouse informar que vai deixar de existir. Funcionando há mais de década e meia na rua Bela Cintra, centrão de Sampa, a Fun (como é carinhosamente conhecida pelos freqüentadores) encerra suas atividades no final de julho agora. Até lá ainda vai manter uma programação bacanuda nos finais de semana, sendo que o blog pretende ir no dia 8 de julho pra se despedir de lá assistindo à gig do Verônica Decide Morrer.

Zap’n’roll foi menos infeliz nas noites em que foi à Funhouse. O blog discotecou lá numa madrugada há uns 10 anos ou mais (numa festa da extinta revista Dynamite). Enfiamos o pé na lama ali, em álcool e cocaine. Paqueramos e trepamos com xotas rockers lokers tatuadas. Brigamos com um dos ex-donos (pai da filha da escritora Clarah Averbuck, de quem ainda somos amigos distante e embora não falemos com ela há séculos). E dançamos muito som incrível na pista, além de presenciar muitos shows sensacionais por lá. Fora que a Fun teve uma das hostess mais legais, loiras e lindas da night under paulistana, a sempre gatíssima e gente finíssima Dani Buarque, da banda BBGG.

IMAGEMFUNHOUSEPISTA

A pista do sobradinho que abriga a Funhouse/SP: a ferveção infelizmente chega ao fim este mês

 

Mas tudo chega ao fim um dia, não é? E assim se confirma mais uma vez o que sempre andamos dizendo aqui: a cultura pop e o indie rock acabaram de vez nos anos 2000’, infelizmente. Saudades das décadas de 90’ e 80’, quando o mundo e as pessoas eram muito menos estúpidas e boçais do que são hoje. Os 80’/90’ nunca mais irão voltar. E pras novas e imbecilizadas gerações da era das redes sociais inúteis só irá restar isso mesmo: funk ostentação burrão, sertanojo universotário, axé brega, pop idem etc. Triste fim para a raça humana na era da web… ao menos na cultura pop e no quase extinto rock’n’roll.

Rip Funhouse. Foi um imenso prazer passar algumas madrugadas inesquecíveis no seu interior. Dia 8 de julho próximo será a nossa última por lá, para uma despedida rocker como ela deve ser.

 

 

UMA MUSA REALMENTE ROCKER: A JAPA GIRL GLAUCIA, UMA QUARENTONA TATUADA QUE DEIXA MUITA PIRRALHA DE VINTE NO CHINELO, WOW!

Nome: Glaucia Yatsuda.

Idade: 43 anos.

De: Lins/SP.

Mora em: Maringá/PR, com os filhos pequenos e papi.

Formada em: Geografia.

Trabalha em: técnica em mecatrônica.

Três bandas/artistas:T-Rex, Nick Cave e The Tamborines.

Três discos: “The destruction off small ideas” (65 Five Days of Static), “Best Hit AKG” (Asian Kung Fu Generation) e “Rumble the best of Link Wray”.

Três diretores de cinema: Peter Greennway, David Linch e Akira Kurossawa.

Três filmes: “Depois da vida” (de Hirokazu Koreeda), “Down by Law” (de Jim Jarmusch) e “Viagem de Chihiro” (de Hyao Miyazaki).

Três livros: “Admirável mundo novo” (Aldous Huxley), “Akira” (Katsuhiro Otomo) e “Belas Maldições” (Neil Gaiman – Terry Pratchett).

Show inesquecível: 65 Days of Static em Osaka, 2006.

Como o blog conheceu essa incrível musa rocker japa total delicious: ela é uma das melhores amigas da produtora de moda Patrícia Ramirez, que por sua vez é dileta amiga zapper há séculos. Ambas residem em Maringá, norte do Paraná e onde Zap’n’roll fez uma ótima DJ set no início deste ano no infelizmente finado The Joy Bar. Vai daí que o velho jornalista rocker e responsável por estas linhas bloggers lokers se encantou pela japa quarentona, resolveu paquerá-la (opa!) e a convidou para fazer este ensaio. Que você agora se delicia com ele aí embaixo, com as ótimas imagens clicadas pelo fotógrafo Paulo José e com produção de Paty Ramirez e Nay Oliveira. Aprecie sem moderação alguma!

IMAGEMMUSAGLAUCIA17V

A vulva recoberta por pelos, colocando em xeque a ditadura estética atual das púbis total depiladas

 

 

IMAGEMMUSAGLAUCIA17X

Me abro e me permito apenas para ele…

 

IMAGEMMUSAGLAUCIA17IV

Pele branca, olhos puxados, tattoos espalhadas pelo corpo: a japa girl perfeita?

 

IMAGEMMUSAGLAUCIA17XI

Devaneios na pequena tela, ou a busca por alguém…

 

IMAGEMMUSAGLAUCIA17VII

Segredos orientais que se escondem por entre as pernas…

 

IMAGEMMUSAGLAUCIA17VIII

O vermelho é o fogo que nos atrai

 

IMAGEMMUSAGLAUCIA17XIV

Venha me devorar!

 

**********

 

FIM DE TRANSMISSÃO

Postão ampliado em 8 de julho, relembrando Nirvana, Cazuza e Legião Urbana. Na semana que vem tem mais, beleusma?

 

Até lá então!

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 8/7/2017 às 18:30hs.)

Maio outonal chegou e com ele uma das festas rockers mais lendárias e clássicas da noite alternativa paulistana celebra suas quase duas décadas de existência! O Grind, comandado pelo super DJ André Pomba, chega aos dezenove anos em novo local e neste post especial o blog zapper relembra essa trajetória contando claaaaaro algumas histórias realmente absurdas, malucas e bizarras que aconteceram por lá, todas obviamente repletas de sexo, drogas e rock’n’roll; entre essas histórias aquela que compõe um capítulo inédito do livro idem “Escadaria para o inferno” e que publicamos aqui com exclusividade: a noite/madrugada em que Evan Dando, ex-líder e vocalista do célebre grupo americano Lemonheads, ficou total “bicudo” de cocaine na pista do Grind após ter sido “servido” com “farinha” pelo jornalista “dublê de dealer” – esse aqui mesmo, ulalá!

IMAGEMFORATEMER17II

BANNERBIGGILSON17

IMAGEMRAMONESCLASSIC

Duas bandas clássicas e imbatíveis na preferência da garotada que freqüenta a badaladíssima festa Grind há quase duas décadas: o saudoso e inesquecível quarteto punk Ramones (acima) e o também extinto Hole (abaixo), aquele mesmo da cadelona e viúva de Kurt Cobain, Courtney Love

IMAGEMHOLE

 

MICROFONIA – REVERBERANDO A CULTURA POP

(com shows, discos, livros, filmes, baladas, festivais etc.)

 

***SOBRE O FESTIVAL SP TRIP, OS INGRESSOS COM PREÇOS EXTORSIVOS E A VELHARIA QUE VAI TOCAR NELE – É ÓBVIO (e não havia dúvidas quanto a isso) que o valor cobrado pelos tickets é um ASSALTO ao bolso de quem pretende ir na parada, e isso já era mais do que esperado dada a já secular ganância sem tamanho que permeia a atuação de produtoras de shows internacionais no Brasil. Mesmo com o país estando falido e no buraco o SP Trip terá ingresso custando 780 mangos (a pista Premium, para todas as noites). A conta é simples: com o dólar na faixa dos três reais (vamos arredondar a cotação porque ela muda todo dia) isso significa que quem quiser tentar ir na famigerada pista premium vai ter que desembolsar quase 300 DÓLARES por ela POR DIA, ao cambio atual. E nunca é demais lembrar: shows e festivais do mesmo porte na Europa e Estados Unidos (onde tudo geralmente é muito mais bem organizado do que aqui em termos de estrutura, transporte, atendimento ao público etc.) têm ingressos cujo valor máximo dificilmente ultrapassa os 100 dólares. Mas aqui é o triste bananão tropical, sempre. A terra da Lava Jato, da república da Odebrecht e do fã de música OTÁRIO, que sempre será ROUBADO no seu bolso por produtoras espertalhonas porque elas sabem que esse bando de IDIOTAS (aqueles que vão a gigs) paga MESMO o que elas cobram por shows gringos. Afinal hoje em dia apenas uma pequena parte do público que vai a estes festivais está ali e gastou sua grana suada por amor real à música e às bandas que estão tocando. O grosso de quem está lá só quer sair bem na balada e na selfie, pra depois postar no FaceMERDA e fazer INVEJA nos amigos. Que be le za, hein! Sobre o line up do SP Trip? O blog poderia escrever um livro aqui sobre o que pensa. Mas vamos tentar resumir a ópera, analisando cada dia da escalação divulgada:

 

***21 de setembro (quinta-feira), com The Who, The Cult e o tal Alter Bridge. Talvez seja a única noite que valha mesmo a pena ir nesse autêntico PARQUE JURÁSSICO de velhos gagás, gordos, flácidos e balofos do rock’n’roll. Yep, o Who também está velhão, caindo aos pedaços e é hoje apenas MEIO Who original (com Roger Daltrey e Pete Townshend). Mas nunca veio ao Brasil, é a última grande banda da história do rock que nunca havia tocado aqui e são um dos nossos heróis eternos no rock mundial. The Cult? Vimos um show inesquecível deles em 1991, no ginásio do Ibirapuera/SP, que lotou até o teto. O grupo estava no auge e a gig foi fodástica. Hoje estão mais caídos e por baixo do que a banda do Zé ruela da esquina. Mas vamos dar o beneficio da dúvida ao grupo, mais uma vez. Alter Bridge? Jornalistas não são obrigados a conhecer tudo e reconhecemos nossas limitações: não sabemos quase nada sobre eles e nem fazemos questão de saber.

IMAGEMTHEWHO17III

O gigante The Who: talvez a ÚNICA atração que vale a pena no festival SP Trip

***23 de setembro (sábado), com Bon Jovi e… The Kills (hã???)! Pois então (e lá vem a opinião surpresa fináttica): se tem alguém que envelheceu com alguma DIGNIDADE (em disco e ao vivo) nessa parada foi justamente (quem diria…) o Bon Jovi. Eles sempre mandaram mega bem ao vivo e você pode DETESTAR o grupo (não tenho quase nenhuma simpatia pela obra musical dele) mas não pode NEGAR isso. Tanto que vimos um show arrasa quarteirão deles em janeiro de 1990, no festival Hollywood Rock, quando botaram o lotado estádio do Morumbi abaixo. The Kills abrindo? É talvez o lance mais BIZARRO de todo o festival. Iríamos lá apenas pra ver a dupla, que adoramos. Mas achamos que o Kills vai é se foder tocando num estádio gigante e ainda por cima diante de uma platéia HOSTIL à espera de Jon Bon Jovi e Cia.

 

***24 de setembro (domingo), com Aerosmith e Def Leppard. Meo deos, chega de Aerosmith aqui, não? Já deram o que tinham que dar e o blog mesmo os viu por duas vezes (em 1994, foi sensacional, e depois em 2007, já não tão bom como na primeira vez). Deff Lepard??? Porran, quem precisa gastar grana com esse leopardo surdo chumbrega, geriátrico e representante do que de PIOR existiu no hard rock/heavy merdal britânico dos anos 80’? Só não ganha como PIOR noite do festival porque ainda tem a última, aí embaixo.

 

***26 de setembro (terça-feira), com Guns ‘N MERDA e Alice Cooper. Só mesmo OTÁRIOS, IMBECIS COMPLETOS e FANÁTICOS pra gastar 780 pilas e ir no estádio do Palmeiras nessa noite. Guns é aquela decadência total (mesmo contando novamente com Slash nas guitarras) que todos nós já sabemos, com Axl baleia branca velho, barrigudo e sem voz no palco, tudo isso transformando a banda em cover de si mesma – e cover dos piores. Tia Alice? Porran, já foi tão relevante na história do rock e hoje em dia… se esqueceu da aposentadoria e fica passando vergonha alheia pelos palcos do mundo, rsrs.

 

***Que mais? Sextona véspera de feriadão movimentadíssima, néan? No Brasilzão, greve geral (FORA TEMER!). E no mondo pop estão saindo os novos álbuns do Mark Lanegan, da Feist e do grupo virtual Gorillaz (yep, ele ainda existe). Fora o novo do Kasabian (um dos grupos prediletos destas linhas rockers bloggers na geração de 2000’ pra cá), que seria lançado hoje também mas foi adiado pra semana que vem. Bien, está tudo pra audição no Spotify já, e na medida do possível iremos comentando melhor todos por aqui, ok?

 

**********

 

GRIND, A SUPER DOMINGUEIRA ROCKER MAIS BADALADA DA NOITE UNDER PAULISTANA, CHEGA AOS 19 ANOS COM FÔLEGO RENOVADO

Em uma área tão volátil, volúvel e imprevisível como a cena cultural noturna de uma grande metrópole (com seus bares, restaurantes, casas de shows e clubes para dançar) uma festa (ou evento) voltada para um nicho específico de público (o que curte rock alternativo e cujo grosso dos freqüentadores pertence à comunidade lgbt) permanecer na ativa ininterruptamente por quase vinte anos é uma raridade, ainda mais nesses tempos de falência econômica do país e onde bares e casas noturnas abrem e fecham diariamente aos borbotões e num piscar de olhos. Pois o já mais que longevo Grind – a rock project for mix people, conseguiu a façanha. Criado e comandado por André Pomba (um dos DJs mais conhecidos da noite paulistana) no longínquo ano de 1998, o Grind reinou absoluto nas noites de domingo por quase duas décadas no clube A Lôca. Agora em novo endereço há menos de um mês (no Espaço Desmanche, na rua Augusta, próximo ao centro de Sampa) a festa tem a missão de permanecer bombada e de renovar seu público. E parece estar conseguindo: nas primeiras semanas no novo local o projeto recebeu uma média de quatrocentos pagantes.

Mas como tudo começou, afinal? Para saber precisamos voltar ao meio dos anos 90’, quando o editor da revista alternativa Dynamite, André Pomba Cagni, tinha voltado de uma de suas então habituais viagens aos Estados Unidos. Lá, além de ter visitado comunidades gays no circuito cultural de algumas metrópoles americanas (o que reforçou sua decisão de assumir sua homossexualidade), Pomba descobriu alguns clubes noturnos gls que mantinham noites voltadas especificamente para tocar rock na pista – e isso para um público (o gay) habitualmente mais afeito à música eletrônica. Impressionado com a receptividade da galera homo a essas noites rockers, o jornalista e produtor de eventos voltou para o Brasil disposto a fazer algo semelhante aqui. Bastava achar um local em São Paulo que “comprasse” e desse espaço à idéia, viabilizando-a. Foi quando Pomba passou a freqüentar o clube A Loca em 1995, e que estava funcionando há cerca de dois anos na rua Frei Caneca, próximo à avenida Paulista e notório reduto da comunidade gay paulistana. Nessa época o clubinho gls mantinha noites de música eletrônica bombadas às sextas-feiras e aos sábados, mas não funcionava aos domingos sendo que os proprietários queriam montar uma programação dominical que preenchesse o espaço também no dia habitualmente mais morto da semana. Foi então que mr. Pomba entrou em contato com a direção da casa e propôs seu plano: fazer um projeto voltado ao público gls (ou lgbt) aos domingos, mas em horário de matinê (das oito da noite à meia-noite) e que tocasse basicamente rock na pista, com algo de música pop e anos 80’. A Loca gostou da proposta e fechou parceria com o jornalista. A festa, batizada Grind, estreou em maio de 1998.

Não demorou muito para a novidade chamar a atenção não apenas do público gay que freqüentava A Loca, mas também de fãs de rock que não tinham o que fazer aos domingos à noite. Em poucos meses de funcionamento a festa começou a encher. Tempos depois seu horário precisou ser ampliado por conta da demanda do público e também porque muita gente queria chegar mais tarde ao clube para beber e dançar. Assim o Grind teve seu horário estendido para até às duas da manhã de segunda-feira. Foi o que bastou para o evento começar a lotar a Loca aos domingos, sendo que no auge da festa (entre os anos 2000’ e 2010) não raro cerca de mil pessoas passavam pelo clube ao longo da madrugada e em plena segunda-feira. Foi quando o Grind passou a funcionar até às seis horas da manhã (!) e foi nessa época que a própria Zap’n’roll fez muitas DJs set (como convidado) na festa, além de ter participado de momentos louquíssimos e bizarros dentro do clubino gls – sendo que algumas dessas estórias estão contadas logo mais aí embaixo, em um mini diário sentimental.

IMAGEMTHECURE

Outra banda clássica das domingueiras do Grind: a goth inglesa The Cure

O tempo foi passando e o Grind resistiu bem na Loca, se tornando um clássico da noite under paulistana aos domingos. Mas com a crise econômica enfrentada pelo país nos últimos anos e com um certo desgaste enfrentado pelo próprio clube que o abrigava (com queda na freqüência de público, além da concorrência de outras casas noturnas que foram sendo abertas e também focadas no público gay), o Grind acabou mudando de endereço. Há quase um mês está funcionando no Espaço Desmanche, na rua Augusta. E lá, ao menos por enquanto, viu seu público e seu fôlego se renovar como adolescente que ainda é. Um adolescente que chega aos vinte anos de existência apenas em 2018. E que se depender do fundador André Pomba, vai manter bibas e heteros fãs de rock ainda total animados por muitas e muitas noites de domingo nos próximos anos.

 

***E nesse domingo, véspera do feriado de 1 de maio (dia mundial do trabalho), o Grind promete ficar mais lotado do que nunca. Tá a fim de ir na balada e quer saber tudo sobre ela? Vai aqui: https://www.facebook.com/events/1138482239631930/.

 

***E como esse post é especial sobre os dezenove anos da domingueira rocker mais badalada da noite paulistana, o blog vai ser generoso com o seu sempre dileto leitorado. Vai AGORA no hfinatti@gmail.com, manda uma mensagem fofa (uia!) pra gente e se habilite a concorrer a um PAR DE INGRESSOS VIPS pra ir na edição deste finde do Grind. Informaremos por e-mail ou telefone (deixe seu número na mensagem) quem ganhar o mimo, até o final da tarde deste domingo, 30 de abril, ok?

 

 

ENTREVISTA COM O DJ ANDRÉ POMBA SOBRE A NOVA FASE DO GRIND

(publicada originalmente no blog no post de 29 de março passado)

IMAGEMPOMBADJ17

O super dj André Pomba (acima), que criou o projeto Grind em 1998; a festa chega aos dezenove anos de existência agora em novo local, o Espaço Desmanche onde a dupla Pomba e Zap’n’roll (abaixo) se confraternizaram semanas atrás

FINATTIPOMBA17

 

Zap’n’roll  – O Grind se tornou um clássico da noite alternativa paulistana. Permaneceu por 19 anos no club A Loca e esta semana anunciou sua saída de lá? O que houve, afinal?

 

André Pomba – Simplificando bastante, foram divergências financeiras e administrativas que foram se acentuando até o rompimento ser inevitável. Como considero minha relação com o clube como a de uma família, acabou-se tolerando muita coisa por conta dos 19 anos de convívio diário. Agora bola pra frente! Espero que o Clube Alôca possa recuperar sua posição na noite paulistana e da minha parte estou com entusiasmo renovado para novos desafios.

 

 

 

Zap – O projeto, ao que parece, vai continuar mas em novo endereço. E já há, também ao que parece, várias casas noturnas interessadas em abrigar a domingueira pop/rock mais famosa da capital paulista. Você já se decidiu qual será o novo lar do Grind?

 

Pomba – sim, no dia seguinte ao anunciar a minha saída recebi várias propostas, conversei com vários donos de casas noturnas. Sempre entendi que precisava de um local na região do Baixo Augusta com uma estrutura similar à Alôca, com duas pistas, palco pra shows e vários ambientes. Então foi fácil fechar com o DJ Click para fazer no Espaço Desmanche (onde era o mítico Vegas). A diferença é que o Grind agora vai começar a meia-noite, assim que encerrar a matinê da casa, de música brasileira, chamada Tereza.

 

Zap – Quando o projeto reestréia?

 

Pomba – em 9 de abril, domingo meia-noite, com uma super festa de aniversário: a minha mesmo de 53 anos ahahah

 

 

 

Zap – Haverá alguma diferença no Grind por conta da sua mudança de local ou ele seguirá mantendo a formula musical que o consagrou por quase duas décadas na Loca?

 

Pomba – sendo objetivo: uma pista tocará rock como sempre tocamos de todas as épocas e outra pop mais atual. O importante é saber se reciclar sem perder a essência. Acho que conseguiremos trazer um público novo que já frequenta os clubes do Click (Tex, Desmanche e Blitz), com a galera que já frequenta o Grind há anos, como a eterna missa de domingo dos loucos da noite paulistana!

 

 

TOP 10 DO GRIND – OS CLÁSSICOS IMBATÍVEIS DA DOMINGUEIRA ROCKER MAIS FAMOSA DE SAMPA

Ao longo de quase duas décadas de existência o DJ André Pomba, fundador do projeto Grind, animou a pista da festa com zilhões de músicas fodonas e cobrindo todas as épocas e estilos do rock mundial. Mas entre estas algumas se tornaram autênticos clássicos que não podiam ficar de fora do set list jamais. São essas músicas que você confere nos vídeos abaixo, num top ten elaborado pelo próprio Pomba e que reúne os maiores sucessos da domingueira rock’n’roll até hoje.

 

MINI DIÁRIO SENTIMENTAL – RÁPIDAS HISTÓRIAS SELVAGENS DE SEXO, DROGAS, LOUCARAS E ROCK’N’ROLL QUE SÓ PODERIAM ROLAR NO GRIND, ULALÁ!

