AMPLIAÇÃO FINAL! Contando como foi o show do Gang Of Four no Sesc Pompeia, em Sampa! – Nos quinze anos do blog zapper continuamos publicando posts comemorativos como este, em que destacamos as três décadas do lançamento (celebrados esta semana) de um dos discos mais importantes e clássicos do rock mundial nos anos 80: o álbum “Green”, do gigante, saudoso e inesquecível REM; quem também chega aos trinta anos de existência e lançando um bacanudo novo álbum é o Smashing Pumpkins; mais: os vinte anos do Grind, a domingueira rock mais lendária e bombada do Brasil (e que recebe nesse domingo dj set do blog zapper, “bebemorando” mais um niver do jornalista ainda loker e eternamente rocker!) e o fechamento (infelizmente) do bar e teatro Cemitério de Automóveis e também (novamente) do clássico Matrix Rock Bar; análises sombrias do que aguarda todo o país a partir de 1 de janeiro de 2019, com a chegada ao poder de um presidente e de um governo fascista, autoritário, conservador e de extrema direita; e enquanto o reacionário, troglodita e boçal moralismo ultra conservador e hipócrita (que já saiu do armário) não avança sobre nós com tudo e com sangue nos olhos e faca entre os dentes, presenteamos nosso sempre dileto leitorado macho (cado) com uma musa rocker absolutamente e divinamente abusada, tesuda, transgressiva e subversiva ao máximo: a gataça, filósofa, escritora e nada pudica, recatada e de lar nenhum, Sue Nhamandu Vieira. Aproveitem e deleitem-se com as imagens total nudes deste mulherão enquanto isso ainda é possível! (postão MEGA finalmente concluído em 1/12/2018)

IMAGEMLUTODEMOCRATICOII

IMAGEMSP2018

2018 celebra os trinta anos de existência de um dos maiores nomes do rock mundial (ou do que resta dele): o americano Smashing Pumpkins (acima, reunido no estúdio este ano com sua formação quase original) retorna com um bom disco inédito, após quatro anos longe dos estúdios; já o inesquecível e também americano REM (abaixo, com sua formação original, em imagem de 1988) tem seu clássico álbum “Green” relembrado neste post por ocasião do seu trigésimo aniversário, em textos do próprio blog e do convidado especial Léo Rocha

IMAGEMREM1988II

**********

E MAAAAAIS MICROFONIA SUPER EXTRA! – SALVEM A DATA! FINASKI NESTA QUINTA-FEIRA MEIA NOITE NO “NASI NOITE ADENTRO” (CANAL BRASIL), FALANDO DE SEU LIVRO EM “O ESTRANHO MUNDO DE HUMBERTO FINATTI”

 

Yes. Custou mas finalmente vai ao ar. Gravado em janeiro deste ano numa agradabilíssima noite de segunda-feira no antigo endereço da sempre bacanuda Sensorial Discos SP, a entrevista que concedemos para o amigo de décadas, vocalista do Ira! e queridão Nasi será finalmente exibida no “Nasi noite adentro” desta quinta-feira, 6 de dezembro, à meia noite, no Canal Brasil (canal 150 na tv Net). O bate-papo, claro, girou em torno do nosso então recém lançado livro, “Escadaria para o inferno”.

Nem o blog mesmo sabe como ficou o resultado final, rsrs. Afinal não vimos o programa editado. Mas o papo foi ótimo e tanto Finaski quanto ele ficaram “trêbados” de tanto vinho (ótimo, diga-se) que tomamos, ahahahaha.

 

Contamos com a audiência dos nossos leitores. E depois digam o que acharam, claro!

 

(sendo que as fotos deste tópico, inéditas, foram tiradas diretamente das gravações do programa)

 

O quê: entrevista de Finaski para o programa Nasi noite adentro.

 

Título do programa: “O ESTRANHO MUNDO de Humberto Finatti” (ahahahaha, a risada é por nossa conta)

 

Quando: nesta quinta-feira, 6 de dezembro, meia noite.

 

Onde: no Canal Brasil (150 na tv Net)

 

Apresentação: Nasi. Direção: André Barcinski. Co-direção: Rogério Lacanna (a quem agradecemos pelas imagens deste post)

finatti 4

O jornalista zapper rocker e seu amigo Nasi, vocalista do grupo Ira!: bate-papo entre ambos hoje à noite no programa “Nasi noite adentro”, no Canal Brasil

 

**********

MAIS MICROFONIA: GANG OF FOUR NO SESC POMPEIA – SP, 23/11/2018

 

Então foi isso: o blog esperou mais de uma década para conseguir ver a “Camarilha dos quatro” ao vivo (em 2006, no festival Campari rock, que rolou em Atibaia, próximo à capital paulista, mesmo estando credenciado o jornalista sempre atrasildo chegou atrasado o suficiente para perder todo o set dos ingleses lendários do pós-punk dos anos 80’). E finalmente lá foi Zapnroll na última sexta-feira (23 de dezembro) para a choperia do Sesc Pompeia, conferir a última gig deles em Sampa – a primeira havia sido na quinta-feira e, assim como ontem, esgotou os ingressos e lotou o local.

E no final das contas, a performance do grupo foi apenas… razoável. A parada já não começou muito bem na noite de sexta: Andy Gill (guitarrista, fundador e único membro original da banda ainda nela) subiu ao palco com ALGUM problema na sua guitarra. O músico demonstrou visível irritação quando simplesmente jogou com quase fúria seu instrumento no chão, e ficou encarando o público de braços abertos. A plateia achou que se tratava de algum “chilique” de rockstar para iniciar com ímpeto a apresentação e aplaudiu (alguns gritaram) em aprovação. Mas não era nada disso e quem observou atentamente (como o sujeito aqui) sacou que havia algo errado, sendo que um dos roadies se apressava em aprontar outra guitarra para o loiro e que FUNCIONASSE a contento.

Até que o show começou finalmente. Foi beeeeem mais ou menos até a metade pelo menos. Na verdade quem deveria ser a estrela e ter brilhado no palco seria Andy Gill, autor da maioria do repertório do GOF, inclusos aí os clássicos punk dançantes do conjunto. Mas quem DE FATO roubou a cena quase o tempo todo foi o negão Thomas McNeice, um baixista do inferno que literalmente destruiu com suas linhas pesadas e matadoras, todas tiradas na base da palhetada. Gill foi “apenas” (vamos dizer assim) o ótimo guitarrista que sempre foi, mas sem arroubos de genialidade. O baterista Tobias Humble foi apenas correto. E o vocalista John Sterry (que o velho chapa e ex-vj da MTV Thunderbird, presente ao show, achou que ele se parece com Peter Murphy, quando o ex-vocalista dos Bauhaus era uma bicha loka novinha e bonitinha) bem que tentou se esforçar: instigava o público, rebolava, pulava, dançava etc. Mas é irremediavelmente FRACO, ainda mais se lembrarmos que esses caras tiveram um Jon King nos vocais.

IMAGEMGOFLIVESESC18III

Os ingleses do Gang Of Four no palco da choperia do Sesc Pompeia, na capital paulista, na última sexta-feira (23 de dezembro): a gig foi apenas razoável, e quem brilhou mesmo e roubou o show foi o baixista

 

Set list? Tocaram de tudo um pouco e fizeram um bom apanhado da trajetória deles. Claro, o povo que lotou a choperia (muitos velhões e velhonas na faixa dos 40/50 anos, como este jornalista ainda rocker mas já “tiozão” sem pudor e problema algum; mas também havia uma pirralhada mais jovem, incluso aí muitas xoxotinhas tesudas com cabelos descoloridos, tattoos e tetas QUASE à mostra, afinal estava bem quente na choperia, e todos com t-shirts de bandas ícones do pré e pós punk, como Television e Joy Division, sendo que o zapper vestia a sua do Clash, uma das eternas cinco bandas da nossa vida) só enlouqueceu mesmo quando o GOF disparou seus dois grandes hits (dentro do que se pode considerar “hit” no caso deles e no rock alternativo), “Damaged Goods” e “I Love A Man In A Uniform” (sendo que essa Andy Gill bem poderia tê-la dedicado ao futuro presidente nazi fascista brasileiro e a quase todos os 55 milhões de OTÁRIOS, BOÇAIS e IMBECIS e completos selvagens que votaram nele). Mas aí já era um pouco tarde para virar o jogo totalmente, ainda que o bis tenha sido empolgante a ponto de conseguir fazer todo mundo dançar.

Para quem esperou tanto tempo e esperava mais em termos de performance, o Gang Of Four ficou devendo. Como não deverão mais voltar aqui (nesse país fodido, falido e agora mergulhado em trevas medievais culturais profundas a partir de 2019), vamos ter que ficar com esse registro mesmo em nossa memória de jornalista musical.

 

***O set list da gig do GOF, no Sesc:

 

Anthrax

Where The Nightingale Sings

Not Great Men

Isle of Dogs

Toreador

Paralysed

I Parade Myself

What We All Want

Natural’s Not In It

Lucky

Damaged Goods

Do As I Say

I Love a Man in a Uniform

Why Theory?

At Home He’s a Tourist

To Hell With Poverty

 

Bis:

Return the Gift

Ether

I Found That Essence Rare

 

**********

 

MICROFONIA (reverberando a cultura pop em todas as suas múltiplas facetas)

 

***Okays, o novo post demorou mesmo desta vez para sair. Mas cá estamos, com zilhões de assuntos pendentes e para serem colocados em dia. Fora que este é o penúltimo postão do blog em 2018 e talvez em sua história, fechando um ciclo que já dura quinze anos – muito bem sucedidos, diga-se. A partir de 2019 este espaço deverá continuar presente na blogosfera brasileira de cultura pop mas apenas para divulgar EVENTOS ESPECIAIS com a marca Zapnroll, como festas e noites com o nome do blog e que serão prioritariamente realizadas em unidades do Sesc da capital paulista, reeditando o sucesso que foi a comemoração do nosso décimo quinto aniversário mês passado, na unidade Belenzinho, na zona leste de Sampa. Mas sobre isso daremos mais e melhores detalhes em nosso último post deste ano, beleusma?

 

***E falando em festas, essa bacanuda e celebrando o niver do nosso querido brother carioca Kleber Tuma, rola mês que vem (dia 22, pertinho do natal) no Rio De Janeiro. Noitona pós-punk anos 80 pra nenhum gótico do Rio MEDO De Janeiro reclamar, hihi. Com especiais do Echo & The Bunnymen e Joy Division, além de Finaski como dj convidado, wow! Se você mora no balneário ou se estiver de bobeira por lá no dia, já sabe pra onde ir pra dançar até cair! Tudo sobre a baladadona aqui: https://www.facebook.com/events/293078024871304/.

CARTAZFESTACEREMONYRIO18

 

***“BOHEMIAN RHAPSODY”, O FILME, É SENSACIONAL E FEZ FINASKI CHORAR! – a cinebiografia do Freddie Mercury, que se eternizou na história do rock e da música mundial como o vocalista do inesquecível Queen, é um filmaço! Com alguns defeitos, isso é inegável. Um dramalhão quase mexicano, só que muito bem produzido e roteirizado? Sem dúvida. Passa muito superficialmente por diversos momentos da trajetória do grupo? Também, e nem tinha como ser diferente, afinal estão condensados em duas horas de filmagem uma história de mais de 20 anos. Comete equívocos cronológicos grosseiros? Sim, e talvez esta tenha sido a principal “escorregada no tomate” do longa, que mostra o show do Queen em janeiro de 1985, na primeira edição do Rock In Rio, absolutamente fora do tempo correto. Naquela época Freddie já ostentava seu visual que o acompanhou até sua morte em 1991, com cabelo curtíssimo e bigodão. No filme, na gig no Rio, ele ainda aparece de cabelos compridos e sem bigode. Fora que DEPOIS da apresentação no festival carioca a banda é mostrada criando o clássico “We Will Rock You” – que na verdade abre o álbum “News Of The World”, lançado 8 anos antes (!), em 1977. Mas nada disso tira o prazer gigantesco de assistir o filme. Os atores que vivem os quatro integrantes do conjunto não poderiam ter sido melhor escolhidos. E a cada avanço e ascensão na jornada do quarteto, a plateia fica extasiada de verdade. Como quando é mostrado como eles criaram o HINO que dá título ao longa, uma das obras-primas de toda a história do rock mundial e que a gravadora não queria lançar como single de trabalho de forma alguma por causa da longa duração da canção (uns 6 minutos). O Queen bateu o pé para que “Bhoemian…” fosse o primeiro single do clássico e sensacional LP “A Night At The Opera” (lançado em 1975) e deu no que deu: a faixa estourou nas rádios inglesas e foi parar no topo das paradas. O final então é mega emocionante e de arrepiar, quando a banda se reúne para tocar no Live Aid, concerto monstro organizado em 1985 e que reuniu os maiores nomes do rock mundial de então, para um show beneficente que visava arrecadar fundos para as vítimas da fome na África. O evento entrou para a história da música, e no palco do estádio de Wembley o Queen mostrou mais uma vez porque era a RAINHA máxima do rock. O filme acaba ali e não foca nos anos finais da vida de Freddie, que seria derrotado pela Aids seis anos depois, quando tinha 45 de idade. Mas mostra (ainda que de forma sutil e discreta) como ele se descobriu gay ao longo da sua vida, após namorar seis anos com Mary Austin e terminar sua vida ao lado do companheiro Jim Hutton. Tanto Mary como Jim herdaram a maior parte da fortuna deixada por Mercury. E vendo o filme, um OUTRO FILME passou diante dos nossos olhos. O blog se lembrou de como amava o Queen na nossa pós-adolescência, dos LPs que tínhamos deles (tivemos durante anos meia dúzia de discos do grupo, em suas edições originais com capas duplas, e não parávamos de escutá-los) e dos DOIS SHOWS que vimos da banda, em março de 1981 no estádio do Morumbi em Sampa, e depois em 1985 no primeiro Rock In Rio. Zapnroll foi sozinho em ambos, graças ao “apoio” financeiro da saudosa mama Janet, que superprotegia o jovem Finas e pagou os ingressos nas duas vezes sob protestos irados, pois ela morria de medo de que seu filho fosse sozinho naquela idade (18 anos no primeiro show; 22 no segundo) num “tumulto” musical e rocker onde estariam milhares de pessoas. Mas que loko: ela mesma AMAVA o Queen e por isso deixou o jovem Finaski ir às duas gigs. No final das contas, “Bohemian Rhapsody” nos mostra o que todos nós já sabemos há bastante tempo: nunca mais haverá na história da música bandas como o Queen ou vocalistas fodásticos como Freddie Mercury. O rock morreu, já está no museu e a música pop de hoje (assim como a própria cultura pop em si) se tornou completamente anêmica, irrelevante, ignorante. Burra como são estes tempos da internet. Estúpida como são os próprios ouvintes de música de hoje em dia. De modos que, se temos alguma felicidade por estar com quase 5.6 nas costas, é por saber que conseguimos viver, ouvir e ver tudo aquilo de perto, ao vivo. As últimas fases de uma história emocionante, empolgante e fantástica, chamada rocknroll. Uma história que não mais irá se repetir. Nunca mais. E sim, o zapper CHOROU nos minutos finais do filme, viu mozão André Pomba (rsrs). E ao final do filme a sala inteira do Belas Artes (que não lotou mas estava bem cheia) APLAUDIU e deu URROS de satisfação. E não teve (felizmente) bolsominion retardado, boçal e imbecil para vaiar o personagem de Freddie Mercury quando ele começou a beijar homens na boca e descobriu que, sim, o ser humano tem que ser FELIZ NO AMOR COM QUEM ELE BEM ENTENDER e com quem o faz se sentir amado, acolhido, carinhado e respeitado, e não com quem a sociedade careta e moralista hipócrita quer determinar. Valeu Queen e Freddie Mercury, por ter tornado grande parte da nossa vida menos ordinária e menos cinza também.

 

 

*** HORA DE JOGAR A TOALHA, ACEITAR A DERROTA TRÁGICA PARA A DEMOCRACIA E A PARTIR DE AGORA FAZER OPOSIÇÃO SÉRIA, HONESTA, CORAJOSA E GIGANTE FRENTE AO NAZI FASCISMO AUTORITÁRIO QUE VEM AÍ – Sim, não há o que fazer. Lutamos todos como GAROTOS e GAROTAS, mas a onda nazi fascista ultra conservadora de extrema direita que VARREU a sociedade selvagem e o eleitorado bestial brasileiro foi mais forte do que nós. E nesse momento sentimos mais VERGONHA DO QUE NUNCA de ser brasileiro. Mas não iremos desistir de nossa luta por democracia e liberdade. E achamos que NINGUÉM que está do nosso lado irá desistir. Sim, a partir de agora seremos todos outsiders novamente. OPOSIÇÃO seríssima e forte contra o senso comum BOÇAL que elegeu um presidente autoritário, truculento, irracional e amante da tortura e da ditadura militar. Exatamente como há quase 40 anos quando foi fundado, o PT volta a ser oposição contra o conservadorismo medieval político e social. E assim sendo terá chance de reavaliar sua postura e fazer a auto-crítica necessária aos seus erros. Mas sobretudo estaremos na oposição e na luta incansável por um Brasil menos horrível do que se prenuncia pelos próximos 4 anos. Jamais iremos nos arrepender do voto que demos para Fernando Haddad. Valeu, professor! Você também LUTOU COMO UM GAROTO. E seguiremos todos ao seu lado! E todos os que votaram nesse TRASTE Jairzinho bolsa de cocô vão se arrepender AMARGAMENTE e muito em breve. Vamos todos pagar muito caro por esse desastre (muitos até com a vida, talvez), mas esse MONSTRO será TOTALMENTE DESCONSTRUÍDO em tempo recorde. E aí vamos ver quem irá ter CORAGEM de assumir que ajudou a AFUNDAR de vez o Brasil.

 

***E só pra não esquecer, sendo que nunca foi tão necessário ter uma gig dessas nesse momento no Brasil: logo menos à noite, na choperia do Sesc Pompeia, rola o segundo show dos ingleses do Gang Of Four, um dos grupos mais politizados e esquerdistas da história do pós punk inglês dos anos 80. Os ingressos estão esgotados (ontem também se esgotaram) mas o blog estará presente e depois conta aqui nesse mesmo post como foi a apresentação, pode ficar sussa.

 

***Bien, mais notas e novidades poderão pintar aqui na Microfonia a qualquer momento e ao longo da próxima semana, já que o postão está entrando no ar na sexta-feira e seguirá como sempre em enorme construção. Mas vamos em frente aí embaixo, falando da volta dos Smashing Pumpkins e também dos trinta anos do mega clássico álbum “Green”, lançado pelo gigante inesquecível que foi o REM. Bora!