***Boquete na pista de dança, ao lado da cabine do DJ, e aspirada de cocaine em CIMA do PAU – o autor deste diário algo sórdido e cafajeste a conheceu em meados de 2004. Ela era uma jornalista que havia acabado de se formar no curso e se interessou por um texto de Finaski, publicado em algum site no qual ele já escrevia naquela época. Enviou um e-mail e foi aí que tudo começou. O zapper namorava então uma pretaça deliciosa e gigante, de 1,80m de altura e que trepava alucinadamente mas com a qual ele pouco tinha afinidade intelectual/cultural (nosso querido e eterno melhor amigo, Andre Pomba, sempre dizia sobre nosso relacionamento: “vocês dois se dão bem APENAS na cama. Fora dela são um DESASTRE”. Era verdadeira a avaliação dele). Mas então recebemos o e-mail dela, que se chamava T.R.A. (vamos chamá-la apenas pelas iniciais do seu nome). Muito inteligente, fã de rock, de literatura, cinema etc. Tínhamos muitas afinidades. E ela era muito jovem, apenas 21 anos de idade. O blogger rocker estava com 41. Começamos uma intensa troca de correspondência eletrônica, passamos a conversar pelo hoje jurássico MSN, por telefone (fixo, naquela época) e finalmente marcamos um encontro PESSOAL, em alguma noite/madrugada qualquer de abril de 2004 (pouco tempo antes da saudosa mama Janet falecer). Nos encontramos no metrô Consolação, em Sampa. Ela era LINDÍSSIMA: cabelos ruivos, formas apetitosas (peitos medianos, nem grandes nem pequenos) e um rosto de bonequinha de porcelana chinesa. Descemos a rua Augusta e fomos pros bares de rock que lá existiam. Bebemos bastante vinho num deles. Depois fomos (novamente) pro Madame Satã (ela era e é fã de rock BR anos 80’ e das bandas inglesas da época). Lá, no porão escuro do casarão, os MALHOS começaram. Até que o jornalista já cheio de péssimas intenções conseguiu convencê-la a vir pra casa, em uma kit no bairro da Vila Mariana (começo da zona sul de São Paulo, bairro bom de classe média chique, coxa, chata e esnobe, e onde o blog mora até hoje). A trepada foi monstruosa, com a moça copulando em todas as posições possíveis. Dormimos abraçados e pelados e quando acordamos, houve mais uma trepada furiosa. Depois ela foi embora pra sua casa – morava longe, em Mauá, Grande SP, e sozinha pois apesar de muito jovem já era órfã de pai e mãe. Claro, Zap’n’roll se apaixonou loucamente pela garota e queria se livrar da pretona. Foi um período terrível, até que meses depois a negona descobriu tudo e chutou o namorado traidor (e na real não nos incomodamos tanto com isso, afinal). O rapaz aqui então investiu com tudo em T. mas começou a descobrir que ela não era tão meiga e doce como imaginávamos. Uma “perva” em determinadas atitudes e situações, era uma vadiaça escolada na arte de foder com homens COMPROMETIDOS, apesar da pouca idade. Fomos descobrindo isso apenas com o tempo de convívio e de affair com ela – foram quase 4 anos ao todo, de 2004 a meados de 2008. Queria ter ficado com ela para sempre. Mas ela, também fã de cocaína e de devastações alcoólicas oceânicas como o jornalista loker, de FODER a TRÊS (sim, trepamos eu e ela e mais uma terceira pessoa em pelo menos duas ocasiões, uma ela sendo comida por mim e mais um outro homem; em outra, ela e uma amiga minha se comendo e ME comendo) e de loucurar em baladas noturnas, me disse certa vez, algo FEMINISTA que era (e nunca mais esqueci dessa frase): “Humberto, você é ÓTIMO pra se DIVERTIR. Pra sair, pra ir num show, pra dançar e beber num bar, pra TREPAR e CHEIRAR pó. Mas eu NUNCA vou NAMORAR ou CASAR com você. Quando eu for me casar com alguém vou querer um homem sem VÍCIOS”. E assim foi. Continuamos juntos até 2008, mais ou menos. E numa de nossas últimas saídas e trepadas, fomos um domingo no clube gls A Loca, onde o DJ Pomba fazia a domingueira rocker Grind. Bebemos, dançamos. Em certa altura da madrugada, num cantinho da pista de dança ao lado da cabine do DJ, ela sussurrou no ouvido do jornalista: “abre sua calça e tira o pau pra fora”. Abri. Ela, CADELAÇA escolada que era, se agachou furtivamente e CHUPOU o pinto por longos minutos ali mesmo, enquanto o restante da pista dançava enlouquecidamente. Final da balada o casal foi pra casa. Ela queria CHEIRAR pó. O autor deste diário canalha tinha um pouco e por incrível que pareça não estava a fim – estava mesmo era com vontade de fodê-la e sabia que se cheirasse também, o pinto não iria levantar. Então lhe disse: “só você vai cheirar. E depois vamos trepar”. Ela: “ok. Mas eu NÃO vou cheirar no SEU PINTO, isso é ultrajante!”. Retrucamos: “se não for em cima do meu PINTO não tem coca pra você!”. Ela reclamou, protestou mas acabou aceitando minha exigência pois a vontade de aspirar uma carreira de pó era maior do que sua honra, dignidade, moral e orgulho, que foram todos pra casa do caralho no final das contas. Então ela cheirou uma ENORME taturana de pó em cima do pau duro desse coroa sórdido, calhorda e também algo imoral. Ficou louquíssima em alguns minutos. E foi fodida na boca, na boceta e no cu sem reclamar de nada. Nos separamos tempos depois. Nunca mais a vi e lá se vão quase nove anos que não a reencontro. O já velho jornalista quis ficar com ela e eventualmente sente saudades dela. Temos seu número fixo de telefone até hoje e esse número não mudou. Ligamos um dia, semanas atrás. Uma voz masculina atendeu e desligamos. Ela, finalmente, deve ter encontrado o homem sem VÍCIOS que tanto queria. E deve estar feliz com ele – ou não…

 

***Jornalista bicudo de cocaine dando entrevista a milhão – era a noite/madrugada de onze anos do projeto Grind, em maio de 2009. A pista do clube A Loca estava lotada como sempre. E especificamente naquela noite uma equipe do programa que era apresentado por Otávio Mesquita (mais conhecido como “Chato” Mesquita) nas madrugadas da Band, foi ao clubinho da rua Gay, ops, Frei Caneca, para fazer uma matéria sobre a domingueira rocker mais badalada do underground paulistano. Filmaram o público, a pista, os outros ambientes, fizeram algumas entrevistas. Entre estas, com o DJ Pomba e… voilá! Com o jornalista então naquela época ainda total LOKER de plantão, hihihi. Com o detalhe: o autor deste blog tinha acabado de praticar uma devastação nasal gigantesca num dos banheiros da boate, aspirando uma autêntica TATURANA de padê (que estava muito bom, diga-se). Logo em seguida foi já doidão para a cabine de som, onde Pomba estava dando entrevista para a repórter da TV Band. Terminada a entrevista o homem que criou o Grind teve a “ótima” idéia de indicar Finaski para também ser entrevistado. “Ele é um dos jornalistas mais conhecidos da imprensa musical e freqüenta nossa festa há anos, por isso pode dar um bom depoimento”, disse o inocente Pombinha à repórter, que ligou um refletor na cara ESTALADA do a essa altura já FRITO (nos neurônios) jornalista, empunhou um microfone na frente dele e pediu para que o mesmo falasse algo sobre a domingueira rock’n’roll. O que se seguiu foi bizarro ao cubo: com as pupilas saltando pra fora dos olhos mr. Finas falou ao menos 300 mil palavras em minúsculos 30 segundos. A tal repórter desligou a câmera e o microfone, agradeceu e saiu da cabine. Foi quando Pomba veio no ouvido do autor deste diário maluco e cochichou: “se ela conseguiu entender DUAS palavras do que você disse foi muito, rsrs”. Mas não é que a matéria dias depois foi ao ar na televisão e com o DEPOIMENTO (ou o que deu pra aproveitar dele, uia!) fináttico incluso nela? Pois é, rsrs.

 

***”Acabou, ACABOU!!!” – aconteceu na mesma madrugada em que rolou a festa de onze anos da domingueira rocker. Entre as centenas de xoxotas que estavam circulando pelos vários ambientes da Loca, ELA era uma das mais… locas, rsrs. Peituda, roupa decotada, sapato com salto alto, feição de cadela ordinária e bastante chapada (de álcool? Cocaine? Tudo ao mesmo tempo?), a figura não tinha pudor algum em se insinuar pros machos presentes. Primeiro deu mole para um amigo deste jornalista que, por estar acompanhado da namorada, dispensou a oferecida. Algum tempo depois veio pra cima do próprio zapper, mas fazendo cu doce. Quando o autor deste diário sem vergonha resolveu criar coragem e TENTAR algo com a figura (afinal o jornalista maloker também estava turbinadíssimo de pó e nessas condições nunca conseguia paquerar ninguém de forma civilizada e sem cometer alguma cagada pelo caminho), eis que um brucutu com cara de poucos amigos a puxou pelo braço e ambos saíram de onde estávamos. A essa altura já eram quase cinco da matina, Zap’n’roll estava ficando fora de combate e não teve dúvida em aceitar uma carona quando sua amiga Nathália “beuda” Traffica disse que estava indo embora. Fomos. Apenas no dia seguinte o blogger rocker ficou sabendo como a festa dos onze anos do Grind QUASE acabou, rsrs. Quem relembra é o próprio André Pomba: “eram quase cinco da manhã e o som continuava à toda, com a pista lotada e todo mundo dançando. De repente, DO NADA, aquela LOCA subiu a escadinha da cabine, invadiu a mesma e começou a TENTAR derrubar tudo no chão (fios, cabos, as disqueteiras), enquanto gritava como uma alucinada: ‘acabou, ACABOU!’. Só tive tempo de ABRAÇAR e segurar as cdj’s até que um segurança veio e conseguiu tirar a maluca da cabine”. E quem era a maluca, afinal? A mesma que estava dando mole pros machos no meio da madrugada, no bar. De modos que este jornalista e Pomba chegaram à seguinte conclusão: o brucutu corno devia ser algo da moçoila. Cansou de passar a madrugada vendo a dita cuja se esfregando em outros barbudos, deu uma botinada na vagaba e ela, inconsolável (uia!), INVADIU a cabine de som pra gritar que tudo tinha acabado. Só não se sabe até hoje se o que tinha acabado era o namoro dela ou se ela queria ACABAR com a balada, rsrs.

 

***Evan Dando, dos Lemonheads, TRAVADO de farinha na pista – ulalá! Essa merece um capítulo ESPECIAL que você lê abaixo no próximo tópico, hehe.

 

 

EXCLUSIVO E INÉDITO! A NOITE/MADRUGADA EM QUE O MÚSICO AMERICANO EVAN DANDO FICOU BICUDAÇO DE PADÊ NO GRIND, UIA!

Mais uma história bizarra que só poderia ter rolado na festa Grind, claro! E aqui contada em detalhes neste capítulo do ainda inédito livro “Escadaria para o inferno”, de autoria do jornalista Finaski e com previsão de lançamento para o segundo semestre deste ano. Confiram!

 

Capítulo 9 – Sendo “dealer” de Evan Dando, dos Lemonheads

 

A garotada que hoje tem 20 e poucos anos não deve ter conhecido ou não se lembra mais dos Lemonheads. Mas o trio indie guitar americano foi uma das bandas mais legais do rock nos anos 90’. Liderado pelo vocalista, compositor e guitarrista Evan Dando o grupo surgiu em Boston por volta de 1986, lançou seu primeiro disco no ano seguinte e começou a fazer mega barulho entre a mídia e o público fã de rock em pouco tempo, até estourar nos EUA com o álbum “It’s A Shame About Ray”, editado em 1992. Tornaram-se então a bola da vez no mercado musical americano (o Lemonheads, até ali gravando por selos independentes, foi capturado pela major Warner Music por onde lançou “It’s A Shame…”, que em poucos meses chegou à marca de um milhão de discos vendidos). E o sucesso não era difícil de explicar: Dando, além de ótimo compositor, letrista e vocalista era um deus loiro de beleza apolínea, daqueles que faziam as menininhas ficarem com as xoxotas encharcadas nos shows da banda. E som do conjunto era o melhor que o guitar rock americano podia oferecer naquele momento: melodias radiofônicas e assobiáveis mas com um pé na aceleração e urgência herdadas do punk. Não demorou pra Dando e cia se tornarem os ídolos das matinês.

Assim como também não demorou pra eles virem tocar no Brasil, que começava a entrar com força no circuito internacional de shows de rock. Desta maneira foi anunciado no segundo semestre de 1994 a realização de um festival internacional em Santos, no litoral paulista, bancado por uma marca de tênis e que traria entre outras bandas o Lemonheads. Os shows seriam na praia e de graça. Óbvio que fui até lá sendo que eu estava, aos 31 anos de idade, namorando com um bocetaço de 18, a Greta (que tinha peitos tão grandes e deliciosos que ela mesma mamava neles quando estávamos trepando), com quem o jornalista trintão e doidão deu uma foda rápida, em plena praia (numa parte mais afastada da muvuca onde estavam rolando os shows), antes de a gig de Evan Dando e cia. começar. Foi um show bacana, no final das contas.

IMAGEMEVANDANDOII

Evan Dando (acima), ex-líder e vocalista do trio americano The Lemonheads (abaixo): ele também ficou “bicudo” de cocaine no Grind, hihihi

IMAGEMLEMONHEADSII

E logo depois de tocar no Brasil e atropelado pelo imediatismo pop que já consumia a indústria musical há duas décadas, o Lemonheads começou a entrar em decadência nos EUA pois o público adolescente precisava ser alimentado ad eternum por novidades rockers mais quentes a cada nova semana. Foi nesse processo de queda de popularidade que o trio voltou ao Brasil em mais duas ocasiões: em 1997 e depois, em 2004. Nessa última turnê por aqui a formação original do conjunto já tinha se dispersado e dela só restava mesmo o fundador Evan Dando. E foi também nessa última visita do grupo a Sampa que o autor deste livro de memórias e esbórnias rock’n’roll se viu transformado em dealer do loiro vocalista dos Lemonheads.

A gig havia rolado no extinto Palace (casa de shows que existiu em Moema, na zona sul paulistana, e onde assisti a alguns momentos históricos e inesquecíveis do rock mundial, como a primeira vez em que os Ramones tocaram no Brasil, em 1987). Terminada a apresentação (que tinha sido num domingo) eu descolei uma carona e me mandei pro club A Loca (o inferninho gay/GLS mais famoso do Brasil e onde aos domingos aconteceu durante quase 20 anos a noitada Grind, comandada pelo dj André Pomba e que toca apenas rock na pista, até o sol raiar). Lá estava eu há algum tempo já, bebericando minha habitual Gim tônica (meu drink preferido quando vou na Loca, sempre com muito Gim e pouca água tônica), quando veio conversar comigo o argentino Alejandro (uma das figuras mais carimbadas da cena alternativa paulistana, produtor e guitarrista de várias bandas indies da capital paulista), e que foi logo dando o toque: “Finatti, me ajuda numa missão…”. Eu, já imaginando a merda voando na minha direção: “lá vem… fala aí”. Ele: “to com o Evan Dando comigo e ele quer pó!”. Eu arregalei os olhos e vi que, do lado do argentino, estava mesmo um sujeito loiro, cara de lesado e que não queria muito papo com ninguém. Queria apenas ficar mais loki do que aparentemente já estava. Alejandro insistiu: “tô com cem mangos aqui que ele me deu. Onde podemos ir pegar essa parada?”.

Não havia escapatória, óbvio. E lá fomos eu e o hermano mala no carro dele (uma daquelas peruas Chevrolet antigonas, de quatro portas) até o Cambuci, que era o local mais próximo onde eu poderia desenrolar a “missão”. Lá, na rua Muniz de Sousa, funcionava uma biqueira lendária (não sei se funciona até hoje) e que eu havia descoberto quando havia morado no final da rua dos Lavapés, entre 1994 e 1995. O “padê” que o pessoal vendia lá era bem servido, de boa qualidade (não espetacular, mas dava pra chapar os neurônios) e custava dez pilas cada peteca. Fomos lá. Peguei dez petecas e combinei com Alejandro: “entrega meia dúzia pra ele e cada um de nós fica com duas”. O argentino topou e voltamos pra Loca. Lá chegando reencontramos o rock estar loiro já um tanto ansioso pra dar uma cafungada e entregamos a “encomenda” dele. Eu fui imediatamente pro banheiro dar uma aspirada no pó branco. E fui pra pista dançar.

A última visão que eu tive dentro da Loca naquele domingo, há mais de uma década, se tornou um clássico imagético, rsrs. Eu já bem “bicudo”, resolvi ir pagar minha comanda de consumação e cair fora dali pois já eram cinco da manhã. E quando passei pelo bar em direção ao caixa, apenas vi aquele sujeito loiro, totalmente “travado”, sentado no chão do lugar, com as pernas dobradas em posição de lótus e sem conseguir abrir a boca pra falar absolutamente nada. Coisas que só a cocaína faz em você, hihihi – inclusive em rock stars.

 

 

CD BACANA EM PROMOÇÃO

Yep. Ainda há pessoas no mundo que gostam de escutar música em plataforma FÍSICA (leia-se: CDs e LPs), como o autor deste blog por exemplo. De modos que depois de muuuuuito tempo vamos colocar um disquinho pra sorteio aqui. Trata-se do álbum de estréia do grupo surf music instrumental paulistano The Pultones, e que acaba de ser lançado pelo sempre venerável selo Baratos Afins. Interessou? Então vai no hfinatti@gmail.com e pede pra concorrer, sendo que no próximo post falamos quem ganhou o dito cujo além de comentar mais detalhadamente sobre o trampo dos moleques, okays?

 

 

E FIM DE PAPO

Pronto, postão chegou ao fim. Em plena sextona de greve geral no bananão tropical estamos aqui, no trabalho, ulalá! Mas tem feriadão até segunda-feira próxima, de modos que todos terão bastante tempo pra ler com calma o post zapper, beleusma?

Então é isso. Bom feriado pra todo mundo e nos vemos novamente pelos próximos dias ou semanas. Até lá!

 

(enviado por Finatti às 17:30hs.)

AMPLIAÇÃO LEGAL no postão gigantão (informando com EXCLUSIVIDADE o novo endereço do Grind, a domingueira rocker mais famosa da noite paulistana, resumindo como foi o Lolla BR 2017 e dando infos sobre festas legais neste finde em Sampa, com gig do grupo Trem Fantasma)! – Com o rock’n’roll planetário da era da web total flácido, caído e irrelevante, quem ainda salva a parada são os VELHÕES dos anos 80’ como os ainda gigantes The Jesus & Mary Chain e Depeche Mode (que toca no Brasil em março do ano que vem, em gig única na capital paulista), que acabam de lançar seus novos discos e sobre os quais você lê nesse post zapper; a volta da musa rocker do blog com uma gata total abusada e fã de sexo, rock’n’roll, jazz, literatura (ela já publicou quatro livros!) e poesia, ulalá! E as notícias hot do mondo alternativo e da cultura pop em Microfonia, como a edição deste ano do Lollapalooza BR que rola neste finde em Sampa, além da estréia da continuação do clássico cinematográfico da cultura pop, “Trainspotting” e da vinda do shoegazer noventista Slowdive para gig única no Brasil em maio (postão BOMBATOR, atualizado e ampliado em 29/3/2017)

BANNERBIGGILSON17

BANNERRAFARJ17

BANNERVOICEMUSIC17

IMAGEMJESUSMARYCHAINCLASSICII

Dois gigantes do pós-punk britânico dos anos 80’ voltam com novos discos fodões: The Jesus & Mary Chain (acima, em imagem clássica da banda) e Depeche Mode (abaixo, em foto da atual turnê mundial e que chega ao Brasil apenas em março do ano que vem) se mostram em forma e também ensinam aos grupelhos atuais como ainda fazer rock’n’roll relevante

IMAGEMDEPECHEMODE17V

**********

MICROFONIA, PARTE II

(ampliando o que já estava ótimo!)

***Festa Grind muda de endereço – yep, por quase duas décadas a domingueira rocker mais clássica e célebre da noite under paulistana, comandada pelo super DJ André Pomba, foi abrigada no clubinho gls A Loca. Mas como tudo acaba um dia o Grind saiu de lá há duas semanas (por divergências entre a casa e o DJ Pomba) e já deve estrear em novo endereço neste domingo – provavelmente no clube Desmanche, na rua Augusta. Zap’n’roll cansou de freqüentar o Grind na Loca e aprontou tudo o que pôde nele: foram inesquecíveis nossas trepadas nos banheiros e no dark room, as devastações nasais e as DJs set que sempre fazíamos por lá na semana do nosso aniversário. Agora o blog deseja que o mesmo sucesso continue no novo local, sendo que estamos enviando ao fofolete Pomba algumas perguntas sobre a nova fase da festa rock’n’roll que anima pra valer o povo aos domingões em Sampalândia.

 

***EXTRA! – Definido o novo local e a data da reestréia do lendário Projeto Grind, do DJ Pomba, que acaba de conceder ao blog, em matéria EXCLUSIVA, uma mini-entrevista sobre o assunto. Leiam abaixo:

FINATTIPOMBA17

Dupla rock’n’roll eterna: Zap’n’roll e o DJ Pomba, que comanda há quase duas décadas a festa Grind; ela muda de local a partir da semana que vem

Zap’n’roll  – O Grind se tornou um clássico da noite alternativa paulistana. Permaneceu por 19 anos no club A Loca e esta semana anunciou sua saída de lá? O que houve, afinal?

André Pomba – Simplificando bastante, foram divergências financeiras e administrativas que foram se acentuando até o rompimento ser inevitável. Como considero minha relação com o clube como a de uma família, acabou-se tolerando muita coisa por conta dos 19 anos de convívio diário. Agora bola pra frente! Espero que o Clube Alôca possa recuperar sua posição na noite paulistana e da minha parte estou com entusiasmo renovado para novos desafios.

 

Zap – O projeto, ao que parece, vai continuar mas em novo endereço. E já há, também ao que parece, várias casas noturnas interessadas em abrigar a domingueira pop/rock mais famosa da capital paulista. Você já se decidiu qual será o novo lar do Grind?

Pomba – sim, no dia seguinte ao anunciar a minha saída recebi várias propostas, conversei com várias donos de casas noturnas. Sempre entendi que precisava de um local na região do Baixo Augusta com uma estrutura similar à Alôca, com duas pistas, palco pra shows e vários ambientes. Então foi fácil fechar com o DJ Click para fazer no Espaço Desmanche (onde era o mítico Vegas). A diferença é que o Grind agora vai começar a meia-noite, assim que encerrar a matinê da casa, de música brasileira, chamada Tereza.

IMAGEMPOMBACLICK17

O super DJ André Pomba, um dos nomes mais conhecidos da noite paulistana, ao lado do também DJ e produtor de eventos Click; a lendária domingueira rocker Grind reestréia no próximo dia 9 de abril, domingo, na casa noturna Espaço Desmanche, na rua Augusta em Sampa

 

Zap – Quando o projeto reestréia?

Pomba – em 9 de abril, domingo meia-noite, com uma super festa de aniversário: a minha mesmo de 53 anos ahahah

 

Zap – Haverá alguma diferença no Grind por conta da sua mudança de local ou ele seguirá mantendo a formula musical que o consagrou por quase duas décadas na Loca?

Pomba – sendo objetivos: uma pista tocará rock como sempre tocamos de todas as épocas e outra pop mais atual. O importante é saber se reciclar sem perder a essência. Acho que conseguiremos trazer um público novo que já frequenta os clubes do Click (Tex, Desmanche e Blitz), com a galera que já frequenta o Grind há anos, como a eterna missa de domingo dos loucos da noite paulistana!