 

 

AOS TRINTA ANOS DE EXISTÊNCIA O SMASHING PUMPKINS RETORNA COM SUA FORMAÇÃO QUASE ORIGINAL – E, QUEM DIRIA, COM UM BOM DISCO DE INÉDITAS

Yeah, a lendária e clássica banda fundada há também exatos 30 anos pelo guitarrista, vocalista, compositor e gênio Billy Corgan, lançou semana passada seu novo disco de estúdio, após quatro anos sem gravar. Título enooooorme: “Shiny and Oh So Bright, Vol. 1 / LP: No Past. No Future. No Sun.”. É o décimo primeiro trabalho inédito do grupo e o primeiro a reunir em décadas a formação quase original da banda, já que ao lado de Corgan estão novamente o guitarrista (e nas gravações deste álbum também tocando baixo) japa James Iha, e o batera monstro Jimmy Chamberlin, sendo que só não se juntou a eles novamente a loira e loka e tesuda baixista D’Arcy.

O SM e Billy Corgan deram obras musicais GIGANTESCAS e IMORTAIS ao rocknroll, especificamente em seus três primeiros discos de estúdio (“Gish”, “Siamese Dream” e o duplo “Mellon Collie and the Infinite Sadness”, lançado em 1995 e que apenas naquela época vendeu absurdas 14 milhões de cópias) e isso é incontestável. É vero que daí pra frente a banda nunca mais acertou a mão e se tornou apenas grupo de apoio para o ditador Corgan. Depois que lançou o magistral álbum duplo “Mellon Collie…”, o SM nunca mais foi o mesmo. Fora que o conjunto se desfigurou por completo, com zilhões de músicos entrando e saindo do seu line up e onde apenas o careca Billy permanecia.

A banda também tocou no Brasil algumas vezes, sendo que o blog esteve nas duas primeiras: em janeiro de 1996 na derradeira edição do festival Hollywood Rock, quando eles vieram justamente na turnê do “Mellon Collie…” e fizeram um show ARRASADOR no estádio do Pacaembú (numa noite que ainda seria magistralmente fechada pelo The Cure, ótimos tempos que nunca mais irão voltar), e dois anos depois na tour do fraquinho “Adore”, sendo que a gig nem de longe foi igual a de dois anos antes.

CAPASP18

O novo e bom álbum do Smashing Pumpkins (capa acima), banda que completa 30 anos de existência em 2018 e cuja formação inicial e clássica incluía a baixista D’Arcy (abaixo)

IMAGEMSPCLASSIC

 

Mas enfim, trata-se de um bom retorno para um conjunto que soube como ninguém engendrar um mix sonoro onde cabiam eflúvios de heavy rock, psicodelia, dream pop e até shoegazer inglês. O disco tem enxutos 31 minutos de duração, uma ótima e bem vinda raridade em tempos em que se gravam discos com mais de uma hora de música insuportável e que não diz NADA ao ouvinte. E essa meia hora onde estão condensadas oito faixas periga ser o MELHOR DISCO da banda desde “Mellon Collie…”, lançado há seculares 23 anos. Ótimas melodias, músicas enxutas e bem resolvidas, sem enchimento de linguiça. Parece que a reunião dos três (Corgan, Iha e Chamberlin) reascendeu a mágica que havia na sonoridade do grupo nos anos 90’. Estas linhas bloggers rockers gostaram especialmente de “Silvery Sometimes (Ghosts)” (que lembra demais “1979”, pela melodia dela) e da lindíssima “With Simpathy”. Deu até pra se sentir de volta a 1995, dançando na pista do Espaço Retrô da rua Fortunato, no centro de Sampa.

Em tempos em que o rocknroll está definitivamente morto e atropelado pela completa irrelevância da música pop atual, e quando não se esperava nada mais de um conjunto como o Smashing Pumpkins, o fato de ele conseguir lançar um cd como este “Shiny…” é mais do que bem vindo. Vai agradar bastante aos velhos fãs e poderá ser uma ótima surpresa para uma pirralhada que não sabe mais o que é rock ou uma banda de rock, mas que tem curiosidade em descobrir como era e é esse gênero musical “do tempo das cavernas”.

 

 

A TRACK LIST DO NOVO ÁLBUM DO SMASHING PUMPKINS

1.”Knights of Malta”

2.”Silvery Sometimes (Ghosts)”

3.”Travels”

4.”Solara”

5.”Alienation”

6.”Marchin’ On”

7.”With Sympathy”

8.”Seek and You Shall Destroy”

 

 

E O DISCO PARA VOCÊ OUVIR, AÍ EMBAIXO

 

 

GRIND ANO 20 E FINAS 5.6 – ALGUMAS HISTÓRIAS BEM LOKAS NA MELHOR DOMINGUEIRA ROCK DO BRASIL

Yep, o rocknroll pode ter morrido no mundo (o que é muito triste) mas no Grind, a domingueira rock mais famosa e bombada do Brasil, ele segue firme e forte. Já se tornou um clássico da noite paulistana e isso num dia da semana dado como morto – o domingo. E nesse próximo domingo, 25 de novembro, ele completa 20 anos de existência, um recorde! Sendo que lá também estaremos discotecando para bebemorar nosso próprio aniversário, já que chegamos aos 5.6 de vida (não é mole, não!) na segunda-feira, 26.

Zapnroll se lembra bem (ou mais ou menos bem, rsrs) de quando tudo começou, em maio de 1998. A internet ainda engatinhava no Brasil, não existiam redes sociais e, tal como hoje, o rock era o gênero da música pop dado como morto. Pois o venerável André Pomba (nosso melhor amigo há 25 anos, ou seja, nos conhecemos 5 anos antes da festa dominical começar), sempre visionário, procurou a direção do clubinho gls A Loca (que estava começando a bombar na noite paulistana), propôs fazer uma noite rock para um público mix (gays, lésbicas e simpatizantes), o povo da Loca topou a parada e aí tudo começou. Nos primeiros anos era mesmo uma matiné dominical, que começava às 8 da noite e encerrava pontualmente meia-noite de segunda-feira. Não haviam flyers virtuais mas sim uma filipeta impressa em formato retangular, que divulgava a programação e a lista de djs e especiais do mês todo.

Com o passar dos anos o público foi aumentando e o horário teve que ser progressivamente esticado. A balada passou a funcionar até duas da manhã de segunda-feira. E no seu auge, quando cerca de mil pessoas passaram a frequentar a domingueira, o horário passou a ser estendido até (acreditem!) 6 da matina. Era uma piração bizarra: enquanto o povo “normal” amanhecia na avenida Paulista saindo de metrôs lotados para ir estudar ou trabalhar (todos devidamente engravatados ou trajando uniformes empresariais), uma galera loka, de óculos escuros e devidamente chapados de álcool e outros “aditivos”, saía do “inferninho” da rua “Gay” Caneca (no centro de Sampa) para chegar em casa e desabar na cama.

Estas linhas zappers fizeram muitas djs set no Grind ao longo dessas duas décadas (o sujeito aqui é jornalista e sempre foi, mas gosta de “brincar” de dj). E as histórias absolutamente MALUCAS que vivemos na festona sempre animada do mozão Pomba, dariam um livro. Não resistimos e contamos duas abaixo, tentando resumir ao máximo a ópera rock.

CARTAZGRIND20ANOS

A domingueira rock mais famosa do Brasil chega aos vinte anos de existência nesse domingo (25 de novembro) com festão, que irá contar com dj set especial do blog (acima); abaixo, o jornalista loker rocker manda bala na cabine de som do Grind

FINATTIDJGRIND18II

 

 

***2004 e o strip do jornalista loker-rocker – era julho daquele ano e o Grind fazia sua festa especial celebrando o famigerado Dia Mundial do rock. Pomba montou um line de djs especial onde, entre outros, tocariam o saudoso Kid Vinil e Finas, claro. Pois quando chegou a hora da nossa dj set lá foi o jornalista loker (já turbinado por boas doses de vodka com energético e gin tônica) fazer o “serviço”, rsrs. Até que resolveu tocar “I Can’t Get Enough”, super hit dançante (naquela época) do grupo britpop Suede, que sempre amadoramos (a banda e a música em si). E sempre que tocava essa música em alguma discotecagem Finaski despirocava e se transformava numa bicha mais loca que o vocalista Brett Anderson. Pois o dj loki e ainda relativamente jovem e PAUZUDO (rsrs) começou a se ESFREGAR na parede e também a… TIRAR A ROUPA em plena cabine de discotecagem! Terminou a faixa apenas de CUECA (sunga, ainda por cima), o que levou sua então love girl (a tesudíssima Tânia, com quem ele havia começado a ter um caso um mês antes e sendo que ela em outra noitada no Grind, bem loka de álcool, chupou o pinto zapper em plena pista de dança, num cantinho ao lado da cabine de som) a exclamar para um amigo em comum que nos acompanhava: “Mas o que é isso que ele fez!!!”. “Ficou pelado, oras!”, respondeu nosso amigo, uia!

 

***Dando entrevista BICUDAÇO de farinha, e a LOCA do “acabou, acabou!” – maio de 2009 e o Grind faz sua mega festa de 11 anos de existência. Casa lotada, Finas bem loko de álcool e cocaine, rsrs. E num momento que estava na cabine enquanto Pomba manda bala no som, chega uma equipe do programa de tv do Chato Mesquita, ops, Otávio Mesquita, para fazer uma matéria sobre a festa. Uma repórter tesudinha entrevista Pombinha na cabine mesmo. Logo em seguida ele RECOMENDA que a repórter também entreviste o mancebo aqui, por ele ser jornalista conhecido e bla bla blá. Ela vem falar com o gonzo chapado, põe o microfone na cara dele, acende a luz da câmera de filmagem e manda bala. O zapper total alucicrazy, com os olhos estalados e as órbitas saltando pra fora deles, dispara a falar a 200 kms por segundo. Ao final da curta entrevista, dom Pomba com sua sempre impoluta sabedoria, vaticina: “se eles aproveitarem 20 segundos do que você falou será muito, hihi”. Mas o grand finale dessa madrugada (sendo que o blog já tinha indo embora quando rolou a parada, mas depois ficamos sabendo pelo relato de dom Pombinha) foi mesmo quando, às 5 e meia da matina (!!!), uma LOCA literalmente INVADIU a cabine do dj e tentou jogar as CDJs (os tocadores de cds) no chão, enquanto gritava total alucinada: “ACABOU! ACABOU!!!”. Pomba só teve tempo de literalmente AGARRAR as CDJs pra evitar que elas fossem pro chão, enquanto um segurança arrancava a maluca da cabine. Depois, ficou-se sabendo, a moçoila tinha levado uma botinada do (ex) namorido durante a balada, o que a motivou a fazer a loucura de invadir a cabine. Só não se sabe até hoje se os gritos dela de “acabou!” se referiam ao fim do namoro ou se ela queria mesmo ACABAR com a balada, ahahaha.

 

Então é isso. Domingo agora promete ser lindo: 20 anos de Grind (no Espaço Desmanche, onde a festa está muito bem instalada há quase dois anos, e que deverá lotar), uma festa que já formou gerações na capital paulista, e 5.6 de Finaski, com dj set dele avassaladora a partir das duas da matina. E deverá ser mesmo nossa ÚLTIMA dj set pois já estamos véios demais pra essas loucuras, hihi.

Espero todo mundo por lá, sendo que todas as infos da balada imperdível você pode conferir aqui: https://www.facebook.com/events/254150721931307/.

Feliz aniversário, Grind! Que venham outros 20 anos pela frente!

 

**********

 

 

“GREEN”, UM DOS DISCOS GIGANTESCOS DA HISTÓRIA DO ROCK MUNDIAL E LANÇADO EM 1988 PELO INESQUECÍVEL REM (UMA DAS CINCO BANDAS DA VIDA DE ZAPNROLL), CHEGA AOS 30 ANOS DE EXISTÊNCIA – MOSTRANDO QUE REALMENTE NÃO EXISTEM MAIS BANDAS E NEM DISCOS COM TAMANHA QUALIDADE ARTÍSTICA E MUSICAL

Sexto álbum de estúdio da trajetória da banda norte americana REM (que durou exatamente trinta e um anos, lançando durante este período um total de quinze discos inéditos, além de Eps e coletâneas), “Green” é um dos trabalhos gigantes do grupo e superlativo em vários aspectos. Lançado oficialmente em 7 de novembro de 1988, marca a estreia do então quarteto criado em Athens (no Estado da Georgia) e integrado pelo vocalista e letrista Michael Stipe, pelo guitarrista Peter Buck, pelo baixista e tecladista Mike Mills e pelo baterista Bill Berry, na gigante major do disco Warner Bros, após editar seus primeiros LPs pelo pequeno selo IRS.

Quando foi cooptado para a Warner Music (o braço musical do monstruoso conglomerado de mídia e comunicação sediado nos Estados Unidos), o REM (o nome do grupo foi escolhido de maneira aleatória por seus integrantes, mas tem a ver com um termo da psiquiatria que determina a fase do sono humano em que a pessoa mergulha em sonhos e quando os olhos desta pessoa passam a piscar freneticamente, daí o termo “Rapid Eye Movement” ou “movimento rápido do olhar”) já existia há oito anos (foi fundado em 1980) e havia lançado cinco álbuns pelo selo IRS (na verdade, uma subdivisão de outra major gigante, a Columbia Records, fundada por Miles Coppeland, empresário do meio musical e irmão de Stewart Coppeland, baterista do lendário trio inglês The Police). Todos venderam muito bem, ganharam grande respeito da crítica e amealharam alguns milhões de fãs nos EUA (especialmente no circuito do rock mais alternativo), seduzidos pelas ótimas melodias que combinavam aceleração punk com eflúvios de folk e country music, e também pelas letras poéticas (escritas e cantadas por Stipe) e pela postura altamente engajada do grupo, tanto na questão política quanto social. Além disso um dos maiores trunfos do quarteto era mesmo o guitarrista extraordinário Peter Buck, que possuía um conhecimento ENCICLOPÉDICO de rocknroll por ter trabalhado durante anos na sua juventude em uma loja de discos.

Assim, quando “Green” chegou às lojas de discos, ele veio cercado das maiores expectativas possíveis. E não decepcionou nem os fãs muito menos a imprensa rock. Alternando canções rocks vigorosas (como “Pop Song 89”, “Get Up”, “Stand”, “Orange Crush” e “Turn You Inside-Out”) com momentos de puro lirismo e melancolia melódica (e aí dois ótimos exemplos são as belíssimas “World Leader Pretend” e “The Wrong Child”), “Green” foi efusivamente saudado como um grande disco pelos principais veículos de mídia do mundo à época. Vendeu muito bem também e abriu caminho para que, três anos depois, a banda se tornasse um fenômeno planetário de vendas e de público, quando editou o álbum “Out Of Time”, que produziu um dos maiores hits que se tem notícia em toda a história do rock mundial, a igualmente lindíssima “Losing My Religion”. Mas “Green” permanece como um marco ESSENCIAL na trajetória do conjunto até hoje, três décadas após seu lançamento. Reverenciado por astros como o saudoso vocalista do Nirvana, Kurt Cobain (que incluiu o LP na sua lista de cinquenta melhores discos de todos os tempos), ou por jornais lendários como o inglês The Times (onde o disco permanece também na lista dos cem melhores de todos os tempos), “Green” não envelheceu. Pelo contrário: continua com uma musicalidade atualíssima e com temas idem, mesmo em tempos onde a cultura pop não vale praticamente mais nada e quando o rocknroll virou infelizmente peça de museu.

CAPAREM1988II

Um dos nomes mais importantes de toda a história do rock mundial, o quarteto americano REM lançou há exatos 30 anos um de seus melhores álbuns, “Green” (acima); abaixo, o vocalista Michel Stipe canta e canta quase 200 mil pessoas (o blog zapper entre elas!) na terceira edição do Rock In Rio, em janeiro de 2001

IMAGEMREMRIR2001

 

Após “Green”, o grupo ainda ficaria ainda na ativa por mais de duas décadas, onde continuou lançando ótimos trabalhos e alguns mais medianos no final de sua carreira, que se encerrou de maneira pacífica (e sem brigas entre seus integrantes) em 2011, quando terminou o contrato do grupo com a Warner. Antes, por duas vezes, a banda se apresentou no Brasil, em janeiro de 2001 (na terceira edição do festival Rock In Rio, em uma gig inesquecível e que provocou comoção generalizada no público de quase duzentas mil pessoas que estava na “cidade do rock”, o autor deste blog incluso), e depois em novembro de 2008, quando tocou em São Paulo, Rio De Janeiro e Porto Alegre. Foram dignos, gigantes em sua musicalidade, amados pelos fãs e ultra respeitados pela imprensa mundial até o fim. Foram, com justiça, um dos maiores nomes de toda a história do rock. E deixam saudades até hoje.

Abaixo, em texto especialmente escrito para o blog pelo carioca Leo Rocha (querido amigo, fã e especialista em REM), nosso dileto leitorado terá uma extensa e ótima análise da trajetória do quarteto, além de também uma preciosa análise de “Green”. Boa leitura!

 

 

 

REM – A TRAJETÓRIA DA BANDA E A VISÃO DE UM FÃ E ESPECIALISTA NELA, SOBRE O ÁLBUM “GREEN”

 

(por Leo Rocha, especial para Zapnroll)

 

“Michael Stipe gritou pela última vez:

– And I feel…

Cem mil vozes urraram em respostas:

– Fine!

Bernardino pensou:

– Pu-ta que pa-riu!

Duas e quarenta e quatro da madrugada de 14 de janeiro de 2001.”

 

Pois é, amigos… Esse é o começo do livro de Arthur Dapieve (jornalista carioca) (e nota do editor do blog, com todo respeito à admiração do querido Léo pelo referido jornalista carioca: Dapieve, superestimado como jornalista, sempre cometeu equívocos e imprecisões em seus textos: haviam quase 200 mil pessoas no show do REM em 13 de janeiro de 2001, na terceira edição do Rock In Rio, e não apenas 100 mil. E Finaski era UMA dessas quase 200 mil pessoas) chamado “De Cada Amor Tu Herdarás Só o Cinismo” (Ed. Objetiva). Uma analogia com a canção “O Mundo é um Moinho” de Cartola. Uma senhora lição de vida!!!! Compareci ao lançamento e de lá descolei uma assinatura circulando o nome do vocalista (informei ao jornalista que era um admirador da banda) junto ao meu. Tenho guardado o exemplar intacto na minha estante. O livro narra uma história romântica e ímpar de um homem de quarenta e poucos anos seduzido por uma jovem ingênua e arisca. E, justamente, tudo inicia-se ao fim do show do REM no Rio de Janeiro (Rock in Rio 2001). Sincrônico, não?

A primeira vez que me deparei com essas linhas fiquei auspicioso e hirto. Pensei: “Que porra é essa?” Não esperava que o começo da minha leitura iria de encontro ao show mui especial da banda do meu coração, tampouco numa noite que foi ÚNICA pra mim. Em diversos aspectos. Antes que você ache que me refiro ao show em si… interrompo para dizer: meu casamento havia terminado naquele ano e na semana do show. Você consegue imaginar o meu espanto agora? Ou melhor: no instante em que li o livro de Dapieve? Pois é, meu caro. A vida é cheia de surpresas e ironias. Enfim… E devo dizer que durante muitas páginas do livro fiquei mais espantado, pois os detalhes dentro da história lembram muito o que eu fiz naquele show e como foi a volta do mesmo pra casa. Assustador!!! Muita sincronia!!! De qualquer modo, a banda nunca havia pisado em solo nativo para tocar. Jamais. E minha ex-mulher sabia bem o que aquele dia representava pra mim. De novo: a vida é irônica e sacana. Lembro-me de muito do show e do dia inteiro. Foi surreal esse momento de celebração com os amigos (em comum) e ao mesmo tempo a nossa frustração interna com a separação. Foi punk! Mas, antes de prolongar-me nessa retórica deixe-me voltar anos atrás para resumir como a banda surgiu na minha vida…

Eu já havia escutado “The One I Love”, “Stand” e “It’s the End” na extinta Rádio Fluminense. Final da década de 80. Faz-se necessário recordar que não havia internet nem celular. Então as coisas, os sons, as novidades “gringas” chegavam ao Brasil tempos depois. Era sempre assim. Se por acaso uma banda lançasse algo fora o país só receberia anos depois. Salvo se você fosse ingressar como jornalista musical. O que a gente podia fazer era ter amigos ou parentes que viajassem e comprassem um vinil ou K-7. No máximo. Não tinha muito como escapar. Tinham poucas revistas que informavam, mas era árdua a missão. Quem gostasse de som alternativo e afins tinha que ler revistas especializadas, corresponder-se (cartas) com os fã-clubes pelos correios (duas semanas ou mais chegavam as respostas) e sair pela noite nas festas “estranhas com gente esquisita”. E eu fui um adolescente assim. Juro! Por mais uma ironia do destino viajei para Nova York a lazer para casa da minha prima mais velha em 1991. Hmmmm… acho que o leitor já sentiu aonde vou chegar né? Sim…  saía “Out Of Time” com tudo no país (EUA). O disco estava muito estourado (“hype” pros mais jovens). Tocava em toda esquina de NY. Concomitante o Nirvana também havia lançado “Nevermind” e eu peguei tudo lá, direto da fonte. Mas, essa é outra história. Comprei o “Out Of Time” e com isso comprei todos os outros CDs (só tinha no exterior a mídia) da banda. Do EP “Chronic Town” ao “Green”. Levei tudo. Eram sessenta cds (sim, sessenta). O dono da loja ficou rindo à toa. Gastei na época uns seiscentos dólares. Cada cd custava dez dólares. Sacou? O dólar na época estava 1,5 para moeda brasileira. Nada de muito assustador. Mais: tive que comprar o aparelho!!!! Sim… Não havia cd nem aparelho pra rolar no Brasil. Só rico tinha. Eu não era rico. Voltei de lá lotado de sons e louco para desvendar a banda de Athens. Aí… bom… vamos deixar de lado o que aconteceu, pois é como se eu narrasse um encontro meu com uma mulher. Foi lindo! Tinham oito trabalhos distintos do REM para escutar. Devorar mesmo. Havia a coletânea “Epponymous” lançada lá nos EUA em 1988. Desse momento em diante passei a “alugar” cds em lojas recém-abertas no Rio de Janeiro. Permitia você alugar um cd por um dia ou mais para escutar ou gravar (olha a pirataria aí…Tsc…Tsc…). Quem tem mais de quarenta anos irá lembrar. Dali eu escutei muito REM antes de comprar. Mas, eu não tinha o aparelho. O jeito era escutar nas casas dos amigos. Mas, tudo bem. Quando eu volto pro Brasil estava com tudo. Munido de som, aparelho, roupas, revistas etc. Diversos amigos meus enfurnaram-se na minha casa para ouvir, beber, apreciar a qualidade do CD… Vínhamos do som do Vinil. Eu adorava, mas o cd estava chegando, entende? Bom, desde então consumi a literatura de música pop, rock e indie feito um esfomeado. Absorvi tudo, tudo. Mas sempre com o REM em particular… cada vez mais. Quando frequentei as festinhas de rock eram as camisas quem ditavam regras. Quem curtia Smiths, Joy Division, The Cure e tal. Porém eu comprei uma lá do REM e foi justamente com ela que conheci diversas pessoas na noite e ficamos amigos. Alguns famosos, rsrsrrs. Nesse passo fui encontrando-me nesse pessoal (da noite) que curtia outros sons. Eu, cada vez mais, aprofundava-me nos rapazes da Georgia. Em resumo: a banda fez-me conhecer muitas pessoas distintas, era apreciada em conjunto, embalou namoricos meus e acalantou-me em outros pés na bunda que tomei também. Esteve sempre comigo na adolescência, juventude e plena maturidade. Veio o milênio novo e com ele a esperança de um show no Brasil (esse mesmo!!!) em 2001. Foi um alvoroço na minha turma. Gente de São Paulo, Minas, de vários lugares comentando e combinando. Foi quando o meu casamento (eu já era pai também) acabou. Eles chegaram no ano certinho. Pior: no mesmo mês. Eu me separei em janeiro. Foi inimaginável assisti-los, degustá-los e ao mesmo tempo ficar firme. Algo próximo da catarse! Mais uma ironia? Fato. A tecnologia foi chegando, celulares, internet, redes sociais… O que unia a rapaziada nos anos 80 e 90 a rede receberia anos depois. Salvo se você fosse ingressar como jornalista musical. O que a gente podia fazer era ter amigos ou parentes que viajassem e comprassem um vinil ou K-7. No máximo. Não tinha muito como escapar. Tinham poucas revistas que informavam, mas era árdua a missão. Quem gostasse de som alternativo e afins tinha que ler revistas especializadas, corresponder-se (cartas) com os fã-clubes pelos correios (duas semanas ou mais chegavam as respostas) e sair pela noite nas festas “estranhas com gente esquisita”. E eu fui um adolescente assim. Juro! Por mais uma ironia do destino viajei para Nova York a lazer para casa da minha prima mais velha em 1991. Hmmmm… Acho que o leitor já sentiu aonde vou chegar né? Sim… Saía “Out Of Time” com tudo no país (EUA). O disco estava muito estourado (“hype” pros mais jovens). Tocava em toda esquina de NY. Concomitante, o Nirvana também havia lançado “Nevermind” e eu peguei tudo lá, direto da fonte. Mas, essa é outra história. Comprei o “Out Of Time” e com isso comprei todos os outros CDs (só tinha no exterior a mídia) da banda. Do EP “Chronic Town” ao “Green”. Levei tudo. Eram sessenta cds (sim, sessenta). O dono da loja ficou rindo à toa. Gastei na época uns seiscentos dólares. Cada cd custava dez dólares. Sacou? O dólar na época estava 1,5 para moeda brasileira. Nada de muito assustador. Mais: tive que comprar o aparelho! Sim, não havia cd nem aparelho pra rolar no Brasil. Só rico tinha. Eu não era rico. Voltei de lá lotado de sons e louco para desvendar a banda de Athens. Aí… Bom, vamos deixar de lado o que aconteceu, pois é como se eu narrasse um encontro meu com uma mulher. Foi lindo! Tinham oito trabalhos distintos do REM para escutar. Devorar mesmo. Havia a coletânea “Epponymous” lançada lá nos EUA em 1988. Desse momento em diante passei a “alugar” cds em lojas recém-abertas no Rio de Janeiro. Permitia vc alugar um cd por um dia ou mais para escutar ou gravar (olha a pirataria aí…Tsc…Tsc…). Quem tem mais de quarenta anos irá lembrar. Dali eu escutei muito REM antes de comprar. Mas, eu não tinha o aparelho. O jeito era escutar nas casas dos amigos. Mas, tudo bem. Quando eu volto pro Brasil estava com tudo. Munido de som, aparelho, roupas, revistas etc. Diversos amigos meus enfurnaram-se na minha casa para ouvir, beber, apreciar a qualidade do CD. Vínhamos do som do Vinil. Eu adorava, mas o cd estava chegando… Entende? Bom, desde então consumi a literatura de música pop, rock e indie feito um esfomeado. Absorvi tudo, tudo. Mas sempre com o REM em particular. Cada vez mais. Quando frequentei as festinhas de rock eram as camisas quem ditavam regras. Quem curtia Smiths, Joy Division, The Cure e tal. Porém eu comprei uma lá do REM e foi justamente com ela que eu conheci diversas pessoas na noite, e ficamos amigos. Alguns famosos, rsrsrrs… Nesse passo fui encontrando-me nesse pessoal (da noite) que curtia outros sons. Eu, cada vez mais, aprofundava-me nos rapazes da Georgia. Em resumo: a banda fez-me conhecer muitas pessoas distintas, era apreciada em conjunto, embalou namoricos meus e acalantou-me em outros pés na bunda que tomei também, rsrsrs. Esteve sempre comigo na adolescência, juventude e plena maturidade. Veio o milênio novo e com ele a esperança de um show no Brasil (esse mesmo!) em 2001. Foi um alvoroço na minha turma. Gente de São Paulo, Minas, de vários lugares comentando e combinando. Foi quando o meu casamento (eu já era pai também) acabou. Eles chegaram no ano certinho. Pior: no mesmo mês. Eu me separei em janeiro. Foi inimaginável assisti-los, degustá-los e ao mesmo tempo ficar firme. Algo próximo da catarse! Mais uma ironia? Fato. A tecnologia foi chegando, celulares, internet, redes sociais… O que unia a rapaziada nos anos 80 e 90 a rede social podia fazer “online”. E, assim foi. Comunidades e fãs de diversos lugares do mundo eu fiz amizade. Estreitando mais ainda os laços internacionais com algo em comum: REM. Por fora eu traí muito a banda, rsrsrs. Nunca fui fiel nesse sentido. Eu adoro som. Flertei com tudo: jazz, rock, indie, pós-punk, punk, blues, jungle pop, power pop, techno, rap, etc. Nunca prendi-me a um som ou a uma coisa somente. Isso eu sempre tratei bem. Porém, nunca deixava de ser um fã da banda. Um pesquisador de várias bandas que tinha um afeto especial por eles. Era bem simples. A banda entrou na minha vida como entra um amigo ou parente e fica. Participa, convive e estabelece-se. Entende? É assim que funciona comigo. Tenho as minhas predileções, contudo mantenho-me ouvindo e curtindo tudo mais. Mas, é fato que as pessoas lembram de mim, também, por ser um fã de REM. Afinal de contas, o que faço aqui no blog do Finas? Falando do quê? Ora bolas, rsrsrs.

Para arrematar esse papo todo menciono a segunda vez deles aqui. Antes, em 2005, conheci uma moça que faz meu coração balançar mais uma vez. Nada estava dando certo nesse período. Conhecê-la foi uma virada pra mim. Namoramos durante quase três anos e nos programamos para morar juntos e tal. Seria o “segundo” casamento. Ugh! Como dizia a famosa canção: “pro inferno ele foi pela segunda vez”… Rsrsrs. Mais uma relação pro vinagre. O ano? Era 2008. Adivinhe quem viria naquele ano pro Brasil? Pois é… De novo, os caras para alentar esse jovem recém separado. Ou seja: a banda esteve e está em todos os momentos cruciais meus. Não havia como ignorar tanta ironia e capricho da vida. Foram quatro shows (dois em SP e um no RJ e em Porto Alegre). Daí vieram mais amigos, celebrações, etc. E um disco de encerramento (“Collapse Into Now” em 2011) por parte da banda. Um momento forte, mas essencial. Opinião minha.

O show do REM na terceira edição do festival Rock In Rio, na noite de 13 de janeiro de 2001: quase 200 mil pessoas cantaram junto com a banda; e CHORARAM quanto ela tocou “Losing My Religion”

 

 

PARTE REM EM CARREIRA

O contexto histórico e musical em que se encontra a banda REM é complexo, mas muito interessante. Como toda banda de mais de trinta anos (exatos trinta e um anos redondos) o REM passou por fases internas, mudança de gravadora, contratos novos, modismo no mercado fonográfico e tudo mais. Porém, comecemos ali no ano de mil e novecentos e setenta e nove. Os jovens Michael Stipe e Peter Buck se conhecem em Athens (berço da banda, na Georgia) numa loja de discos em que o guitarrista trabalhava. Michael descobrira que eles tinham gostos similares com a música. Sobretudo punk rock e pós-punk. Mike Mills e Bill Berry (baixista e baterista) estudavam na mesma universidade e tocavam juntos em bandinhas locais. Conheceram-se nessa cena pequena de Athens e resolveram montar a banda. O nome REM foi escolhido de forma aleatória num simples dicionário. Uma amiga de Stipe estava de aniversário marcado e a banda resolve tocar em celebração numa igreja abandonada (data de 5 de abril de 1980 – esse é o ponto zero da banda) que eles costumavam ensaiar. Dali gravaram o single “Radio Free Europe” pela Hib-Tone para ver o que rolaria. Fez um barulho além da expectativa chamando atenção da IRS Records (gravadora genitora deles que seria a responsável por tudo que eles fizeram nessa fase independente). Lançam o EP “Chronic Town” com cinco canções aceleradas e pungentes. Começam a arrebatar fãs pela cidade. Essa fase é de ouro. A banda começa a reputação de “cult” e de largos elogios pelas “colleges radios” (cenário independente dos EUA). Gravam em 83 o clássico “Murmur” (obra prima dessa fase considerada pela crítica) e batem “WAR” do U2 e, pasmem, “Thriller” de Michael Jackson! Simplesmente tornam-se imensos para a cena local e começam a fazer shows pelo país… A fama começa a crescer de forma incontrolável e à medida que eles faziam shows e gravavam mais discos a demanda do mercado e a crítica especializada começou a apelidá-los de “maior banda de rock dos EUA” ou “Number one with Attitude” (título estampado na Rolling Stone anos mais tarde). Seguem “Reckoning” (84), “Fables Of Reconstruction” (85), “Lifes Reach Pageant” (86) em sequência. As letras mudam, o tom político e contestador sobressaltam e há uma esperança nova nesses caras. O que pouca gente sabe é que no meio de 1985, na gravação de “Fables”, em Londres, a banda quase termina. Brigas no estúdio, discussões acerca do som e instabilidade emocional no estúdio quase puseram tudo a perder. Michael admitiu numa entrevista que foi difícil, mas necessário para a banda decidir o que queria e como seguiria. Dizem que o clima de Londres também deixou o clima soturno na época. De qualquer forma o tempo foi o maior aliado deles. Transformaram-nos no maior expoente americano em 87. Ano do último disco pela IRS: “Document”. Um discaaaaço. Dos singles, “The One I Love” e Its The End…”, sucesso imediato nas rádios também comerciais. Nesse mesmo ano a IRS percebendo que ia perder seu principal artista do catálogo relança o EP “Chronic Town” juntamente com uma coletânea chamada “Dead Letter Office” em CD – trabalho que constam os takes jogados fora e os lados B (sim, isso existia, rsrs) das canções lançadas além de algumas covers. Acho esse trabalho grandioso, inclusive. Estava óbvio que a banda precisava de uma grande gravadora. Muitas tentaram, mas eles fecharam com a Warner. Dizem que o contrato girou em torno de dez milhões por cinco discos. A banda já tinha excursionado desde 1983 pra fora dos EUA. Fez Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Espanha, Holanda, etc. Flertavam com a Ásia e Oceania. Em 1988 gravaram “Green” (na impressão da capa há um erro com a letra “R” e o numeral “4) e entraram em todas as paradas europeias e americanas com “Stand”, “Pop Song 89” (uma sátira com “Hello I love You” dos Doors) e “World Leader Pretend”. O álbum torna-se um sucesso comercial e uma turnê fez-se necessária. Excursionaram por desgastantes meses. Stipe adotou um corte moicano terrível em seu cabelo (Sim, ele ainda tinha bastante cabelo!) e abraçou causas ambientais e políticas pelo mundo. Esse registro vale muito a pena. “Tourfilm”, o registro em questão, existe em VHS e DVD. Pra quem é fã é quase uma obrigação ter. Resolvem descansar após essa turnê (iniciada em 88 e finalizada quase em 90), a primeira pela nova gravadora. Nessa época, a América Latina já escutava esses dois discos (“Document” e “Green”). Sem a banda e o mercado saber, há um terreno sendo preparado ao Brasil, inclusive. Quando voltam ao estúdio gravam o seu álbum de maior sucesso mundial – “Out Of Time” – um sucesso à moda Beatles. Estouro, fãs, MTV, fama e inúmeros prêmios. Chefiado por “Losing My Religion”, “Radio Song” e “Shinne Happy People”. No Brasil o clipe de “Losing My Religion” tocou mais do que qualquer outra canção. E, assim começa a nova fase da banda. Fãs dessa geração noventista e MTV se apaixonam pelos caras e a banda alcança o patamar de GIGANTE. É importante salientar duas coisas aqui: 1) o sucesso veio de forma natural sem se vender nem abrir concessões. 2) o som do REM nunca mudou em busca disso ou daquilo. Desde o “Green” a sonoridade deles já havia desacelerado. Culminando em “Out Of Time” e no álbum seguinte: “Automatic For The People” de 1992. Um tapa na cara da crítica que esperava outra coisa do REM… Era a fase “grunge” no mundo. Eles vieram com um disco quase acústico e recheado de metais e cordas com participação da Orquestra Sinfônica da Georgia. A Warner quase teve um treco. Mas as boas vendas e a resposta dos fãs acalmaram tudo. Desse álbum “Drive”, “Man on The Moon” e “Everybody Hurts” desbancam várias canções nas paradas. “Man on The Moon” é lançada também para promover o filme sobre o comediante Andy Kaufman (uma celebridade televisiva americana que morreu precocemente com apenas 35 anos de idade, sendo que a música é dedicada a ele), que chegava aos cinemas. A banda tinha uma queda pelo controverso humorista. “Everybody Hurts” emociona mulheres e homens. Muitos machões choraram com a letra e chegou-se a se falar pela América que aquela era a música “masculina” (não faço ideia do que isso queria dizer, juro!) mais triste do planeta. Por mais louco que possa ser a banda resolve não excursionar para divulgação do disco. Também não o fizeram em “Out Of Time” (apenas deixaram as TVs e lojas venderem e recolheram todos os louros disso). Uma decisão que só pode ser tomada por uma banda que tenha maturidade, culhão e banca pra botar. E eles tinham isso. O tão citado título de “number one with Attitude” não era em vão. Essa atitude era sempre de conversar e deixar claro que o trabalho e postura não iriam mudar. Sem apelos ou vulgaridade com seu som em nome de um mercado. Posso assegurar (quebrando a janela, gente) que isso foi feito em toda carreira. Talvez, exceção feita em “Monster” (1994) onde eles toparam distorcer e afiar as guitarras numa época que as bandas de rock mais novas faziam. Mesmo assim fizeram à moda deles, rsrsrs. Gostaria de abrir um enorme aposto aqui: os produtores da banda sempre foram importantes e considerados “amigos” do coração. Começou com Mich Easter (frontman do Let’s Active) na fase independente, chegou em Scott Litt (grande Scott!) na fase Warner e, tida por muitos como a melhor de um produtor, passando pela produção de LUXO de John Paul Jones (baixista do Led Zeppelin) em “Automatic…” e Pat McCarthy. Verdadeiros mágicos, parceiros e responsáveis pela sonoridade que eles sempre buscaram nos álbuns. Tenham certeza disso. Produção musical é a parte essencial para dar vida ao que o artista criou. Fundamental.