 

***Como foi o Lolla BR 2017 – num resumo ultra rápido e sendo que acompanhamos o festival no conforto do nosso sofá cama? Bão, vamos lá. Merdallica: foi a MERDA cover de si mesma que já era esperada, nenhuma novidade (além das músicas do disco novo inclusas no set). The XX: o trio electro dream pop inglês mostrou que é um dos pouquíssimos nomes relevantes do rock dos anos 2000’. Melodias oníricas e impecáveis, bordadas com esmero e melancolia. Duran Duran: os velhões do new romantic oitentista vieram botando pra foder e fizeram a multidão (de velhos, novos, os caralho) cair na dança sem culpa. Enfeixaram um caminhão de hits em uma exígua hora de apresentação e ainda se deram ao luxo de deixar clássicos como “Save A Prayer” e “The Reflex” de fora do repertório. Foi provavelmente o MELHOR show de todo o festival. The Strokes: já estavam péssimos em disco há séculos. E agora também perderam a mão ao vivo: gig preguiçosa, Julian Casablancas gordola e se arrastando no palco como um mamute e os guitarristas errando as notas em algumas passagens. O set começou ruim, engatou um pouco no meio e terminou pior ainda. Nem de longe lembrou a banda que esteve aqui pela primeira vez em 2005 (no finado Tim Festival) e fez uma apresentação INSANA para um público idem. E sobre Lolla, é isso. Chega, né?

IMAGEMMETALLICALOLLABR17

Merdallica no Lolla BR 2017: a merda de sempre (fotos: produção Lollapalooza)

IMAGEMTHEXXLOLLABR17

O trio inglês The XX: lindas canções com melodias oníricas

IMAGEMDURANDURANLOLLABR17

Os velhões do Duran Duran: melhor show do festival

IMAGEMSTROKESLOLLABR17II

Os Strokes: já estavam ruins em disco e agora estão também no palco, com gig preguiçosa e erros nas passagens das músicas

 

***Trem Fantasma na área – um dos melhores grupos da novíssima cena independente brazuca, o quarteto curitibano estará em Sampa neste final de semana (leia-se: 31 de março e 1 de abril). Eles vêm fazer gigs de lançamento do seu primeiro disco completo, o muito bom “Lapso”, que saiu no final do ano passado e que traz doses concentradas de rock setentista e psicodelia. O grupo toca na sextona em si, DE GRAÇA, em pocket show às sete da noite na Fnac da avenida Paulista. E também no sábado no bar Serralheria, sendo que todas as infos sobre as duas apresentações estão aqui: https://www.facebook.com/events/682653255256160/. E você pode conhecer o som da galera aí embaixo:

 

***Festa legal, I – a lindaça e gatíssima DJ Vanessa Porto (dileta amiga destas linhas bloggers rockers) comanda bailão rock’n’roll nessa sexta-feira, na Barra Funda, com direito a gig do ótimo trio surf instrumental paulistano Os Brutus. Quer saber onde rola? Vai aqui: https://www.facebook.com/events/242991809497407/?notif_t=plan_edited&notif_id=1490813406969489.

 

***Festa legal, II – já no sabadão em si, 1 de abril, tem mais uma edição da sempre ótima Combo Hits, comandada pelos queridões DJs Romani e João Pedro Ramos, lá no Lab Club, no baixo Augusta. Garantia de ótimos sons pra dançar a madrugada toda, sendo que as infos completas sobre a balada estão aqui: https://www.facebook.com/events/1924928314406258/?active_tab=about.

 

***É isso, rockers & lovers. Agora postão encerrado meeeeesmooooo – ao menos por enquanto, hihihi. Muak!

**********

 

MICROFONIA

(reverberando a cultura pop, o rock, discos, bandas, shows, livros, filmes, baladas etc.)

***Lollapalooza BR 2017 – rola neste finde em Sampa, né. E está muito evidente já que a programação deste ano é a mais fraca de todas as edições até agora e que, por isso mesmo, deverá haver sobra recorde de ingressos (eles ainda estão sendo vendidos pelo site do festival e também nas bilheterias do autódromo de Interlagos, onde vai rolar a maratona musical a partir de amanhã, sabadão em si). Também quem quer ver Merdallica pela enésima vez? Yep, tem algumas atrações bacanas aqui e ali no line up (como The XX, Rancid, Duran Duran e The Strokes, além de brasileiros como a sempre ótima Céu) mas absolutamente NADA que justifique o preço absurdamente extorsivo que estão cobrando pelos tickets. Mas enfim, se você vai boa sorte, sendo que todas as infos do Lolla podem ser acessados aqui: https://www.facebook.com/LollapaloozaBR/?fref=ts, e aqui: https://www.lollapaloozabr.com/. Estas linhas rockers bloggers vão acompanhar sim os dois dias de shows… no conforto da sua cama, pelo canal Multishow, uia!

IMAGEMSTROKES17

Strokes: eles fecham o Lollapalooza BR 2017 neste domingo

***Temples perdendo a mão no segundo álbum – yep, o quarteto inglês surgido em 2012 e que era uma das grandes promessas do rock britânico do novo milênio, desceu a ladeira em seu segundo disco, “Volcano”, que foi lançado no começo deste mês. Sobrou muito pouco das ambiências ultra sessentistas e psicodélicas que encantaram o mundo em “Sun Structures”, a estréia do grupo em 2014. Há boas melodias nas doze faixas do novo cd (que você pode conferir na íntegra abaixo) mas nada que chegue perto do primeiro e impactante álbum dos garotos. E assim mais um raro bom nome do rock atual é vencido pela maldição do segundo disco, infelizmente…

 

***A volta de “Trainspotting” – yeeeeesssss! Entrou ontem em cartaz nos cinemas brasileiros “T2 Trainspotting”, a continuação da saga dos quatro amigos escoceses viciados em heroína e que colocou o mundo e a cultura pop de cabeça pra baixo há vinte anos, quando o primeiro filme foi lançado. Duas décadas depois o novo longa mostra como está hoje a vida de Renton (o personagem central da trama, interpretado novamente por Ewan McGregor, claaaaaro!) e seus comparsas, tudo novamente sob a direção do mesmo Danny Boyle que realizou o filme de 1996. Todas as criticas à continuação têm sido mega elogiosas e tai um programão cinematográfico para os próximos dias.

CARTAZT2TRAINSPOTTING

 

***Nova edição do Bailindie da saudade – o primeiro deu super certo e levou uma multidão de trintões e quarentões fãs de shoegazer e indie noise guitar rock ao centrão de Sampa há um mês. Daí que os DJs Plínio, Dina e Bispo vão colocar todo mundo pra dançar novamente ao som de My Bloody Valentine, Jesus & Mary Chain, Ride, Oasis, Happy Mondays, Blur, Lush etc, etc, etc. Anote na agenda: vai ser no próximo dia 7 de abril, sexta-feira, sendo que todas as infos estão aqui: https://www.facebook.com/events/1817114361871504/.

CARTAZBAILINDIE17II

 

***Anote na agenda, II –  o redivivo shoegazer Slowdive toca em São Paulo, no Cine Joia, dia 14 de maio, um domingo. Os tickets já estão à venda e mais infos você encontra aqui: https://www.facebook.com/events/1167045813403956/.

IMAGEMSLOWDIVE17

O shoegazer inglês Slowdive: gig em Sampa, em maio

***Anote na agenda, III –  antes quem também toca em Sampa é o músico carioca Raf F. Guimarães. Com uma carreira de quase duas décadas já e fazendo um rock experimental, psicodélico e low fi, Raf já lançou mais de vinte trabalhos, entre discos próprios e participações em outros projetos. Seu som é totalmente anti comercial e difícil até mesmo para os padrões da indie scene nacional. Interesssou? Ele se apresenta solo e apenas com guitarra e voz dia 13 de abril (véspera do feriado da sexta-feira santa) na Sensorial Discos.

IMAGEMCARTAZSHOWRAFASENSORIALABRIL17

 

***É isso? Yep, por enquanto é.

 

 

O ROCK DO NOVO MILÊNIO SEGUE CAINDO AOS PEDAÇOS E OS VELHÕES JESUS & MARY CHAIN E DEPECHE MODE RETORNAM PRA COLOCAR ORDEM NO GALINHEIRO ROCKER

Estamos em março de 2017 e o rock’n’roll da era da web (mesmo aquele, hã, mais alternativo) segue mal das pernas, quase que totalmente irrelevante e com a grande maioria das bandas lançando discos musicalmente inúteis e insípidos, que desaparecem da memória de zilhões de ouvintes infiéis tão rápido quanto surgiram e foram escutados. Assim não é surpresa alguma que duas bandaças inglesas do anos 80’, ambas ainda na ativa, causem tanto estardalhaço com os seus novos álbuns de estúdio. O gigante do pop/rock eletrônico Depeche Mode colocou no mercado no último dia 17 de março o cd “Spirit”, seu décimo quarto trabalho de estúdio, e logo em seguida caiu na estrada se lançando em turnê mundial (a “Global Spirit Tour”) que os trará a um show único no Brasil, em São Paulo, no dia 27 de março de 2018. Já o Jesus & Mary Chain dos irmãos Jim e William Reid (ambos guitarristas, vocalistas e compositores de toda a obra do grupo) lança oficialmente HOJE no mundo todo “Damage & Joy” (que já está disponível para audição em plataformas virtuais, como o Spotify), seu primeiro trabalho inédito em estúdio depois de dezenove anos de ausência. E tanto o disco do Depeche quanto do Jesus devem ganhar edição nacional logo menos.

O barulho causado pelos novos trabalhos de dois conjuntos que já estão há mais de três décadas na ativa se justifica plenamente. Ambos estão muito acima em termos de qualidade musical e artística do que é lançado pelas atuais bandinhas novinhas do rock planetário. Mesmo o Depeche Mode, que veio com um disco mais lento e anti comercial, ainda mostra fôlego renovado para um grupo cujos integrantes (o vocalista Dave Gahan, o guitarrista, vocalista e letrista Martin Gore e o tecladista Andrew Fletcher) já passaram da casa dos cinqüenta anos de idade. O mesmo se dá com JMC: os manos Reid também já passaram dos cinquentinha de vida há tempos. Ainda assim soltaram um discão vibrante, que se equilibra muito bem entre melodias aceleradas e tramadas com guitarras barulhentas (a especialidade deles) e momentos mais dolentes. É o primeiro cd deles desde 1998 (quando editaram o também muito bom “Munki”) e, na comparação, soam melhor que o comeback do DM (cujo último registro de estúdio havia sido “Delta Machine”, em 2013). Mas de qualquer forma os dois discos deixam os lançamentos dos grupelhos atuais comendo poeira.

A trajetória do Jesus & Mary Chain sempre foi instável e atribulada, mas pontuada por discos essenciais na história recente do rock’n’roll. Fundada pelos irmãos Jim e William Reid em 1983, a banda escocesa logo se tornou célebre por apresentar sets ao vivo que duravam apenas vinte minutos e onde os integrantes tocavam no palco de costas para a platéia. Quando o disco de estréia foi lançado em novembro de 1985, recebeu aclamação unânime da imprensa especializada: “Psychocandy” se tornou um marco do pós-punk britânico e do noise guitar por apresentar canções curtas (o álbum durava menos de quarenta minutos) e onde doces e lindas melodias eram soterradas por uma parede sonora de microfonia e distorção. Já em “Darklands”, o segundo trabalho editado em 1987, o JMC se mostrava menos barulhento mas em compensação apresentava uma batelada de canções climáticas e sombrias, que novamente receberam aprovação da rock press planetária e dos fãs. Daí em diante o conjunto foi passando por uma série de alterações em sua formação (sendo que Bobby Gillespie, o homem que há quase três décadas comanda o Primal Scream, foi o primeiro baterista do grupo dos irmãos Reid) mas sempre mantendo o núcleo central em torno de Jim e William. Uma dupla que registrou para a história do rock’n’roll LPs nunca menos do que muito bons, como “Automatic” (de 1989 e cuja turnê os trouxe pela primeira vez ao Brasil, em 1990) e “Munki” (o derradeiro trabalho deles, lançado em 1998, sendo que o grupo ficou quase vinte anos sem gravar nada inédito). Mas mesmo lançando esses álbuns com qualidade infinitamente superior ao que se ouve no rock atual Jesus era uma banda problemática fora do estúdio, muito por conta das enfiações de pé na lama em álcool e drugs dos irmãos Reid, além das constantes brigas entre eles – não raro os dois saíam mesmo na porrada. Isso foi um dos principais motivos da longuíssima hibernação do grupo e de sua ausência dos estúdios de gravação. Uma ausência que só foi quebrada agora (sendo que o grupo nunca tinha oficialmente encerrado atividades e volta e meia reaparecia para shows ao vivo), dezenove anos depois do último cd, com o lançamento de “Damage & Joy”.

Pois se o grupo anda se mostrando flácido ao vivo de anos pra cá (nas duas vezes em que retornou ao Brasil, em 2008 e 2014, as gigs foram ruins de doer), ele mostra vigor adolescente e dá um banho de rock’n’roll classudo e noise no novo disco. Isso já havia sido mostrado nos dois primeiros singles que antecederam ao lançamento do cd completo, “Amputation” e “Always Sad”. E o trabalho como um todo só confirmou as expectativas: faixas como “All Things Pass” (talvez a melhor de um álbum que já pode estar na lista dos melhores lançamentos de 2017) e “The Two Of Us” possuem guitarras aceleradas e barulhentas mas, ao mesmo tempo, são incrivelmente dançantes e radiofônicas. Por outro lado o grupo não se envergonha de emular a si próprio, como em “Song For A Secret”, que parece irmã gêmea da lindíssima “Sometimes Always”, que eles gravaram no álbum “Stoned & Dethroned”, em 1993 – inclusive com direito a inclusão de vocais femininos na canção. Como se não bastasse o bom resultado obtido nessas músicas, Jesus ainda deu uma atualizada no seu noise guitar, convidando a novata diva pop Sky Ferreira para fazer os vocais em “Black And Blues”. O disco foi produzido pelo músico Youth (lendário baixista do Killing Joke), que também tocou baixo nele. E é ótimo ver e ouvir um nome já tão veterano do rock inglês reaparecer em grande forma (ao menos em disco), tirando o rock’n’roll atual do abismo criativo e qualitativo no qual ele se encontra.

CAPAJMC17II

Os novos discos do Jesus & Mary Chain (acima, que está sendo lançado oficialmente hoje) e Depeche Mode (abaixo): dois ótimos comebacks de “velhões” dos anos 80’ que seguem em plena forma no rock’n’roll

CAPADM17

A intenção parece ter sido a mesma para o igualmente mega veterano Depeche Mode com “Spirit”, seu novo álbum de estúdio, que saiu há uma semana: tirar o rock’n’roll de hoje do buraco. Conseguiram? Até certo ponto. O cd foi precedido por um single razoavelmente empolgante e com letra altamente política, “Where’s The Revolution”. Porém o restante do disco foge de canções mais melódicas e/ou radiofônicas e do electropop dançante que era a marca registrada da banda nos anos iniciais da sua trajetória. Ainda bastante eletrônico mas sem muito espaço para guitarras, o novo álbum do DM engendra uma batelada de canções lentas e com ambiência sonora muitas vezes sombria (caso de “Going Backwards”, “Scum” ou “You Move”) e que custam a cair no gosto do ouvinte, ainda que algumas dessas faixas (como “Cover Me”) produzam sensação alentadora de melancolia e reflexão existencial em quem as escuta. Resquícios do DM eletrônico e também dançante surgem muito pontualmente ao longo do trabalho, e talvez o melhor exemplo disso esteja mesmo em “So Much Love”, um electrogoth mezzo industrial que sugere um mix improvável de Depeche Mode com Joy Division.

Nem de longe é um disco ruim, no final das contas. Mas certamente irá ter assimilação imediata difícil por parte dos fãs, principalmente nas apresentações ao vivo da nova turnê mundial, que já teve início. De qualquer forma tanto The Jesus & Mary Chain quanto Depeche Mode, com seus novos e super bem vindos álbuns de estúdio, deixam claro o que todos nós já estamos carecas de saber (e ouvir): o rock dos anos 2000’ está praticamente morto e enterrado. E ele só é salvo e resgatado da sepultura quando velhões como JMC e DM ressurgem das tumbas e mostram como se faz a parada. Pois que continuem mostrando ainda por muito tempo.

 

***The Jesus & Mary Chain esteve por três vezes no Brasil: em 1990, 2008 e 2014. O primeiro show, no extinto ProjetoSP, foi barulhento, ensurdecedor e inesquecível. Já os dois últimos foram quase desastrosos, com os irmãos Reid preguiçosos no palco e chegando ao descalabro de errar feio em alguns riffs de guitarra e passagens melódicas. O grupo já está em nova turnê, promovendo o novo álbum. Não há previsão de nova visita ao Brasil.

 

***Já o Depeche Mode esteve uma única vez aqui, em 1994, na também finada casa de shows Olympia, em Sampa. Era a excursão promovendo um discaço da banda, o “Songs Of Faith And Devotion”, lançado um ano antes. Mas o show foi sofrível – o autor deste blog estava nele. Depois o grupo anunciou nova passagem por aqui em 2009, e ingressos para as gigs chegaram a ser postos à venda. Nada feito: um mês antes de desembarcar no bananão o conjunto cancelou a turnê sem maiores explicações. Agora o site oficial da banda confirma que ela vai tocar aqui em 27 de março de 2018. Vai ser um único show no país, na capital paulista no estádio do Palmeiras. Os ingressos para o mesmo devem começar a ser vendidos no mês que vem.

 

 

O SETLIST DO NOVO DEPECHE MODE

1.”Going Backwards”

2.”Where’s the Revolution”

3.”The Worst Crime”

4.”Scum”

5.”You Move”

6.”Cover Me”

7.”Eternal”

8.”Poison Heart”

9.”So Much Love”

10.”Poorman”

11.”No More (This Is The Last Time)”

12.”Fail”

 

 

O SETLIST DO NOVO JESUS & MARY CHAIN

1.”Amputation”

2.”War on Peace”

3.”All Things Pass”

4.”Always Sad”

5.”Songs for a Secret”

6.”The Two of Us” 4:12

7.”Los Feliz (Blues and Greens)”

8.”Mood Rider”

9.”Presidici (Et Chapaquiditch)”

10.”Get on Home”

11.”Facing Up to the Facts”

12.”Simian Split”

13.”Black and Blues”

14.”Can’t Stop the Rock”

 

 

OS NOVOS DISCOS DO DM E DO JMC AÍ EMBAIXO

Para audição na íntegra, via Spotify.

 

E OS VÍDEOS PROMOCIONAIS DOS NOVOS SINGLES DOS DOIS GRUPOS

 

A NOSSA PRIMEIRA MUSA ROCKER DE 2017! ABUSADA, ESCRITORA, FÃ DE SEXO, JAZZ, POESIA E ROCK’N’ROLL, WOW!

Nome: Juliana Frank.

Idade: 32 anos.

De: São Paulo, capital.

Mora em: São Paulo.

O que estudou: “fiz umas oito faculdades, não acabei nenhuma”.

O que faz: além de escritora (já publicou quatro livros) é roteirista de animação na produtora Coala Filmes.

Três discos: “A Kind Of Blue” (John Coltrane), “Galos de briga” (João Bosco) e “$O$” (Die Antwoord).

Três artistas: Lana Del Rey, Tim Buckley e Die Antwoord.

Três filmes: “O sabor da melancia”, “Leaving Las Vegas” e “Casablanca”.

Três diretores de cinema: Tsai Ming Liang, Robert Rodrigues e Sergio Leone.

Três livros: “Diário de um ano ruim” (Coetezze), “Rayuela” (Julio Cortazar) e “Las Redes Del Poder” (Foucault).

Um show inesquecível: The Rolling Stones no Rio De Janeiro, 2006, na praia de Copacabana.

O que ela tem a dizer sobre… sexo, rsrs: “Já fiz sexo matrimonial, sexo com faxina, ménage (apesar de considerar grupal um tanto confuso, sou muito concentrada e acabo me dando mal). Já fiz sexo maconhada, de pé na rede e o diabo a quatro. Mas o maior delírio do sexo mesmo é o amor.  Tem uma frase que adoro, do Miguel Esteves Cardoso: ‘Mas o amor é fudido. E gostei de fodê-lo contigo’”.

Como o blog conheceu a garota: Zap’n’roll conhece Juliana Frank desde que ela era uma pirralha “aborrescente” dos seus dezesseis anos de idade (rsrs). Ela vivia com a turma que trabalhava na redação da saudosa revista Dynamite e era fã (vejam só) de heavy metal e gothic rock. Este já velho jornalista rocker (e ainda loker) se tornou então amigo dela, embora a considerasse na época um tanto “maletinha” (como quase todo “aborrescente”, no final das contas), hihihi. A dupla permanece amiga até hoje e miss Ju se tornou um mulherão aos trinta e dois anos de idade: é fã de jazz (e de rock ainda, não perdeu o amor pelo gênero), estudou Letras e Filosofia e publicou quatro livros, entre eles o delicioso “Uísque e vergonha”, que foi publicado em 2016. Quer conhecer pesoalmente a moçoila? Ela bate cartão no bar/teatro Cemitério De Automóveis (cujo um dos proprietários é o dramaturgo e queridão Mário Bortolotto), que fica na rua Frei Caneca, centrão de Sampalândia. E seu perfil no faceboquete pode ser acessado aqui: https://www.facebook.com/profile.php?id=100011415196359.

E agora marmanjos e marmanjas, deleitem-se aí embaixo com os total delicious NUDES de miss Juliana, wow!

IMAGEMMUSAJULIANAPELADA17

Uma câmera na mão e um corpo desnudo pedindo tudo

 

IMAGEMMUSAJULIANAPELADA17II

“Só os VIRTUOSOS sabem pecar de verdade” (do livro “Uísque e vergonha”, 2016)

 

IMAGEMMUSAJULIANAPELADA17V

Gatinho feliz

 

IMAGEMMUSAJULIANAPELADA17IV

Gatinho feliz, II

 

FINATTIJULIANA17

O jornalista eternamente loker e sua amiga e musa rocker

 

E PARAMOS POR AQUI

Postão bacanão, néan. Recheado com papos sobre a volta dos gigantes Jesus & Mary Chain e Depeche Mode, turbinado com uma tesudíssima musa rocker e também com as últimas do mondo pop/rock e da cultura pop. De modos que ficamos por aqui e retornamos logo menos, assim que novos e palpitantes assuntos exigirem a volta do blogão campeão em rock alternativo e cultura pop. Até o próximo post então, com beijos quentes e doces no nosso sempre dileto leitorado.

 

(atualizado e ampliado por Finatti  em 29/3/2017às 18hs.)

AMPLIAÇÃO FINAL, falando do fechamento (infelizmente) de mais uma casa clássica do circuito alternativo paulistano, além de comentar sobre os novos discos dos Rolling Stones e dos Raveonettes e também dando o roteiro cultural e de baladas do blog – Em post especial o blog zapper sempre antenado apresenta o Holy White Hounds, nova banda que está dando o que falar no circuito indie dos EUA (e, de quebra, ainda traz uma entrevista com a turma) mas ainda total desconhecida no Brasil; o fim (infelizmente) de mais uma LENDA do circuito de bares alternativos da noite rocker paulistana; com o final de mais um ano (esse trágico e pavoroso 2016) chegando damos um “recuerdo” em algumas das melhores e mais gatíssimas musas rockers que já passaram pelo blog, repostando uma seleção de fotos tesudíssimas das garotas; e dessa vez o papo é seríssimo: 2017 será mesmo talvez o último ano de um espaço virtual (esse aqui mesmo) que há treze anos dá o que falar na blogosfera BR dedicada ao rock alternativo e a cultura pop; e mais um ano na vida do já velho (mas jamais obsoleto) jornalista rocker/loker e que está completando hoje 5.4 de existência (postão ampliado e total finalizado em 2/12/2016)

imagemholywhitehoundsii

O novo post do blog entra no ar no dia em que o jornalista eternamente rocker completa mais um ano de vida, motivo para celebrar com boas novidades no indie rock como a banda americana Holy White Hounds (acima) e também para recordar momentos da trajetória jornalística do zapper (abaixo, ao lado do guitarrista Dado Villa-Lobos, eterno Legião Urbana) e de algumas das MELHORES musas bocetudas que passaram por Zap’n’roll nos últimos anos, como a sempre total delicious Jully De Large (abaixo)

finattidadolegiao2015

jullylargenudexotaco2014

**********

FECHANDO O POSTÃO: O DESGOVERNO GOLPISTA METENDO NO CU INCLUSIVE DA COXARADA QUE O APÓIA, POR QUE OS STONES SÃO FODA MESMO VELHOS E O MERDALLICA NÃO, O NOVO DISCO DOS RAVEONETTES E O FECHAMENTO DE MAIS UM INCRÍVEL BAR ROCK DE SAMPA

  • Madrugada no pequenino infinito particular do zapper maloker. Passam dois clips em sequência na MTV – yep, o jornalista blogger geralmente deixo a TV ligada no canal musical (ou em outros, vai zappeando de quando em vez pra ver se tá passando algo bacana no Bis, no Canal Brasil ou nos canais de filmes), som baixinho, enquanto lemos ou teclamos na tela do note. Os vídeos em questão são dos novos singles do MERDALLICA e da banda suprema do nosso coração, os velhíssimos e até hoje bacaníssimos e insuperáveis Rolling Stones. Pois então, a audição/visão dos dois um atrás do outro (de resto, já estão há algum tempo no YouTube) permite a qualquer pessoa mais racional e imparcial concluir o óbvio: enquanto o hoje INSUPORTÁVEL quarteto heavy merdal americano repisa clichês musicais ad infinitum e passa vergonha alheia total com uma sonoridade que emula da pior forma possível o que eles já fizeram muito bem, os velhinhos ingleses, quase duas décadas mais velhos que os integrantes do Merdallica, dão show de bola: ao invés de se arriscar a gravar material inédito (e possivelmente ruim) para um novo disco de estúdio, os Stones reviraram um baú de clássicos do blues e saíram do estúdio com um compêndio de faixas escritas por gigantes como Howlin’ Wolf, Memphis Slim, Magic Sam, Little Water e Willie Dixon. Nunca é demais lembrar: a essência do som stoniano é o blues e o R&B, que formatou as melodias e as letras magistralmente compostas por Mick Jagger e Keith Richards. Assim “Blues & Lonesome”, o novo álbum das Pedras Rolantes (o primeiro de estúdio em mais de uma década) chega ao mundo hoje, 2 de dezembro, quando este postão está sendo enfim finalizado. Foi gravado em apenas e inacreditáveis duas semanas, em um estúdio em Londres. E já chega com pinta de DISCAÇO, a julgar pelo que a banda mostra no vídeo de “Hate Too See”. É um prazer auditivo inenarrável ver um “velhinho” como Jagger (que está com 73 anos de idade!) dando sangue nos vocais e inclusive debulhando uma harmônica, além do restante do grupo que também mata a pau na moldura instrumental.

imagemstonesclassic

Os Rolling Stones (aqui, em imagem clássica dos sixties): mesmo VELHÕES eles continuam FODÕES

  • Já o pobre Merdallica… dá engulhos e irritação ver/ouvir o vídeo de “Moth Into Flame” (do novo disco dos velhacos merdaleiros cafonas, “Hardwired… To Self Destruct”). Um amontoado de clichês e POSES regurgitando o que o conjunto já fez e repetiu zilhões de vezes ao longo dos seus 35 anos de existência. Só para soltar essa BOMBA nova o quarteto levou OITO anos. E passou quase um ano no estúdio gravando essa porqueira que certamente ainda vai faturar alguns milhões, tirados dos bolsos dos eternos fãs otários – essa porra de banda, inclusive, é o headliner do Lollapalooza BR 2017, na primeira noite do festival. Na boa: o Merdallica já deveria ter pedido pra sair há uns 20 anos, pelo menos. Seu heavy/thrash merdal BURRÃO, reacionário, machista, envelhecido, ultrapassado e conservador é bem a cara da humanidade atual. E é TUDO o que o rock’n’roll NÃO precisa nos dias de hoje.

 

 

  • A imunda política brasileira deu mais um show de sujeira e oportunismo aproveitando a comoção nacional pela desastre aéreo que vitimou todos os jogadores da Chapecoense, e na calada da madrugada de ontem (quinta-feira) RETALHOU o projeto contra a corrupção durante a votação do mesmo no plenário da Câmara em Brasília. O que foi aprovado se transformou em uma colcha de retalhos do que era o texto original. Beleusma. Com isso a Lava Jato ameaça ir pro saco. E a COXARADA BURRA, estúpida, egoísta e idiota pressentido que vai se foder também, voltou a BATER PANELAS (ulalá!) na noite de ontem. Pois que os coxas se FODAM e levem no CU desse desgoverno golpista sem dó, como nós (que não apoiamos e nunca iremos apoiar essa QUADRILHA DE BANDIDOS que assumiu o poder no país vira lata de população otária) já estamos levando.

 

 

  • A sempre legal dupla dinarmaquesa The Ravevonettes ainda vive! Anunciaram disco novo agora para dezembro e já soltaram single novo do mesmo, a noise e tristonha “Fast Food”, que você pode conferir aí embaixo, junto com os vídeos do Merdallica e dos Stones, citados mais acima.

 

  • Também vai sair single novo dos imortais Smiths (outra das cinco bandas da nossa vida). Trazendo versões demo remixadas e nunca antes lançadas de “The Boy With The Thorn In His Side” e de “Rubber Ring”, sendo que o blog tinha esse single magnífico em vinil de 12 polegadas e rotação 45rpm, que compramos quando ele saiu no Brasil, lá na saudosa Devil Discos, na galeria do rock (isso lá por 1986…)

capasinglesmiths16

 

  • Fechando a tampa: ainda estamos chorando, viúvas que somos, o fim do Matrix bar em Sampa. E nem nos recuperamos da notícia e estoura outra bomba já quase no final desta semana (o blog está sendo finalizado na sextona em si, 2 de dezembro): o Inferno Club, um dos mais tradicionais espaços do rock underground no baixo Augusta (na capital paulista), também acaba de anunciar que vai encerrar atividades agora em dezembro após uma década de ÓTIMOS serviços prestados ao rock’n’roll. Zap’n’roll perdeu a conta das noites sensacionais que passou por lá, assistindo gigs inesquecíveis de grupos nacionais (Vanguart, Forgotten Boys etc.) e gringos (como o americano Bellrays, que foi realmente fodástico). E também perdeu a noção das loucuras que aprontou por lá, como a que está registrada na imagem abaixo: o jornalista loker/maloker fazendo BACKING VOCALS (uia!) na música “Do amor de morte”, durante um dos inúmeros shows que o sempre bacanudo grupo Daniel Belleza & Os Corações Em Fúria apresentou por lá. Estas linhas online estão em contato com o chapa Joe Klener (o proprietário do Inferno), para que ele diga algumas palavras rápidas sobre o fechamento da casa. E colocamos suas declarações aqui assim que elas chegarem até nós. Mas de qualquer forma é isso: 2016 que não acaba nunca vai fechando sua conta funesta como o ano MAIS PAVOROSO para a cena independente nacional nos últimos tempos. E ainda tem “brog” ilha da fantasia indie que ENGANA seus leitores (né, Popload…), insistindo na tese de que a cena indie nacional vive seu melhor momento. Ahahahahahaha.

finattidanielbellezainferno2013

Zap’n’roll faz a linha rock star, cantando com Daniel Belleza no Inferno Club (que infelizmente vai fechar) em Sampa, anos atrás

  • Adendo: já está EVIDENTE que o avião da tal Lamia que caiu matando quase todo o time da Chapecoense, foi pro saco por falta de combustível. Ou seja: ele deveria ter sido REABASTECIDO antes do seu destino final. E não o foi, por aparentemente CONTENÇÃO de GASTOS. E assim fica mais uma vez demonstrado que a GANÂNCIA e IRRESPONSABILIDADE humanas não têm limites. E essa ganância sem limites produziu mais uma tragédia (que poderia ter sido evitada), ceifando 71 vidas.

 

 

  • É isso. Agora fim de transmissão mesmo! Semana que vem estamos na área novamente, no penúltimo post do blog neste pavoroso 2016.

 

**********

 

 

5.4 de existência rocker.

Não é fácil chegar a quase cinco décadas e meia de uma vida que foi, quase toda ela, movida a paixão por conhecimento, por cultura pop, por rock’n’roll – e também por muito sexo e drogas. E se até alguns anos atrás muito inimigos covardes e ferozes de Zap’n’roll acusavam (através de postagens fakes no painel do leitor deste espaço virtual) o autor deste blog dos mais variados absurdos, entre eles o de escondermos nossa idade (por algum tipo de problema emocional em relação a isso) hoje, quando completamos mais um ano nesse mundo sempre cinza e bastante desalentador, o já velho (mas nunca obsoleto) jornalista não tem o menor pudor em assumir seus cinqüenta e quatro anos de vida, que estão sendo completados hoje, sábado. E num (quase impossível) resumo dessas mais de cinco décadas o jornalista zapper pode se gabar de ter tido uma trajetória profissional e pessoal de fato total rock’n’roll. Até o momento foram trinta anos de jornalismo musical (trabalhando/colaborando e escrevendo nos principais veículos de mídia impressa do Brasil, e também produzindo textos e material jornalístico para a chamada imprensa alternativa), treze deles dedicados apenas a este blog. E com passagens por revistas como Somtrês, IstoÉ, Bizz, Interview e Rolling Stone, além de jornais como FolhaSP, Estadão e Gazeta Mercantil, o autor deste espaço online viu e ouviu muito ao longo dos anos. Escutou zilhões de discos e bandas, perdeu a conta de quantos shows e filmes assistiu, de quantos livros leu, de quantas milhões de enfiações de pé na lama em álcool e drugs participou em baladas loucas na noite sem fim de Sampa e em muitas outras cidades pelo país afora. Foram no final das contas tempos gloriosos e bacanas e onde tudo era muuuuuito diferente do que é hoje. O mundo era  muito mais liberal e menos careta no comportamento, as pessoas respiravam e buscavam informação e cultura que valia a pena, não havia intolerância de ordem comportamental, social, sexual, político, religiosa ou de raça. Não havia (não nos níveis que vemos hoje em dia) moralismo hipócrita e conservadorismo exacerbado dominando o pensamento das pessoas. E o mundo e a raça humana pareciam mais felizes, enfim. Trinta anos depois estamos como estamos: a humanidade parece ter regredido aos tempos da Idade das Trevas no pensamento e em seu comportamento. Uma nova e assustadora onda mega neo conservadora de direita avança por todo o planeta (nos EUA, na Europa e também aqui no bananão brazuca) e isso, no final das contas, se reflete também no rock’n’roll e na cultura pop atual. Ambos nunca estiveram tão irrelevantes, desinteressantes e conservadores como nos dias que correm. Talvez por isso mesmo estas linhas bloggers rockers estejam cada vez mais com dificuldade de encontrar boas pautas para publicar aqui. E talvez também por conta disso nós finalmente iremos dizer adeus ao nosso dileto leitorado (que nos acompanhou durante todos esses anos) agora em 2017. Claro, se estas linhas zappers chegarem mesmo ao seu fim iremos produzir outro blog, com um possível leque mais amplo de assuntos a serem abordados em nossa linha editorial. Mas por enquanto ainda seguimos aqui e fazendo o que sempre fizemos bem ao longo de três décadas de jornalismo musical e cultural: indo atrás de novidades – e nesse post que começa agora, entrando no ar em pleno dia dos nossos 5.4 de vida, a novidade se chama Holy White Hounds, nova banda bacana do circuito indie americano e que é apresentada aos brasileiros pelo nosso corespondente nos Estados Unidos, Felipe Almeida. É a forma de nos manter aqui, ao lado de quem nos lê: velhos já, sim. Mas nunca obsoletos, rsrs. É a melhor forma de comemorarmos mais um ano em um mundo e em um planeta que, definitivamente, não é mais o mesmo e que já foi muito mais legal. Então o que nos resta é continuar sendo essa autêntica trincheira de resistência, para que este velho mundão novamente assombrado por reacionarismo e populismo fascista sobreviva a tudo isso e, quem sabe, volte a se tornar novamente um lugar bacana pro ser humano viver e ser feliz.

 

 

  • O blogão não é essencialmente sobre temas políticos (mas está, de alguns pra cá, cada vez mais político em suas postagens). Mas entrando no ar no sabadão em que o sujeito aqui chega aos 5.4 de existência, não dá pra deixar de abrir as nossas notinhas iniciais sem mencionar a morte daquele que talvez tenha sido o maior mito político da humanidade no século XX. Véio Fidel Castro se foi enfim ontem, aos noventa anos de idade. Você pode amá-lo ou odiá-lo. Mas jamais ignorá-lo. É isso: o mundo realmente chegando ao fim. Ao menos como o conhecíamos. Rip.

imagemfidel

 

  • E foi a semana, na política, em que a IMUNDICIE continuou avassalando Brasília. Pelo menos Geddel, o pilantra, foi defenestrado. Já é o SEXTO ministro do desgoverno GOLPISTA a ter que ser ejetado de sua cadeira. Agora o sempre valente PSOL vai pedir o impichamento do próprio mordomo de filme de terror que ocupa o Palácio do Planalto. Vamos ver se rola…

 

 

  • E já indo pra música e pro rock’n’roll: o novo álbum do MERDALLICA, lançado na semana passada, teve o que merecia: ser ignorado pelos fãs e levar várias porradas das resenhas mais honestas e corajosas, publicadas pela rock press mundo afora. Vem cá: você acha que esses VELHOTES total OBSOLETOS ainda merecem algum crédito de alguém? Pensa…

imagemmetallicalive

O Merdallica PEIDOU seu novo disco e teve a acolhida merecida: fãs nem aí e crítica dando porrada no cd

  • A edição 2016 do SIM São Paulo (Semana Internacional de Música) que rola na capital paulista de 7 a 11 de dezembro próximo, vai ter dezenas de atrações bacanas como shows, palestras, debates etc. envolvendo o povo que ainda faz a cena alternativa musical funcionar. E um dos destaques da programação será a estréia nacional do documentário “Supersonic”, que desvela em detalhes o início da carreira do amado Oasis e a ascenção do grupo dos manos Gallagher na Inglaterra, nos anos 90’. A exibição acontece dia 10 de dezembro no Centro Cultural São Paulo (que fica na rua Vergueiro, 1000, zona sul da cidade), às três e cinco da tarde e a entrada é gratuita (os ingressos precisam ser retirados com uma hora de antecedência). Claaaaaro que estas linhas online prevêem que vai haver tumulto pra assistir o filme mas iremos lá, TENTAR ver o mesmo. Já a programação completa do SIM você pode conferir aqui: http://www.simsaopaulo.com/pb/.

cartazdocoasis

O super documentário do Oasis: passa dia 10 de dezembro em Sampa, dentro da programa do SIM

  • E a situação anda preta, mas tão preta para o rock’n’roll mundão afora que a lendária marca de guitarras Fender vai lançar uma campanha nos EUA, para IMPLORAR aos jovens para que eles NÃO DEIXEM DE COMPRAR… guitarras! Jezuiz…

 

 

  • E ELA continua sendo um BO CE TA ÇO. Quem? Miss Luciana Gimenez, claaaaro! A comprovação está aí embaixo, nessa foto que ela postou em seu Instagram, anteontem. É, véio Mick Jagger passou mesmo muito bem anos atrás, hihihi.

imagemlucianagpelada

 

  • Final do ano chegando (acaba logo 2016, que você não vai deixar NENHUMA saudade) e começam a pipocar as já célebres e maletas listas de melhores do ano. Uma das primeiras é a do top 50 da NME, sendo que ela dá bem a dimensão de como o ano foi RUIM para o pop e o rock – aliás a música só PIORA de qualidade de anos pra cá, já repararam? Pior são os nossos queridos blogs “vizinhos” (como o inefável Pobreloa…, quer dizer, Popload), que ainda fazem o maior carnaval em torno dessas listinhas meia boca, ulalá! Enfim, se alguém quiser conferir a tal lista da NME, vai lá: http://www.nme.com/list/nme-best-albums-2016-1869261.

 

 

  • E não, Zap’n’roll não vai aderir a essa bobagem de publicar listas esse ano. O blog quer mais é que 2016 desapareça o mais rápido possível, sendo que 2017 também promete ser tenebroso para o rock e para a cultura pop. Infelizmente…

 

 

  • Mas nem tudo é tristeza e lágrimas, uia! Hoje o blogger loker zapper comemora mais um aninho de vida. E pra comemorar não tem melhor jeito: vai rolar DJ SET FODONA do blog neste domingo (leia-se amanhã) no projeto Grind, a domingueira rock mais clássica e classuda da noite paulistana, há 18 anos no ar! Acontece na Loca, que fica lá na rua Frei Caneca, 916 (pertinho do metrô Consolação, região central de Sampa), a partir da meia noite. Cola lá que iremos garantir sua diversão com muito anos 80’, pós-punk e britpop na pista, uhú!

imagemflyerlocafinas16

 

  • Mas enquanto o domingão não chega e com ele nossa discotecagem no Grind, bora ler aí embaixo sobre a nova sensação do indie rock americano, o Holy White Hounds.

 

 

EXCLUSIVA DO BLOG ZAPPER – DIRETO DOS EUA ENTREVISTAMOS O HOLY WHITE HOUNDS, NOVA SENSAÇÃO DO INDIE ROCK AMERICANO

 

(por Felipe Almeida Nally, de Orlando/EUA, especial para Zap’n’roll)

 

Des Moines, a Capital do pacato Estado de Iowa, é mais conhecida aqui nos Estados Unidos como um dos principais pólos do Agronegócio e do ramo de seguros. Distante dos principais centros culturais como Nova Iorque, Los Angeles e Chicago, a cidade é responsável por abrigar uma das bandas mais interessantes da nova cena alternativa, o Holy White Hounds.

Fundada pelo vocalista Brenton Dean e pelo baixista Ambrose Lupercal a banda iniciou as atividades em 2005, porém só em meados de 2013, com a entrada do guitarrista James Manson e do baterista Seth Luloff, o quarteto começaria a pensar e compor o que seria o album de estréia, “Sparkle Sparkle (Razor & Tie)”, lançado em 2015.

A banda esta na segunda perna da turnê norte americana de divulgação do CD, abrindo os shows dos The Pretty Reckless, e bateu um rápido porém muito bem humorado papo com Zap’n’Roll, minutos antes da apresentação na lendária casa de shows House Of Blues, de Orlando. Os principais trechos da entrevista você confere aí embaixo.

imagemholywhitehounds

O quarteto americano Holy White Hounds: Pixies e Franz Ferdinand entre suas influências

Zap n Roll –  A banda tem pouco mais de 10 anos de existência, porém somente em 2015 o álbum de estréia foi lançado. Por que demorou tantos anos?

 

Brenton Dean – Eu e o Ambrose (baixista) começamos a tocar juntos em 2005, mas ainda não era muito serio, e sabíamos que não estávamos ainda preparados para gravar um álbum, esse processo demorou alguns anos, até que há aproximadamente 3 anos e meio o James e o Seth entraram para a banda, e as coisas começaram a tomar forma. O álbum foi produzido pelo Brandon Darner, que ja trabalhou com Imagine Dragons e Radio Moscow, ou seja um produtor tarimbado e que soube extrair a sonoridade que estávamos procurando.

 

Zap n Roll – “Switchblade”, o primeiro single do álbum, virou uma espécie de hit alternativo, as principais college radios daqui tocam a música varias vezes por dia, e esta há semanas no Top 10 Alternativo. Como vocês estão lidando com isso?

 

Brenton – Cara, é incrível, e realmente é isso que você falou, a musica é uma das mais tocadas no pais, é surreal. Inicialmente pensávamos que tocaria bastante na nossa cidade natal, mas a musica chegou ao primeiro lugar das paradas de alternative Rock, e superou nossas expectativas. Gravamos um clipe que esta com aproximadamente 400 mil visualizações no YouTube e estamos tocando muito, inclusive este show é parte da segunda perna da turne norte americana, que tem rodado a America toda.

 

Zap n Roll – Fale um pouco das influencias musicais da banda?

 

Brenton – Bom, quando iniciamos a banda ouvíamos muito The Hives, Franz Ferdinand e Nirvana. Depois, outras influências foram adicionadas, você cresce e ouve outros gêneros musicais, mas fazemos questão de tentar soar o mais original possível, claro que vira e mexe somos comparados com esse ou aquele artista. Pessoas dizem que temos uma dose de Queens of The Stone Age, uma pitada de Beck, um tempero de The Pixies, mas a gente procura não dar muita atenção e continuamos fazendo nosso som, sempre buscando algo autentico e original.

 

Zap n Roll – O fato de a banda ser de Iowa, distante de Nova Iorque e Los Angeles, atrapalha de algum modo a carreira do grupo?

 

James Manson – Na verdade, não. A banda mais conhecida da nossa cidade é o Slipknot, que tem uma sonoridade totalmente diferente da nossa e que coincidentemente eu morava perto de um dos caras. Mas hoje em dia com as mídias sociais, a musica chega em todos os lugares. E é legal eu falar algo. Apesar de termos um single em primeiro lugar nas paradas de Rock Alternativo quem dirige a van somos nós, ou seja, ainda precisamos percorrer um longo caminho, estamos no inicio mesmo. Nós montamos o palco, cuidamos do merchandise e tocamos. Aqui não tem frescura e nem vaidade, talvez por isso conquistamos o respeito de bandas com que temos nos apresentado juntos, como Cake, Cage the Elephant, Rob Zombie e agora os caras do The Pretty Reckless e dos The Struts.

 

Zap n Roll – Falando em tours, como esta sendo essa segunda parte dos shows?