Bom, voltando ao álbum seguinte: “Monster” vendeu bem e aproximou a banda de outros públicos. Dentro desse disco tem “Let Me In” (canção dedicada a Kurt Cobain) em homenagem ao líder do Nirvana, que havia se matado em abril de 1994. O trabalho também rende homenagem ao ator River Phoenix, morto naquele ano também, vítima de uma overdose. Nessa época começa a “Road Movie” outra turnê clássica e importante da banda. Ali eles puderam incluir nos shows as canções mais pesadas deles feitas nesse disco. O resultado foi incrível. Mesclaram de maneira acertada o set list da turnê. Esse registro existe em DVD, outra peça importante pra fãs. Em 1996 eles lançam “New Adventures In Hi-fi”, o último do contrato com a Warner. As vendas não são boas e há a primeira “pressão” em cima da banda. Apesar da sonoridade desse disco ser bem “on the road” há uma gama de teclados e pianos ganhando luz no som deles e isso irritou uma turma radical (críticos e fãs) fazendo com que o álbum fosse duramente criticado. O mais engraçado disso é que eu considero esse um belo registro. Acho-o superior ao “Monster”, inclusive. Mas, a crítica não enxergou assim. Fica aqui a minha imane discordância. É um disco de viagem mesmo. Experimente ouvi-lo na estrada. Putz… e ali tem canções ótimas como “Undertow”, “Binky The Doormat”, “E-Bow Letter” (com participação de Patti Smith nos vocais), “Be Mine” e “New Test Lepper”. Enfim… foi subestimado pelo mercado. Nesse disco acontece aquilo que nenhum fã deseja: sai um membro fundador. Bill Berry, exausto e de saco cheio decide deixar a banda e dedicar-se a sua fazenda (sendo que na turnê do álbum anterior, “Monster”, o baterista teve um pequeno AVC ao final de um show, o que fez com que ele desmaiasse em pleno palco, episódio que também contribuiu para sua saída do grupo). A banda sente o golpe. Muito. Eu senti também. Nunca pensei que isso poderia acontecer. Juro. Achava que os quatro iriam juntos até o final. Mas o fato é que Bill Berry pede as contas e se manda. Segue amigo e irmão deles, mas longe de qualquer estrelato. Importante comentar: a banda NUNCA substituiu o músico. Sempre trabalhou com bateristas contratados. Nunca receberam alcunha de “membro REM”. Outra coisa fundamental nos caras. Sempre assinaram os quatro. Eu disse “os quatro”, autorias de todas as canções. Assim era dividido igualmente sempre. Outra faceta de credibilidade e caráter da banda. Raro hoje, né? Nesse climão eles assinam um novo contrato com Warner por mais cinco discos sob a bagatela de R$ 80 milhões!!!! Uow! Um sucesso de renovação. Repito: somente porque era o REM. A banda sempre se posicionou e bancou seu som. Em 1998 eles lançam “Up”. Uma retomada boa nas vendas e com algum sucesso nos EUA e na Europa. Excursionam incansavelmente por países mais distantes e fora de rota das grandes bandas. Outro fator deles. Nesse disco canções como “Daysleeper”, “At My Most Beautyful” (Mike Mills compõe um lindo arranjo nos teclados) e “Lotus” alcançam o público. Nessa altura do campeonato o REM já tinha renovado seus fãs… São pessoas que gostam da fase da Warner primeira e essa segunda. São distantes um pouco da fase independente. Isso é comum em bandas com mais de vinte, trinta anos. E é cool. É importante, sobretudo. Em 2001 eles lançam “Reveal”, um disco redondo, ensolarado e bonito. Acertam a mão e a crítica e as vendas ficam condizentes. Os rapazes voltam ao trilho. E aí vai acontecer algo inédito pra gente aqui do Brasil: a banda vem no mês de janeiro de 2001 ao Rock in Rio. Simplesmente fazem um dos melhores shows do Festival e ganham o dobro de fãs no país. Os músicos nunca mais esqueceram aquela noite. Foram quase 200 mil pessoas uníssonas cantando e entoando gritos. Michael ficou bêbado com caipirinha e foi pro público. Uma leve confissão aqui (quebrando a parede pela segunda vez): eu estava nas primeiras filas e cocei a careca de Stipe. Visivelmente emocionado. Foi uma catarse! Quem foi nunca esquece. Ali eu resgatei um “furo”: The Lifting” e “She Just Wants to be” foram executadas ao vivo pela primeira vez no MUNDO. Sim, isso que você leu: o Rio de Janeiro (e o Brasil) foi o primeiro lugar na Terra que eles tocaram essa duas canções, já que o disco só saiu cinco meses depois. O que deixou os fãs mais excitados com o que viria no álbum. Estabelecido de volta ao bom caminho a banda lança mais um disco: “Around The Sun” de 2004. Um trabalho honesto repleto de teclados, pops duvidosos e ousadia em outras sonoridades. O resultado é bom para as vendas, mas a crítica torce o nariz. Eu também acho esse trabalho um dos menores. Tem coisas ali como “The Outsiders”, “Aftermath”, “Leaving New York” e “Electron Blue” que são hinos. Lindos! Mas, tem outras derrapadas ali bem feias. Não vou citar para não depor contra. Mas eles erraram feio na minha opinião. Os novos fãs curtem e nem ligam. No fim de tudo é isso que importa, não? Em 2007 eles entram pro Hall Of Rock And Roll Fame, importante e definitiva homenagem a uma banda de rock. Comparecem e entregam tal honraria Patti Smith e Eddie Vedder no palco. Bill Berry (ex baterista) é convidado e comparece. Depois de muito tempo toca com seus antigos amigos. Um ano de celebração. No ano seguinte eles lançam “Accelerate”, o décimo quarto da carreira. Um retorno bom às guitarras e distorções além do bom e velho rock antigo que eles faziam no começo. Dali canções como “Living Well is the Best Revenge”, “Accelerate” (faixa título), “Man-Sized Wreath” e “Mr. Richards” se destacam. Um bom trabalho dos rapazes. Disco enxuto e direto. Exatamente como eles (bem) faziam no começo. Em 2010 entram em estúdio para gravar o último disco: “Collapse Into Now”. Lançam em 2011 e vendem de maneira satisfatória. A partir daquele momento a banda encerrava quaisquer obrigações contratuais com a Warner. Obviamente existem inúmeras coletâneas, registros oficiais ao vivo, compilações, boxes especiais, etc… Minha intenção foi fazer um apanhado básico e específico dos discos de estúdios. Na internet tem material de sobra para você saber, conhecer, escutar e se aprofundar sobre o REM. Está tudo aí. Basta começar. Pra fechar: nesse ano do último disco, em 2011, a banda em seu site oficial escreve uma nota e encerra as atividades. Deixou um buraco no peito dos fãs, mas eu entendi. Foram trinta e um anos de trabalho, arte, viagens, hotéis, discos, shows, aeroportos e tudo mais. Um carreira bonita e ímpar. Ficou demais… E, como eles mesmo disseram e profetizaram: Its the end (and i feel fine)! Não é mesmo? REM, senhoras e senhores! Clap! Clap! Clap!

 

PARTE GREEN CONTEXTO

Contextualizar o álbum Green dentro do som da banda e do rock é complexo e torto ao mesmo tempo. Prefiro ambientar em termos da banda. O mundo nessa época vivia uma enxurrada de possibilidades musicais: havia de tudo um pouco. Inclusive a dance music (gênero que se solidificaria anos mais tarde). Mas a banda havia feito cinco álbuns de estúdio (além de um EP e duas coletâneas) pela IRS e estava insatisfeita com a distribuição externa dos trabalhos feitos. Nessa época surgiram convites de diversos selos, mas a Warner levou Stipe e cia. com a promessa de imensa distribuição e “liberdade criativa” para a banda. Martelo batido. Era hora de gravar o que seria o “Green”. Apesar do nome a capa (feita pelo artista Jon McCFerrty ) saiu na cor laranja. Alguns dizem que se apertar os olhos algumas vezes a visão embaça e aparece o “verde”, rsrsrs. Eu já fiz isso e deu certo, rsrsrs. Mas decerto que existem algumas edições lançadas com um tom mais amarelado também. A capa recebeu um tratamento especial e foi um grande trunfo para as vendas. Mas retornando ao processo criativo deles, os integrantes disseram que na época resolveram criar sem nenhuma necessidade de soar como o “velho REM”. Queriam um álbum mais experimental. E foi o que fizeram mesmo. Tanto que trocaram os instrumentos e batizaram os lados A e B (A seria o lado ar e B seria o lado metal). A ideia era eletrificar bem o primeiro lado e deixar acústico o segundo. Entraram acordeão, bandolim, violoncelo e percussão para ajudar a fazer o som experimental quisto pelo produtor Scott Litt e pela banda. As letras das canções tornaram-se mais satíricas e cínicas. Michael Stipe gravou os arranjos de sua voz depois dos outros. O resultado ficou na medida para a gravadora. No ano de 1988 havia uma disputa eleitoral entre republicanos (Bush) e democratas acirrada. E os membros do REM entraram de sola em Bush. Isso ajudou mais ainda o lançamento do álbum. O público gostou e comprou o discurso deles. Tanto que canções como “World Leader Pretend”, “Orange Crush” e “Haitshirt” caíram no gosto americano. Pungentes, cínicas e diretas. A banda tinha uma qualidade e jeito em passar sua mensagem de maneira criativa e harmoniosa. O líder do “The Divine Comedy”, Neil Hannon, afirmou numa entrevista que esse álbum era um dos seus prediletos. E que o protesto e a ideia deles era algo que só eles sabiam fazer de forma tão competente e distinta. Soava diferente. Kurt Cobain listou “Green” como um dos seus 50 melhores discos. Algo controverso, inclusive. “The Wrong Child”, “I Remember California” e “You Are Everything” acertaram os fãs mais antigos. Muitos consideram essas verdadeiras profecias do que seria o “Out Of Time” três anos depois. De algum modo elas soam mesmo como um embrião. “Pop Song 89” (uma sátira com os Doors), “Stand” e “Get Up” deram o tom mais pop e irônico do disco. Foram usados dois estúdios para gravação: Ardent Studios (Memphis) e Bearsville Studio (Nova York). Processo que tornou-se natural depois, pois certas canções necessitavam de mixagens diferentes e outras foram finalizadas conforme o potencial de cada estúdio. Duas ficaram sem nome no fim. “Untitled” foi uma delas e assim ficou no disco. “Turn You Inside-Out” e “Orange Crush” precisaram de mixagens distintas também. Scott Litt trabalhou incansavelmente nos estúdios dando acabamento bacana. A produção de “Green” foi a primeira dele com a banda. Uma parceria de ouro na história do REM. Quem é fã sabe disso. Feito e lançado o álbum a banda partiu para uma das turnês mais importantes e históricas, a famosa “Tourfilm” (1988). Foram onze meses de estrada e show. O registro encontra-se em VHS e DVD (tenho ambos). Vale a pena. A performance do REM é única. O moicano de Stipe é um diferencial também. E a banda estava em forma. Recomendo muito esse registro. O disco foi remasterizado em 2013 para o 25º aniversário e adicionado o ao vivo “Live in Greensboro” de 1989. Esse ano o disco completou 30 anos. Um salve enorme para esse que foi o primeiro disco da banda pela Warner (sexto na carreira) e que soou mais experimental do que o público poderia supor. Gostaria de acrescentar uma coisa: como fã, nesse disco, há duas canções que fazem parte do meu rol de favoritas: “World Leader Pretend” e a lindíssima “I Remember California”. Dois petardos dignos de banda GIGANTE! Salve Green, salve REM!

 

(Leo Rocha, dileto amigo carioca há mais de uma década do autor deste blog, tem 41 anos de idade e se formou em publicidade. Blogueiro, apresentador de programa em web rádio e autor de três livros de ficção, mora no Rio De Janeiro, onde nasceu. O REM é a banda da sua vida)

 

 

A POSTAGEM TRISTE DESTA EDIÇÃO, ANUNCIANDO O FECHAMENTO DO CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS (O BAR DO QUERIDÃO DRAMATURGO E ESCRITOR MARIO BORTOLOTTO, EM SP) E TAMBÉM (E NOVAMENTE) DO MATRIX ROCK BAR

É isso. Em tempos absolutamente sombrios e tenebrosos, com a cultura pop entregando os pontos, o rock indo pro museu e o Brasil BOÇAL aguardando a posse do futuro PIOR presidente que o país já teve, as notícias cruéis continuam se sucedendo: o Cemitério de Automóveis, misto de bar e teatro administrado pelo dramaturgo, poeta, ator e cantor Mário Bortolotto, encerra atividades no próximo dia 5 de dezembro. Funcionava há alguns anos na rua Frei Caneca, centro de Sampa, e era (e ainda é, ao menos até a semana que vem) um dos espaços culturais alternativos mais incríveis da capital paulista.

O blog vai muito ao “Foda-se” (a denominação mega carinhosa e genial que a sereia linda e loka do nosso coração, a gatona e também escritora Flavia Dias, dá pro bar). Estivemos lá na sexta-feira passada inclusive. Estava bem cheio, o que não vinha ocorrendo nos últimos tempos porque o país está quebrado e as pessoas estão sem grana pra curtir uma noitada num espaço legal bebendo boas brejas e ótimos drinks. Mas enfim, Marião mantinha o espaço há alguns anos já. E sempre está lá nas madrugadas, na sua cadeira cativa na indefectível mesa ao lado do balcão onde a clientela é atendida pela Silvia e (eventualmente) pelo Linguinha. O Cemitério acabou aglutinando uma turma hoje em dia rara na noite paulistana: homens e mulheres mais adultos (na faixa dos 30-50 anos de idade) e apaixonados por ótima música (volta e meia rolam sets acústicos por lá), ótima literatura (uma micro livraria funciona dentro do bar) e também ótimo teatro: há igualmente lá dentro um espaço para encenação de peças e onde geralmente Marião encenava, atuava e dirigia os próprios textos, que eram interpretados por atores de sua trupe teatral (estas linhas bloggers nunca se esquecem da montagem sensacional que assistimos lá, anos atrás, de “Mulheres”, baseado no livro homônimo do gênio Charles Bukowski, um dos nossos ídolos literários ad eternum. E do Mario idem).

E o povo que frequenta (va) lá é bem loki também. Mulheres insinuantes, libidinosas, ébrias, poéticas, cultas, inteligentes, nada recatadas, nada do lar. Todas gostosas, ousadas mas jamais vulgares e totalmente mega interessantes (na questão intelectual), daquelas que são pura transgressão, subversão e resistência cultural e que você, ao se deparar com elas tomando uma dose de gin ou uma taça de vinho, imagina que a mesma fará estragos irreversíveis em seu corpo sedento e carente durante um embate carnal feroz em alguma cama bêbada de hotel idem. Os caras que frequentam (ou frequentavam) ali também eram o que podemos chamar de “escória” e “marginais” perante a sociedade ultra careta e moralista sacal hipócrita destes tempos terríveis atuais: músicos, escritores, autores teatrais etc.

O autor deste espaço online conhecia Marião de nome há anos e já admirava seu trabalho de escritor, diretor teatral, poeta e ator de cinema mesmo antes de se tornar seu amigo pessoal, algo que acabou acontecendo há uns… 4 anos ou um pouco mais. Com o tempo descobrimos que por trás daquela rabugice e “ranzinzisse” toda existe um sujeito gente finíssima, de coração muito generoso e que sobreviveu sem ser auto piedoso de um assalto onde quase morreu após levar 3 tiros. Na medida do possível ajuda os amigos: pedimos a ele que escrevesse o texto para a contra-capa do nosso livro, “Escadaria para o inferno” (que foi lançado há exatamente um ano), e ele topou no ato. Somos gratos a ele por isso até hoje.

E nosso coração dói bastante nesse momento, ao escrever esse post falando do fim do “Foda-se”. As doses generosas e bem-vindas de Bell’s que o blog toma neste momento começam a aquecer a alma e coração, ampliam as sensações neuro transmissoras cerebrais e nos reconfortam ante o fato de saber que estamos perdendo mais um espaço cultural que vai fazer muita falta. Como já dito mais acima, estivemos lá na sextona passada. O bar estava cheio, o clima estava ótimo e acabamos até batendo um papo com a lindona, tesudíssima e ótima atriz (em filmes e no teatro, não a curtimos muito em seus trabalhos na tv “Grobo”) Maria Ribeiro (sim, Marião tem muita moral com o povo da tv, do cinema e do teatro pois convive com eles e é um autor mega respeitado). O zapper disse a ela que é fã de dois filmaços nos quais atuou: “Tolerância” (dirigido pelo “replicante” Carlos Gerbase, lá em 2000) e “Como nossos pais”, rodado ano passado pela Laís Bodansky.

FINATTIMARIONAPORANO17

Trio rocker e literário de respeito MÁXIMO se encontra no bar e teatro Cemitério de Automóveis, no final de 2017: Zapnroll “cercado” pelo jornalista e escritor Fernando Naporano e pelo dramaturgo Mário Bortolotto (acima); uma semana atrás o autor deste blog encontrou por lá a sensacional atriz, feminista e gata bi incrível e dos sonhos de qualquer homem que se preza, a XOXOTAÇA Maria Ribeiro, aqui (e abaixo) em imagens nudes total delicious, extraídas do ensaio que ela fez para o amigo fotógrafo Jorge Bispo, onde a divina musa esquerdopata e nada pudica e do lar, mostra toda a exuberância de sua BOCETA PELUDAÇA, como toda xota decente e do inferno deveria ser, inclusive (sorry, idiotinhas de direita: vocês são “limpinhas” demais, “cheirosas” demais, DEPILADAS demais e SEM CÉREBRO algum; jamais chegarão aos pés das garotas de esquerda, especialmente na questão intelectual e cultural e na hora da FODA). Infelizmente o bar do Marião fecha na próxima semana, no dia 5 de dezembro. Vai deixar saudades!

IMAGEMMARIARIBEIRONUA

IMAGEMXOTAMARIARIBEIRO

Todo mundo “comunista”, “de esquerda” e “do mal” no final das contas, né. Pois o bloog se ORGULHA de fazer parte dessa turma. E fará até o fim e até o derradeiro respirar. Afinal não há mais ilusões aqui, elas se perderam todas definitivamente quando cerca de 55 milhões de eleitores (a maioria deles BOÇAIS, trogloditas, selvagens, racistas, homofóbicos, misóginos, machistas, medievais de pensamento, machistas ogros, moralistas hipócritas e conservadores de extrema direita do inferno) elegeram para presidente do Brasil um nazi fascista que, além de total intolerante e ignorante, ainda é um evangélico FUNDAMENTALISTA. E esse pessoal ODEIA cultura e quem trabalha com arte e cultura. Para eles, incapazes de compreender e aceitar o que lhes foge do raciocínio binário e ultra limitado, cultura é “coisa de vagabundo e petralha”, ou se resume a ler a Bíblia, orar, PRAGUEJAR quem pensa diferente e assistir a novelas toscas ou séries religiosas da tv Record (a emissora do escroque Edir Macedo, que juntamente com outro pilantra evanjegue mor, Silas Malafaia, ajudou a eleger presidente o monstro da extrema direita). Nunca é demais lembrar: quando tomou o poder na Alemanha NAZISTA, Hitler quis ANIQUILAR toda a produção cultural passada do país. Mandou COLOCAR FOGO em milhões de exemplares de livros. E todos sabem como a história do nazismo e a da própria Alemanha acabou, ao final da segunda guerra mundial.