 

Brenton – Está sendo muito legal, confesso que é bastante cansativo porque como te disse anteriormente, nós fazemos tudo. Nossa equipe é muito enxuta e dirigimos a van para os shows, alem de cuidarmos da venda de merchandise e montagem do palco, isso desgasta bastante. Temos feito shows praticamente todos os dias, então às vezes no dia off, passamos de repente 12 horas dirigindo para o próximo show, em outro Estado. Serão quase 35 shows, mas daremos conta do recado! (risos)

 

– James: Nos últimos 3 dias, se eu dormi  mais de 2 horas por noite foi muito, mas amamos fazer isso, e é o que escolhemos. É uma carreira muito difícil, sabemos dos sacrifícios, sentimos falta da família e de casa, mas agora é a hora da banda mostrar para que veio, e tocar para o maior numero de pessoas na America toda.

 

Zap n Roll – Daqui a pouco vocês sobem ao palco. O que vocês gostariam de dizer ao publico Brasileiro?

 

Brenton – Em primeiro lugar, muito obrigado pela oportunidade. A Zap n Roll é o primeiro veículo de comunicação do Brasil e da America do Sul que conversamos. Seria uma honra ir ao Brasil tocar. Obviamente sabemos da existência do Rock in Rio, que é um dos maiores festivais do mundo, da chegada do Lollapalooza em São Paulo, e lembro que você me contou desse festival anual realizado também em São Paulo…

 

Zap n Roll – Virada Cultural?

 

James – Exatamente. É incrível que uma cidade produza um evento que dure 24 horas seguidas, e tenha um monte de palcos espalhados pela cidade, de todos os estilos musicais. Muito interessante. Quem sabe, após a entrevista, a gente seja convidado, iríamos correndo! (risos)

 

Brenton – Ah, queria dizer também: Brasil, vocês estão com tudo, são a bola da vez. Continuem com essas mulheres incríveis, com esse povo animado mas não esqueçam de estudar, ou seja, tenham o pacote todo! (Risos)

 

Quer conhecer mais sobre a banda? Vai aqui: https://www.facebook.com/holywhitehounds/?fref=ts. Ou aqui: http://www.holywhitehounds.com/.

 

 

HOLY WHITE HOUNDS AÍ EMBAIXO

No video de “Switchblade”

 

O FIM DE MAIS UMA LENDA DA NOITE ROCKER ALTERNATIVA DE SAMPA

O mundo como o conhecíamos (e ele era ótimo até bem pouco tempo atrás) definitivamente não existe mais. E o mais recente capítulo final desse velho e saudoso mundo será agora, em 10 de dezembro. É quando irá fechar as portas o Matrix Bar Rock’n’roll, uma das últimas grandes instituições da noite alternativa da capital paulista.

Aberto em 1995 pelo popular Gigio (que antes já havia sido dono do Hoellisch, na praça Roosevelt, e também do Der Temple, na rua Augusta, sendo que foi neste que Kurt Cobain e Courtney Love passaram a madrugada se entupindo de cocaine, bolas e álcool após o show que o Nirvana fez no festival Hollywood Rock, no estádio do Morumbi, em janeiro de 1993) na rua Aspicuelta, na Vila Madalena (bairro boêmio, território de artistas e músicos e repleto de bares, restaurantes e ateliers de arte, na zona oeste paulistana), o Matrix logo se tornou um dos principais espaços para o rock alternativo em Sampa. A pista de dança era (e é, até hoje) minúscula, não havia (como nunca houve) palco para as bandas se apresentarem mas nada disso importava: o som dos DJs (no auge da casa, comandado por Aldo e Sérgio Barbo) era o MELHOR da noite under rocker e maluca, todas as bandas bacanas da indie scene paulistana dos 90’ tocavam lá e o buteco vivia lotado, principalmente de gatas lokas, deliciosas, tatuadas e xoxotudas – e sempre dispostas a ter atos LIBIDINOSOS com você, se o seu papo fosse bom e elas fossem com a sua cara.

E na porta, em pessoa e controlando o fluxo de clientes, ficava sempre o próprio Gigio, o dono da bagaça. Com seu eterno e imutável visual rockabilly, cara sempre fechada e mau humorada, ele ostentava uma feição de poucos amigos tipo “não me enche senão leva porrada!”. E por conta dessa cara “feia” e nada amiga, Gigio colecionou “elogios” ao longo dos anos como, por exemplo, “o sujeito mais antipático do circuito rock paulistano”. Pois é bom que se diga aqui e que se faça justiça a ele: além de ter sido proprietário de alguns dos espaços mais importantes para a cena alternativa da cidade nos anos 90’ e início dos 2000’, pelo menos com o autor deste blog Gigio sempre foi um LORDE e a educação em pessoa. Fora que nunca paguamos pra entrar no Matrix (afinal, além de ser jornalista que vivia envolvido com a cena under paulistana, o zapper loker era conhecido do Gigio desde o Hoellisch). Então passamos boa parte dos nossos anos loucos (entre 1995 e 2005, mais ou menos) indo sem parar no Matrix. E lá o loki aqui bebeu e deitou a napa com gosto nos banheiros do bar, além de dançar muuuuuito naquela pista. Teve uma época, inclusive, que Gigio resolveu fazer uma permuta com Zap’n’roll. Em troca de um banner no blog tínhamos uma consumação mensal generosa lá. Foi o caos, claaaaaro: Finaski saía invariavelmente detonado do buteco, após zilhões de doses de whisky com energético e muitas aspiradas em carreiras gordas de padê.

finattidjmatrix2001ii

Zap’n’roll METENDO O LOKO em DJ set insana no Matrix Bar, em 2001 (há quinze anos!) em Sampa; a lenda da noite rocker paulistana fecha as portas agora dia 10 de dezembro

Mas tudo o que é bom um dia chega ao fim, né? Foi há umas duas semanas que num papo com o também DJ Fabiano, lá na loja Baratos Afins, que ficamos sabendo que o Matrix vai fechar as portas, após 21 anos de ÓTIMOS serviços prestados ao povo que ainda curte rock alternativo em São Paulo. Tão importante quanto foi o Madame Satã e o Espaço Retrô (outras duas lendas da noite alternativa de Sampalândia em todos os tempos) nos anos 80’ e 90’ e, mais recentemente, o Astronete (já nos 2000’), o Matrix chega ao fim por alguns motivos como queda no movimento (não ta fácil pra ninguém e o país está mesmo no buraco, e sem melhora da situação à vista), queda do rock como o gênero musical preferido pela molecada (que, de fato, é quem sustenta a noite, e a molecada está cada vez mais EMBURRECIDA culturalmente e gostando cada vez mais de pop/dance eletrônico boçal, ou então de funk ostentação de quinta categoria, que é o que toca atualmente em bares MENTIROSOS no baixo Augusta, que se dizem de rock, e até já foram do rock, mas hoje entopem de gente graças ao open bar porqueira que fazem e a tocar funkeiras podreiras) etc. E, por fim, tem a questão do próprio Gigio: ele mora há anos em Florianópolis (Santa Catarinha) e vem todos os finais de semana (de avião) pra Sampa, pra cuidar do bar. O sujeito tá ficando velho (deve ser um pouco mais véio do que o sujeito aqui) e deve estar com o saco cheio já. Nós estaríamos, no lugar dele.

Então, segundo o Fabiano nos contou lá na Baratos, o Matrix fecha as portas com uma festa de despedida no próximo dia 10 de dezembro, sabadão em si. Vamos lá, óbvio. Além de ter se divertido horrores ali também fizemos algumas poucas mas ÓTIMAS festas rockers naquele lugar. Como uma em outubro de 2001 (lá se vão quinze anos…), para lançar a edição impressa daquela época da revista Dynamite e que trazia na capa uma entrevista feita pelo jornalista Finas com o baterista de um tal de The Strokes (conhecem? Rsrs), que então estavam estourando com tudo nos EUA e cujo primeiro cd estava sendo lançado no Brasil. Foi uma noite memorável e cuja recordação tá aí embaixo, numa das fotos deste tópico: o zapper de camisa social e gravata (tentando emular o visual da época do Julian Casablancas), discotecando total alucicrazy na também minúscula cabine de som do da pista de dança.

O mundo pode acabar, fato. Rock’n’roll planetário e brazuca quase morto, cultura pop falida e aos pedaços, ser humano bestial, conservador e reacionário como não era em pelo menos três décadas. Onde tudo isso vai dar não sabemos e nem queremos saber pois tivemos a sorte de curtir tudo o que pudemos e aproveitamos ao máximo também enquanto a humanidade ainda era muito mais culta, liberal no comportamento, louca e despudorada do que é hoje. Tivemos realmente essa sorte, disso não podemos nos queixar. E só podemos lamentar pela pirralhada boçal de hoje, que não viveu nada do que nossa geração viveu. E nem irá viver.

 

 

5.4 DE EXISTÊNCIA E 30 ANOS DE JORNALISMO MUSICAL – ALGUMAS IMAGENS QUE RESUMEM BEM ESSA TRAJETÓRIA DO JORNALISTA ETERNAMENTE ROCKER

finattibobsmithcure

Entrevistando Robert Smith (The Cure) em janeiro de 1996

finattikimgordonsy

Com Kim Gordon (ex-baixista do finado Sonic Youth) em São Paulo, em novembro de 2005

finattifrejat

Papos com Frejat, pós-show do Barão Vermelho, Sampa, 2014

finattipittyd2

Divulgando edição da revista Dynamite, com Marcelo D2 e Pitty em Sampalândia, meados dos anos 2000′

finattipitty

Novamente com Pitty, pela night de Sampa

finattiskank

“Cercado” por Samuel Rosa e Lelo, do Skank, entrega do VMB 2009

finattiira200oii

Entrevistando o Ira!, quase no natal de 2000″

finattiira

E novamente com Edgard Scandurra e Nasi, mas em 2014, após showzaço do Ira! em São Paulo

finatticachorrorelesnoise2014

Com povo loker/rocker (Cachorro Grande, Relespúbica) no festival Goiânia Noise, na capital de Goiás, final de 2014

finattihelinho16ii

Abraço afetuoso em Helinho Flanders (Vanguart), em Sampa, 2016

 

RECORDANDO ALGUMAS DAS MELHORES MUSAS ROCKERS QUE JÁ POSARAM PARA ZAP’N’ROLL

Yep, ao longo dos seus treze anos de existência Zap’n’roll tinha (e ainda tem) um tópico de muito sucesso: a musa rocker da semana. Ali era sempre publicado um ensaio de imagens bacanas com garotas amigas ou conhecidas do autor dessas linhas bloggers poppers e que tinham uma formação cultural e comportamental total rock’n’roll. E cada uma delas que posou para o blog produziu seu próprio ensaio com as fotos, sendo que umas eram totalmente desinibidas (ou seja, ficaram totalmente peladas aqui) e outras foram, hã, mais “comedidas” na hora de se mostrar. Mas todas fizeram sucesso com seus ensaios, por serem gatíssimas e terem ótimo gosto musical e cultural.

O blog já está há 13 anos no ar e provavelmente vai ser extinto em 2017, dando lugar a um novo espaço online mais amplo no leque de assuntos (falando, por exemplo, muito de sociedade, política e comportamento, além da cultura pop e do sempre bom e velho rock’n’roll). Ainda estamos estudando o que iremos fazer nesse sentido. Fato é que os tempos atuais estão muito diferentes, mais reacionários e conservadores do que nunca, e talvez também por conta disso o tópico da musa rocker esteja meio ausente do blogão zapper. Assim, resolvemos fazer nesse post uma seleção de algumas das melhores musas que já passaram por aqui e republicamos algumas fotos das garotas.

São dez musas realmente tesudas e espetaculares que você se deleita e recorda a partir de agora, vendo as imagens das deusas aí embaixo.

imagemmusasr2015

Neide R., 34, São Paulo

musazapyasmin2015iii

Yasmin Takimoto, 20, São Paulo

musasol2015vi

Solange De-Ré, 34, Florianópolis

musabruna2015vii

Bruna Vicious, 27, São Paulo

imagemmusalili2016

Lili O., 28, São Paulo

musarockerfabiastroneteii

Fabi M., 27, São Paulo

musazappermichellef2014

Michelle F., 27, São Paulo

madeleinemusazapv

Madeleine A., 35, São Paulo

imagemmusaflavinha2015vi

Flávia S., 23, São Paulo

finattijully2014

Zap’n’roll e Jully De Large, São Paulo, 2014

**********

 

O BLOGÃO ZAPPER INDICA

  • Disco: “Crocodilo”, o segundo álbum de estúdio do grupo cearense (mas radicado em São Paulo) Jonnata Doll & Os garotos solventes, já é sério candidato a melhor cd de 2016, em um ano em que pouco ou nada digno de nota foi lançado na indie scene nacional (que só vive um “boom” na cabeça oca e delirante da ilha da fantasia indie que o blog Pobreloa…, quer dizer, Popload, insiste em impingir aos seu pobre leitorado). O grupo já foi bem mencionado nestas linhas bloggers rockers em nossas últimas postagens e quem nos acompanha sabe do que se trata: rock’n’roll básico e formatado em ambiências garageiras e proto-punk, com nítidos eflúvios de New York Dolls, The Stooges, Iggy Pop, glam rock, Bowie etc. Jonnata é um vocalista expressivo, escreve letras acima da média (versando sobre drogas, amores desmantelados, existência aos pedaços, caótica e turbulenta) e as músicas tem ótima performance instrumental, com destaque para o guitarrista Edson Van Gogh. “Swing De Fogo” (que abre o disco em levada pós-punk inglesa à la 80’), “Apesar de você ter tesão pela vida” (essa bastante stoniana), “Gari”, “Táxi” e “Cheira Cola” são faixas que REPELEM totalmente a caretice e o bunda-molismo que se instalou no rock independente nacional nos últimos tempos, fofo e MPB demais e ROCK (com guitarras barulhentas) de menos. Só por isso o conjunto já merece todo o crédito do mundo. Interessou e quer saber mais sobre eles? Vai aqui: https://www.facebook.com/jonnatadoll/?fref=ts. Ou aqui: https://jonnatadolleosgarotossolventes.bandcamp.com/. Sendo que o cd pode ser encontrado na capital paulista na Baratos Afins (WWW.baratosafins.com.br, fone 11/3223-3629).

capajdgs16

 

  • Livro: dos nomes mais conhecidos e respeitados do jornalismo cultural brasileiro nos anos 80’ e 90’, o brother Ademir Assunção está lançando HOJE, sexta-feira, seu novo romance. “Ninguém na praia brava” terá noite de autógrafos a partir das sete da noite no Patuscada – livraria, bar & café (e que fica na rua Luís Murat, 40, Vila Madalena, zona oeste de Sampa). Trata-se (se o blog não estiver enganado nas contas) do décimo terceiro livro publicado por Ademir, em uma produção literária que abarca poesia, ficção e romance. Não só: o loker também já lançou discos (com a banda Fracasso da Raça) e escreveu ótimas matérias para revistas como Somtrês e jornais como O Estado De S. Paulo, fazendo parte da última grande geração de jornalistas que valeu a pena serem lidos na imprensa cultural do país. Estas linhas online vão lá hoje prestigiar o lançamento do tomo e sugere que nosso dileto leitorado também compareça. E nos próximos posts voltaremos a falar de “Ninguém na praia brava”, podem esperar!

capalivroademirassuncao

 

  • Festival SIM São Paulo: como já falamos nesse mesmo post, nas notas inciais, começa na próxima quarta-feira, 7 de dezembro, a edição 2016 da Semana Internacional de Música na capital paulista. A programação é bastante extensa (mais de setenta e sete atrações, entre shows, palestras, debates e exibição de filmes) e variada. E você pode conferir tudo sobre o evento aqui: http://www.simsaopaulo.com/pb/.

Trailer do doc “Supersonic”, que conta a história do Oasis: vai passar na SIM São Paulo

  • Baladas em… baixa? Pois entonces, com a crise brava que assola o país afetando inclusive o circuito alternativo, ta cada vez mais difícil selecionar festas, gigs e eventos interessantes pra destacarmos aqui em nosso roteiro. Matrix fecha na semana que vem. Inferno Club também acaba de anunciar o encerramento das suas atividades. Assim só vai sobrar (principalmente no baixo Augusta) baladas com open bar porqueira e onde o que menos toca é rock, néan? De qualquer forma, bora lá: amanhã, sabadão em si (dia 3), rola a última edição deste ano da bacaníssima festa Call The Cops, comandada pelo DJ e chapa Ricardo Fernandes lá no Alberta (que fica na avenida São Luis, 272, centrão rocker de Sampalândia).///E também amanhã tem Smiths Cover tocando no Inferno Club (no 501 da rua Augusta), numa das últimas baladas que irão rolar no tradicional bar rocker e que infelizmente também vai fechar as portas ao apagar de 2016. Beleusma? É isso. Capricha na produção do visu e se joga!

 

 

TODO CARNAVAL TEM SEU FIM

Inclusive o do postão do blog. Ficamos por aqui mas na semana que vem a gente volta, com o penúltimo post zapper deste ano. Até lá então, com beijos no coração de todos os nossos leitores.

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 2/12/2016 às 17hs.)

Às vésperas de completar mais um ano de existência neste mundo (haverá outro, além dele?), o blogger zapper dá o SEU presente aos leitores: uma entrevista mega e EXCLUSIVA com Eron Falbo, futuro novo gênio do rock planetário – e que é BRASILEIRO! Mais: a dj set que vai botar fogo na pista do Outs/SP hoje à noite; o mondo pop durante a semana, mais isso e aquilo e… a MUSA INDIE da semana: mais uma “leitora secreta” que se viciou no blog e mandou fotos ALUCINANTES para serem publicadas aqui, uhú! (postão mega TURBINADO com as indicações culturais da semana, onde vai rolar show do Vanguart em Sampa e a última dj set do blog este ano na capital paulista) (NOVÍSSIMA atualização com plus GIGANTE: a programação do Goiânia Noise 2013, a morte do pai de Cazuza, Pixies sem baixista novamente e mais isso e aquilo tudo) (versão final ampliada e atualizada em 30/11/2013)

Quem disse que não existe GRANDE rock’n’roll feito aqui mesmo, no Brasil? Em Londres o músico brasiliense Eron Falbo (acima) estréia com um discaço recheado de referências ao rock clássico e sessentista de Bob Dylan e Neil Young; e aqui mesmo em Sampalândia o ícone Smack (abaixo) reviveu com maestria o sombrio pós-punk paulistano dos anos 80’ em show do festival Baratos Afins, na última quarta-feira (fotos: divulgação e Marcelo Jacoto)

**********

TURBINANDO O POSTÃO PARA ESTE FINDE (30 DE NOVEMBRO), UIA!

 

* Yep, não teve postão novo este finde (hoje, sabadón em si e o último dia deste novembro quente de 2013 em Sampalândia), mas resolvemos dar uma “engordada” e atualizada em um postão que já está mega e que chega até aqui com quase quarenta comentários no painel dos leitores, além de cento e cinquenta recomendações em redes sociais. Precisa mais?

 

 

* Sabadón que começou algo tumultuado no mondo pop. No Rio morreu o venerável produtor musical João Araújo, que era pai do inesquecível gênio Cazuza. Tinha setenta e oito anos de idade e foi vitimado por um infarto. E nos EUA a totosa loira Kim Shattuck, baixista do The Muffs, e que também estava tocando com os Pixies (no lugar de Kim Deal), aparentemente foi “expulsa” da lenda indie pelo seu líder, o sempre enjoado e ranzinza Black Francis. A banda, que tem show marcado para o Lollapalooza Brasil 2014, ainda não anunciou quem vai ocupar o posto. Pois é…

A lenda Pixies está sem baixista maaaaais uma vez: a loira bocetuda da foto aí em cima já elvis

 

* Já na última quinta-feira teve show lindão do Vanguart no Bourbon Street, em Sampalândia. A casa não chegou a encher mas a performance do sexteto cuiabano está mais irrepreensível do que nunca no palco. Foi a última gig deles esse ano e teve direito até a homenagem ao zapper sentimental (hehe), quando o queridíssimo vocalista Helinho Flanders dedicou “Para abrir os olhos” ao “jornalista Humberto Finatti, que esteve em 2004 em Cuiabá [na verdade, foi no carnaval de 2005, cherrie], nos assistiu e sempre acreditou em nós, por ter uma sensibilidade aguçada para a arte e a cultura”. O autor deste blog quase não conteve as lágrimas ao ouvir a dedicatória, de verdade. E deseja que os Vangs continuem cada vez melhores em sua gloriosa trajetória na cena musical rocker brazuca.

 

 

* Os que param: Green Day disse que vai entrar de férias em março de 2014. E o heroico indie americano The Walkmen foi mais radical: em comunicado a banda informa que após os próximos shows (previstos para a semana que vem), ela irá entrar em um hiato extremo, sem previsão de volta. Hummm…

 

 

* E semana que vem vai ter postão zapper mega, dedicado quase integralmente à edição 2013 do gigante festival indie Goiânia Noise, um dos maiores eventos do Brasil no gênero e que chega ao seu décimo nono ano de existência. A putaria rocker vai sacudir a capital de Goiás no próximo finde e Zap’n’roll vai estar por lá, acompanhando tudo beeeeem de perto pra depois contar aqui e também no portal Dynamite online. Mas antes de irmos pra quente Goiânia publicaremos o novo postão, que vai trazer entrevistas com Léo Bigode (um dos produtores do festival), com Agno Santos (da banda Mad Sneaks, que vai tocar lá), Gaivota Naves (vocalista da Rios Voadores, também presença confirmada na esbórnia rocker), além de todos os detalhes sobre o evento e ainda… uma musa indie muito especial, que está trabalhando na produção do Goiânia Noise, uhú! Tudo isso no próximo post, que deve entrar aqui até a próxima quinta-feira, okays?

 

 

* Enquanto esse postão especial não chega, você já pode conferir aí embaixo a programação completa do Goiânia Noise deste ano, dia a dia:

 

 

SEXTA-FEIRA, 6/12

01:00 – The Exploited (UK)

00:30 – Zefirina Bomba (PB)

00:00 – The Galo Power (GO)

23:30 – Soothing (GO)

23:00 – Diablo Motor (PE)

22:30 – The Baggios (SE)

22:00 – Delinquentes (PA)

21:30 – As Radioativas (SP)

21:00 – Evening (GO)

20:30 – Calango Nego (GO)

20:00 – Ressonância Mórfica (GO)

19:30 – Shotgun Wives (GO)

19:00 – Mad Matters (GO)

18:30 – Sangue Seco (GO)

18:00 – Expressão Urbana (GO)

 O trio grunge mineiro Mad Sneaks (acima) e o cantor e guitarrista brasiliense Alf (abaixo): duas das atrações bacanudas da edição 2013 do sensacional Goiânia Noise Festival, que vai ter um total de quarenta e cinco shows, wow!

 

SÁBADO, 7/12

01:00 – Mixhell (SP)

00:30 – Marcelo Gross (RS)

00:00 – Kamura (GO)

23:30 – Darshan (DF)

23:00 – Mechanics (GO)

22:30 – Walverdes (RS)

22:00 – Zander (RJ)

21:30 – Ação Direta (SP)

21:00 – Mad Sneaks (MG)

20:30 – 2Dub (DF)

20:00 – Coletivo Suigeneris (GO)

19:30 – Lust for Sexxx (GO)

19:00 – Fuzzly (MT)

18:30 – Tarso Miller and the Wild Comets (MG)

18:00 – Indústria Orgânica (GO)

17:30 – Damn Stoned Birds (GO)

17:00 – Gomorrah in Blood (GO)

16:30 – Mad Grinder (RN)

16:00 – Pressuposto (GO)

 

DOMINGO, 8/12

23:00 – Krisiun (RS)

22:30 – Alf (DF)

22:00 – Girlie Hell (GO)

21:30 – Besouro do Rabo Branco (DF)

21:00 – Galinha Preta (DF)

20:30 – Space Truck (GO)

20:00 – Johnny Suxxx and the Fucking Boys (GO)

19:30 – Versário (GO)

19:00 – Overfuzz (GO)

18:30 – projeto Mazombo (GO)

18:00 – Rios Voadores (DF)

17:30 – Baba de Sheeva (GO)

17:00 – Grieve (GO)

16:30 – Entre os Dentres (GO)

16:00 – West Bullets (GO)

 

 

* Ah sim, o blog foi convidado e aceitou: vai ter super dj set zapper no festival, provavelmente no sábado, após o final da maratona de shows.

 

 

* Mas antes disso, se você não quiser perder, também rola discotecagem do blog aqui mesmo em Sampa (e vai ser a última do ano!), neste domingo, na sempre bombada noite Grind, comandada pelo super dj André Pomba no inferninho GLS mais lecal do Brasil, A Loca. O blogger jornalista e dublê de dj assume as pick-up’s a partir da uma e meia da manhã e como sempre, vai tocar fogo no puteiro. Quer ir lá na FAIXA? Então CORRE no hfinatti@gmail.com que lá tem DOIS PARES de entradas VIPS pra este domingo na Loca (que fica na rua Frei Caneca, 916, metrô Consolação, centro de Sampa). Quem ganhar será informado por e-mail ou telefone (não deixe de por algum número de contato na mensagem) até o final da tarde deste domingo, certo?

* E pra quem vai ficar em Sampalândia no próximo finde, fikadika desde já: no sabadão, 7 de dezembro, vai rolar a primeira edição do evento S.Ex=Sub Expressions. Produzido pelo agitador cultural Tiago Bolzan e pela equipe da Provis Propaganda Visual a festa pretende ser um mix de atividades culturais e performáticas intensas com shows ao vivo, encenações teatrais, exposições visuais e corporais e muito mais. Vai haver gigs bacanudas dos grupos Moxine, Comma e Punkake, vai ter a primeira mostra individual da grafiteira Magrela, vai ter performance ultra erótica da nossa deusa e musa indie oficial Julieta DeLarge (uhú) e os caralho, sendo que todas as infos sobre a S.Ex estão aqui: https://www.facebook.com/events/190561451132793/?source=1. E o melhor da parada: começa cedo (cinco da tarde) e é de GRAÇA. Programa melhor pro sábado que vem, impossível!

 O trio indie rock revelação de Sampa, Moxine (acima) e a deusa rocker da luxúria e da putaria com classe artística mega, July Large (abaixo), nossa sempre musa indie oficial: duas das atrações da primeira edição do evento S.Ex.=Sub Expressions, que rola semana que vem em São Paulo

 

* É isso? É isso. Engordada bacanuda no postão já mega bombado. Agora o zapper vai curtir o seu finde mas promete novo postão até a próxima quinta-feira. Vamo-nos entonces, deixando todos os beijos do mundo na querida Mônica Carvalho, a incrível assessora de imprensa do Goiânia Noise 2013. É isso aê: até logo menos, pessoal!

 

**********

 

Nós temos que ser heróis.

Nem que seja por um único dia de nossas vidas. Esse preceito básico e clássico, imortalizado na canção “Heroes”, gravada em 1977 no álbum homônimo lançado pelo gênio e lenda suprema David Bowie, ecoa na cabeça de Zap’n’roll enquanto ele avança na madrugada (quente) de quinta pra sexta-feira, ouvindo a trilha sonora do filme “Christiane F.” e produzindo este texto, que vai se transformar no postão desta semana do blog. Faz todo o sentido do mundo para o sujeito aqui, a essa altura de sua existência, ter que ser um HERÓI em quase todos os dias de sua existência. Às vésperas de ficar um ano mais velho (na próxima terça-feira, 26 de novembro), enfrentando com bravura (e sem falsa modéstia aqui) um problema seríssimo de saúde (que se não for tratado pode lhe custar a abreviação de sua passagem pelo mundo dos vivos) e meditando sobre isso, sobre a finitude da vida, sobre os encontros e desencontros que permeiam inexoravelmente as relações humanas, o já velho jornalista se sente por vezes cansado de quase tudo. Mas também se sente satisfeito por saber que está mais calmo, maduro, paciente e sapiente para observar o que se passa ao seu redor e lidar com questões com as quais até bem pouco tempo atrás ele não saberia resolver ou não teria paciência para resolver. Assim, se o caminho para se tornar mais sábio, sapiente, paciente e amoroso é o envelhecimento inefável ou o se defrontar de fato com a possibilidade da morte, que se enfrente ambos com heroísmo diário. O mesmo heroísmo e determinação que levou um jovem músico brasileiro a deixar o país, ir morar em Londres e lá correr atrás de seu sonho, que era gravar um disco com a sonoridade que ele ama (rock’n’roll classudo sessentista, com eflúvios de folkismo, de Bob Dylan, de Neil Young, Stones, Ten Years After e outros nomes do mesmo calibre), e que fosse produzido por uma verdadeira lenda do rock. Tudo isso ele conseguiu, e o resultado dessa história toda (incluso aí um discão que está para chegar às lojas) você vai ler aqui, com EXCLUSIVIDADE na web brazuca de cultura pop. Trata-se, enfim, do mesmo heroísmo que move uma Julieta DeLarge a querer se libertar das amarras morais hipócritas e opressoras que infelizmente dominam ainda a sociedade como um todo; o mesmo heroísmo que faz com que jovens, bonitas, inteligentes e decididas garotas comecem a procurar o blog pra expor (ainda que num primeiro momento, de forma anônima) sua intimidade libertadora. E por fim, o mesmo heroísmo que nos empurra ao encontro dos leitores há mais de uma década já, mesmo que estejamos em pleno tratamento de saúde. É isso. O autor deste blog sempre detestou COVARDES – daí sua birra para com quem envia mensagens com assinatura fake para o nosso painel do leitor. Pois sabemos que no mundo algo cruel, egoísta, insensível e muito insano em que todos nós vivemos (onde se mata por nada em uma metrópole selvagem como São Paulo), sempre teremos que ser heróis em algum momento de nossas trajetórias, para conseguir sobreviver. Nem que seja por um único dia de nossas vidas.

 

 

* E a sextona zapper vai ser terrível em termos de correria pra tudo quanto é lado, rsrs. Radio therapy no Icesp, gravar cds pra discotecar à noite no sempre bombator Outs/SP (é lá que o blog vai comemorar seu niver) etc, etc, etc. Entonces o postão vai entrando aos poucos no ar, okays? Um pouco hoje, outro tanto até o final da tarde de sábado e por aí. Sejam pacientes, queridos leitores!

 

 

*E faça chuva ou não, tem dj set FODAÇA e BOMBATORE hoje à noite no mais que bombado Clube Outs/SP. O motivo, óbvio, é comemorar mais um ano na vida sempre tumultuada do sujeito que escreve estas linhas bloggers lokers, uia. De modos que o zapper dublê de dj assume as pick-up’s do bar do baixo Augusta a partir das duas da matina, já na madrugada do sabadón em si. E a festa, você sabe, é OPEN BAR: as garotas pagam míseros dez mangos na entrada (os marmanjos, cinquenta, hehe) e todos “bebe” até cair, uhú! O Outs, você também já sabe, fica no 486 da Augusta. Portanto, cola lá que a festa vai ser fodástica, o blogão garante.

 

 

* E em dezembro tem mais dj set zapper, mas fora de Sampalândia: o blog foi convidado e aceitou (claaaaaro!) discotecar numa das noites do incrível Goiânia Noise edição 2013, um dos maiores festivais indies do Brasil, e que rola na capital de Goiás nos próximos dias 6, 7 e 8 de dezembro. A dj set destas linhas online irá começar após o final da maratona de shows. Entonces, quem estiver por lá já está avisado.

 

 

* E a semana foi de festa pra loja e selo indie paulistano Baratos Afins, que comemorou com uma série de shows bacaníssimos numa das unidades do Sesc os seus trinta e cinco anos de existência. O blog esteve numa dessas noites (na última quarta-feira), quando subiram ao palco os grupos As radioativas, Mercenárias e Smack. Foi uma noite sensacional, dedicada ao punk e ao pós-punk que rolou em Sampa nos early anos 80’. E um mergulho PROFUNDO nos anos 80’, na cena under paulistana daquela época. O tempo não passou pras Mercenárias e seu rock de contornos punk e pós-punk (mais pós-punk hoje em dia, como o Cure soava nos seus primeiros discos) continua mais atual e abrasivo do que nunca. O teatro lotou de gente nova e da velha guarda e que cantou junto clássicos como “Pânico”, “Polícia” (“A polícia vai/A polícia vem/A polícia vai/A polícia vem…”), “Me perco nesse tempo” e “Santa Igrja” (uma música composta há 30 anos e que continua atualíssima em seu DESMONTE SEM DÓ das instituições religiosas). Smack? Porra, o blog nunca tinha visto show deles. E se sentiu como se estivesse em algum teatro em Londres, em 1983, com aquelas canções ultra sombrias e de guitarras de notas econômicas e ásperas ao mesmo tempo. Aliás no show do Smack estavam no palco APENAS dois dos melhores guitarristas do Brasil: Pamps e o MONSTRO Edgard Scandurra (velho amigo pessoal zapper), um sujeito que é canhoto (e toca por dez destros) e que é um dos 3 MELHORES GUITARRISTAS deste país (os outros dois seriam quem? Sérgio Dias, claro, e Pepeu Gomes, talvez). Chimbinha, do Calypso? O outro que vai sair do tal Chiclete com Banana? Esqueçam, por favor. Enfim, noite fodíssima e que rendeu essa imagen aí embaixo:

 Quarteto PESO PESADO da indie scene rocker nacional se confraterniza na última quarta-feira, no teatro Sesc Anchieta na capital paulista: a lenda CSerguei, Zap’n’roll, o guitarrista gênio Edgard Scandurra (ex-Ira!) e o venerável produtor Luiz Calanca (foto: Mizael Camporese)

 

 

* Agora, piada MESMO é isso aqui: matéria publicada na Folha online desta semana dá conta de que o podrão e velhão grupo de metal extremo paulistano Korzus vai fazer show neste sábado (amanhã), tocando na ÍNTEGRA o seu “clássico” (na definição da matéria da Folha) álbum “Mass Illusion”, lançado pela banda em 1991. Juuuuura que uma PORQUEIRA dessas acha que tem um ÁLBUM CLÁSSICO pra fazer show ao vivo tocando o dito cujo na ÍNTEGRA??? E alguém vai PAGAR pra ver e ouvir essa porra? Jezuiz… o blog assumidamente DETESTA metal (ainda mais os from hell como o do Korzus, que nem o guitarrista fundador, Silvio Golfetti, tem mais em sua formação), mas sabe reconhecer e respeitar um CLÁSSICO, mesmo que seja do gênero. Então se essa porra aí é um, hã, “clássico”, o que dizer de um “Paranoid”, do Black Sabbath? Que é o melhor disco do rock desde o Big Bang? Rsrs. Fala sério. E a Ilustrada da FolhaSP online dando espaço pra uma imbecilidade dessas. Também com Thalão de Meneses e Rodrigo Levino ali, só pode dar nisso mesmo: descendo a a ladeira do jornalismo musical, SEM DÓ!

” O velhusco metal from hell e bregão do podrão Korzus: na opinião da FolhaSP, a banda já tem um disco “clássico” em sua trajetória; jezuiz… rsrs

 

 

 

* Lady Gaga, Lady Gaga… querendo tumultuar novamente o mondo pop com o seu novo clip, “Artpop” (aí embaixo). É bacana, bem produzido, bem dirigido, ela canta bem, é estilosa, altamente COMÍVEL mas… música fraquinha, fraquinha, néan?

 

 

* Os velhos indies Pixies na capa da NME desta semana. A banda estará no Lollapalooza BR 2014 e bla bla blá. Okays. Mas na boa? Pixies sem Kim Deal não rola. Mesma coisa o New Order sem Peter Hook. Pra quem então (como estas linhas online) que já viu as duas bandas ao vivo no auge de ambas, nem pensar em rever os shows no Lolla.

 

 

* Ela tem apenas dezessete anos de idade. É de família sem problemas financeiros. E do nada resolve se tornar… PUTA. Yep, esse é o resumo básico do enredo de “Jovem e Bela”, que entrou em cartaz hoje nos cinemas paulistanos, após cumprir algumas sessões em pré-estréia. É francês (eles costumam fazer bem essas paradas), tem um bocetão fazendo o papel da prosti em questão (a atriz Marine Vacth) e o blog ainda não assistiu, mas pretende fazê-lo o mais breve possível. Porém, já fikadika pro nosso dileto e fiel leitorado.

 Cena do filme francês “Jovem e bela”: ela tem apenas dezessete anos; e resolve se tornar uma linda e disputada… puta, oras

 

 

* E agora que já constituiu advogado e vai enfrentar também com todas as armas essa guerra judicial que se prenuncia para muito breve, já podemos falar ainda (mas não com muitos detalhes) sobre isso aqui: Zap’n’roll está sendo acionado JUDICIALMENTE por aquele “célebre” jovem músico paulistano (guitarrista e vocalista), que ficou indignadíssimo com a resenha (demolidora, é vero) que foi publicada aqui de sua estréia em disco. O moçoilo pede indenização por danos morais, sendo que o valor é bem salgado, hehe. Muito bem: se o trabalho de um jornalista de respeito e que é mega conhecido é medido por isso, pelo fato de ele continuar incomodando os outros com suas opiniões, então sentimos orgulho do nosso trabalho. E também sentimos orgulho de pertencer a esse grupo de jornalistas de cultura pop mega conhecidos e que incomodam. Faz sempre uma baita diferença incomodar, certo? Enfim, assim que possível daremos mais detalhes aqui sobre o assunto.

 

* E bora saber quem é o provável novo gênio do rock planetário, um brasileiro chamado Eron Falbo, acredite!

 

ABRAM ALAS PARA ERON FALBO, BRASILEIRO E PROVÁVEL NOVO GÊNIO DO ROCK’N’ROLL PLANETÁRIO

Dias atrás, já alta madrugada, sobe uma janelinha do chat (o) do Facebook fináttico. Chamando do outro lado estava o best friend e venerável jornalista gaúcho (radicado em Brasília) Cristiano Bastos, que escreve para a edição brasileira da revista Rolling Stone (entre outras) e, eventualmente, abraça uns trampos como assessor de imprensa. “Finas! Você precisa OUVIR o disco do Eron Falbo e falar algo dele na Zap!”, escreveu Cris.

 

Hã? Quem? Eron Falbo. Yep, assim como você estas linhas bloggers rockers nunca tinham ouvido falar do sujeito. E por insistência do chapa Cris e também pela curiosidade jornalística e musical que sempre move os bons jornalistas, lá fomos nós saber do que e de quem se tratava. Eron nasceu em Brasília e tem vinte e oito anos de idade. Interessado em literatura, poesia e música desde sempre, decidiu que queria ser músico e partiu atrás da realização do seu sonho. Foi morar em Londres, viajou pelos Estados Unidos, aprendeu a tocar violão e a cantar e atualmente mora em Budapeste. E é de lá que ele prepara, enfim, o lançamento de seu álbum de estréia, “73”, que deve chegar até meados de dezembro às lojas no formato físico do cd (via Pisces Records), mas que já pode ser ouvido na web na página do cantor e compositor, e que pode ser acessada em http://eronfalbo.com/pt.

 

A trajetória de Eron chega a ser algo emocionante em alguns instantes. Apaixonado pelo rock clássico e classudo dos sixties, por eflúvios de folkismo à Bob Dylan, por blues e ainda pela poesia e/ou eletricidade épica de nomes como Simon & Garfunkel, Ten Years After e Leonard Cohen, o garoto enfiou na cabeça que queria ter sua estréia musical produzida por ninguém menos do que o célebre Bob Johnston, o homem que “apenas” produziu o mega clássico “Highway 61 Revisited”, de Bob Dylan, além de assinar a produção de dezenas de discos essenciais da história do rock’n’roll. Mas havia um problema para se conseguir esse intento: com mais de oitenta anos de idade (e não setenta, como informa o press release do disco), Johnston já estava literalmente aposentado. Foi preciso que Eron tentasse, durante um ano, convencer a velha lenda das produções clássicas do rock a embarcar novamente em uma aventura pelos estúdios – e ainda por cima, produzindo um desconhecido músico vindo do… Brasil.

 

Quando finalmente Bob cedeu todos partiram para Nashiville (a capital americana do country rock), e num estúdio da cidade foi gestado o álbum “73”, que agora Eron Falbo põe finalmente à disposição de quem queira ouvir e avaliar. Pelo menos do próprio Bob Johnston ele já ganhou elogios: “ele vai ser um artista muito bem-sucedido”, diz o sábio produtor. “Eu acho que vai ser glorioso”, completa.

 

Com tamanho cacife e aval desse naipe, é claro que o blog zapper tinha que ir atrás do sujeito para saber mais sobre essa incrível história. Disco ouvido (muito bom, diga-se), partimos para uma entrevista com Eron, que aconteceu semana passada via bate-papo do Facebook. Ele falou de Budapeste, onde mora atualmente. E os principais trechos da entrevista você lê aí embaixo.

 O jovem cantor e compositor brasiliense Eron Falbo, meditando sobre os rumos da música num sofá do lendário estúdio que pertence aos célebres The Kinks, em Londres

 

 

Zap’n’roll – O blog mesmo não conhecia seu trabalho, chegando até ele através da divulgação de sua assessoria. Então seria interessante você contar sua trajetória pros leitores: onde nasceu, quando começou a se envolver com música e rock, até chegar a sua vida atual em Londres e Budapeste, e ao lançamento do álbum “73”. Faça um resumo pra nós.

 

Eron Falbo – Eu nasci em Brasilia, frequentei o colégio Americano local e por isso sempre falei inglês e tive algum relacionamento com os EUA. Já era fã de muita musica gringa antes mesmo de descobrir que existia música brasileira, que foi um erro de adolescência. Com 16 anos eu resolvi que queria ser cantor. Não sabia cantar mas já tinha uma voz bem grave e as pessoas comentavam. Já que já era poeta há alguns anos comecei a compor umas músicas mas percebi que precisava de mais experiência musical. Daí formei umas bandas cover, várias. Eventualmente agreguei experiência o suficiente e fui para os EUA, onde compus as músicas de ’73’, enquanto viajava de carro e de trem pelo país. De lá fui para Londres. Comecei a procurar um produtor pois nunca havia gravado em estúdio e precisava de um guia. Eu comecei a procura por cima, pelo melhor, pois era bem cara-de-pau. Eu conheci Bob Johnston, ele me aceitou e nós gravamos o ’73’.

 

Zap – como foi que vocês se conheceram? Afinal, ele foi um produtor lendário que, entre outros clássicos da era de ouro do rock’n’roll, produziu o fenomenal “Highway 61 Revisited”, um dos melhores discos de toda a carreira de Bob Dylan.

 

Eron – Eu procurei ele durante quase um ano. Enquanto eu procurava me deparei com vários outros produtores, mas nenhum tinha o currículo de Bob e por isso me sentia um tanto insatisfeito e desmotivado com os outros. Eu achava que Bob ia entender o que eu tava tentando fazer. Eu achei o contato do filho dele e dei uma ligada, do nada. Ele não atendia, mas eu continuei tentando. Um dia de inverno em Londres ele me liga perguntando “Quem é que me ligou 300 vezes na última semana”. Daí eu me apresentei e ele foi cordial, disse que eu parecia educado. Ele me deu o telefone do pai dele e eu liguei. Passamos meses conversando por telefone até ele ouvir as minhas músicas. Ele quis saber tudo de mim antes de cogitar a possibilidade de trabalhar comigo. Ele teve problemas com gravadoras e odeia a comercialização, por isso ele quis saber quem eu era de verdade, se tinha o que precisava por trás da música, não queria saber de dinheiro.

 

Zap – Fale como foi o seu primeiro encontro com ele e o que ele achou do material que você mostrou a ele. E depois nos conte como foram as sessões de gravação do disco, onde elas aconteceram etc.

 

Eron – Ele primeiro só leu minhas letras e disse que estava intrigado para ouvir a música. Eu toquei pelo telefone no violão e gaita, mas resolvemos que era melhor eu ir conhecê-lo ao vivo. Eu fui pro Texas onde ele mora. Eu toquei minhas músicas pra ele, ele disse que o Bob Dylan e Paul Simon chegavam pra ele com no máximo três músicas, e eu já cheguei com cinco, o que ele achou digno. Ele disse que isso era um bom sinal. As sessões de gravação foram em Nashville, no Dark Horse Recordings, uma especie de rancho isolado para gravações de música country de altíssima qualidade. Eu morei no estúdio enquanto gravava. Ele chamou os maiores caras de Nashville. Todo mundo queria fazer descontos fantásticos pro Bob, o que fez tudo mais barato nas gravações. Ele colocou todo mundo numa sala, tocou minha demos (voz, violão e gaita) e começamos a fazer jam sessions. Não houve mais que um take por faixa, houve remendos aqui e alí mas take mesmo só um, foi como magia negra ou sei lá.

 

Zap – Wow, essa história está ficando very interessant, hehe. Pela audição do disco percebe-se claramente que você gosta de rock clássico, dos anos 60′ e 70′. É isso mesmo? Você não curte ou ouve bandas mais contemporâneas? E se não, por que essa preferência pela fase clássica do rock, em um mundo dominado por Lady Gagas e afins? Como e quando você foi se interessar por esse tipo de rock?