De modos que não se iludam: BolsoNAZI e seus seguidores BESTIAIS farão tudo o que for possível para EXTERMINAR a Cultura nesse miserável e triste Brasil. O desmonte já começou, mesmo antes da posse do nazi. Mário Bortolotto e seu sensacional Cemitério de Automóveis saem de cena um pouco antes. Quem sabe até para não sentir na pele o que está por vir em janeiro próximo.

Rip, querido Foda-se. Este jornalista loker se divertiu muito ali (ficamos bem lokos lá muitas vezes, a ponto de tirar Marião do sério e de dar trabalho pra ele, ahahahaha). Vamos sentir saudades. E antes que as portas e cortinas se fechem de uma vez por todas, ainda iremos baixar lá pra tomar a saideira. E MERDA para todos nós!

 

***E a outra baixa no circuito cultural e rock alternativo de Sampa é o fechamento (agora, definitivamente ao que parece) do lendário Matrix Rock Bar. Durante mais de duas décadas e sob o comando do brother Giggio, o Matrix animou as noitadas da Vila Madalena (zona oeste de Sampa), na rua Aspicuelta, sendo que este blog mesmo fez algumas festas e djs set muito bacanas por lá. Há cerca de três anos o espaço fechou, devido à alta um tanto quanto abusiva do valor do aluguel do imóvel onde estava localizado. Giggio porém batalhou novo espaço (com preço mais em conta na locação) e reabriu o Matrix na rua Inácio Pereira Da Rocha (também na Vila Madalena), onde funcionava até agora. Há algumas semanas, veio a notícia novamente tristonha e surpreendente: o Matrix fecha definitivamente suas portas no próximo dia 7 de dezembro. Ainda dá tempo de ir curtir por lá neste sabadão (1 de dezembro, quando este post está sendo enfim finalizado), e é o que o blog pretende fazer, para tomar uma breja e curtir os ótimos sets dos queridos amigos e djs Shiva On e Fabiano Bulgarelli. Depois, só na sexta da semana que vem e pela última vez. Rip Matrix! Foi muito bom enquanto durou e tornou nossas vidas rockers muito mais alegres, animadas e menos ordinárias do que elas são nos tempos atuais. Tempos que, pelo visto, só irão piorar e onde o rocknroll está mesmo deixando de fazer parte da vida noturna e cultural de uma cidade como São Paulo, infelizmente.

 

 

MUSA ROCKER DESTA EDIÇÃO – A ABSOLUTAMENTE TESUDA E AVASSALADORA SUE NHAMANDU!

Nome:  Sue Nhamandu

 

Nasceu em: 11/03/1984 em Campinas de parto natural nas mãos do meu tio avô obstetra Deodato.

 

Mora onde e com quem: com meu filho de 10 anos, o cabeça da gang, Pablo Miguel Nhamandu.

 

O que estudou ou estuda: sou formada em filosofia desde os 24 anos, mas leciono filosofia desde os 19, psicanalista e esquizonalaista em formação, sou mestranda em filosofia de gênero e pornografia pela Universidade Federal do ABC, e  pesquisadora convidada 2019 pela Universidade Toulouse 2 Jean Jaures, e vencedora do segundo prêmio select de artista educadora, ou seja, estudo o próprio estudar. Estudei teatro na Universidade Antropófaga com José Celso Martinez Correa, e teatro com Gerald Thomas.

 

O que faz profissionalmente: Sou a Pornoklasta, terapeuta orgástica, filósofa e desartista multimeios.

 

Três artistas musicais ou bandas: tenho um trabalho musical experimental que divulgo submidialógicamente através de avatares-persona como no projeto Domitila Mataha(cker)ari Pompadour Monroe, uma projeto de música tática e cyber feminismo que envolve música e artes visuais num contexto de hackeamento de identidade, mas entrei no meu teste no Oficina em 2011 cantando Casisa Listada, imitando Isaurinha Garcia e já vivi de cantar em pequenos bares periféricos, com alguns brothers no violão.

 

Três discos: Ando só numa multidão de amores (Maysa), Drama ato três luz da noite, (Maria Bethania) e Deus é mulher (Elza Soares). Elza e Wilson das neves: is so hard to tell whos going to love yoi best, Karen Dalton, Chets Billie.

 

Três filmes: Bin jip kim ki duk, Mutantes despentes, mi sexualidad es una creacion artística, Lucia egana (sombra) rojas.

 

Três livros: Crise da filosofia messiânica (Oswald De Andrade), Manifesto contrassexual (P B Preciado), O teatro e seu Duplo (Antonin Artaud), O que é filosofia  (Giles Deleuze), Água viva (Clarice Lispector) e (ufa!) Meta linguagem e outras metas (Haroldo De Campos).

 

Um diretor de cinema: Annie Sprinkle.

 

Um diretor de teatro: Artaud.

 

Um autor literário: Haroldo de Campos.

 

Um show inesquecível: Mutantes no Parque Do Ipiranga.

 

O que pensa sobre

 

Sexo: é uma criação artística.

 

Drogas: Isdeus.

 

Rocknroll:  Toca Raul!

 

Política: esquerda radical (ótimo!).

 

Relacionamentos: os éticos com cuidado de si e do outro.

 

Eleições presidenciais deste ano: Levamos uma solapada de mídia tática, a direita comeu as teorias todas e usou com capital neo liberal nossas ideias melhor que nós. Todos sabemos que o humanismo acabou. Não sou ingênua de acreditar que o problema é cultura e civilização. É hora de lutar, de reler o anti-édipo, de entender os desejos construídos, de combater o fascismo, de andar em bandos. Essas eleições foram o momento  histórico mais importante que vivi, nasci em 84, não esperava viver isso, só posso dizer que sobreviver e viver bem tem sido minha vingança contra um sistema que me queria natimorta, afinal sou mulhler cafuza não binária poliafetiva, pansexual, ativista feminista pró-sexo demi-sexual, latino-americana.

 

E como o blog conheceu Sue: como nosso dileto leitorado pode ver pelas respostas aí em cima, essa deusa GIGANTE é uma mulher AVASSALADORA em todos os sentidos (tão avassaladora que chega a dar medo, ahahahaha). Enfim ela nos foi apresentada por uma amiga querida em comum (a escritora e poetisa Rita Medusa), nos encantamos pelo perfil e pelo pensamento da garota, a convidamos para fazer ensaio para estas linhas eternamente e totalmente subversivas e abusadas ao máximo, e cá está o resultado. Apreciem sem NENHUMA moderação!

16144872_237824783331265_1165255913_n

Avassaladora, apenas isso

 

16176810_237824786664598_814107540_n

O peito que te seduz é o mesmo que pode matá-lo em pequena, rápida e gloriosa morte…

 

16144192_237824769997933_1754741026_n (1)

O espelho é o reflexo preciso e que jamais MENTE!

 

16128741_237824789997931_274976665_n

A água escorre pelos poros. E Rimbaud, se vivo estivesse, sentaria toda essa beleza em seus joelhos, para admirá-la ad eternum

 

16128454_237824779997932_503127839_n

Corpo relaxado mas também perenemente em chamas

 

 

FIM DE UM POST REALMENTE GIGANTESCO!

Com quase 80 mil caracteres de texto (uma autêntica bíblia!) este é o provavelmente o MAIOR post já publicado por Zapnroll em seus quinze anos de existência, o que demonstra que o fôlego destas linhas online continua inalterado.

Mas tudo precisa ter um fim, não é. De modos que paramos por aqui, e sendo que havia tanto material ainda a ser publicado que deixamos parte dele para a nossa derradeira edição deste triste 2018 que está chegando ao fim e prenunciando um 2019 absolutamente SINISTRO no Brasil. De qualquer forma no próximo post traremos sim as histórias dos shows que o blog viu na inesquecível Via Funchal. E também iremos falar do superb músico e guitarrista Dhema Netho, que residiu por 16 anos em Londres e agora está de volta ao Brasil, onde pretende retomar sua carreira. E claaaaaro, já temos a musa rocker pra fechar com chave de ouro este sombrio 2018: a delicious total Juliana Gelinskas (cujo aperitivo do ensaio futuro você vê aí embaixo).

Beleusma? Então até a próxima!

IMAGEMMUSAJULIANAGGII

 

 

(ampliado, atualizado e finalizado por Finatti em 01/12/2018 às 22:20hs.)

No blogão zapper sempre programação normal e NADICA de carnaval! Então bora ver a novíssima e REAL cena indie brazuca que importa (e não aquela “ilha da fantasia indie” de um certo e já mezzo decadente blog “vizinho”, uia!), com a cantora sergipana Héloa e o trio rock cearense Oto Gris; mais: segue a imundície sem fim na política nacional; um tópico relembrando o grande Smashing Pumpkins e tudo o que importa na cultura pop (como a volta da geração shoegazer inglesa, através dos novos singles do Jesus & Mary Chain, Ride e Slowdive) na seção Microfonia que agora passa a abrir cada novo post do blog

BANNERVOICEMUSIC17

BANNERRAFARJ17

IMAGEMHELOALIVESP17

Mesmo estando passando por um de seus piores momentos, a cena musical independente brasileira continua revelando artistas surpreendentes pela qualidade da sua música, como é o caso da novíssima cantora sergipana Héloa (acima) e que acaba de lançar um muito bom disco de estreia; já lá fora, com a derrocada qualitativa do rock atual, a velha guarda do shoegazer e do indie guitar noise britânico ensaia uma volta com tudo em 2017, sendo que um dos grupos dos anos 90’ que prometem disco inédito ainda para este ano é o britânico Ride (abaixo), que lançou esta semana suas primeiras músicas inéditas em mais de duas décadas

IMAGEMRIDECLASSIC

 

MICROFONIA

(reverberando a cultura pop, o rock, discos, bandas, shows, livros, filmes, baladas etc.)

 

***A volta do indie guitar noise e do shoegazer dos 90’ – É a melhor notícia do mondo rocker esta semana: já que o rock de hoje está uma “melda”, bora voltar ao passado. No caso, ao classudo e inesquecível indie shoegazer e ao noise guitar dos 90’. Se nada der errado ambos voltam a sacudir o rock’n’roll planetário nesse sombrio 2017, através dos retornos do Jesus & Mary Chain, do Slowdive e do fantástico quarteto Ride. O JMC, dos irmãos Reid, lança seu novo álbum, “Damage & Joy” em 24 de março. É o primeiro trabalho inédito deles desde “Munki”, que saiu em 1998. E a banda já disponibilizou na web os dois primeiros singles do novo álbum, que são beeeeem legais. Então a expectativa pro cd completo é a melhor possível. Já o Ride (a quem devemos ao saudoso DJ Toninho, do também saudoso Espaço Retrô, ter conhecido essa banda magnífica que embalou muitas madrugadas finátticas malucas há mais de vinte anos, movidas a álcool e cocaine em porões escuros do circuito under paulistano) também saiu das catacumbas no ano passado. E promete igualmente disco inédito para esse ano ainda. O primeiro single desse disco saiu ontem (apenas o áudio) e se chama “Charm Assault”. É bacanuda também e faz prever que teremos um bom álbum completo – que segundo a banda, sai em algum momento no segundo semestre. Por fim o inglês Slowdive, um dos nomes mais cultuados do shoegazer britânico nos 90’, também está preparando seu primeiro disco inédito em mais de duas décadas. Uma amostra do novo trabalho está no novo single, “Star Rowing”, que saiu mês passado e é que sensacional. E bien, você pode ouvir todos os novos singles do JMC, do Ride e do Slowdive aí embaixo:

 

***Ryan Adams incansável! – e não? O ainda jovem (quarenta e dois anos de idade) pequeno gênio do rock country folk mezzo indie americano já lançou nada menos do que dezesseis álbuns de estúdio desde o ano 2000’, o que dá uma média de quase um disco inédito a cada ano. O mais recente, “Prisoner”, foi lançado na semana passada, já está colecionando elogios pela rock press gringa e o blog gostou bastante do que ouviu nele.

CAPARYANADAMS17

 

***Festa goth/erótica bacana em pleno carnaval – yeeeeesssss! O já tradicional festival goth/erótico/sadomasô Libertine vai realizar edição especial durante o reinado de momo nesse sábado de carnaval, 25 de fevereiro. Como sempre as sonoridades gothic rock, pós-punk e anos 80’ irão dominar a pista e a balada acontece no Enfarta Madalena, na Vila Madalena, zona oeste de Sampa. Não gosta de folia momesca, quer ir na festona e saber tudo sobre ela? Vai aqui: https://www.facebook.com/events/1791819211077815/.

CARTAZLIBERTINEFEV17

 

***E semana que vem bailão indie da terceira idade – um dia todos acabaríamos chegando inevitavelmente a ISSO, rsrs. Como não há incrivelmente mais espaços alternativos em Sampa (isso, numa cidade com mais de doze milhões de habitantes e milhares de bares e casas noturnas) para se dançar e curtir indie guitar rock, noise e shoegazer noventista, os djs Plínio (que tocou no inesquecível Espaço Retrô) e Dina (do Café Elétrico) tiveram a ideia mais do que bacaníssima: vão comandar o Bailindie da saudade no próximo dia 3 de março, no centro de Sampa. Então foda-se que estamos todos véios e tiozões já. Vamos lá todos nós com nossas bengalinhas dançar a noite toda sons do naipe de Jesus & Mary Chain, Ride, Slowdive, Lush, Stone Roses, My Bloody Valentine, Happy Mondays e até um Blur, Oasis ou Elastica. Promete ser uma das festas mais legais deste início de ano no circuito under paulistano, que anda mesmo caidaço (depois dos fechamentos do Astronete, do Matrix e do Inferno Club) nesses tempos tenebrosos onde ex-casas noturnas de rock do baixo Augusta agora tocam até funk porqueira em suas noitadas open bar igualmente porcas. Mais sobre o bailão pros “velhinhos” indies transviados e ainda lokers e rockers (como o autor deste blog), você confere aqui: https://www.facebook.com/events/730073647155857/.

CARTAZBAILEINDIE17

 

***Bowie, o melhor mesmo depois de morto – major Tom/Ziggy Stardust nos deixou há um ano e voltou para as estrelas. Mesmo assim o gênio eterno continua brilhando: “Black Star”, o álbum que ele lançou dois dias antes de morrer, acabou de ganhar o Brit Awards 2017 nas categorias melhor disco e melhor cantor. O BA é a principal premiação musical inglesa, espécie de “Oscar” da música britânica. Isso aê: o “camaleão” será eternamente um dos maiores gênios que surgiram no rock mundial.

 

BANNERAREALCENAINDIE

A REAL E AINDA ÓTIMA ATUAL CENA DA MÚSICA INDEPENDENTE BRASILEIRA – NESSE POST COM A NOVÍSSIMA CANTORA SERGIPANA HÉLOA E COM O TRIO POST ROCK CEARENSE OTO GRIS

Mesmo passando por um dos piores momentos de sua história nas últimas duas décadas, a cena independente nacional ainda assim surpreende vez por outra quem a acompanha de perto (como este espaço blogger, e isso já há mais de vinte anos também). Foi o que aconteceu quando tomamos contato com os discos de estreia da cantora sergipana Héloa e do trio cearense Oto Gris. O blog não conhecia nenhum dos dois até duas semanas atrás. Héloa foi descoberta enquanto o jornalista zapper “fuçava” em sites de música (nossa obrigação, no final das contas) atrás de novidades ou de algo digno de nota, quando deu de cara com a notícia de que a cantora estaria lançando seu primeiro álbum completo com show em São Paulo – e que rolou no final de semana passado, no Itaú Cultural. Já a banda Oto Gris foi indicação preciosa do queridão amigo e vocalista do grupo Los Porongas, Diogo Soares.

Quem é Héloa, afinal? Ela nasceu em Sergipe, tem vinte e oito anos de idade e se mudou para São Paulo há cerca de um ano. Já veio para a capital paulista trazendo uma bagagem artística valiosa: canta desde a adolescência, além de ser bailarina e atriz de teatro. E aqui começou a se enturmar com outros músicos conhecidos da cena alternativa nacional e que, tal qual ela, eram/são “estrangeiros” em Sampa mas todos já devidamente incorporados à melhor paisagem sonora do atual circuito indie paulistano. Foi assim que Héloa conheceu nomes como o cantor e compositor cearense Daniel Groove, o produtor e ex-guitarrista dos Porongas, João Vasconcelos, e os músicos Carlos Gadelha (atual guitarrista dos Porongas) e Guri Assis Brasil (ex-guitarrista da ótima banda gaúcha Pública).

Trabalhando junto com seus novos amigos de forma disciplinada e com bastante empenho, Héloa foi desenvolvendo as composições que formam o material de seu primeiro disco. Sendo que há de se ressaltar que ela é basicamente uma interprete: das dez faixas de “Eu”, seu cd de estreia, a cantora assina a autoria de apenas uma delas (“A avenida”), em parceria com Eduardo Escariz. O restante do álbum é composto por canções escritas por amigos como Daniel Groove (autor de “Super herói”, “Se você disser que vem” e “Meus amigos”, esta última em pareceria com o paraense Saulo Duarte) além de trazer versões para “Caravana” (de Geraldo Azevedo e Alceu Valença) e “Crua” (composta pelo pernambucano e ex-Mundo Livre, Otto).

IMAGEMHELOAAOVIVO17

A gata sergipana Héloa (acima, se apresentando semana passada no Itaú Cultural, em São Paulo) e o trio cearense Oto Gris (abaixo): duas bacanudas revelações da novíssima safra musical independente nacional

IMAGEMOTOGRIS17

É uma leva de canções e autores que desvela bem por onde trafega a música da sergipana: ela deambula com desenvoltura pela MPB tradicional mas também se aproximando de ambiências mais rockers (o que fica evidente nas melodias e no bom trabalho dos guitarristas Allen Alencar, Eduardo Escariz e João Vasconcelos no estúdio, e Carlinhos e Guri Assis que acompanham a cantora ao vivo). Com músicas que possuem letras bem acima da média do que se ouve atualmente e com um vocal afinadíssimo e que agrada bastante ao ouvinte por conta de sua inflexão poderosa, Héloa pode, merece e deve alcançar públicos bem maiores nos próximos meses. Em uma geração (a de 2000’ pra cá) que revelou poucas mas ótimas cantoras brasileiras (como Céu, Tulipa Ruiz e Tiê), a bela morena nordestina já tem lugar assegurado entre as boas revelações dessa geração.

E é do nordeste também que vem o trio rock Oto Gris (pobre Sampalândia… enquanto aqui a cena alternativa definha e sofre com a falta de renovação de artistas que possuam uma qualidade mínima, no restante do Brasil boas surpresas continuam surgindo, felizmente). Egresso de Fortaleza e formado por Davi Serrano (vocais e guitarras), Jonas Gomes (baixo) e Victor Bluhm (bateria e samples) o grupo é novíssimo (foi formado há cerca de dois anos) e também fixou residência em São Paulo, onde gravou no estúdio Cambuci Roots (do músico e produtor João Vasconcelos) seu disco de estreia, “Avoa”. É um cd que foge bastante dos padrões do que se ouve atualmente no rock alternativo brasileiro: com canções cujas melodias bucólicas e contemplativas flanam por paisagens suaves, reflexivas e algo melancólicas, Oto Gris evoca algo de post rock em sua sonoridade mas sem a chatice e a pretensão de bandas como o Mogwai, por exemplo. O vocal de David sussurra letras que desvelam imagens metafóricas sobre a impossibilidade do sentimento amoroso (como em “Práticas de mergulho-vôo”, onde ele canta: “Confesso/Não estar tudo bem/Sem um teto, sem freio/E agora sem você”), tudo emoldurado por guitarras plácidas envoltas em brumas engendradas por efeitos de samples.

Trata-se, enfim, de um trabalho que deve ser apreciado com calma e atenção, em uma noite solitária e chuvosa, regada a bom vinho e um bom beck, rsrs. Mas, sobretudo, Oto Gris e Héloa mostram duas faces bastante distintas de uma nova cena alternativa brasileira que, sim, ainda consegue surpreender quem a acompanha com lançamentos dignos como é o caso da cantora sergipana e do trio cearense.

 

 

 

PARA OUVIR HÉLOA E OTO GRIS

Aí embaixo, com os álbuns de estreia de ambos na íntegra, além dos vídeos promocionais para os singles de trabalho da cantora e do trio de Fortaleza.

 

DOC SOBRE OS SMASHING PUMPKINS MOSTRA COMO A BANDA ERA FODÁSTICA E COMO O ROCK DE HOJE, DEFINITIVAMENTE, ACABOU

Madrugada dessas rolou um ótimo doc sobre os Smashing Pumpkins no Canal Bis (um dos preferidos do blog na TV paga, ao lado do Canal Brasil). O SP está na ativa até hoje. Mas é claro que ele já se tornou irrelevante há séculos e o trabalho atual do gênio (sim, ele é ou ao menos foi) e OBCECADO Billy Corgan não chega na sola do sapato do que a banda conseguiu em seus primeiros três e fundamentais discos (“Gish”, de 1991; “Siamese Dream”, de 1993 e “ Mellon Collie and the Infinite Sadness”, que foi editado no final de 1995 e, mesmo sendo um cd duplo, vendeu na época quase 20 milhões de discos). É a grande fase do quarteto que além de Billy nas composições, guitarras e vocais, tinha o japa James Iha na outra guitarra, a loiruda D’Arcy no baixo e o batera MONSTRO Jimmy Chamberlin – além de ter contado com os trampos de outro gênio, Butch Vig, na produção de seus dois primeiros álbuns de estúdio. Uma grande fase não apenas para o próprio SP mas para todo o rock daquela época (com o grunge vivendo seu auge e bandas como Nirvana, Pearl Jam, Screaming Trees e Mudhoney lançando apenas discaços e dominando a cena rock americana).

Cada vez mais o sujeito que escreve estas linhas bloggers anda se sentindo melancólico, solitário e precocemente ENVELHECIDO aos 5.4 de existência. Mas aí quando começamos a ficar muito tristonhos e assistimos um doc como esse dos Pumpkins, o matiz cinza sai um pouco de cena e nossa minha alma e coração se colorem novamente um pouco mais. Afinal, se tivéssemos esses mesmos 5.4 nas costas não teríamos assistido o SP AO VIVO duas vezes: a primeira no auge da banda, no festival Hollywood Rock em janeiro de 1996, no estádio do Pacaembu lotado, na turnê do “Mellon Collie…” e com uma massa gigantesca e total alucicrazy se estapeando na frente do palco pra poder ver e ouvir o quarteto o mais perto possível. E a segunda vez na extinta casa de shows Olympia/SP, no bairro da Lapa, quando eles voltaram ao Brasil na turnê do álbum “Adore”. Aí o conjunto já não era mais o mesmo (Jimmy tinha sido expulso do grupo por Billy, em decorrência do célebre caso em que o baterista quase foi pro saco em um hotel nos EUA, depois de tomar uma involuntária overdose de heroína) e a gig foi… estranhíssima. Não ruim, mas estranha, incômoda, sonolenta em alguns momentos.

IMAGEMSPCLASSICII

As “Abóboras esmagadas” no início da sua carreira, no começo dos anos 90’: um dos últimos grandes momentos da história do rock’n’roll de duas décadas e meia pra cá

 

Mas as melhores lembranças que ficam mesmo deles é de sua fase inicial. Aquele som poderoso que mixava psicodelia, barulho, dream pop, algo de heavy rock e até uma pitada de prog rock, tudo isso engendrado com guitarras estupendas e com melodias ótimas dando suporte a letras idem, marcou Finaski e fez parte da nossa vida rock’n’roll na passagem dos 20 pros meus 30 anos de idade. E como sempre dizemos, talvez tenha sido mesmo a última grande fase do rock’n’roll. Não querendo ser rabugento, velho ranzinza, estar preso ao passado ou qualquer coisa do tipo mas a real é: EXISTE alguma banda HOJE que consiga gravar e lançar um álbum como “Gish”, por exemplo? E que esse disco consiga seduzir (mesmo que sendo ouvido de graça pela web) milhões de adolescentes e jovens mundo afora? Apenas pra saber.

É triste mas inescapável: o rock de HOJE que se tornou uma imbecilidade e foi tomado por uma irrelevância sem tamanho. Sim, ainda surgem bandas legais aqui e ali (como o inglês Temples ou o brasileiro Nocturno), mas é muito pouco diante das obras-primas que já foram lançadas ao longo de mais de meio século de existência do gênero. De modos então que o blog deseja mesmo é vida ETERNA aos discos clássicos do rock’n’roll e respeito e amor igualmente eterno à trajetória de bandas como o Smashing Pumpkins. E é ouvindo “Siamese Dream” que o velho (mas ainda rocker e loker) jornalista encerra este texto.

 

A IMUNDICIE POLÍTICA BRASILEIRA CHEGA AO ÁPICE – E A NAÇÃO “COXA” VERDE-AMARELA, COVARDE E CONIVENTE COM ESSA IMUNDICIE, SE CALA E NÃO BATE MAIS PANELAS

O horror é aqui. Aqui mesmo, nesse Brasil miserável, vira lata, falido de todas as formas e absolutamente FODIDO pela classe política mais IMUNDA, SUJA, NOJENTA, BANDIDA, CORRUPTA e DETESTÁVEL do Universo. Quem leu o romance “O coração das trevas” (obra-prima do escritor Joseph Conrad e um dos livros de cabeceira do blog desde a nossa adolescência, livro que foi magistralmente transformado pelo gênio Francis Ford Coppola no clássico cinematográfico “Apocalypse Now” em 1979; o livro de Conrad foi escrito no final do século XIX), sabe como ele termina: com o agonizante personagem Kurtz, após saber que iria ser morto pelo sr. Marlow e tendo sido mortalmente golpeado por este, sussurrando “The horror, the horror!”. Esse horror a que se referia Kurtz no livro era sobre toda a degeneração da civilização ocidental e dos seus mais básicos preceitos de conduta ética, moral, cívica enfim.

Nem Conrad viveu no ou conheceu nosso país. Coppola muito menos (embora já tenha andado por aqui, décadas atrás). Tivessem conhecido a fundo esse país que se tornou o próprio quinto mundo dos infernos do “baixo clero” das nações do mundo inteiro, teriam chegado a conclusão de que “HORROR” é o Brasil. Sem apelação.

É essa a conclusão a que se chega, pela enésima vez, quando se termina de assistir uma rodada dos telejornais da noite (mais especificamente JN da Globo, JC da TV Cultura e as duas edições do Jornal da nanica TV Gazeta, que tem infelizmente alguma audiência apenas na capital paulista), em qualquer dia da semana. Dá EMBRULHO no estômago de ver todo o noticiário político dessas noites sangrentas – como de resto têm sido todos os dias nos últimos meses. O caos segue reinando agora no Rio De Janeiro e em Belo Horizonte (depois de ter reinado por dez dias no ES). Enquanto isso Alexandre de Moraes, o CRÁPULA que todos nós sabemos que ele é, foi mesmo confirmado como novo Minsitro do STF, com a missão (claaaaaro!) de, na Suprema Corte do país, tentar salvar a QUADRILHA do PMDBosta das garras da Lava Jato, simples assim. E nem uma palavra dele sobre o caos que rolou no ES (foram 143 mortos nos dez dias de horror capixaba, o DOBRO dos mortos no acidente com o avião da Chapecoense e que COMOVEU o Brasil por quase um mês seguido, oh…). Fora isso a bancada da quadrilha do partido que nesse momento comanda o governo GOLPISTA instalado no Brasil (ele mesmo, o PMDBosta) indicou o senador Edison Lobão (!) para ser o presidente da CCJ do Senado. Ele mesmo, Lobão, já investigado em dois inquéritos na Lava Jato. Que be le za!

Para não dizer que houve apenas notícias ruins na seara política nacional nessa semana, há de se destacar também que o STJ do Rio De Janeiro CAÇOU os mandatos do governador Pezão (também do PMDBosta) e de seu vice (Francisco Dornelles) por abuso de pode econômico na última eleição no Estado. Ainda cabe recurso e a dupla permanece no cargo enquanto o recurso não for julgado. Mas vejam bem: é a dupla que também DESGOVERNA o Estado do Rio, o mesmo pobre Rio (que um dia já foi um dos cartões postais do mundo) que já tem um ex-governador preso (Sérgio Cabral) e outro em prisão domiciliar (Garotinho). Mais: a polícia Federal também indiciou Rodrigo Maia (o presidente da Câmara, que be le za!!!) por suspeita de corrupção, em mais uma etapa da Lava Jato. E assim segue a política nacional.

Sempre repitimos isso e vamos repetir novamente: estamos com 5.4 de vida nas costas. Que a política brasileira sempre foi suja e corrupta, não há dúvida alguma. Mas Zap’n’roll não se lembra, em cinco décadas de existência, de ela ter chegado ao estágio de PODRIDÃO em que chegou nos dias atuais. O FEDOR é insuportável. É muito banditismo em Brasília e também na maioria dos Estados. E banditismo de TERNO E GRAVATA, não de criminosos assaltando as pessoas nas ruas das cidades à mão armada, sendo que isso também está fora de controle no país graças à horrenda distribuição de renda que reina eternamente aqui (tornando os ricos cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais miseráveis) e também à corrupção que suga todo o dinheiro que deveria ir para a segurança pública, saúde, educação etc, tornando as futuras gerações menos selvagens e bestiais e com mais opções para conseguir ser alguma coisa na vida do que simplesmente ter apenas a opção de ir parar na criminalidade via tráfico de drogas, contrabando de armas ou simplesmente roubando o cidadão comum e indefeso, que paga uma fortuna em impostos e não recebe nada e nenhum benefício público em troca.

IMAGEMTEMERFODENDOBR

O exemplo mais bem acabado da FALÊNCIA do Estado brasileiro e da IMUNDICIE política que reina aqui está no que aconteceu no Espírito Santo e também no Rio De Janeiro. E a tendência é esse quadro se ALASTRAR pelo restante do país. Há ALGUM político que se salva nessa terra horrenda e devastada pela bandidagem institucionalizada na esfera pública? Muito poucos, que o blog se lembre. Somos muito simpáticos ao trabalho do Randolfe Rodrigues (senador pelo Amapá), também do Chico Alencar (deputado do PSOL), da Luiza Erundina (também do PSOL) e do véio Eduardo Suplicy. Seriam eles (e mais muito poucos, que não lembramos os nomes agora) nos quais ainda confiamos politicamente. O resto é o resto, e resto da pior espécie que torna o Brasil uma das nações mais VERGONHOSAS do planeta em termos políticos. Em qualquer país com um mínimo de decência na esfera pública, 90% dos políticos brasileiros atuais estariam ATRÁS DAS GRADES, e não exercendo mandato ou qualquer cargo público que fosse. O jornalista zapper se lembra perfeitamente o que aconteceu há umas duas décadas no Japão (um dos países com uma das classes políticas mais ÍNTEGRAS do planeta) quando um político de lá, descoberto em flagrante pela imprensa japonesa envolvido em um escândalo gigante de corrupção, humilhado e com sua trajetória política LIQUIDADA por conta do escândalo no qual havia se envolvido, reuniu emissoras de TV para fazer um pronunciamento e, ao concluir esse pronunciamento, disse: “não sou mais digno de continuar vivendo. E peço perdão ao povo japonês pelo que fiz”. Ato contínuo abriu uma pasta executiva, tirou de dentro dela uma PISTOLA e SE MATOU com um tiro na boca.

Você imagina algum político fazendo o mesmo aqui? Se acontecesse, haveria SUICÍDIOS EM MASSA em Brasília. Mas não: aqui todos eles, quando pilhados em flagrante em esquemas de corrupção e mesmo com fartas provas colhidas pela polícia federal ou pelo Ministério Público Federal, vão a público e na imprensa e com a maior cara larga da galáxia, NEGAM TUDO. “Eu? JAMAIS cometi qualquer ato ilícito e que desabone minha conduta de homem público. E DESAFIO alguém a PROVAR ALGO CONTRA MIM!”.

Mas o pior disso tudo nem é essa sórdida classe política mas sim o eleitorado BURRO e complemente conservador e imbecil que elegeu essa corja. Que o brasileiro nunca soube votar é um fato histórico desde os tempos que isso aqui era uma colônia portuguesa. Agora chegamos a um ponto de ACOVARDAMENTO social em que o brasileiro só é valente para gritar, ROUBAR e matar seu semelhante nas ruas. Para ir para essas mesmas ruas e pedir a CABEÇA de políticos imundos, nem um pio. Nem mesmo da classe média e da nação COXA idiota e reaça de direita, que foi bater panelas nas ruas pedindo o impeachment de Dilma. Como se a situação hoje estivesse minimamente melhor do que quando o PT estava no poder (e repetindo aqui também o que já dissemos antes: o petismo também cagou e roubou tudo o que pôde durante sua permanência no comando da máquina pública e deve PAGAR JUDICIALMENTE por seus crimes; mas… e as outras QUADRILHAS políticas do país, notadamente PMDB e PSDB, sairão ILESAS e IMPUNES dessa história?). muito pelo contrário: em quase um ano de governo golpista, o fundo do poço parece não ter fim para o Brasil. E a coxarada verde-e-amarela segue caludinha, sentido dor quase orgásmica com o cabo da panela enfiada em seu rabo até o talo mas sonhando com um super-homem (Sérgio Moro? Ahahahaha) que venha salvá-la, ulalá!

Amigos e leitores diletos vão reclamar por certo mais uma vez que estamos abandonando (como jornalista de cultura pop) nosso olhar e comentários sobre rock’n’roll e rock alternativo. Talvez. É que o desalento político e social tem nos consumido diariamente como ser humano. Daí publicarmos textos desta natureza ultimamente aqui e em nossa página no faceboquete. Mas feita ESTA postagem vamos TENTAR publicar menos textos sobre a imundície política brasileira. Não adianta mesmo ficar indignado aqui ou na rede social. Não resolve. O Brasil, ao que parece e pelo desenrolar dos acontecimentos, só vai sair do horror em que se encontra na hora em que houver um LEVANTE SANGRENTO da população nas ruas.

 

***Obs: e Moreira Franco (o “Angorá”, na delação de corrupção da Odebrecht) conseguiu se manter Ministro e com foro privilegiado. Decisão do STF. Traduzindo: tá tudo DOMINADO pelo governo GOLPISTA e seus asseclas. Novamente citando Conrad: o horror, o horror!

 

 

FIM DE TRANSMISSÃO

O postão fica por aqui mas voltamos com o que importa na cultura pop, no rock, na política e na sociedade em algum momento depois da esbórnia nacional por conta dos festejos momescos. Até breve!

 

(enviado por Finatti às 13hs.)

A volta dos Smashing Pumpkins com “Oceania” – e o “duelo” entre Billy Corgan e Radiohead. Mais: a guerra dos Roses e a semana de decisões na vida do zapper. O novo discão da lenda Patti Smith. Tickets FREE pro show do Radio Dept em Sampa e no Rio. E o dia em que o blog enfrentou, ressacudo de cocaine, um ex-âncora do Jornal Nacional, uia! (plus URGENTE: um certo Jack White no… Planeta Terra 2012! Será???) (atualizado e finalizado em 15/6/2012)

Os Smashing Pumpkins hoje (na formação atual, foto acima) e com seu line up clássico (abaixo), com James Iha, D’Arcy e Jimmy Chamberlin: o ex-gênio Billy Corgan até tenta, mas os dias de glória da banda definitivamente já se foram

 

**********

UM UP TO DATE URGENTE E QUE VALE A PENA!

Um passarinho muito bem informado, amigão destas linhas rockers bloggers e que tem ótimo trânsito nas produtoras locais que organizam mega festivais aqui, contou que o sujeito da foto aí em cima deve ser anunciado em breve como a primeira grande atração do Planeta Terra 2012. Será? Será???