 

Eron – Eu curto Lady Gaga. A ideia é que existe algo além da música pop. Nos anos 60 e 70 os músicos eram como cavalheiros templários em busca de um santo graal. A música era só a linguagem usada. Depois as gravadoras dominaram tudo e inventaram um monte de rotulos, camisetas, xícaras, etc. Como eu uso a música como matematica da alma e a poesia como língua do inconsciente, o cenário atual não me interessa. Não é que não existem bravos guerreiros hoje em dia. É que hoje são todos Ronin e os anos 60 e 70 eram o Shogunato. Tem muita banda boa hoje, de repente mais do que das antigas, porém, elas não caminham juntas, não levantam bandeiras e tentam questionar o próprio questionamento. Eu descobri os Beatles através do Oasis, em meados dos anos 90. Percebi que muito do Brit Pop era como tributo às bandas Mod, tipo Small Faces, Who, Spencer Davis Group etc. Comecei a pesquisar mais e ví que as bandas Mod eram como tributo às bandas Motown e Stax. E assim por diante, Napoleão era como tributo a Alexandre o Grande, etc. Mas o interessante foi, por que os Mods viraram Flower Power? Daí que eu descobri o psicodélico, a música de consciência e de inconsciência. Eu descobri que os Beatles descobriram Bob Dylan e isso os mudou. Daí ví que era mais poderoso voz, violão e cara-de-pau do que qualquer grande movimento.

 

Zap – Muito bom, hehe. Qual a sua idade e desde quando você está em Londres? E além da música em si você trabalha com alguma outra atividade aí ou possui uma situação financeira confortável e que lhe permite focar sua atenção apenas na sua carreira musical?

 

Eron – Neste exato momento eu tenho 28 anos. Na real estou em Budapeste, a gente fala Londres na assessoria para não ter que explicar por que Budapeste. Até por que ninguem sabe bem. Eu morei em Londres durante quatro anos, depois vim pra cá. Eu trabalho com um monte de coisas, já fiz assessoria para outros artistas, produção, já fui até jornalista e continuo escrevendo para algumas revistas. Agora estamos com uma produtora, a Plectro Productions e estamos ajudando alguns artistas a encontrarem seus caminhos. Finanças nunca são confortáveis com ganância, então depende se estou de bom humor ou não. No momento eu estou muito bem, obrigado.

 

Zap – Com o disco lançado você pretende fazer como para divulgá-lo, além de distribui-lo para a mídia em geral? Pretende fazer shows aí ou aqui mesmo no Brasil? Já saíu alguma matéria a respeito do lançamento aí ou aqui, mesmo que apenas na web?

 

Eron – Então, estamos preparando uma campanha de crowd-funding para ver se arrecadamos fundos para promover o disco direito. Vivemos em tempos onde os indivíduos precisam se responsabilizar pela arte que apreciam, isto é, não temos tudo mais de bandeja por anfitriões paternalistas. Os egípcios antigos chamam isso de ‘a era de Horus’. A era das gravadoras era a de Osiris. Eu farei shows se tiver como. Não acredito no modelo pagar-para-tocar. Claro que me divirto tocando, mas pelo bem da arte a gente tem que se segurar, esperar o público querer. Eu to parado há um bom tempo, e não gosto de me expor muito, aparecer. Por isso eu pretendo fazer poucos shows, e vamos esperar a resposta do disco. Se o pessoal gostar, nós fazemos shows pelo Brasil. Aqui na Europa estamos sem assessoria, mas já saiu na radio BBC um especial com o Dermot O’Leary. Saiu em vários blogs e radios independentes dos EUA. No Brasil tem muito mais acesso, os jornais estão entrando em contato. O mais importante para nós é divulgar o disco, pois trabalhamos duro nele, muita gente nunca foi paga e fez de coração o trabalho. Se fazer shows vai divulgar o disco, eu faço por isso.

 

Zap – Ótima entrevista, de verdade (que estamos fazendo ao som de… Bob Dylan, hehe. Depois vamos re-ouvir o seu disco, que também gostei muito)! Então, para encerrar: além de cantar, você tocou o que nas gravações? E quem mais tocou com você nelas? Qual a previsão de lançamento do disco físico por aqui, via Pisces Records?

 

Eron – As gravações do Bob Johnston normalmente são um oceano de instrumentos peculiares, tem muita coisa aparecendo aí do nada. Eu toquei violão e gaita nas gravações. Acredito que os violões não ficaram na gravação final pois haviam guitarristas muito melhores que eu presentes. Acho que ficou só a gaita mesmo, evidenciada no “Any Fool a Man” e “What I Could’ve Been”. Acreditamos que em Dezembro os discos estão nas bancas. Bancas vendem discos?

 

Zap – Ahahahahahahaha, aqui vendem sim. Mas saindo pela Pisces, que é um selo pequeno e com distribuição restrita, acho que ele será mesmo vendido em lojas de discos e cds normais.

 

 

“73” – O DISCO/CRÍTICA

 

Gravado em Nashiville e produzido por Bob Johnston, com músicos experientes da cena folk e blues americana. E com músicas compostas por um jovem amante do rock clássico sessentista, com ótima inflexão de barítono. Nem tinha como dar errado.

 

O disco de Eron Falbo exala anos 60’ por todas as suas faixas. Remete o ouvinte a Bob Dylan (óbvio) em “Any Fool A Man”, exibe um piano precioso na algo gospel “Baby Step Of Faith” (que abre o disco), mostra eflúvios country rock em “Sacagawea’s Son”, e ainda despeja momentos preciosos no ouvinte, combinando psicodelia e blues rock em faixas como “Only Me Too” ou “I Found Out”. Tudo gravado com classe e maestria, tudo com ótimas interpretações de Eron, que canta num inglês impecável e sem sotaque.

 

Difícil imaginar que algum músico brasileiro consiga fazer algo semelhante por aqui mesmo. Para comprovar basta ouvir o álbum na web. E torcer para que a Pisces Recorda lance logo sua versão em cd por aqui.

 

 

MAIS UMA LEITORA SECRETA SE DESNUDA PARA O BLOG, E SE TORNA NOSSA MUSA INDIE DA SEMANA

Yeeeeesssss! O blogão está se tornando BOMBATOR perante seu leitorado FEMININO espalhado pelo Brasil, uia! E agora várias dessas leitoras, desinibas como só elas sabem ser, querem mostrar seus dotes “cadeludos” nestas linhas online, hihihi.

 

Foi o que rolou mais uma vez na semana passada. Por indicação de uma amiga zapper, ELA entrou em contato com o blog, via Facebook. “Eu li a Zap e achei o máximo”, disse ela por mensagem. “É total a minha cara pois sou meio devassa mesmo e tenho fetiche e tara por me mostrar, além de ter tara por lances de sado-masoquismo. Posso enviar algumas fotos pra você publicar?”.

 

Wow, claro que podia. E ela mandou, sob a condição apenas de se manter no anonimato. Mas permitiu que o sempre putão blogão zapper dê algumas infos sobre ela: a garota tem vinte aninhos, e é do Sul do Brasil. E além de muito inteligente também é rocker, claro, com um ecletismo que permite que ela curta desde heavy metal a David Bowie, Bob Dylan e The Smiths. Melhor impossível!

 

Então, aí embaixo, duas imagens lindonas em P&B da nossa musa indie “secreta” desta semana. Vejam e deleitem-se, marmanjos punheteiros, hehehe.

 Um rabaço OUSADO e GIGANTE, para deixar os machos loucos e receber rola grossa por trás (acima); e tetas delícia total (abaixo) com piercing mega safado nos bicos e aquelas “bolinhas” (ou pintinhas) nas auréolas, típicas da fêmea que já deu muito o peito pra mamar (e não exatamente para bebês, hihihi): é a nossa musa indie “secreta” desta semana, uhú!

 

 

**********

O BLOGÃO ZAPPER INDICA

* Disco: “73”, do cantor e compositor brasileiro (radicado em Budapeste) Eron Falbo. Ele pode ser ouvido na íntegra no website do músico e deve chegar às lojas em cd até dezembro, via Pisces Records.

 

* Filme: “Jovem e Bela” começa a fazer barulho no cinema e já entrou em cartaz inclusive aqui. Nas notas iniciais o blog já explicou bem do que se trata. Aí embaixo, você assiste ao trailer oficial do longa:

 

 

* Baladas: a semana que começu ontem (com o postão sendo finalizado na madrugada de terça-feira) promete esquentar e muito e iremos atualizando as baladas por aqui até o finde dela, okays? Mas já vai se preparando: nesta quinta-feira, 28, tem o último show do ano do sempre grande Vanguart em Sampa, lá no Bourboon Street (em Moema, zona sul paulistana), com ingressos mezzo caros (setenta pilas) mas vale a pena porque o show dos meninos está mesmo incrível. E no domingão, no já clássico projeto Grind, na Loca (sob o comando do sempre querido super dj André Pomba), rola a ÚLTIMA dj set fináttica do ano em Sampa (depois, só no primeiro finde de dezembro mas laaaaá no Goiânia Noise Festival, na capital de Goiás). A Loca, você sabe, fica na rua Frei Caneca, 916, Consolação, centrão rocker de Sampa. E aê, vai perder?

 

 

LIVROS E VINIS SAINDO!!!

Tentou a sorte? Boa, chegou a hora de saber quem faturou o quê do blogão. Não tentou? Sorry, agora é tarde, hihihi. Então vamos lá:

 

* Ariadne Marques “Ramone”, de Rio Claro/SP: fisgou a biografia do inesquecível Joey Ramone, lançada aqui pela editora gaúcha Dublinense;

 

* E Daniel Silva, de São Leopoldo/RS: vai receber uma sacola com os vinis lindões do Mad Sneaks e do Rock Rocket, ambos oferta do semlo M4M.

 

 

E É ISSO!

Terça-feira, três e meia da matina, post finalmente concluído. 26 de novembro de 2013, mais um ano na vida de um sujeito que sempre detestou comemorar aniversários. E hoje comemoramos mais um. Com saudades de mama Janet (que se foi há quase uma década), da irmã Jaque (que mora na Espanha), lutando contra um monstrinho e quase se apaixonando por uma garota que mora muito longe de Sampa, mas que é uma garota realmente incrível. Se fica o desejo de algo nessa data é que venham mais alguns anos ainda, que o monstrinho seja exterminado, que saia em março o livro zapper e que ele mesmo, o eterno blogger loker gonzo do jornalismo cultural brazuca ainda desfrute alguns anos na tranquilidade e no sossego máster do paraíso terrestre que fica em São Thomé Das Letras, no interior Mineiro. É isso, gatas e guys, o blog se vai deixando beijos doces nas queridas Bruna Moreira, Flavinha Palochi, Milena Stone e Letícia Eduarda, todas lindas, rockers, bacaníssimas e que moram no coração zapper. Na sexta-feira estamos por aqui novamente. Até lá!

 

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 30/11/2013, às 18:00hs.)

O bacana novo disco solo do Graham Coxon, e que ninguém comentou na blogosfera rock brazuca. O mimimi invejoso de sempre no painel do leitor zapper. Tickets FREE pras gigs do Radio Dept. em Sampa e Rio. O dia em que o zapper deu um “cano” no grande Tom Zé (adivinhem o motivo, hihi). Os 14 anos do projeto Grind. E o pobre Brasil vê a corrupção sem fim e a sacanagem política foder o país… (plus: o novo discão dos Dandy Warhols) (ampliado, atualizado e finalizado em 23/6/2012)

Graham Coxon (acima), guitarrista do grande e já lendário Blur (abaixo): enquanto um dos ícones do britpop não decide o que fazer do seu futuro, o músico das seis cordas vai lançando discos solos bacaninhas

 

Mimimi daqui, corrupção e sacanagem dali.
Tem sido uma semana, hã, estranha. Sentimentos de inadequação existencial e melancolia voltaram a flertar com a alma (ela existe, afinal?) de Zap’n’roll. Além disso o zapper que sempre foi muito politizado e interessado nas questões políticas e sociais que são caras ao país, foi ficando cada vez mais estarrecido ao acompanhar o noticiário nos jornais, na internet e na tv, sobre o lodaçal de corrupção e sacanagem política em que o país está cada vez mais mergulhado. Yep pode parecer estranho falar sobre isso aqui, em um blog eminentemente voltado à cobertura e a análise da cultura pop brazuca e planetária, e à cena rock alternativa daqui e da gringa. Mas é que o panorama está ficando tão absurdamente degradado na esfera política (e qualquer um minimamente informado e que acompanha jornais e telejornais, já percebeu isso), que não dá pra escapar de comentar o tema aqui. Enquanto isso e por outro lado, enquanto o blog continua batendo recordes de acesso, audiência, comentários dos leitores (cinqüenta e dois no último post) e recomendações em redes sociais (setenta, também no último post), a eterna e incansável e sacal turma do “mimimi” insiste em torrar o saco no painel do leitor, com suas mensagens fakes, covardonas, insultuosas, agressivas, ressentidas, invejosas e por vezes até hilárias (de tão ridículas que chegam a ser). É muito óbvio que o autor deste espaço online tira essa turma de babacas de letra e até se diverte com eles, pois sabe que isso só aumenta a audiência do blogão zapper. A questão que nos intriga é: será que esse pessoal por acaso se preocupa com tudo o que está acontecendo no país em que eles vivem? Ou são um bando de idiotas, gente à toa na vida, despolitizados, tigres ignorantes e imbecis que não estão aí com nada, e contanto que tenham seu salário no final do mês foda-se o país, sua política e sua sociedade? Pra esse bando de desocupados, talvez sua única diversão seja mesmo gritar por futebol e encher o saco no painel dos leitores zappers. Uma existência triste e medíocre a desse povo, no final das contas. Enquanto isso o país pega fogo. E justamente por estar pegando fogo é que estas linhas virtuais se preocupam muito mais com isso do que com otários relinchando semanalmente, no espaço reservado ao nosso sempre dileto e amado leitorado. Então bora pra mais um postão, que vai falar do nosso horror político atual, das desventuras do blogger loker (relembrando o dia em que ele deu um “cano” no gênio Tom Zé), do lecal disco solo lançado por um certo Graham Coxon (e que ninguém comentou por aqui, na blogosfera brazuca de cultura pop que importa). e mais algumas paradas aê.

 

* Começando as notinhas semanais com a “imagem política da semana”. Uma imagem absurda, torpe, calhorda e que demonstra que a política, no Brasil, assumiu na cara larga seu vale-tudo e a disputa por poder a qualquer preço, custe o que custar. Zap’n’roll sempre foi simpatizante (não militante, isso jamais) do PT, desde que o partido foi fundado. Mas de anos pra cá está cada vez mais decepcionado e desencantado com os rumos que o partido tomou. A gota d’água foi o Sr. Lula correr para os braços do eterno ladrão Paulo Maluf, em busca de apoio do partido malufista à candidatura de Fernando Haddad à prefeitura de Sampa, nas eleições deste ano. Luíza Erundina, a até então vice na chapa petista, não engoliu e dignamente caiu fora da campanha. E a foto de Lula apertando a mão de Maluf (urgh!) correu o país. É essa aí embaixo.

 A imagem que não quer calar e que ninguém imaginaria que um dia seria registrada: Lula de mãos dadas com Maluf. É o fim das ideologias no país onde a política assumiu o vale-tudo, a corrupção e a busca pelo poder custe o que custar

 

* Com isso, o blog desiste de vez do PT. E começa a pensar em quem vai votar para prefeito de São Paulo este ano – Serra, nem fodendo também!

 

* Como se não bastasse essa desonra e vergonha petista, a Assembléia Legislativa do pequenino Estado do Amapá foi parar nos noticiários das grandes redes nacionais de tv. O motivo, bidú, é a autêntica quadrilha que se instalou por lá. Yeah, os deputados de lá tiraram a máscara e assumiram sua porção bandida, praticando zilhões de patifarias e delinqüências variadas – com gente que trabalha lá ganhando mais de quarenta mil reais por mês. A sangria nos cofres públicos amapaenses, praticada pelos próprios deputados do Estado, se tornou tão escandalosa que motivou uma investigação do Ministério Público do Amapá. Resultado: a Promotora responsável pela investigação teve que ir a Brasília pedir garantias de vida ao Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (ele e nada no Ministério é a mesma coisa), pois começou a receber ameaças. Isso é o Brasil de hoje.

 

* E fora o juiz responsável pelo inquérito do caso do bicheiro Carlinhos Caichoeira, que pediu afastamento do caso ontem, por também estar recebendo ameaças de morte.

 

* Enquanto isso o populacho, o povo burro, pobre e desdentado, se matava de alegria anteontem com a vitória da porra do Coríntians, e que levou o “timão” à final da Libertadores. O blog só tem isso a dizer: que o Coríntians vá pra puta que o pariu.

 

* Enquanto o Brasil mergulha em retrocesso social, político e comportamental, o vizinho Uruguai avança rumo à modernidade do vigente século XXI. O presidente uruguaio José Mujica está para enviar ao Congresso de lá, projeto de lei que LEGALIZA a produção e comercialização da MACONHA em todo o país, sob controle total do Estado. Ou seja: quem quiser plantar e vender sem problema, desde que sob supervisão governamental e pagando os devidos impostos. Todo mundo sai ganhando: governo, produtores e consumidores da erva. Acaba o tráfico, a violência gerada por ele, o risco que consumidores correm ao ir atrás do produto etc. Nota mil pro governo uruguaio por esta iniciativa, que pelo visto está muito longe de um dia acontecer no retrógrado Brasil – onde, quem diria, o ex-presidente FHC se tornou um quase solitário defensor da legalização da maconha. Pois é… aqui plantar e vender marijuana não pode. Roubar e corromper pode, indiscriminadamente.

 A marijuana está para ter seu plantio e comercialização legalizados no moderno e avançado Uruguai. Já no corrupto, retrógrado e atrasado Brasilzão…

 

* Terminada a parte de “indignação política e social destas linhas bloggers”, de volta à música e ao rock’n’roll, que torna nossa existência um pouco mais alegre.  Pois entonces: não basta ele ter sido ex-guitarrista do Oasis e gênio do rock nas última duas décadas. E também não basta ele ter lançado um dos melhores discos de 2011, o “Noel Gallagher’s High Flying Birds”. Noel, o grande, ainda lança vídeos fodaços pra promover o disco. Como esse aí embaixo, que começou a circular esta semana na web:

 

* Alô Planeta Terra 2012, câmbio! A produção do festival vai convocar a jornalistada a qualquer momento para uma coletiva de imprensa, onde será anunciado o line up deste ano. Conforme o blog já antecipou no último post, é forte a possibilidade de o gênio Jack White estar nele. Comentários que chegam das Nações Unidas (a avenida em Sampa onde fica a sede do portal) até o zapper bem-informado, dão conta de que também estarão na esbórnia indie rock o grande Kasabian (que lançou um discaço em 2011), o Mumford & Sons (o blog gosta muito do folk/pop suave desses ingleses) e o Pulp, mega venerado pela nação indie brazuca. Se for tudo isso mesmo, vai ser fodão. A qualquer momento damos um “extra” aqui a respeito, ok?

 A lenda britpop Pulp (acima) e o Kasabian (abaixo): a caminho do Planeta Terra 2012?

* E info “secreta” que chega até estas linhas zappers notívagas, na madruga de quinta pra sextona em si (quando o post está sendo finalizado): um produtor independente de Sampa, que já fez parte de um saudoso e histórico grupo indie guitar (o Starfish100), está costurando a vinda do célebre The Telescopes (shoegazer inglês fodão dos 90’, e venerado pela galera under com mais de trinta de idade) pra cá, agora no segundo semestre de 2012. Mais infos a respeito serão postadas aqui assim que soubermos maaaaaisssss sobre a parada.

 

* DUPLAS DE ROCK, UMA TENDÊNCIA DO POP NOS ANOS 2000? – pode ser. Se você pensar que um dos grandes nomes do rock mundial na última década e meia, o finado The White Stripes, era formado apenas por dois músicos (Jack e Meg White, óbvio) e que o Black Keys, um dos nomes gigantes do rock alternativo americano atual, também é formado por uma dupla (o guitarrista e vocalista Dan Auerbach e o baterista Patrick Carney), dá pra começar a falar em tendência. O BK, inclusive, existe já há uma década, estourou com o ótimo “El Camino” (lançado em 2011) e está começando a influenciar outros músicos a montarem bandas com apenas dois integrantes. Caso do novato e ainda bem desconhecido (nem o blog conhecia, rsrs) duo My Goodness, que foi apresentado a estas linhas rockers por amigos do Facebook. Não há grandes infos sobre o duo na web; o que se sabe é que eles têm um álbum lançado (homônimo) no ano passado, e um vídeo bacanudo (que você pode conferir aí embaixo), que dá pistas do que é o som deles. Fora isso, já se observa também na indie scene paulistana a formação de alguns grupos com apenas dois integrantes (e geralmente no esquema guitarra e bateria), como o caso do novíssimo e já badalado Madrid, formado pelo querido ex-CSS Adriano Cintra (velho amigo deste blog) e pela Marina, ex-vocalista do Bonde do Rolê. Enfim, se a tendência vai mesmo pegar e se transformar em algo mais sólido entre os novos grupos daqui e da gringa, aí só o tempo pra dizer, no?

 O duo americano Black Keys, um dos melhores nomes do atual rock planetário: já inspirando as novíssimas duplas rockers

* Aí embaixo, dois vídeos bacaninhas de duas duplas idem: o Black Kays e o My Goodness.

Black Keys – “Gold on the Ceiling” 

My Goodness – “I’ve Got A Notion”

 

* Falando no Madrid, Zap’n’roll bateu um papo enooooorme ontem à tarde, via chat(o) do faceboquete, com o Adriano Cintra. E o blog também está ouvindo, agora e com certa exclusividade, o álbum de estréia da dupla, que tem show de lançamento no próximo dia 3 de julho no Sesc Pompéia, em Sampa. À primeira audição o disco é lindão (até rimou, hihi), todo bucólico, com nuances algo melancólicas e muitos pianos e até sopros em algumas faixas. Muito distante do electro-rock do CSS e do rock garageiro, básico e esporrento do Thee Butcher’s Orchestra. Anyway, o blog gostou do que ouviu até agora (sendo que algumas faixas já andam circulando na web há algum tempo, mas não o disco todo e na versão mixada e pronta pra ser lançada, a que o blog teve acesso) e esse papão com o Adriano vai aparecer por aqui a qualquer momento, pode esperar.

Dupla rock’n’roll do barulho fervendo na “naite” under de Sampalândia: Zap’n’roll e seu amigão Adriano Cintra, que está lançando o disco de estréia do seu projeto Madrid

* Que mais? Si, si, a deusa Fiona Apple lançando disco novo. E a também deusa Cat Power vindo com o seu novo álbum. Mas o blog por enquanto não vai falar de nenhuma das duas, pois (pra infelicidade do “fã da popload”, hihi) não se trata de pauta importante para este post zapper.

 

* Importante sim é falar que Graham Coxon, o também grande guitarrista do Blur (acaba ou não acaba, afinal?) lançou um disquinho solo bacanão em abril passado. E que ninguém, na blogosfera brazuca de rock alternativo, se deu ao trabalho de esmiuçar. Bien, lá vamos nós fazer isso, aí embaixo.