Vamos cruzar os dedos e
aguardarrr…

 

**********

A vida é assim mesmo, cheia de decisões.
Em uma semana em que o mondo pop/rock anda bastante agitado, com três nomes gigantes do rock planetário lançando seus novos discos e os respectivos indo parar na web (a saber: Neil Young de volta com o Crazy Horse em “Americana”, Patti Smith e seu já elogiadíssimo “Banga”, e o já lendário e veterano Smashing Pumpkins com “Oceania”), com os integrantes dos Stones Roses já quebrando o pau entre si e ameaçando o recentíssimo e comentadíssimo comeback do quarteto inglês, e com mais isso e aquilo rolando na cultura pop, o autor destas linhas online também andou provocando certa comoção no seu mural do faceboquete, ao expor ali que estava se aposentando da vida loka que leva há mais de três décadas. Yep, Zap’n’roll pensou muito durante o último finde sobre o que escreveu na rede social e que vai reproduzir aqui, no nosso habitual texto introdutório de cada post. Como jornalista o autor deste blog sempre cobra atitude de bandas e artistas no sentido de saber “parar” ou se “aposentar” na sua carreira, na hora certa. Tudo tem um tempo na vida, certo? Mas… e o zapper? Estaria sabendo a hora de parar ou de se “aposentar” em certas questões e comportamentos? Talvez não. É por isso que desta vez a decisão está tomada e vai ser cumprida – ou pelo menos vamos tentar cumprir. O blog está se aposentando das dorgas e da enfiação de pé na lama nas baladas rockers e noturnas. Já são mais de trinta anos fazendo isso, não somos mais nenhum adolescente e também não temos mais saúde, disposição nem saco pra ficar doidão quase todo o finde. E sem moralismos nessa decisão. É apenas questão de bom senso. Paulo Coelho (de quem estas linhas rockers não é nada fã, como escritor, mas respeita e admira sua inteligência) tem uma frase perfeita sobre isso: “É preciso saber a hora de entrar e também a hora de sair das drogas”. E mesmo o saudoso Peter Steele (ex-baixista e vocalista do finado Type O Negative), que morreu há dois anos (de enfarte, aos quarenta e oito de idade), muitos anos antes já havia declarado: “A banda vai acabar em breve. Rock é para jovens, não para velhos como eu”. Quando deu essa declaração Peter tinha apenas 36 anos de idade. E já se achava velho. Não é o caso do autor deste espaço virtual, claro. Não nos achamos velho (ainda) demais pro jornalismo, muito menos pro rock’n’roll. Vamos continuar indo a shows, saindo normalmente e também continuar bebendo, pois o autor deste blog adora um bom destilado. Mas a loucura mesmo, a despirocação em grau elevado, essa chegou a hora de parar com ela. Daqui a pouco Zap’n’roll terá 5.0 de vida nas costas e é preciso priorizar outras coisas nesse momento. Como, por exemplo, publicar um livro com as melhores histórias já postadas aqui, em um blog que a cada novo post bate recordes de comentários e recomendações em redes sociais. E há bilhões de ótimas histórias. Ou seja: a lenda já está formada (e construída por muito álcool, sexo, drogas variadas, e situações de vida verdadeiramente absurdas e bizarras) e não é mais preciso continuar alimentando-a. Se, sem falsa modéstia, o sujeito aqui se tornou – como dizem – um dos jornalistas musicais mais conhecidos do Brasil nos últimos anos, é porque seu estilo de vida e seu comportamento ajudaram a construir essa fama. Não é preciso continuar sendo um doidão de plantão. Agora, é hora de fazer a “lenda” render algum (em termos de $$$) e de perpetuá-la em um bom livro. E novamente: sem moralismos. Estas linhas rocker bloggers concordam com um amigo – ateu, que não acredita na existência de um Deus ou de uma outra vida além da terrena – que sempre diz: “aproveite e faça tudo que tem que fazer e faça aqui, nesse mundo e enquanto você está vivo. Porque depois…”. De fato e vamos mais longe: a vida é muito curta. Nossos anos jovens, mais ainda. Então, quem estiver lendo o que estamos expondo aqui e ainda for jovem, aproveite meeeeesmo: trepe horrores, beba até cair, fume seu baseado (se estiver a fim), cheire seu pó (idem), viva a vida enfim. Porque mesmo que exista uma “outra” vida além dessa com certeza ali não haverá nem pintos, nem bocetas, nem fodas, nem álcool, nem drugs. Simples assim. Zap’n’roll fez quase tudo o que quis e não se arrepende de quase nada. Mas agora chega. Dorgas e loucuras são para jovens, não pra tiozões como o autor deste blog, rsrs. E neste post Zap’n’roll começa a desovar mais histórias incríveis da vida loka de jornalista gonzo. Como no dia em que enfrentou uma entrevista com o Cid Moreira (ex-âncora do Jornal Nacional) no Rio, ressacudo de cocaine. Isso em um post que também fala do novo disco dos Smashing Pumpkins e de toda a movimentação no mondo pop/rock esta semana. É isso: vida longa ao rock’n’roll! E sem caretice também, sempre!

 

* Indo direto ao ponto, ao que importa: o blog continua indo muito bem, obrigado. Enquanto a cachorrada fake histérica continua latindo nos comentários (sempre com ataques pessoais e morais grosseiros, provocações idiotas e infantis e mentiras bizarras ao cubo), estes batem recordes. No último post o painel dos leitores acusou “apenas” quarenta e dois comentários. Nada mal, néan? Assim o blogão zapper que está completando dez anos de existência online (entre sua fase coluna e o blog propriamente dito), não se furta em abrir seu lado, hã, comercial, hihi. A partir de agora bandas interessadas em anunciar neste espaço online podem entrar em contato pelo hfinatti@gmail.com . O preço é ultra camarada e o retorno é garantido, uia! Que o digam as gravadoras Pisces e ST2 e bandas amigas como Coyotes California e Doutor Jupter. Entre em contato e bora conversar sobre divulgar a sua banda, galere!

 

* Já que não é mais segredo pra ninguém, estas linhas zappers reproduzem o diálogo (por telefone e e-mail) travado há algumas semanas entre Zap’n’roll e um dos envolvidos na produção da edição deste ano do SWU. O blog: “E aí, beleza? Porra, como está o andamento da coisa? Já estamos no final de maio!”. O produtor: “Não dá pra falar nada ainda, estamos em cima de um monte de gente e… bom, fechamos uma fodaça já, 90% garantido, falta só assinar o contrato. Mas se eu te conto você põe no teu blog e aí me fode a vida”. O blog: “prometo segredo”. O produtor: “Ok, vou confiar em você. É o Soundgarden. E facilitou muito o fato de o Chris [Cornell, vocalista do grupo] ter se apresentado lá em Paulínia. Mas olha lá, hein!”.

O velho grunge do Soundgarden: prestes a ser confirmado como primeira atração do festival SWU 2012 

 

* O resto todo mundo já sabe. A confirmação do Soundgarden, como provável primeira grande atração do SWU 2012, já foi comentada até no telejornal “Leitura Dinâmica”, da Rede Tv!, esta semana. De modos que não precisamos mais nos preocupar em “guardar segredo” aqui. Por outro lado, o mesmo produtor também adiantou ao blog: “estamos novamente em cima do Cure. Também fomos atrás do Blur, mas os caras estão querendo acabar a banda novamente. Stone Roses? Você acha que vale a pena?”, foi a pergunta que estas linhas virtuais ouviram quando tocaram no nome do ressurrecto e lendário indie guitar inglês. Pois é…

 

* Falando nos Roses… mal voltaram e a “guerra” entre eles já começou novamente. A NME destacou o assunto esta semana, bem como mega portais brasileiros de notícias. Tudo muito “normal” quando se trata de Ian Brown e Cia: no show da última terça-feira em Amsterdã, na Holanda, quando o grupo se preparava para fazer o bis (tocando uma versão longa de “I Am The Ressurrection”), o batera Reni simplesmente não voltou pro palco. O show acabou ali mesmo e Ian, o vocalista, putíssimo xingou seu companheiro de banda. Mas é claaaaaro que, com os milhões de dólares envolvidos no retorno do conjunto e com uma renca de shows em mega festivais já agendados (e alguns deles com ingressos já esgotados), nem se cogita nesse momento falar em um novo rompimento nos Roses. Afinal, loucura tem limite, no?

Os Roses mal retornaram e já estão em guerra novamente

 

* Ou não: vejam o caso da nossa sempre querida e mega amada diva Vaconna, ops Velhonna. Quer dizer, Madonna! A ainda rainha maior do pop planetário (e que passa com sua nova turnê mundial pelo Brasil em dezembro) está simplesmente arrasando esta semana nas gigs da turnê MNDA. Em um show na Turquia, mostrou que ainda é uma mulher de peito (e como!), tirando uma das tetas pra fora. E anteontem, na Itália… vejam a pic aí embaixo, hihi. E quer saber: Zap’n’roll ainda comia a diva cinquentona, tranquilamente!

 Loiraça mega vacuda, mostrando a bundona e ainda em forma aos 53 de idade: Zap’n’roll comia com gosto, wow! (foto: Uol)

 

* E quem também causou alvoroço esta semana foi o grande diretor de cinema Oliver Stone. Que aparece na capa da mais recente edição da célebre revista americana High Times (especializada em temas relacionados à maconha) exatamente assim (veja aí embaixo): fumando um belo baseado. Mais um ponto pra revista e pra Stone. Apesar de sua declarada intenção de se aposentar das loucuras em grau elevado, quem disse que o blog encaretou? Nadica! Continuamos apoiando a liberação de absolutamente TODAS as drogas.

A capa da nova edição da High Times mostra o cineasta Oliver Stone com um senhor baseadão na boca. Ponto pra ele e pra revista! (foto: Uol)

* A GUERRA BILLY CORGAN X RADIOHEAD – pois entonces, o carecão que lidera há duas décadas o Smashing Pumpkins (cujo novo disco, “Oceania”, com lançamento previsto para o dia 19 de junho, acabou de cair na web), anda falando demais. Esta semana Billy soltou o verbo em entrevistas: chamou o Radiohead de “droga pomposa” e disse que prefere
Ritchie Blackmore (ex-guitarrista do Deep Purple e do Rainbow) a Jonny Greenwood (que toca guitarra no Radiohead). Vem cá: achar que Ritchie Blackmore é gênio é piada. O Deep Purple teve sua – relativa, não mais do que isso – importância dentro de um certo contexto do velhusco, mala, chato e pentelho classic rock setentista e só. Nada mais além disso, sendo que hoje o Deep Purple é o que todos sabem: um bando de geriatras vergonha alheia total e que continuam tocando por aí, pra arrancar ainda alguns trocos de fãs saudosistas e incautos. Rainbow? Sempre foi um sub Deep Purple, e da pior espécie. E sim, ok, tá certo que o próprio Radiohead (cuja obra-prima “Ok Computer” é melhor do que qualquer disco lançado pelo Purple ou pelo Rainbow) anda pisando no tomate há anos, sendo incapaz de lançar um disco realmente acachapante – mas ao vivo o grupo continua impecável. Mas e o Smashing Pumpkins? Tornou-se também um sub-arremedo do que um dia foi uma das melhores bandas do guitar rock dos anos 90’. O novo álbum, que já foi ouvido por estas linhas online (e cuja resenha você confere mais aí embaixo), só é um pouco melhor do que as drogas que Corgan andou gravando nos últimos tempos. Conclusão: o líder do SP não está em condições de julgar musicalmente ninguém hoje em dia. Muito menos o ainda grande Radiohead.

 Billy Corgan (com sua clássica t-shirt “Zero”, nos tempos de glória dos Smashing Pumpkins) andou xingando o Radiohead. O careca anda falando demais na opinião destas linhas zappers

 

* Você curte o arrogante e mala Moveis Coloniais de Acaju? O blog, não. Estas linhas rockers virtuais sempre consideraram o combo brasiliense superestimado demais. Talvez por isso mesmo a turma lá se ache, principalmente o vocalista André Gonzales. Bien vai daí que na última terça-feira, o grupo anunciou com estardalhaço (via sua assessoria de imprensa) que iria promver uma “serenata online” (através da Twicam da banda), em comemoração ao Dia dos Namorados. Pois poucas horas antes de a tal “serenata” acontecer, a mesma assessoria divulgou nota em caráter urgente informando que a mesma havia sido cancelada pelo grupo. O motivo oficial alegado para o cancelamento seria “problemas de saúde” do vocalista. Ahã…

 

* Ou seria, na verdade, o medo da banda por um provável fracasso de audiência online para a sua serenata? De qualquer forma, essa atitude mostra bem o enorme “respeito” com que o MCA trata seus pobres fãs. Lamentável…

 

* Ou como diria o personagem Zé Pequeno (do filme “Cidade de Deus”): “dia dos namorados é o caralho!”. Zap’n’roll, solteiríssimo que está, na verdade ruiu muito das matérias bregas e cafoníssimas que rolaram na mídia (impressa, eletrônica e online) na última terça-feira. E se é pra fazer uma “homenagem” aos “pombinhos apaixonados”, o blog prefere destacar estes dois vídeos aí embaixo. O primeiro, com a conhecidíssima “Hurt”, marca a despedida deste mundo do grande Johnny Cash, morto há quase uma década. Ele já velho, sabendo que iria morrer de complicações decorrentes de um diabete e sempre ao lado da sua inseparável June Carter, dá um show de interpretação nessa hoje clássica cover do Nine Inch Nails. Já o outro vídeo é para a música “Nescafé”, do gaúcho Apanhador Só, um dos grandes nomes da atual cena independente brazuca. Um delírio e primor de melancolia combinada com psicodelia sonora. Duas trilhas muuuuuito melhores do que qualquer serenata de Moveis toscos de Acaju, para embalar casais apaixoandos, uia!

Johnny Cash – “Hurt”

 

Apanhador Só – “Nescafé” 

 

* E bora ver como está o retorno, enfim, do Smashing Pumpkins.

 

 

SMASHING PUMPKINS VOLTA COM UM BOM DISCO, MAS ALGUÉM AINDA SE IMPORTA?
E lá vem Billy Corgan novamente, em mais uma reencarnação do seu Smashing Pumpkins. Bien, na verdade o cantor, compositor, guitarrista e principal mentor daquela que foi uma das maiores e mais bem sucedidas lendas do indie guitar rock americano dos anos 90’, nunca deixou o grupo de lado – mesmo no período entre 2000 e 2005 quando o SP estava oficialmente “extinto”. Nesse período, óbvio, Corgan continuou alimentando o mito em torno da banda. Voltou de fato com ela, soltou dois álbuns inexpressivos (“Zeitgeist”, em 2007; e “Teargarden by Kaleidyscope”, editado em 2009) e agora tenta a sorte novamente com este “Oceania”, programado pra chegar às lojas americanas no próximo dia 19 de junho, sendo que na web ele já está dando sopa, óbvio.

 

É, a rigor, o nono álbum de estúdio do conjunto em duas décadas de existência. E Billy Corgan trabalhou duro nele ao que parece, já que as gravações do mesmo se estenderam de abril a setembro do ano passado. Isso não significa que o resultado final tenha sido primoroso. Na real é muito difícil ouvir a banda hoje e não lembrar dos seus três primeiros e magistrais álbuns – “Gish” (a estréia fenomenal, em 1991), “Siamese Dream” (de 1993) e a obra-prima “Mellon Collie And The Infinite Sadness”, o disco duplo editado em 1995 e que alavancado pelos mega hits “1979”, “Zero” e “Tonight Tonight”, bateu na casa das vinte milhões de cópias vendidas e colocou o conjunto nos píncaros da glória do mondo rock planetário. A comparação será sempre inevitável e cruel: por mais que Corgan se esforce, ele jamais irá chegar novamente aos pés do que conseguiu em termos de envergadura musical e artística naqueles três primeiros trabalhos, quando além dele o grupo ostentava sua formação clássica (o também guitarrista James Iha, a baixista D’Arcy e o baterista monstro Jimmy Chamberlin). Apesar de Billy ser o eterno gênio pensante e “ditador” do conjunto, os outros três fazem falta ali e muito. A famosa “química” entre os quatro era perfeita.

 

Zap’n’roll ama devotadamente a banda em seu período de 1991 até o sombrio disco “Adore” (um álbum que Corgan gravou sob o peso da perda de sua mãe e também do fim do seu casamento), lançado em 1998 e quando o batera Jimmy Chamberlin tinha sido expulso do grupo por Corgan (após ter se envolvido em um caso de consumo de heroína em 1996, em um quarto de hotel em Nova York, em um epísódio que matou de overdose um tecladista que estava excursionando com a banda, como músico convidado). Nessa época o autor deste blog assistiu o grupo ao vivo no Brasil por duas vezes. A primeira em janeiro de 1996, na edição derradeira do festival Hollywood Rock, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, em uma noite de domingo. O SP estava no auge, havia lançado há poucos meses o fodaço “Mellon Collie…” e um público insano que lotou a pista do estádio (e, no meio dessa insanidade, o sujeito aqui) se acabou na gig do quarteto. Dois anos depois, na extinta casa de shows Olympia e na turnê de “Adore”, a banda já não era mais a mesma. Sem Iha e Chamberlin e com duas baterias (!) em cena, o SP fez um show pálido, já bem distante daquilo que os fãs haviam presenciado no começo de 1996 – em 2010 o conjunto esteve mais uma vez aqui, no festival Planeta Terra, mas aí o blog desencanou de vê-los ao vivo.

Capa do novo disco do SP: não chega a ser ruim, mas está longe de ser ótimo

 

Daí pra frente é o que se sabe: a formação do grupo mudou várias vezes, discos ruins foram lançados e veio o fim oficial, em 2000. Billy Corgan partiu para outros projetos, montou outra banda (a inexpressiva Zwan, que gravou apenas um disco), continuou compondo e gravando sozinho, começou a postar músicas na internet e resolveu, em 2005, reformar o velho Smashing Pumpkins. Editou mais dois discos sem muito brilho musical, anunciou que iria abandonar de vez o lançamento de músicas em plataformas físicas (e, por tabela, disse que a banda iria soltar aos poucos cerca de cinqüenta singles na web) até que, há algumas semanas, declarou à imprensa que o SP estava sim para lançar, inclusive em cd, seu novo álbum de estúdio.

 

O que nos leva a este longo (mais de sessenta minutos) “Oceania”. Se em seus primeiros trabalhos a sonoridade da banda era algo mezzo inclassificável (deambulando por rock de guitarras hard, grunge, psicodelia e até gothic rock), o que conferia a cada disco um estranhamento musical instigante e ultra bem-vindo, no novo álbum os procedimentos sonoros engendrados por Corgan já são por demais manjados. Há alternância de climas em algumas faixas, com a tradicional oscilação entre barulho e contemplação melódica. O disco até começa bem com “Quasar” (uma tentativa de reeditar “Cherub Rock”, que abria “Siamese Dream”) e “Panopticon”, ambas com guitarras trovejantes emoldurando o vocal ardido de Billy Corgan. A ambiência já muda em “The Celestials”, com a entrada em cena de violões e teclados e algumas cordas com certa dramaticidade. É a partir desse ponto que o cd começa a resvalar na mediocridade: “My Love Is Winter” parece feita de encomenda para ser trilha de algum filme que conta a história de um romance brega entre dois adolescentes bobos. Soa como se você estivesse ouvindo um Maroon 5 (!!!) mais “turbinado” por guitarras. E “One Diamond, One Heart” não consegue ser cafona apenas em seu título: a tecladeira com timbre de salão de baile de formatura de ensino médio, que se imiscui por toda a música, é um dos momentos mais constrangedores já concebidos pelo músico Billy Corgan.

 

Curiosamente a partir daí o trabalho começa a melhorar e ganha força com as mudanças de andamento e as nuances melancólicas da faixa-título. “Pale Horse”, em sua “tristeza quase infinita” é uma música curta e bonita, um dos melhores momentos de um disco que encerra bem com o retorno de guitarras mais ásperas em “The Chimera”, “Glissandra” e “Inkless”. Todas faixas mais curtas e sem grande complexidade melódica ou harmônica. E que denotam que Corgan acertou mais justamente quando simplificou mais as canções.

 

Mas a impressão que fica, ao final da audição de “Oceania”, é que a genialidade de Billy Corgan já está irremediavelmente gasta. Ela ficou lá atrás, nos primórdios do SP. E ainda que haja bons músicos acompanhando o vocalista atualmente (além de Billy participaram das gravações do disco o também guitarrista Jeff Schroeder, a baixista gostosona Nicole Fiorentino e o baterista Mike Byrne, que não chega aos pés de Jimmy Chamberlin nas criativas conduções rítmicas desenvolvidas pelo ex-batera do grupo), e que o novo álbum seja um pouco melhor do que os dois últimos discos de estúdio do conjunto, a pergunta que fica é: alguém ainda vai se importar com o Smashing Pumpkins daqui pra frente?

 

 

O TRACK LIST DE “OCEANIA”
1.”Quasar”
2.”Panopticon”
3.”The Celestials”
4.”Violet Rays”
5.”My Love Is Winter”
6.”One Diamond, One Heart”
7.”Pinwheels”
8.”Oceania”
9.”Pale Horse”
10.”The Chimera”
11.”Glissandra”
12.”Inkless”
13.”Wildflower”

 

 

SMASHING PUMPKINS AÍ EMBAIXO
Em três vídeos dos “bons tempos” de Billy Corgan e Cia: “Rocket”, “Tonight, Tonight” e a banda arrasando ao vivo no Hollywood Rock de 1996, no Rio De Janeiro, em “Bullet with Butterfly Wings”.

 

DIÁRIO SENTIMENTAL – UMA HISTÓRIA DO JORNALISMO ROCKER, GONZO E JUNKY, HIHI
Aaah… os tempos das despirocações noturnas em grau extremo. Das entrevistas realizadas (ou não, rsrs) sob efeito e/ou ressaca do consumo de algum aditivo, hã, proibido. A vida pessoal e profissional do autor destas linhas ainda anárquicas foi assim, nas últimas três décadas: uma sucessão de acontecimentos quase inacreditáveis. Momentos descaralhantes, invariavelmente movidos a consumo de dorgas, álcool e trepadas homéricas.

 

E como foi dito no início deste post, é chegada a hora de “aposentar” o lado loki e junky do sujeito aqui. A “lenda” do jornalismo rocker brazuca já está bem formada e não é preciso mais continuar alimentando-a. Mas é claaaaaro que o zapper não vai encaretar, jamais! E a partir deste post ele volta a desovar algumas histórias malucas (e algumas até bem hilárias) aqui, que marcaram a sua trajetória jornalística (e pessoal também, hehe). A que está relatada aí embaixo aconteceu nos anos 90’. E Zap’n’roll riu muito ao se lembrar dela esta semana. Leia e divirta-se!

 

* ENFRETANDO CID MOREIRA, RESSACUDO DE COCAINE – era começo de 1995 (ou final de 1994, a memória do blogger loker agora falhou um pouco, uia). Zap’n’roll trampava há um ano e meio num dos melhores empregos que já teve: repórter de música da poderosa (e finada, há séculos já) edição brasileira da revista Interview. Emprego dos sonhos de qualquer um: a revista era mensal e cada jornalista precisava desenvolver uma ou duas pautas por edição. A revista não vendia nada mas era luxuosa, descoladíssima, formadora de opinião, circulava onde importava e precisava (redações de outros mega veículos de mídia, agência de modelos e de publicidade etc, etc, etc.). O salário era bom. As festas envolvendo o lançamento de cada edição eram fodásticas (xoxotas prontas pra foder em profusão, champagne, whisky e… cocaine, claaaaaro). E boa parte da redação era maluca. Menos o editor-chefe, Luiz F. (hoje, segundo homem no comando da área editorial da Editora Três). Extremamente careta, corretíssimo ao cubo em suas funções e ótimo jornalista, Luiz sempre foi um dileto amigo do autor destas linhas online, embora sabedor que seu “pupilo” era um loki de carteirinha. Por conta disso, sempre o mantinha sob rédea curta.

 

Foi o que aconteceu quando o zapper se viu sem pauta para a edição seguinte da Interview. Escrever sobre o quê? “Vire-se!”, disse um belo dia Luiz F. pro repórter aflito, em sua sala. “E já sabe: se não tiver matéria, não tem salário mês que vem!”. Cruel. Pensa daqui, pesquisa dali, fuça acolá e então, numa bela tarde, toca o telefone na redação. Era a assessora de imprensa da também finada gravadora Continental. Ela: “Finatti, o Cid Moreira tá lançando seu novo cd de… salmos bíblicos. Você consegue emplacar uma entrevista com ele na Interview?”. Cid Moreira? Fazendo leitura de salmos bíblicos em cd??? Puta que pariu! Era dose. Ou nem tanto: Cid havia sido por séculos o âncora do Jornal Nacional (o principal telejornal da tv Globo), de onde havia saído havia pouco tempo. Era conhecidíssimo ainda, uma imagem presente no imaginário de 90% da população brasileira. Voilá! Era a salvação do mês. Lá foi Zap’n’roll falar com seu editor-chefe. Ele: “Só se o cara falar absolutamente todos os podres do jornalismo da Globo”. Missão difícil, mas não impossível. Telefonema de volta para a assessoria da gravadora: “Ok, entrevista confirmada. Quando pode ser?” A reportagem foi marcada para algum dia da semana na casa de Cid Moreira, às treze horas. Ele morava em um condomínio fechado no bairro nobre da Barra da Tijuca, no Rio De Janeiro. Data e horário acertados, era requisitar uma passagem de ponte-aérea na redação da Interview. E quando recebeu a dita cuja, o jornalista loker que detestava acordar cedo levou um susto: por que ele tinha que embarcar no vôo das OITO DA MANHÃ pro Rio (uma viagem de avião de quarenta e cinco minutos, apenas) se a entrevista seria somente a uma da tarde? De volta à sala do editor-chefe, onde se desenrolou um diálogo tenso. Zap’n’roll: “Eu não preciso sair daqui oito da manhã. Se eu pegar o vôo das onze horas, chego lá meio-dia, almoço e vou direto entrevistar o cara”. Luiz F.: “Negativo, Finatti. Eu te conheço muito bem e sei que você vai chegar na casa dele às três da tarde, se sair daqui às onze”. O zapper: “Não vou, não! Dá pra confiar em mim?”. Luiz F.: “Não, não dá. E preste atenção: eu QUERO você DENTRO do vôo das oito da manhã, ok? Se por um acaso você PERDER esse vôo, nem precisa aparecer mais aqui na redação, fui bem claro? Outra: sei que você detesta vestir roupa social. Mas você está indo entrevistar o Cid Moreira, não algum roqueiro porra-louca. Peça um terno emprestado a alguém, se for o caso, mas vá de terno, certo?”.

 

Certo. Não havia mais o que argumentar. A solução era ir embora pra casa, comer algo, descolar um terno com alguém (o jornalista ainda jovem, trintão, rabo-de-cavalo, rocker e tal, detestava mesmo vestir termo. Como não tinha a peça de vestuário, foi atrás de um. Conseguiu um em tons pastéis com seu velho amigo Giba) e dormir CEDO. Nessa época o autor destas linhas rockers online morava no Cambuci (zona sul de Sampa), no final da rua dos Lavapés, em um antigo e espaçoso apartamento de dois dormitórios (em um predinho aconchegante de três andares, com apenas dois apartamentos por andar) que ele dividia com o então amigão Luis Carlos Leite (na época, um dos fotógrafos mais conhecidos da redação do jornal FolhaSP, e também um junky notório, que amava reggae e viver chapado de marijuana). Naquela noite o jornalista emputecido chegou em casa por volta das onze horas. E quando ia entrar no prédio, deu de cara com o famoso “exú”. Quem? Alex, amigo boa praça do bairro, muito inteligente, muito politizado e tal e que adorava… meter a napa em cocaína. Alex estava esperando o zapper na porta do prédio, já bicudíssimo de padê. Quando o blogger chegou ele já foi avisando: “Eu tava te esperando. Tô com mais de cinco gramas aqui, muito boa!”. Não!!! Mil vezes não! Tendo que sair de casa às seis e meia da matina do dia seguinte pra pegar um vôo às sete no aeroporto de Congonhas, cocaine era tudo que o repórter da Interview NÃO queria naquela noite. “Escuta Alex, te adoro, você é um super brother mas hoje não. Eu tenho um compromisso seríssimo amanhã cedo e bla bla blá”, tentou argumentar o autor deste espaço virtual. “Ah, me acompanha só em uns risquinhos então, que eu vou embora daqui a pouco, prometo!”, rebateu Alex.

 Pode acreditar: o blogger loker enfrentou duas horas de entrevista com esse tiozão aí em cima, completamente ressacudo de uma mega noitada movida a devastação nasal, uia!

 

Resistência vencida, a dupla subiu pro apê. E começou a farra da devastação nasal. O pó era do bom, mesmo (nada a ver com as porqueiras que são vendidas hoje nas favelas de Sampalândia). As horas foram passando. A cocaine não acabava nunca. Quando o jornalista maluco olhou no relógio e viu que eram quatro da matina (!!!), soou o alarme em seu cérebro já completamente alucinado pelo pó branco. Bicudo e travando pra falar, disse ao seu amigo: “preciso beber algo alcoólico, urgente!”. Alex desceu, foi na loja de conveniência do posto que havia na esquina da avenida Lins de Vasconcelos, e voltou com uma sacola cheia de latas de cerveja. O padê, felizmente, estava acabando. E acabou… às cinco da manhã. O amigo do zapper se mandou e sobraram algumas brejas e uma travação monstro de cocaine. Como diria o querido Rica Pancita (do podcast “Comando Legal”), o jornalista gonzo ao cubo estava total “fritopan”, uia! O quê fazer, naquele estado de chapação cocainômana e tendo que sair daquele apartamento em uma hora e meia para ir pro aeroporto, pegar um vôo até o balneário e fazer uma entrevista com um velhote de setenta e tantos anos de idade, que estava lançando um cd de salmos? Não havia muito o que raciocinar (e o sujeito aqui, com o cérebro literalmente “derretido” por várias carreiras aspiradas, nem estava em condições de raciocinar algo): o loker junky tirou a roupa e foi tomar um banho quente. Ficou pelo menos meia hora embaixo do chuveiro, os olhos estalados e tentando “destravar” da coca. A duras penas conseguiu sair do chuveiro, se enxugar e trocar de roupa. Colocar o terno então (e tendo que dar nó na gravata), foi uma operação mais complexa do que vender geladeiras no Pólo Norte. Mas enfim arrumado e com um óculos escuro na fuça (pra esconder os olhos esbugalhados, óbvio), lá se foi Zap’n’roll. Desceu na porta do prédio e pegou o primeiro táxi que passou: “Toca pra Congonhas, estou atrasado”, foi tudo que o êmulo de Hunter Thompson conseguiu balbuciar pro taxista. Quando chegou ao aeroporto, começou a ressaca e o revertério da madrugada regada a padelança. Tudo irritava o jornalista fisicamente destruído: a espera na fila do chek-in, a tagarelagem dos outros passageiros (e sempre que você se encontra nesse estado, de ressaca pós-consumo de cocaína, sua paranóia sempre acha que todos estão falando algo relacionado a VOCÊ) etc. Enfim já dentro do avião, o autor destas linhas absurdas só pensava em beber algum destilado. Pediu à aeromoça: “Uma dose de whisky, por favor!” (naquela época, servia-se whisky na ponte aérea, pode acreditar). Ela: “sinto senhor, mas nos vôos da manhã só servimos café, leite, água e refrigerante. E isso depois que levantarmos vôo”.

 

Zap’n’roll não acreditava. Estava a ponto de enlouquecer e queria sumir dali, literalmente. Quando chegou ao Rio, já por volta das oito da manhã, “voou” pro primeiro bar do aeroporto Santos Dumont que pudesse lhe servir qualquer dose de qualquer destilado. Conseguiu tomar duas doses de whisky – em jejum, sem nada no estômago. Só aí a ressaca do pó começou a ceder. As horas foram passando, o estado do jornalista começou a melhorar e os olhos antes esbugalhados começaram a voltar ao normal – mas o inchaço e as olheiras denunciavam total que o gonzo maluquete não havia dormido nadica nas últimas vinte e quatro horas. Hora do almoço, finalmente: um lanche rápido (não havia fome, ainda) e toca pra Barra da Tijuca. O repórter chegou pontualmente a uma da tarde na casa de Cid Moreira. Foi recebido pela empregada: “o Sr. aguarde só um instante no escritório dele, que ele já vai descer”, disse ela. O zapper a essa altura já calmo e sendo tomado pelo sono e cansaço, esperou por cerca de quinze minutos (e foi observando o ambiente: tudo muito certinho, careta, com CDs de MPB e Roberto Carlos espalhados pela mesa). Até que foi recebido efusivamente pela voz grave e tonitroante de mr. Cid Moreira. Cumprimentos trocados, mini-gravador ligado (naquela época não existia i-Pod, MP-3, i-Phone, nada disso) e começou a entrevista. Duas looooongas horas de entrevista onde Cid Moreira pouco abriu o bico sobre os “podres” do jornalismo Global – embora tenha feito a hilária declaração de que, sim, na sua idade ele ainda “dava uma por dia na sua esposa”, wow!

 

Entrevista encerrada, o autor deste diário mais engraçado do que sentimental se mandou pra sucursal da Interview no Rio. Lá lhe foi providenciado um jantar. Em seguida, a volta pra Sampalândia no último vôo, o das dez e meia da noite. Zap’n’roll veio então confortavelmente relaxado em duas poltronas e tomando duas doses de whisky. Chegou em casa, no Cambuci, mais de meia-noite. Pensou em ir antes dar uma senhora foda na sua amiga e artista plástica Rosângela L., que morava perto de Congonhas (uma xotaça gaúcha deliciosa, trinta e dois anos de idade, boceta peluda, tetas empinadinhas, dois filhos, separada e que o jornalista taradón havia conhecido semanas antes no finado club Massivo. Os dois começaram a ter um affair e Rô fodia horrores, sempre avisando quando ia gozar, aos gritos: “tá vindo! Tá vindo! Mete, me fode!”), e com quem ele já havia dado algumas trepadas quando chegava de viagem em Congonhas. Mas naquela noite foi impossível. O zapper foi direto pro seu apê e desabou de terno mesmo na cama, quando chegou. No final das contas, deu tudo certo. Felizmente. E o querido ex-chefe Luiz F. nunca ficou sabendo que seu dileto repórter enfrentou Cid Moreira ressacudo de cocaine, hihihi.

 

* No próximo post: o dia em que o blog deu um  “balão” em uma entrevista com o gênio Tom Zé, também por causa de cocaine, uia! Aguardem!

 

 

O BLOGÃO ZAPPER INDICA
* Disco: “Banga” é o décimo primeiro álbum de estúdio da lenda Patti Smith. E o primeiro disco de inéditas da cantora e poetisa norte-americana em sete anos. Pois trata-se de um dos grandes lançamentos da temporada: a cantora, compositora, ativista social e política chega aos sessenta e cinco anos de idade em plena forma e entrega um disco forte, intenso, emotivo e melancólico aos fãs, onde ela exibe seu olhar reflexivo sobre o mundo atual, esse planeta tão desagregado não apenas social e politicamente, mas também no âmbito ecológico. Há participações de Johnny Depp (na faixa-título), homenagens a Neil Young e Amy Winehouse e faixas lindíssimas por todo o cd, que foi muito bem esmiuçado pelo chapa Dum DeLucca em seu blog Jukebox, lá no portal Dynamite (WWW.dynamite.com.br). Pode ir atrás correndo, mesmo porque “Banga” já está dando sopa na web.

“Banga”, o novo álbum de Patti Smith: discão! 

 

* Web rádio: quer ouvir uma rádio online alternativa bacanésima e ainda ficar por dentro de toda a movimentação rocker no extremo Norte brasileiro? É só ir até a Manifesto Norte. Pilotada pelo jornalista (e mega brother zapper) de Manaus, Sandro Correia, a Manifesto entrou há pouco no ar e já está causando estragos na internet, com uma programação ininterrupta dedicada quase que totalmente às novas bandas indies nacionais. Acesse lá e boa audição: http://www.manifestonorte.com/ .

 

* Baladaças! Yes!!! E começam cedo esta semana, no? Hoje já é quinta-feira em si e se você já está disposto a ir pra “naite”, a pedida é a festa “Loucuras” lá na Loca (rua Frei Caneca, 916, Consolação, centro de Sampa), sob o comando do super DJ André Pomba. E tem também showzaço do esporrento trio Zefirina Bomba lá no Astronete (que fica na rua Augusta, 335, centrão rocker de Sampa).///Sextona, mais conhecida como amanhã? Vai que tem: mais uma edição da festa Blue Room no Espaço Cultural Walden (que fica na praça da República, 119, centro de São Paulo), pilotada pelo pessoal rocker do Itaim Paulista (integrantes do graaaaande The Concept). E a volta do DJ Márcio Custódio à noite under rocker paulistana, na estréia da festa PopKiss no bar Lebowski (que fica na rua Barra Funda, 1070, Barra Funda, zona oeste paulistana).///E no sabadão tem mais uma edição da festa anos 80’ “Pop&Wave” no Inferno Club (lá no 501 da rua Augusta), com especial do Duran Duran na DJ set. Ah sim, apenas já avisando: no próximo dia 30 de junho tem a mega DJ set mensal do blog na Outs (lá no 486 da Augusta). E este mês a parada vai lá vai ser demolidora, pode esperar! Então é isso: capricha na montagem do visu rock’n’roll e caia com tudo na esbórnia.

 

 

E VEM QUE TEM! TICKETS FREE PRO SHOW DO RADIO DEPT!
Yeah! O blogão campeão em promos mega bacanas não iria deixar seu amado, fiel e dileto leitorado na mão, né?

 

Então fechamos parceria bacana com a produtora Playbook, e estamos colocando na roda através do hfinatti@gmail.com:

 

* DOIS PARES DE INGRESSOS pro showzaço que o grupo indie dream pop sueco The Radio Dept. faz no Brasil, no começo de julho. A saber: um par para o show em Sampa, dia 6, no sempre bacana Beco203. E outro par pro show no Rio De Janeiro, dia 8, no Teatro Odisséia. Tá dentro? Então comece a enviar suas mensagens desesperadas pedindo pelos tickets e torça!

 Os suecos do The Radio Dept.: shows no Brasil no começo de julho, com promo de ingressos free aqui no blogão zapper. Vai perder?

 

E yep, o blog não esqueceu da outra promo em sorteio, a que tem um kit da ST2 com DVDs (Stones, Primal Scream) e o novo cd dos Forgotten Boys. Guenta mais um pouco aê que logo desovamos o vencedor (ou vencedora) dessa promo, okays?

 

 

UFA! CHEGA NÉ?
Postaço mega, recuperando o pique do blog mais legal da web brasileira quando o assunto é rock alternativo, cultura pop e insanidades variadas, hehe. Este post comentando o novo álbum do Smashing Pumpkins vai dedicado pra turma do The Concept (Wagner, Robson, Augusto, André). E o blogão zapper se vai deixando beijos quentes na Ana Paula de Lima, na Samara Noronha, na Bruna Viana e na gatíssima portenha Camila Valente, wow! Semana que vem tem mais. Até lá!

 

(atualizado por Finatti em 15/06/2012, às 21hs.)