 

 

ENQUANTO O BLUR NÃO DECIDE SEU FUTURO, GRAHAM COXON CUIDA DO SEU
O quarteto Blur, já uma lenda do britpop, vai acabar novamente ou não? Não se sabe. Em fevereiro último o grupo lançou seu primeiro single inédito desde 2003 e anunciou que um novo disco de estúdio sairia este ano. Só que nas últimas semanas o vocalista Damon Albarn disse a jornalistas ingleses que, depois da participação da banda no show de encerramento dos jogos olímpicos em Londres (no dia 12 de agosto e onde também irão tocar New Order e Specials), o Blur vai mesmo encerrar atividades – e desta vez para sempre, ao que parece. Pelo sim, pelo não, o guitarrista Graham Coxon está cuidando da sua vida e de sua carreira solo que já soma oito discos, incluso aí o bacanudo “A+E”, lançado em abril deste ano.

 

Yep, o trabalho já saiu há quase três meses, não foi lançado em plataforma física no Brasil (nem vai, embora lá fora tenha sido editado pela Parlophone, aqui distribuída pela Universal) e nem precisa, pois é facilmente “baixável” na web. E o blog decidiu falar dele com mais atenção agora pois como já cansamos de repetir aqui, nunca é tarde para se falar de bons (ou ótimos) trabalhos, ainda mais quando ninguém na blogosfera de rock alternativo brazuca que importa se dignificou a fazer isso.

 

Todo mundo que acompanhou a trajetória do Blur e ama o conjunto (como é o caso destas linhas rockers britpoppers) sabe que um dos fatores que tornaram o grupo um dos mais queridos na Inglaterra tanto pelos fãs quanto pela imprensa, foi justamente a ótima formação cultural e musical de seus integrantes. E o guitarrista Graham Coxon não era exceção: um dos fundadores da banda (ao lado de Damon, do baixista Alex James e do batera Dave Rowntree), Coxon também se desenvolveu como multiinstrumentista de grande talento, além de ótimo compositor e eventual vocalista do quarteto. Isso permtiu que ele tocasse uma carreria individual paralela à do Blur, e que começou há catorze anos, em 1998 sendo que um de seus álbuns, “Happiness in Magazines” (de 2004), chegou a ser lançado no Brasil, com a devida resenha publicada aqui (na época, a coluna Zap’n’roll).

Capa de “A+E”, novo solo do guitarrista Graham Coxon: enquanto o Blur não se decide, o músico vai lançando seus discos 

 

Pois este “A+E” é um disco de indie guitar rock pop básico, ao mesmo tempo melódico e radiofônico, mas também estranhíssimo em alguns momentos. Contando com a colaboração do produtor Ben Hillier (que tocou bateria e alguns teclados no disco), Coxon chegou a gravar vinte e uma músicas. Destas dez entraram em um álbum enxuto e onde ele, além de compor, tocar guitarra e cantar em todas as  faixas, ainda se virou no baixo, bateria e teclados. O resultado, em alguns momentos, lembra muito as britsongs mais agressivas do Blur (ao estilo “Song 2”), principalmente em “Advice” e “City Hall”, que abrem o cd com guitarras aceleradas e baixão estridente (no caso de “City…”). Por sua vez “What’ll It Take” e “Meet and Drink and Pollinate” (esta com distorções nos vocalizes e baixão anguloso à moda New Order) investem em camadas de teclados e sintetizadores para construir uma melodia dançante, próximo do sinthpop oitentista. Desce bem em qualquer pista de dança.
Mas Graham se dá melhor mesmo nas músicas em que ele resgata as nuances do britpop – e nisso o disco está bem servido de ótimas canções, como “Bah Singer” e até mesmo na estranha “Knife In The Cast”, lenta (quase arrastada) e conduzida pelo baixo em primeiro plano, com intervenções pontuais da guitarra.

 

E querendo mostrar, afinal, que fez um disco algo fora do padrão pop/rock de hoje, o guitarrista deixou talvez o melhor momento do álbum para o seu final. “Ooh, yeh yeh”, também o primeiro single de trabalho (e já com clip rodando há algum tempo na MTV e YouTube) é uma das melhores guitar pop songs que estas linhas rockers online tiveram o prazer de ouvir nos últimos meses. Poderia estar perfeitamente no primeiro ou segundo disco do Blur. Mas Graham Coxon, aos quarenta e três anos de idade, a compôs apenas agora, em 2012. É daquelas faixas que valem quase por um disco inteiro. E cuja audição mostra que, em meio à péssima qualidade musical que reina hoje no rock planetário, alguns pequenos gênios como Graham Coxon ainda resistem.

 

Pode ir atrás de “A+E” sem susto. O blog zapper garante.

 

 

O TRACK LIST DE “A+E”
1.”Advice”
2.”City Hall”
3.”What’ll It Take”
4.”Meet and Drink and Pollinate”
5.”The Truth”
6.”Seven Naked Valleys”
7.”Running for Your Life”
8.”Bah Singer”
9.”Knife in the Cast”
10.”Ooh, Yeh Yeh”

 

 

E GRAHAM COXON AÍ EMBAIXO
No clip da ótima “Ooh, Yeh Yeh”, o single de trabalho do disco.

 

WEB RADIO DUCA, CENA E FESTIVAL BACANA – O ROCK TAMBÉM ROLA EM… MANAUS!
E não? Muito graças aos agitos promovidos pelo jornalista, radialista e vocalista Sandro Correia, popularmente conhecido por lá como Sandro Nine. Zap’n’roll conheceu pessoalmente a figura no final do ano passado em Boa Vista (capital de Roraima, pros manés sudestinos que não conhecem nada de geografia do extremo Norte e acham, de maneira imbecil diga-se, que o Brasil acaba em Brasília), quando o blog foi até lá pra cobrir o bacanão festival Tomarrock. “Finatti, você precisa conhecer o Sandro. Ele é o Tony Wilson de Manaus!”, falou pro sujeito aqui o também amigão e músico Victor Matheus (vocalista e guitarrista do trio Veludo Branco). Pois o autor destas linhas online não apenas conheceu o “Tony Wilson” manauara como também ficou super amigo do sujeito – uma das cenas mais divertidas dessa nova amizade foi ver a dupla, em plena última noite do Tomarrock (enquanto a droga pesada For Fun se esgoelava no palco do ginásio do Sesc de Boa Vista), tomando brejas e discorrendo sobre a obra de uma paixão comum de ambos: a linda, louca e tesuda rainha do indie inglês, PJ Harvey. Uia!

Sandro é gente finíssima e de uma humildade impressionante. E está à frente da web radio Manifesto Norte (que pode ser acessada em WWW.manifestonorte.com), que já foi comentada aqui no último post. Pois a emissora online, há pouquíssimo tempo no ar, é tão bacana que estas linhas rockers se tornaram fãs da rádio. E por conta disso o blog fez duas rápidas perguntas pro querido Sandro, via Faebook, na última madrugada. Nas respostas ele fala da rádio, da sua banda (a Nicotines) e dá uma geral na atual cena rock da capital do Amazonas. Leia aí embaixo:

 O jornalista e vocalista Sandro Correia (com a camiseta do CBGB’s), com a turma rocker de Manaus

Zap’n’roll – Como surgiu a idéia da rádio e quando ela entrou em funcionamento na web? Fale também um pouco da sua trajetória de jornalista musical aí em Manaus.

 

Sandro Correia – Bom, eu tinha um programa numa web radio aqui em Manaus há uns 3 anos. Lá eu apresentava 4 programas, sempre com temática indie e undreground. Daí eu tive de me mudar pra Roraima e foi lá, trabalhando na assessoria de comunicação do coletivo Canoa, foi que eu vi que dava pra fazer uma web radio com viés de divulgar a cena rock da região Norte. O projeto foi feito, mas até entao não se concretizava, e tinha a cobrança da moçada que ficava na escuta do meu programa. Então esse ano meu irmao Marcelo Augusto, junto com os amigos William Dángelo (também jornalista), Robson Santos e eu, montamos a rádio Manifesto Norte – o espaço da música independente tocando músicas de bandas de Manaus e de toda a regioa Norte.

 

Zap – E como teve início sua carreira de jornalista e seu envolvimento com a cena musical daí? Você também canta em uma banda, a Nicotines…

 

Sandro – Eu tenho 40 anos, cresci ouvindo e vendo muitas bandas de rock, assim como o surgimento da cena rock local nos anos 80’, tipo 84, 85, por ai. Li muita [revista] Somtrês, Bizz etc, lendo resenhas do Alex Antunes, André Barcinski e de você Finatti. Então eu sempre escrevia algo que raramente publicava, foi então que eu entrei pra faculdade de jornalismo e lá pude desenvolver melhor minha habilidade pra escrever. Meu pai foi jornalista político nos anos 70’, então tava na veia. Meu primeiro trabalho mesmo foi cobrir o festival Grito rock Roraima em 2010, como jornalista do coletivo Canoa, lá trabalhei na cobertura com web radio e web tv. Eu já tinha o meu blog Manifesto rock, sempre escrevendo resenhas de shows, cds das bandas e etc. Hoje eu também trabalho como produtor cultural, tenho um projeto com bandas independentes na Saraiva megastore Manaus, projeto Riffs desplugados que jáa tem um ano de vida. Esse projeto consiste em pocket shows acústicos com bandas da cena rock de Manaus que tenham trabalho autoral e o evento criou fortes laços com Roraima. Lá já passaram bandas e artistas do extremo Norte. Sobre o Nicotines, em 5 anos de banda já tocamos em 2 festivais independentes, o Tomarock em 2011 e o Grito Rock Bonfim (fronteira com a Guiana Inglesa) ambos em Roraima, e no próximo dia 7 de julho a banda vaio abrir o show da banda cearense Platique Noir. A banda tá naquela fase, mente aberta e pé no chão. O lance é ao menos sermos reconhecidos na nossa região, estamos preparando nosso priemtio EP “Café, Martinis e Cigarros”. A cena rock de Manaus tá num momento muito bacana, algo que não se via há anos. Pra você ter uma idéia, só no ano passado 14 bandas circularam por festivais pela regioa Norte, Brasil afora e na Europa (caso da Nekrost, banda de heavy metal que tocou no Wacken open air, na Alemnha). A Evil Syndicate, outra banda do metal extremo, tocou em grandes festivais da região Norte. E ao redor do boom da cena rock de Manaus tem os festivais. Como o nosso “Até o Tucupi”, realizado pelo coletivo Difusão e que vai acontecer em Setembro.

 

* Interessou em ouvir a Manifesto Rock? Como já foi informado mais acima, vai lá: www.manifestorock.com

 

**********
DIÁRIO SENTIMENTAL – UM “CANO” NO GÊNIO TOM ZÉ (ELE NÃO MERECIA, RSRS)
Em algumas entrevistas dadas nos últimos anos, o mega rockstar David Bowie (hoje recluso, aos sessenta e cinco anos de idade) sempre ressalta sua dificuldade em rememorar fatos de sua vida pessoal durante o ano de 1976. Segundo o Camaleão foi um período de consumo desenfreado de drugs – principalmente cocaína –, o que colaborou e muito para que sua memória daquela época sofresse um autêntico “apagão”.

 

É mais ou menos o que ocorre, por vezes, com Zap’n’roll. O blogger loker eventualmente não consegue identificar com precisão algumas datas, períodos e locais onde aconteceram alguns eventos de sua trajetória pessoal e profissional, devido ao consumo desenfreado de aditivos ilícitos que permeou a existência do sujeito aqui durante anos. Por exemplo, para se recordar de como o jornalista gonzo e (atualmente, ex) junky deu um autêntico “cano” em uma entrevista com um dos gênios da música brasileira e do movimento tropicalista (algo que o profissional zapper hoje jamais faria, dada a seriedade e responsabilidade com que ele encara suas tarefas profissionais atualmente, mas sem caretice, plis!), o autor destas linhas online teve que fazer uma autêntica “varredura” mental em sua vida no período de 1990 a 1998 – ano em que efetivamente rolou a história a seguir.

 

Tom Zé sempre foi considerado como um dos gênios da música brasileira que importa. Um dos fundadores do Tropicalismo nos anos 60’, no entanto ele entrou no limbo musical da MPB nos anos seguintes (por possuir um trabalho experimental e avançado demais para a época), enquanto Caetano e Gil se tornavam popstars. E o bom e velho (e sempre humilde e simpático) Tom assim permaneceu, até ser redescoberto musicalmente por ninguém menos do que o ex-Talking Heads David Byrne. Com seu prestígio no rock planetário, Byrne tirou Tom Zé desse “limbo” artístico e recolocou o músico baiano em evidência novamente, com muita justiça diga-se. Tom voltou a ser celebrado como gênio, foi redescoberto por uma nova geração de fãs e nunca foi um estouro de vendas. Mas conseguiu se manter ativo desde então, lançando periodicamente bons discos e fazendo turnês pelo Brasil e também na gringa.

 

Foi no lançamento de um desses discos (“Com defeito de fabricação”, editado em 1998) que Zap’n’roll conseguiu emplacar uma pauta sobre o músico, para a extinta revista Bizz, onde o jornalista loker colaborava eventualmente desde 1995. Publicação musical mais influente do país no final dos anos 80’/início dos 90’ (em uma época em que não existia internet nem MTV, nem cobertura ostensiva dos grandes jornais diários em cima de assuntos de cultura pop) a Bizz chegou a vender duzentos mil exemplares por mês. Com o advento justamente da MTV e do início da era da web, entrou em decadência já a partir da segunda metade dos anos 90’. Ainda assim possuía certa relevância editorial, quando o zapper ainda jovem jornalista trintão e bem doidón começou a publicar textos nela. A revista era editada pela Azul, uma subsidária da poderosa editora Abril, que também publicava a Interview. Quando o sujeito aqui foi trampar na Interview logo se enturmou com a redação da Bizz (na época dirigida por Felipe Zobaran, pelo saudoso Celso Pucci e pelo sempre competente Sérgio Martins, hoje repórter da asquerosa Veja), e passou a colaborar por lá também.

 

Foi tudo muito bem até justamente por volta de 1998. A Interview tinha fechado, a Azul foi incorporada de vez pela Abril, Celso Pucci infelizmente morreu, Sérgio Martins foi para a revista Época e a Bizz foi parar nas mãos do célebre PS (hoje, “eminência parda” da edição brasileira de uma grande revista de música americana). O distinto jornalista sempre se mostrou simpático ao autor destas linhas online, mas meio que começou a “dificultar” a vida zapper na Bizz. Em outras palavras: estava cada vez mais foda emplacar uma pauta por lá. Até que veio a parada do lançamento do novo álbum de Tom Zé. O que motivou a sugestão de pauta para a revista, e um dia qualquer. Zap’n’roll, ao telefone: “Porra, o Tom Zé tá lançando seu novo disco. E hoje ele é artista Cult aqui e lá fora, graças ao David Byrne e bla bla blá”. PS, então editor-chefe da Bizz: “Pode fazer! Podemos dar uma matéria até bem grande, com umas três páginas. O prazo de entrega é uma semana. E o valor do ‘frila’ é…”.

O cantor, compositor e gênio Tropicalista Tom Zé: ele levou um “cano” do zapper loker em uma entrevista, sem merecer, rsrs. A matéria foi feita, afinal, mas nunca publicada (e aí o “cano” foi da extinta revista Bizz e do seu então editor-chefe, hihi)

 

Tava de bom tamanho. A grana não era nenhuma fortuna (longe de ser, inclusive), mas como o autor destas linhas rockers memorialistas sempre amou o que fazia e faz (escrever sobre música), estava ótimo. Começou então a articulação para a entrevista, com papos com a assessora de imprensa de Tom e mais bla bla blá. O encontro foi marcado para um dia de semana, pela manhã (por volta das onze horas) no apartamento onde o cantor e compositor mora até hoje, em uma rua do bairro das Perdizes, na zona oeste de Sampa. Tudo lindo, tudo ótimo: entrevista marcada, material de pesquisa levantado, era relaxar e gozar, hihi. Não haveria mal algum em dar uma “saidinha” básica na “naite”, tomar uma breja rápida com algum chegado e depois ir pra casa, já que o jornalista eterno pé-de-cana morava na região da Liberdade, centrão de Sampalândia, e relativamente próximo da residência do gênio tropicalista.

 

Deu tudo errado, claaaaaro. E começou a dar quando o zapper, sempre em busca de emoções “fortes”, aceitou convite de uns brothers pra ir rachar “uma parada” de cinqüenta pilas da tia B. Quem? Tia B, uma senhora já de idade, rotunda, simpática e acima de qualquer suspeita, que tinha um aconchegante barzinho nas imediações da praça Roosevelt. Pois o tal boteco era apenas um disfarce e lá se comprava um petecão de cinco gramas de cocaine por cinqüenta pilas. E diferentemente da farinha de trigo porca que circula hoje pelo centrão de Sampa (onde o crack domina atualmente e infelizmente, na verdade), o padê da querida tia B era tiro e queda: bastava um risco bem dado pro sujeito ficar doidão.

 

Não deu outra: adquirido o “produto”, começou a via sacra pelos bares da Augusta. Horas passando, Zap’n’roll (que tinha bancado metade do negócio) ficando bicudo e lesado ao extremo. Quando deu por si, o dia estava… clareando. Soou o alarme do pânico: como estar inteiro, com a cara boa pra entrevistar Tom Zé às onze da matina se já eram quase sete da manhã e o gonzo junky estava literalmente “estragado”, com as pupilas querendo saltar pra fora dos olhos? Correria pra ir embora. Chegada em casa oito da matina. Boca seca, pedindo mais álcool. Uma conferida no espelho do banheiro: olhos ainda total “estalados”. Não ia dar certo. Às nove, gaguejando e “travando” pra falar, o jornalista maluco resolve ligar para a casa de Tom Zé, que já devia estar acordado. Atende a esposa dele. Zap’n’roll: “posso falar com o Tom um minuto? Estou com uma entrevista marcada com ele e…”. Ela: “ah, sim. Minutinho, vou chamar”. O músico veio ao telefone e o gonzolino despirocado por mais uma noitada movida a devastação nasal, caprichou na sua melhor voz de “mal estar físico” (nem precisava): “Tom, aqui é o Finatti. Querido, mil perdões mas estou péssimo! Comi algo ontem que me fez muito mal a noite toda e estou indo num hospital agora, pra ver o que está acontecendo comigo. É possível remarcamos a entrevista pra amanhã ou o mais breve possível?”. Foi um alívio ouvir do músico, com a simpatia e humildade que sempre foram sua marca registrada: “rapaz, vá cuidar de você, que é isso? Espero que não seja nada grave. Podemos fazer sim amanhã, se você estiver melhor”. Ufa!

 

Problema resolvido, era se recuperar para não dar novo “balão” em Tom Zé no dia seguinte. A entrevista foi feita, ficou boa mas obviamente o “sumiço” do repórter na hora marcada para a entrevista foi parar no ouvido do editor-chefe da Bizz. Que cobrou explicações quando Zap’n’roll foi na redação entregar o texto (naquela época, ainda não havia e-mail para se mandar os textos para a redação): “o que aconteceu que você NÃO apareceu na casa do Tom Zé no dia marcado para a entrevista? O nosso fotógrafo foi. Mas você, não!”. O zapper: “passei mal a noite toda, comi algo estragado, sei lá. Mas remarquei o encontro, fiz a parada e o texto está aqui. Qual o problema?”.

 

Aparentemente não havia mais problema. Foi uma matéria custosa (inclusive para ser transcrita e editada), tinha ficado ok e o autor deste diário confessional recebeu o pagamento combinado por ela. Mas o texto JAMAIS foi publicado na Bizz, rsrs. Ou seja: no final, Tom Zé levou um cano maior ainda da própria revista. Mas este só o querido PS pode explicar, um dia. Se ele quiser, claro.

 

 

O BLOGÃO ZAPPER INDICA
* Discos: O novo solo do Graham Coxon e “This Machine”, discaço que o já veterano indie americano The Dandy Warhols lançou em abril deste ano – e que, com a possível exceção do blog escrito pelo nosso “inimigo cordial” André Barcinski, ninguém teve a coragem de comentar na blogosfera brazuca de rock e cultura pop. Pode ir atrás que é bom pra caralho, sendo que estas linhas virtuais irão falar melhor do cd em nossos próximos posts, ok?

 Os ainda grandes da cena indie americana, The Dandy Warhols: novo discão que o blog comenta melhor nos próximos posts

 

* Filmes: o nacional “A febre do rato” merece e precisa ser visto antes que saia de cartaz. E, claaaaaro, a dupla dinâmica Tim Burton e Johnny Depp estão de volta em grande forma, em “Sombras da noite”. Dois ótimos motivos pra sair de casa nesse frio e mergulhar no escurinho do cinema.

 

* Baladas: complemento zapper mezzo atrasado e sendo finalizado a toque de caixa, pois daqui a instantes o sujeito aqui também vai se dar ao direito de ir pra esbórnia, hehe. Então, tipo rapidez: cai no Beco (rua Augusta, 609, centrão rocker de Sampalândia) hoje, sábado, que vai rolar por lá a “festa junina” da casa, com open bar e tudo, wow!///Já amanhã, domingão… sai de baixo: o já ultra clássico projeto Grind, comandado pelo super DJ André Pomba, chega aos catorze anos de existência na Loca (que fica na rua Frei Caneca, 916, Consolação, centro de Sampa). O autor deste blog desconhece alguma festa na “naite” under paulistana que tenha durado tanto tempo e o Grind merece: pioneiro na questão de bombar uma noite rock pro público gls, acabou se tornando uma das melhores baladas alternativas da capital paulista. O blogger maloker já aprontou mil loucuras ali e vai estar lá neste domingo, com certeza. E se você nunca foi, veja aí embaixo a matéria feita pelo programa do Chato, ops, Otávio Mesquita (na Band), sobre o Grind, quando o projeto completou onze anos – com direito a aparição rápida de Zap’n’roll, àquela altura já completamente bicudo de tudo, hihi. Enfim, cola lá que a festa vai ser fodona!

 

 

SOLTANDO PRÊMIOS E DANDO INGRESSOS, UIA!
Yeah! Tem um kit com DVDs e CDs da ST2 já há um tempo esperando pra ser desovado. Bien, ele vai cair nas mãos da:

 

* Eliana Martins, de São Paulo/SP.

 

Mas calmaê que semana que vem tem show gringo indie bacanudo na área. Então corre lá no hfinatti@gmail.com, que é a sua última chance de faturar:

 

* UM PAR DE INGRESSOS pros shows do The Radio Dept. semana que vem, dia 6 no Beco/SP, e dia 8 no teatro Odisséia, no Rio. Corre que ainda dá tempo de participar!

 

* E inda um PAR DE VIPS pro festão de catorze anos do Grind amanhã, na Loca. O (a) vencedor (a) desta promo será avisado (a) até às 18 horas deste domingo, por e-mail, ok? Então corre aê!

 

E FIM DE PAPO!
Tá bão, né? Postão finalmente concluído e agora brejas e álcool nos esperam na deliciosa e fria noite paulistana. O blog se vai e deixa beijos quentes e queridos na Adriana Ribeiro, na Samara Noronha e na Camila Valente, sempre! Até a semana que vem!

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 23/6/2012, às 23hs.)